Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa Apis mellifera

#1 - Black queen cell virus and Nosema ceranae coinfection in Africanized honey bees from southern Brazil

Abstract in English:

Bees are fundamental in several aspects, especially in relation to plant biodiversity and pollination. Recently, immense losses are being faced in the number of Brazilian colonies, mainly in southern states of the country, which has a strong beekeeping activity. There are indications that, among the reasons for the losses, pathogens that affect the health of bees may be involved. Among them, the microsporidium Nosema and the black queen cell virus (BQCV) stand out for their prevalence. In this study, 92 colonies of 17 apiaries from southern Brazil were evaluated for infection by Nosema ceranae, Nosema apis and BQCV. Nucleic acid extractions and cDNA synthesis were performed from adult bee samples, followed by Reverse Transcription Polymerase Chain Reaction (RT-PCR) and multiplex PCR. Eight BQCV positive samples were subjected to sequencing. The results showed that N. ceranae and BQCV are circulating in the Southern region of the country, which may be the reason for the loss of colonies. N. apis was not found. N. ceranae was found in 57.6% (53/92) of the colonies and BQCV in 32.6% (30/92). Co-infection was found in 25% (23/92) of the colonies studied, a factor that is suggested to be reducing the hosts’ longevity due to the synergistic action of the pathogens. The samples submitted to sequencing indicated similarity of 96.8 to 100% between them, in addition to strong similarity with sequences from Asia, United States, Germany and Peru. This study reports the circulation of N. ceranae and BQCV in apiaries in southern Brazil, in addition to being the first phylogenetic analysis of the Brazilian BQCV sequence.

Abstract in Portuguese:

As abelhas mostram-se fundamentais em diversos aspectos, especialmente com relação à biodiversidade de plantas e polinização. Recentemente, estão sendo enfrentadas imensas perdas no número de colônias brasileiras, principalmente nos estados do sul do país, com forte atividade apícola. Há indicativos de que, dentre as razões para as perdas, possam estar envolvidos patógenos que afetam a saúde das abelhas. Dentre eles, o microsporídio Nosema e o vírus da realeira negra (BQCV) destacam-se pela prevalência. Neste estudo, foram avaliadas 92 colônias, de 17 apiários do sul do Brasil, a respeito da infecção por Nosema ceranae, Nosema apis e BQCV. Foram realizadas extrações de ácidos nucleicos e síntese de cDNA a partir de amostras de abelhas adultas, seguidos de Reação em Cadeia da Polimerase-Transcriptase Reversa (RT-PCR). Oito amostras positivas para BQCV foram submetidas a sequenciamento. Os resultados mostraram que N. ceranae e BQCV estão circulando na região sul do país, podendo ser a razão para as perdas de colônias. N. apis não foi encontrado. N. ceranae foi encontrado em 57.6% (53/92) das colônias e BQCV em 32.6% (30/92). Foi encontrada coinfecção por ambos em 25% (23/92) das colônias estudadas, fator que sugere a diminuição da longevidade do hospedeiro por ação sinérgica dos patógenos. As amostras submetidas ao sequenciamento indicaram similaridade de 96.8 a 100% entre elas, além de forte similaridade com sequências da Ásia, Estados Unidos, Alemanha e Peru. Este estudo relata a circulação de N. ceranae e BQCV nos apiários do sul do Brasil, além de ser a primeira análise filogenética da sequência do BQCV brasileiro.


#2 - Hepatoprotective and antineoplastic potencial of red propolis produced by the bees Apis mellifera in the semiarid of Rio Grande do Norte, Brazil

Abstract in English:

The objective of this study was to evaluate the hepatoprotective effect of the honey bee Apis mellifera ethanolic extract of the red propolis, obtained in four municipalities of the Rio Grande do Norte semi-arid region, through an in vitro evaluation of the antineoplastic potential in human hepatic carcinoma (HepG2) and normal cell lines (L929), and from the comet assay in hepatic cell lines (ZF-L hepatocytes) to evaluate the genoprotective potential of the extract. The hepatoprotective effect was also evaluated in vivo by the induction of chronic experimental hepatic lesions in rodents (Rattus norvegicus Berkenhout, 1769), Wistar line, by intraperitoneal administration of thioacetamide (TAA) at the dose of 0.2g/kg. The animals were distributed in the following experimental groups: G1 (control), G2 (treated with 500mg/kg ethanolic extract of propolis), G3 (treated with 500mg/kg of ethanolic extract and TAA) and G4 (treated with TAA). All rats were submitted to serum biochemical, macroscopic, histological and stereological biochemical exams of the liver. It was verified the genoprotective effect of red propolis since the mean damages promoted to DNA in cells tested with the extract were significantly lower than the mean of the positive control damage (hydrogen peroxide). The red propolis extract did not present cytotoxic activity to the tumor cells of human liver cancer, as well as to normal ones. The absence of cytotoxicity in normal cells may indicate safety in the use of the propolis extract. The results of the serum biochemical evaluation showed that the serum levels of the aminotransferase enzymes (AST) did not differ significantly between G1, G2 and G3 when compared to each other. G4 showed significant increase in levels compared to the other groups, indicating that the administration of the extract did not cause liver toxicity, as well as exerted hepatoprotective effect against the hepatic damage induced by TAA. The G3 and G4 animals developed cirrhosis, but in G3 the livers were characterized by the presence of small regenerative nodules and level with the surface of the organ, whereas in G4 the livers showed large regenerative nodules. The livers of the G1 and G2 animals presented normal histological appearance, whereas the livers of the G3 animals showed regenerative nodules surrounded by thin septa of connective tissue, and in G4 the regenerative nodules were surrounded by thick septa fibrous connective tissue. The analysis of the hepatic tissues by means of stereology showed that there was no statistical difference between the percentage of hepatocytes, sinusoids, and collagens in G1 and G2. In G3 the percentage of hepatocytes, sinusoids, and collagen did not differ significantly from the other groups. It was concluded that the ethanolic extract of the red propolis exerted a hepatoprotective effect, because it promoted in vitro reduction of the damage to the DNA of liver cells, antineoplastic activity in human hepatocellular carcinoma cell line (HepG2) and did not exert cytotoxic effect in normal cells or was able to reduce liver enzyme activity and the severity of cirrhosis induced by TAA in vivo.

Abstract in Portuguese:

Este estudo objetivou avaliar o efeito hepatoprotetor do extrato etanólico da própolis vermelha da abelha Apis mellifera, obtido em quatro municípios do semiárido do Rio Grande do Norte, mediante avaliação in vitro do potencial antineoplásico em linhagens de células de carcinoma hepático humano (HepG2) e em linhagens de células normais (L929), além do ensaio cometa em linhagens de células hepáticas (hepatócitos ZF L) para avaliar o potencial genoprotetor do extrato. O efeito hepatoprotetor também foi avaliado in vivo através da indução de lesões hepática experimental crônica em roedores da espécie Rattus norvegicus (Berkenhout, 1769), linhagem Wistar, pela administração intraperitoneal de tioacetamida (TAA) na dose de 0,2g/kg. Os animais foram distribuídos nos seguintes grupos experimentais: G1 (controle), G2 (tratados com 500mg/kg de extrato etanólico da própolis), G3 (tratados com 500mg/kg de extrato etanólico e TAA) e G4 (tratados com TAA). Todos os ratos foram submetidos aos exames bioquímico sérico, anatomopatológico macroscópico, histológico e esteriológico do fígado. Foi constatado o efeito genoprotetor da própolis vermelha uma vez que as médias dos danos promovidos ao DNA em células testadas com o extrato foram significativamente inferiores à média dos danos do controle positivo (peróxido de hidrogênio). O extrato da própolis vermelha não apresentou atividade citotóxica para células tumorais de câncer de fígado humano, bem como para normais. A ausência de citotoxicidade em células normais, tal como constatado, pode indicar segurança no uso do extrato da própolis. Os resultados da avaliação bioquímica sérica demonstraram que os níveis séricos das enzimas aminotransferase (AST) não diferiram significativamente entre G1, G2 e G3, quando comparadas entre si. No G4 houve aumento significativo dos níveis em relação aos demais grupos, indicando que a administração do extrato não causou toxicidade hepática, bem como exerceu efeito hepatoprotetor frente ao dano hepático induzido pela TAA. Os animais dos G3 e G4 desenvolveram cirrose, porém no G3 os fígados caracterizaram-se pela presença de pequenos nódulos regenerativos e nivelados com a superfície do órgão, enquanto que no G4 os fígados apresentaram grandes nódulos regenerativos. Os fígados dos animais G1 e G2 apresentaram aspecto histológico normal, enquanto que os fígados dos animais do G3 apresentaram nódulos regenerativos circundados por finos septos de tecido conjuntivo, e nos do G4 os nódulos regenerativos foram circundados por espessos septos de tecido conjuntivo fibroso. A análise dos tecidos hepáticos por meio de estereologia mostrou que não houve diferença estatística entre o percentual de hepatócitos, sinusoides e colágenos nos G1 e G2. No G3 o percentual de hepatócitos, sinusoides e colágeno não diferiu significativamente dos demais grupos. Concluiu-se que o extrato etanólico da própolis vermelha exerceu efeito genoprotetor, por promover in vitro redução do dano ao DNA de células hepáticas, atividade antineoplásica em linhagem celular de carcinoma hepatocelular humano (HepG2) e não exerceu efeito citotóxico em células normais ou efeito hepatoprotetor in vivo com diminuição da gravidade da cirrose induzida por TAA.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV
-->