Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa Ambrosini F

#1 - Sedative and electrocardiographic effects of low dose dexmedetomidine in healthy cats

Abstract in English:

In feline veterinary practice sedation is often needed to perform diagnostic or minimally invasive procedures, minimize stress, and facilitate handling. The mortality rate of cats undergoing sedation is significantly higher than dogs, so it is fundamental that the sedatives provide good cardiovascular stability. Dexmedetomidine (DEX) is an α2-adrenergic receptor agonist utilized in cats to provide sedation and analgesia, although studies have been utilized high doses, and markedly hemodynamic impairments were reported. The aim of this study was to prospectively investigate how the sedative and electrocardiographic effects of a low dose of DEX performing in cats. Eleven healthy cats were recruited; baseline sedative score, systolic arterial pressure, electrocardiography, and vasovagal tonus index (VVTI) were assessed, and repeated after ten minutes of DEX 5µg/kg intramuscularly (IM). A smooth sedation was noticed, and emesis and sialorrhea were common adverse effects, observed on average seven minutes after IM injection. Furthermore, electrocardiographic effects of a low dose of DEX mainly include decreases on heart rate, and increases on T-wave amplitude. The augmentation on VVTI and appearance of respiratory sinus arrhythmia, as well as sinus bradycardia in some cats, suggesting that DEX enhances parasympathetic tonus in healthy cats, and therefore will be best avoid in patients at risk for bradycardia.

Abstract in Portuguese:

Na rotina clínica da medicina veterinária felina a sedação é frequentemente requerida para realização de procedimentos diagnósticos ou minimamente invasivos, para minimizar o estresse e facilitar o manuseio dos pacientes. A taxa de mortalidade de gatos submetidos à sedação é mais elevada do que em cães, por esse motivo, é fundamental que os sedativos confiram estabilidade hemodinâmica. A dexmedetomidina (DEX) é um α2-agonista utilizado em felinos para promover sedação e analgesia, porém os estudos têm utilizado doses elevadas, e com isso prejuízos hemodinâmicos importantes foram relatados. O objetivo desta investigação foi avaliar os efeitos sedativos e eletrocardiográficos da baixa dose de DEX em gatos. Para tal, onze felinos saudáveis foram recrutados, foram obtidos valores basais para escore de sedação, pressão arterial sistólica e eletrocardiografia, além do índice de tônus vaso vagal (ITVV). Após dez minutos da aplicação intramuscular (IM) de DEX 5µg/kg todos os exames foram repetidos. Após a DEX, sedação suave foi detectada, e a êmese e sialorreia foram efeitos adversos comuns, observados em média 7 minutos após a injeção IM. Ademais, os principais efeitos eletrocardiográficos foram redução na frequência cardíaca e aumento na amplitude da onda T. O ITVV mais elevado e surgimento de arritmia sinusal respiratória, bem como bradicardia sinusal em alguns gatos, sugerem que a DEX eleva o tônus parassimpático, e por esse motivo deve ser utilizada com cautela em pacientes com predisposição à bradicardia.


#2 - Pythiosis in sheep from Paraná, southern Brazil, 35(6):513-517

Abstract in English:

ABSTRACT.- Bernardo F.D., Conhizak C., Ambrosini F., Jesus F.P.K., Santurio J.M., Kommers G.D., Elias F. & Franciscato C. 2015. Pythiosis in sheep from Paraná, southern Brazil. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(6):513-517. Curso de Medicina Veterinária, Universidade Federal da Fronteira Sul, Av. Edmundo Gaievski 1000, Realeza, PR 85770-000, Brazil. E-mail: carinafranciscato@yahoo.com.br This paper reports pythiosis in a sheep from southwestern Paraná, Brazil, confirmed by indirect ELISA (Enzime-Linked Immunosorbent Assay) and immunohistochemistry, as well as it describes the macro and microscopic injuries, in order to understand the pathogenicity. A 4-year-old ewe from a flock of 30 Santa Inês sheep, raised semi-extensively with access to a weir, showed cachexia, bilateral enlargement in nasal region, a serous and bloody secretion with a fetid odor from its nose and swollen submandibular and retropharyngeal lymph nodes. Blood collection was performed trough jugular vein puncture in order to make complete blood cell count (CBC) and to obtain serum for the subsequent serological examination. As the hematological counts were within the normal range for sheep, the animal was euthanized and submitted to necropsy. Indirect ELISA resulted positive for pythiosis. Necropsy revealed necrosis of the hard palate with a diameter of 3.5cm and extending up to the nasal cavity, forming a fistula. Submandibular and retropharyngeal lymph nodes were enlarged and edematous on section. Microscopic findings for submandibular and retropharyngeal lymph nodes consisted in moderate infiltration of eosinophils mainly in the subcapsular sinus, characterizing reactive eosinophilic lymphadenitis. The nasal cavity revealed rhinitis and oral cavity stomatitis with necro-eosinophilic and pronounced multifocal granulomatous infiltration and presence of hyphae. Hyphae found in palate and nasal cavity were positive for Pythium insidiosum by Grocott’s method and immunohistochemistry, the last one considered to be confirmatory for the pathogen diagnostic. This report has an important epidemiological aspect, as it is the first case of pythiosis in sheep confirmed by serology in South Brazil and an alert of possible infection by the pathogen in floodplains.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Bernardo F.D., Conhizak C., Ambrosini F., Jesus F.P.K., Santurio J.M., Kommers G.D., Elias F. & Franciscato C. 2015. Pythiosis in sheep from Paraná, southern Brazil. [Pitiose em ovinos no Paraná, Sul do Brasil.] Pesquisa Veterinária Brasileira 35(6):513-517. Curso de Medicina Veterinária, Universidade Federal da Fronteira Sul, Av. Edmundo Gaievski 1000, Realeza, PR 85770-000, Brazil. E-mail: carinafranciscato@yahoo.com.br Este trabalho tem como objetivo descrever um caso de pitiose confirmado por ELISA (Enzime-Linked Immunosorbent Assay) indireto e imuno-histoquímica em uma ovelha do sudoeste do Paraná, Brasil, bem como suas lesões macro e microscópicas, a fim de compreender a sua patogenicidade. Trata-se de um ovino, fêmea, de 4 anos de idade, de um rebanho de 30 animais, da raça Santa Inês, criados em sistema semiextensivo, com acesso à um açude. O animal vinha apresentando aumento de volume na região do focinho, associado a emagrecimento progressivo. No exame físico apresentou-se caquético, com aumento de volume bilateral na região nasal, e com uma secreção serosanguinolenta de odor fétido fluindo das narinas, além de possuir os linfonodos submandibulares e retrofaríngeos bilateralmente infartados. Foi realizada coleta de sangue por punção da veia jugular para realização do hemograma e obtenção do soro para posterior realização de exame sorológico. Sendo que todos os parâmetros hematológicos analisados estavam dentro dos valores normais para a espécie. Após a realização do exame clínico e da coleta de sangue, o animal foi eutanasiado e procedeu-se a necropsia. Através do Teste de ELISA indireto, a amostra apresentou resultado positivo para pitiose. Na ocasião da necropsia pode-se verificar uma área necrosada de aproximadamente 3,5 cm de diâmetro no palato duro, a qual se estendeu até o assoalho da cavidade nasal formando uma fístula. Os linfonodos submandibulares e retrofaríngeos estavam aumentados de volume e ao corte edematosos. Os achados microscópicos dos linfonodos submandibulares e retrofaríngeos consistiram de quantidade moderada de eosinófilos, principalmente nos seios subcapsulares caracterizando uma linfadenite eosinofílica (reativa). Na cavidade nasal e oral, observou-se, respectivamente, rinite e estomatite necro-eosinofílica e granulomatosa multifocal acentuada associada a hifas intralesionais. As hifas encontradas no palato e na cavidade nasal foram Grocott-positivas e positivas pela técnica de imuno-histoquímica para Pythium insidiosum, esta última técnica também foi considerada confirmatória para o diagnóstico do agente. Este relato possui impacto epidemiológico por ser o primeiro caso de pitiose sorologicamente confirmado na espécie ovina na região Sul do Brasil e também, serve de alerta para a população, principalmente do meio rural, visto a possibilidade de infecção com o agente quando em contato com áreas alagadiças.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV