Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa Amorim M.J.A.A.L

#1 - Macroscopic morphological aspects, ecometry and rebound tonometry of the eye bulb in sloth (Bradypus variegatus)

Abstract in English:

The field related to the visual system of wild animals is deeply scarce. Settling anatomical and physiological parameters for these animals is still a descriptive vision for Bradypus variegatus (Schinz, 1825). Thus, our research aimed to determine patterns of normal eye for this species. For this purpose, eight eye bulbs were dissected from the carcasses obtained by natural death, and then performed an overview of ocular anatomical. Rebound tonometry (RBT) and ocular B-mode ultrasonography were also applied for eight eyes in four animals from “Parque Estadual Dois Irmãos”, situated in the city of Recife, state of Pernambuco (PE), to estimate the intraocular pressure and ocular ecobiometry. The ocular morphology of sloth is similar as described for other species, however, with some peculiarities. They present a third eyelid emerging in the nasal region of the inferior conjunctival sac and retina and also contain little differentiated blood vessels. Medium the intraocular pressure (IOP) was 4.25mmHg with no difference for both eyes. Ultrasonography of ocular anatomy is also similar regarding other species. Ecobiometric patterns were evaluated to determine the anterior chamber depth, lens width, vitreous chamber depth, and axial length (AL) of ocular globe and the averaged as shown 0.63±1.11mm, 3.73±0.24mm, 6.15±0.41mm, 3.70±0.27mm, and 8.48±0.22mm, respectively. There was no difference between the right and left eyes. The RBT and ocular B-mode ultrasonography are fast exams and easy for animal testing. This study contributed to the characterization of ocular anatomy as well as settling medium values of IOP and intraocular measures; however, further research on physiology and histology is necessary to better understand the visual function of the species.

Abstract in Portuguese:

O campo de estudo relacionado ao sistema visual de animais silvestres é muito escasso. Estabelecer parâmetros anatômicos e fisiológicos para estes animais ainda está restrito a uma visão descritiva, assim ocorre em Bradypus variegatus (Schinz, 1825). Diante deste fato, objetivou-se com este estudo determinar padrões de normalidade oftálmica nesta espécie. Para isto foram dissecados oito bulbos oculares de cadáveres obtidos por morte natural e realizada a descrição anatômica ocular. Além disso, foram realizadas tonometria de rebote (TonoVet®) e ultrassonografia em modo B em oito olhos de quatro animais provenientes do Parque Estadual Dois Irmãos, Recife/PE, para avaliação da pressão intraocular e realização da ecobiometria ocular. A anatomia ocular do bicho-preguiça é semelhante à descrita para outras espécies com algumas particularidades. Apresentam uma terceira pálpebra emergindo na região nasal do saco conjuntival inferior e retina com vasos sanguíneos pouco diferenciados. A pressão intraocular média foi de 4,25mmHg não havendo diferença entre os olhos direito e esquerdo. A anatomia ocular ultrassonográfica é semelhante à encontrada para outras espécies. Os padrões ecobiométricos obtidos foram: profundidade da câmara anterior, espessura do cristalino, diâmetro do cristalino, profundidade da câmara vítrea e comprimento axial do bubo ocular com tamanhos médios de 0,63±1,11mm, 3,73±0,24mm, 6,15±0,41mm, 3,70±0,27mm e 8,48±0,22mm, respectivamente. Não houve diferença entre os olhos direito e esquerdo. A tonometria de rebote e a ultrassonografia ocular em modo B são exames de rápida e fácil execução, sendo bem tolerados pelos animais. Este estudo contribuiu para a caracterização anatômica ocular e para o estabelecimento de valores médios da pressão intraocular e das medidas intraoculares, no entanto são necessárias outras pesquisas na área da fisiologia e histologia para melhor compreensão da função visual da espécie.


#2 - Morphological analysis of gonads of sloth (Bradypus variegatus Schinz, 1825), 33(9):1130-1136

Abstract in English:

ABSTRACT.- Barretto M.L.M., Amorim M.J.A.A.L. & Falcão M.V.D. 2013. [Morphological analysis of gonads of sloth (Bradypus variegatus Schinz, 1825).] Análise morfológica das gônadas de preguiça (Bradypus variegatus Schinz, 1825). Pesquisa Veterinária Brasileira 33(9):1130-1136. Área de Anatomia, Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Rua Dom Manoel de Medeiros s/n, Dois Irmãos, Recife, PE 52171-900, Brazil. E-mail: mariana.lumack@gmail.com The sloth can be zoologically designated as a mammal from class Eutheria, order Edentata, suborder Xenarthra and family Bradypodidae. The genus Bradypus is constituted by three different species: B. tridactylus, restricted to the Amazon region, B. variegatus, widely distributed through Central and South Americas, and B. torquatus, the only in serious danger of extinction. There’s a need to investigate more deeply the B. variegatus, to effectivelly contribute to the literature of wild species’ anatomy, besides search for more informations about the anatomy of the reproductive system of the sloth (Bradypus variegatus Schinz, 1825) and so, apply the new knowledge into the preservation of this species. We used four males and three females individuals, from the species’ bank of the Anatomy Area, Department of Animal Morphology and Physiology, Federal Rural University of Pernambuco (DMFA/UFRPE) which were dissected and we evidenced the gonads’ vascularization, as well as its localizations, morphological aspects and morphometric data of the analyzed testicles and ovaries. As results, it was seen that the male has internal testicles, connected to the adrenal glands by a ligament of peritoneum. The vascularization is not made by a pampiniform plexus, but by one testicular artery and vein. The testicles have, in average, volume equals to 1.42 cm³; thickness, width and length, respectively equals to 0.98, 1.23 and 1.45 cm. The ovaries are also inside the intra-abdominal space, above the uterus, protected by an ovarian bursa, consistuted by mesovary and mesosalpinx. The vascularization is made by an arteriovenous plexus, which irrigates and drains the uterus, and its ramifications over the uterine wall reaches the ovaries. The ovaries have, in average, thickness, width and length, respectively equals to 0.37, 0.73 and 0.62 cm.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Barretto M.L.M., Amorim M.J.A.A.L. & Falcão M.V.D. 2013. [Morphological analysis of gonads of sloth (Bradypus variegatus Schinz, 1825).] Análise morfológica das gônadas de preguiça (Bradypus variegatus Schinz, 1825). Pesquisa Veterinária Brasileira 33(9):1130-1136. Área de Anatomia, Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Rua Dom Manoel de Medeiros s/n, Dois Irmãos, Recife, PE 52171-900, Brazil. E-mail: mariana.lumack@gmail.com A preguiça pode ser designada, zoologicamente, como um mamífero da classe Eutheria, ordem Edentata, subordem Xenarthra e família Bradypodidae. O gênero Bradypus é constituído de três espécies distintas: a preguiça-de-bentinho (B. tridactylus), restrita à região amazônica; a preguiça-comum (B. variegatus), de ampla distribuição, ocorrendo nas Américas Central e do Sul e a preguiça-de-coleira (B. torquatus), única seriamente ameaçada de extinção. Percebe-se a necessidade de uma investigação mais aprofundada sobre a espécie B. variegatus, a fim de contribuir de forma efetiva com a elaboração de tratados de anatomia da fauna silvestre, além de buscar mais informações sobre a anatomia do sistema reprodutor do bicho preguiça (Bradypus variegatus Schinz, 1825) e, desta forma, aplicar os novos conhecimentos na sua preservação. Utilizamos quatro indivíduos machos e três fêmeas, pertencentes ao banco de espécies da Área de Anatomia do Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal da Universidade Federal Rural de Pernambuco (DMFA/UFRPE), as quais foram dissecados e evidenciamos a vascularização das gônadas, bem como suas localizações e aspectos morfológicos e morfométricos dos testículos e ovários. Como resultados, observou-se que o macho possui testículos localizados no interior do espaço intraabdominal, ligados às glândulas adrenais por um ligamento de peritônio. A vascularização não é feita por um plexo pampiniforme, mas por uma artéria e uma veia testicular. Os testículos possuem, em média, volume igual a 1,42cm³ e espessura, largura e comprimento, respectivamente iguais a 0,98, 1,23 e 1,45cm. Os ovários também estão no interior do espaço intra-abdominal, no fundo do útero, protegidos por uma bolsa ovariana, composta por mesovário e mesossalpinge. A vascularização é realizada por um plexo arteriovenoso que irriga e drena o útero, e suas ramificações na parede uterina atingem os ovários. Os ovários possuem, em média, espessura, largura e comprimento, respectivamente iguais a 0,37, 0,73 e 0,62 cm.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV