Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa Amude A.M

#1 - Medical therapy using omeprazole in 12 hydrocephalic dogs: clinical, diagnostic, and therapeutic findings

Abstract in English:

According to experimental studies with healthy dogs, omeprazole might decrease the CSF production by about 26%; therefore, book texts have been suggested the usage of omeprazole in medical protocols for hydrocephalus treatment. However, to the best knowledge of the authors, the usage and medical response of the omeprazole with substantial group of illness dogs, such as hydrocephalic animals, was lacking. This report describes clinical, diagnostic, and therapeutic findings in 12 dogs with hydrocephalus in which omeprazole were used for medical treatment. The diagnosis of hydrocephalus was accomplished by transcranial sonography (TCS) and/or computed tomography. The ventricular measurement was assessed periodically by TCS during medical treatment. Six dogs were diagnosed with non-obstrutive hydrocephalus and in the other 6 cases hydrocephalus occurred with other concomitant anomalous encephalic disease often related with obstructive hysdrocephalus, such as quadrigeminal cist, arachnoid cyst, chiary-like malformation, and syringomyelia. All of them had medical improvement after the use of omeprazole and the most of the cases had ventricular size reduction. In 10 dogs, the omeprazole was used as single drug, and in 2 dogs medical treatment with steroids and/or diuretics was previously being performed, and omeprazole was added because conventional treatment was resulting in mild to unsatisfactory medical control of the neurological status. The results of this paper shown that omeprazole may be used to ameliorate the neurological status in symptomatic hydrocephalic dogs. This work may represent the first description about the use of omeprazole in order to treat a substantial group of affected dogs with suspected increased intracranial pressure by hydrocephalus, probably due to limitation of CSF production.

Abstract in Portuguese:

O omeprazol diminui a produção do fluido cerebrospinal (FCE) por cerca de 26% de acordo com estudos experimentais em cães saudáveis. Segundo o conhecimento dos autores, embora utilizado na prática clínica e recomendado em livros textos, não há até o momento estudos clínicos em um grupo substancial de animais avaliando a resposta terapêutica ao uso do omeprazol em pacientes enfermos, tais como cães hidrocefálicos sintomáticos. Este trabalho descreve os achados clínicos, diagnósticos e terapêuticos em 12 cães com hidrocefalia que foram submetidos ao tratamento com omeprazol para o manejo médico de hidrocefalia. O diagnóstico de hidrocefalia e doenças neurológicas concomitantes foi realizado por ultrassonografia transcraniana (USTC) e/ou tomografia computadorizada. A mensuração do tamanho ventricular foi realizada pela USTC durante o tratamento médico. Seis cães foram diagnosticados com hidrocefalia não obstrutiva e os outros 6 casos apresentaram hidrofalia concomitante com outras afecções encefálicas anômalas comumente associada à hidrocefalia obstrutiva, tal como cisto quadrigêmio, cisto aracnóide, síndrome de chiari-like e seringomegalia. Em 10 cães o omeprazol foi utilizado como droga única e em 2 cães a terapia inicial foi a convencional utilizando esteroides e diuréticos, e o omeprazol foi adicionado, pois a resposta clínica a terapia convencional foi insatisfatória. Todos os animais obtiveram melhora dos parâmetros neurológicos e a maioria teve uma redução do tamanho ventricular após o uso do omeprazol. Os resultados deste estudo demonstram que o omeprazol pode ser utilizado para melhorar o estado neurológico em cães com hidrocefalia. Este estudo representa a primeira descrição clínica usando o omeprazol para tratar uma série de cães com suspeita de aumento da pressão intracraniana devido à hidrocefalia, provavelmente pela capacidade do fármaco em limitar a produção do FCE.


#2 - Epidemiological study and evaluation of risk factors for infection with Toxoplasma gondii and clinical and pathological findings of acute infection in dogs admitted at a Veterinary School Hospital, 36(10):993-998

Abstract in English:

ABSTRACT.- Strital A.D., Igarashi M., Muraro L.S., Aguiar D.M., Pacheco T.A., Garcia J.L., Freitas S.H. & Amude A.M. 2016. [Epidemiological study and evaluation of risk factors for infection with Toxoplasma gondii and clinical and pathological findings of acute infection in dogs admitted at a Veterinary School Hospital.] Estudo epidemiológico e avaliação de fatores de risco da infecção por Toxoplasma gondii e achados clinico-patológicos da infecção aguda em cães admitidos em um Hospital Escola Veterinário. Pesquisa Veterinária Brasileira 36(10):993-998. Departamento de Ciências Básicas em Saúde, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Mato Grosso, Av. Fernando Corrêa da Costa 2367, Cuiabá, MT 78060-900, Brazil E-mail: michelle.igarashi@gmail.com We aimed to verify the prevalence and risk factors for Toxoplasma gondii infection in dogs addimitted at the hospital. We also assessed the occurrence rates and the clinical and pathological repercussion of the acute infection by T. gondii in these animals. Antibodies were detected in 7% (26/386) of a population of 386 dogs of both genders and different breeds and ages. Only variables, eating offal, rural origin and contact with cattle have significant values of p<0.05. Dogs from rural areas showed higher risk (OD=7.00) of infection than those of urban origin. In 6.5% (25/386) contact titles were detected (between 16 and 256); these titles do not necessarily mean acute infection, but only prior exposure. The recognition of prior infection by T. gondii is vital in those hospital patients. Depending on the cause of admission, although not being toxoplasmosis the responsible, the patient should receive prophylactic anti-parasite treatment or be monitored for further treatment in case of further acute occurrence of the disease by recrudescence of encysted bradyzoites. Only one dog (3:44%, 1/386) was admitted with high titer, what may be suggestive of acute infection (title of 4096). Although the dog with acute infection has shown neurological signs, caution is required not to extrapolate a false interpretation that toxoplasmosis is the main responsible for neurological signs, since numerous other cases included in this study had neurological signs without title of acute infection, even title of prior contact. Acute toxoplasmosis was not a significant clinic disease in this hospital; however differential diagnosis should be made in ill patients, especially those from rural areas, and definitive diagnosis must be reached for the correct therapeutic approach.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Strital A.D., Igarashi M., Muraro L.S., Aguiar D.M., Pacheco T.A., Garcia J.L., Freitas S.H. & Amude A.M. 2016. [Epidemiological study and evaluation of risk factors for infection with Toxoplasma gondii and clinical and pathological findings of acute infection in dogs admitted at a Veterinary School Hospital.] Estudo epidemiológico e avaliação de fatores de risco da infecção por Toxoplasma gondii e achados clinico-patológicos da infecção aguda em cães admitidos em um Hospital Escola Veterinário. Pesquisa Veterinária Brasileira 36(10):993-998. Departamento de Ciências Básicas em Saúde, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Mato Grosso, Av. Fernando Corrêa da Costa 2367, Cuiabá, MT 78060-900, Brazil E-mail: michelle.igarashi@gmail.com Esse trabalho teve como objetivo estudar a prevalência e respectivos fatores de risco para infecção do Toxoplasma gondii em cães provenientes de uma população hospitalar. Além disso, avaliou-se as taxas de ocorrência e as repercussões clínico-patológicas da infecção aguda pelo T. gondii nesses animais. Anticorpos foram detectados em 7% (26/386) da população estudada, composta de 386 cães de ambos os sexos e diferentes raças e idades. Somente as variáveis, ingestão de vísceras, origem rural e contato com bovinos apresentaram valores significativos com p<0.05. Adicionalmente os cães de origem rural apresentaram maiores risco (OD=7.00) de infecção do que aqueles de origem urbana. Em 6,5% (25/386) foram detectados títulos de contato (entre 16 e 256); esses títulos não significam necessariamente infecção aguda e sim apenas exposição prévia. É de fundamental importância o reconhecimento da infecção prévia por T. gondii nesses pacientes hospitalares. Dependendo da causa da admissão, mesmo não sendo a toxoplasmose a responsável, o paciente deve receber o tratamento anti-protozoário profilaticamente ou ser monitorado para posterior tratamento em caso de reagudização da enfermidade por recrudescência dos bradizoítos encistados. Apenas um animal (3.44%, 1/386) foi admitido com titulação elevada, o qual pode ser sugestivo de infecção aguda (titulo de 4096). Embora o animal com infecção aguda tenha sido apresentado com sinais neurológicos, cautela é necessária para não extrapolar uma falsa interpretação que a toxoplasmose é a grande responsável por quadros neurológico, uma vez que inúmeros outros casos incluídos nesse estudo tinham manifestações neurológicas e não tinham títulos de infecção aguda, nem mesmo título de contato prévio. A toxoplasmose aguda não foi uma afecção clínica expressiva nessa ambiência hospitalar, no entanto diagnóstico diferencial deve ser feito nos pacientes enfermos, principalmente os da área rural, e diagnostico definitivo deve ser alcançado para a correta conduta terapêutica.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV