Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa Amaral B.P

#1 - Pathogenesis of Bovine alphaherpesvirus 2 in calves following different routes of inoculation

Abstract in English:

Bovine alphaherpesvirus 2 (BoHV-2) is the agent of herpetic mammilitis (BHM), a cutaneous and self-limiting disease affecting the udder and teats of cows. The pathogenesis of BoHV-2 is pourly understood, hampering the development of therapeutic drugs, vaccines and other control measures. This study investigated the pathogenesis of BoHV-2 in calves after inoculation through different routes. Three- to four-months seronegative calves were inoculated with BoHV-2 (107TCID50.mL-1) intramuscular (IM, n=4), intravenous (IV, n=4) or transdermal (TD) after mild scarification (n=4) and submitted to virological, clinical and serological monitoring. Calves inoculated by the IV route presented as light increase in body temperature between days 6 to 9 post-inoculation (pi). Virus inoculation by the TD route resulted in mild inflammatory lesions at the sites of inoculation, characterized by hyperemia, small vesicles, mild exudation and scab formation, between days 2 and 8pi. Virus or viral DNA was detected by PCR in the crusts/swabs collected from lesions of 3 out of 4 animals inoculated TD from day 2 to 8pi. Viremia was detected in 3/4 animals of the IM group (from day 4 to 8pi); in 2/4 animals of the IV group (days 6 and 8pi) but not in the TD group. Calves from all inoculated groups seroconverted to BoHV-2 in titers from 4 to 64, as indicated by virus-neutralizing (VN) assays performed in sera collected at day 15pi. Administration of dexamethasone (Dex) to the inoculated calves at day 48pi, did not result in virus reactivation as indicated by lack of virus detection in the blood and/or in inoculation sites and no increase in VN antibody titers. These results demonstrated that BoHV-2 was able to replicate efficiently in calves following different routes of exposure, produced viremia after IM and IV inoculation and was not reactivated by Dex treatment.

Abstract in Portuguese:

O alfaherpesvírus bovino 2 (BoHV-2) é um agente etiológico da mamilite herpética (BHM), uma doença cutânea e autolimitante do úbere e tetos de vacas. Pouco se sabe sobre a patogênese do BoHV-2, dificultando o desenvolvimento de medicamentos terapêuticos e vacinas. Este estudo investigou a patogênese do BoHV-2 em bezerros após a inoculação por diferentes vias. Bezerros soronegativos de três a quatro meses foram inoculados com BoHV-2 (107TCID50.mL-1) por via intramuscular (IM, n=4), por via intravenosa (IV, n=4) ou transdérmica (TD, n=4) após escarificação leve e submetidos a monitoramento virológico, clínico e sorológico. Os bezerros inoculados pela via IV apresentaram aumento leve da temperatura corporal entre os dias 6 a 9 pós-inoculação (pi). A inoculação do vírus pela via TD resultou em lesões inflamatórias leves nos locais de inoculação, caracterizadas por hiperemia, pequenas vesículas, exsudação leve e formação de crostas, entre os dias 2 e 8pi. O vírus ou DNA viral foi detectado por PCR nas crostas/swabs coletados de lesões de 3 de 4 animais inoculados TD do dia 2 ao 8pi. Viremia foi detectada em 3/4 dos animais do grupo IM (do dia 4 ao 8pi); em 2/4 animais do grupo IV (dias 6 e 8pi), mas não no grupo TD. Bezerros de todos os grupos inoculados soroconverteram o BoHV-2 em títulos de 4 a 64, conforme indicado por ensaios de vírus-neutralização (VN) realizados em soro coletado no dia 15pi. Administração de dexametasona (Dex) nos bezerros inoculados no dia 48pi, não resultou em reativação do vírus, como indicado pela falta de detecção de vírus no sangue e/ou nos locais de inoculação e pela ausência de aumento nos títulos de anticorpos. Estes resultados demonstraram que o BoHV-2 foi capaz de replicar eficientemente em bezerros seguindo diferentes vias de inoculação, produziu viremia após a inoculação IM e IV e não foi reativado pelo tratamento com Dex.


#2 - Ganciclovir attenuates the respiratory disease induced by Equid alphaherpesvirus 1 in rabbits

Abstract in English:

Equid alphaherpesvirus 1 (EHV-1) is an important pathogen of horses, associated with respiratory, neurological disease and abortions. As vaccination is not always effective, anti‑herpetic therapy may represent an alternative to prevent the losses caused by the infection. We herein investigated the activity of ganciclovir (GCV), an anti-herpetic human drug, in rabbits experimentally infected with EHV-1. Thirty-days-old New Zealand rabbits were allocated in three groups (6 animals each) and submitted to different treatments: G1 (non-infected controls), G2 (inoculated with EHV-1) - 107 TCID50 intranasally - IN) and G3 (inoculated IN with EHV-1 and treated with GCV - 5mg/kg/day for 7 days) and monitored thereafter. All animals of G2 developed systemic signs (moderate to severe apathy, anorexia), ocular discharge and respiratory signs (serous to mucopurulent nasal discharge), including mild to severe respiratory distress. Viremia was detected in all rabbits of G2 for up to 11 days (mean duration = 6.5 days). One animal died after severe respiratory distress and neurological signs (bruxism, opistotonus). In addition, these animals gained less weight than the control (G1) and GCV-treated rabbits (G3) from days 4 to 14pi (p<0.05). The clinical score of rabbits of G2 was statistically higher than the other groups from days 3 to 6pi (p<0.05), demonstrating a more severe disease. In contrast, G3 rabbits did not present systemic signs, presented only a mild and transient nasal secretion and gained more weight than G2 animals (p<0.05). In addition, viremia was detected in only 3 rabbits and was transient (average of 2.3 days). Thus, administration of GCV to rabbits inoculated IN with EHV-1 resulted in an important attenuation of the clinical disease as demonstrated by full prevention of systemic signs, maintenance of weight gain and by drastic reduction in viremia and in the magnitude of respiratory signs. These results are promising towards further testing of GCV as a potential drug for anti-herpetic therapy in horses.

Abstract in Portuguese:

O alfaherpesvírus equino 1 (EHV-1) é um importante patógeno de equinos, associado com doença respiratória, neurológica e abortos. Como a vacinação nem sempre é eficaz, a terapia anti-herpética pode representar uma alternativa para prevenir as perdas causadas pela infecção. Para tal, investigou-se a atividade do ganciclovir (GCV), uma droga anti-herpética de uso humano, em coelhos infectados experimentalmente com o EHV-1. Coelhos da raça Nova Zelândia com 30 dias de idade foram alocados em três grupos (6 animais cada) e submetidos a diferentes tratamentos: G1 (controles não infectados), G2 (inoculados com o EHV-1) - 107 TCID50 intranasal - IN) e G3 (inoculados IN com o EHV-1 e tratados com GCV - 5mg/kg/dia por 7 dias), e monitorados posteriormente. Todos os animais do G2 desenvolveram sinais sistêmicos (apatia moderada a grave, anorexia), secreção ocular e sinais respiratórios (secreção nasal serosa a mucopurulenta), incluindo dificuldade respiratória leve a grave. Viremia foi detectada em todos os coelhos do G2 por até 11 dias (duração média = 6,5 dias). Um animal morreu após dificuldade respiratória grave e sinais neurológicos (bruxismo, opistótono). Além disso, esses animais ganharam menos peso que os coelhos controle (G1) e tratados com GCV (G3) entre os dias 4 e 14pi (p<0,05). O escore clínico de coelhos do G2 foi estatisticamente maior que os demais grupos dos dias 3 a 6pi (p<0,05), demonstrando uma doença mais grave. Em contraste, os coelhos do G3 não apresentaram sinais sistêmicos, apresentaram apenas secreção nasal leve e transiente e ganharam mais peso que os animais do G2 (p<0,05). Além disso, a viremia foi detectada em apenas 3 coelhos e foi transitória (média de 2,3 dias). Assim, a administração de GCV a coelhos inoculados com EHV-1 resultou em uma importante atenuação da doença clínica, como demonstrado pela prevenção completa de sinais sistêmicos, manutenção do ganho de peso e pela redução drástica da viremia e da magnitude dos sinais respiratórios. Estes resultados são promissores para testes adicionais com o GCV para potencial terapêutico anti-herpética em equinos.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV