Resultado da pesquisa (1)

Termo utilizado na pesquisa Carrera A.C

#1 - Oxidative stress in female dogs with mammary neoplasms

Abstract in English:

The result of the reaction of free radicals with biomolecules is the formation of substances with the potential of inducing oxidative damage, a condition known as oxidative stress. There are voluminous literature data reporting the association, both as a cause and as a consequence, between different diseases and oxidative stress. In this study, 144 female dogs with mammary neoplasia were analyzed. The animals were submitted to clinical evaluation for disease staging, hematological evaluation, serum biochemistry (renal and hepatic function tests), and dosage of the oxidative damage biomarker, malondialdehyde (MDA), at the time of its approach and 30 days after treatment. A control group of 100 healthy animals was also submitted to determination of serum MDA levels. The mean age of the animals affected by mammary neoplasms was 9.88±2.95 (4 to 14) years, while in healthy animals it was 2.31±1.90 years (1 to 6). Of the 144 animals, 113 (78.9%) had malignant neoplasms, and 15, 21, 46, 17 and 14 animals were in clinical stage I, II, III, IV and V respectively and the carcinoma in a mixed tumor was the most frequent histological pattern in this group (26%). Thirty-one animals were diagnosed with benign neoplasms and mammary adenoma was the most frequent histological pattern in 15 animals (51.61%). Hematological changes in the preoperative period were observed in 44 (38.9%) and 12 (38.7%) animals with malignant and benign neoplasias, respectively, and there was a positive correlation between anemia and higher levels of MDA (P=0.0008) for animals with malignant tumors. Regarding serum biochemical parameters, the most frequent alterations in animals with malignant neoplasms were elevated ALT levels in 12 animals (10.6%), creatinine in 10 animals (8.84%) and urea in eight animals (7.07%). Females with benign neoplasms presented less occurrence of changes in these parameters. In the group of healthy animals (control), the mean serum MDA values were 12.08±4.18, whereas in the pre-treatment group, mean MDA was 24.80±5.74 for bitches with benign neoplasms and 32.27±10.24 for bitches with malignant tumors. A significant increase (P<0.001) in MDA levels was observed in animals with malignant mammary neoplasms when compared to healthy animals and with benign tumors. In addition, a significant reduction (P<0.001) was observed 30 days after treatment in MDA levels (27.37±7.86) in animals with malignant tumors. In conclusion, our results indicate an association between MDA seric levels and mammary neoplasms in dogs. The results suggest that this factor can be used as a biomarker of oxidative stress with a potential impact in the prognostic of mammary tumors, since significantly higher levels of MDA were detected especially in dogs carrying malignant tumors and presenting anemia.

Abstract in Portuguese:

O resultado da reação de radicais livres com biomoléculas é a formação de substâncias que podem ser utilizadas como marcadores de dano oxidativo, condição mais conhecida como estresse oxidativo. Evidências científicas comprovam a relação, quer como causa, quer como consequência, entre muitas doenças e o estresse oxidativo. Neste estudo, 144 cadelas portadoras de neoplasia de mama, foram submetidas à avaliação clínica para estadiamento da doença, avaliação hematológica, testes de função renal e hepática e dosagem do biomarcador de dano oxidativo, malondialdeído (MDA), no momento de sua abordagem e 30 dias após realização de tratamento. Um grupo controle de 100 cadelas saudáveis foi submetido também à determinação dos níveis séricos de MDA. A idade média dos animais acometidos por neoplasias mamárias foi de 9,88±2,95 (4 a 14) anos, enquanto que nos animais saudáveis foi de 2,31±1,90 anos (1 a 6). Dos 144 animais, 113 (78, 9%) apresentavam neoplasias malignas, sendo que 15, 21, 46, 17 e 14 animais encontravam-se em estadiamento clínico I, II, III, IV e V respectivamente, e o carcinoma em tumor misto foi o padrão histológico mais frequente neste grupo (26%). Trinta e um animais tiveram diagnóstico de neoplasias benignas, sendo que 7 estavam no estádio I, 16 no estádio II e 8 no estádio III e o adenoma mamário foi o padrão histológico mais frequente em 15 animais (51,61%). Alterações hematológicas no período pré-operatório foram observadas em 44 (38,9%) e 12 (38,7%) animais portadores de neoplasias malignas e benignas, respectivamente, sendo que houve correlação positiva entre anemia e níveis mais elevados de MDA (P=0,0008), para os animais com tumores malignos. Em relação aos parâmetros bioquímicos séricos, as alterações mais frequentes nos animais com neoplasias malignas foram a elevação dos níveis de ALT em 12 animais (10,6%), de creatinina em 10 animais (8,84%) e de ureia em oito animais (7,07%) Cadelas portadoras de neoplasias benignas apresentaram menor ocorrência de alterações nesses parâmetros. No grupo controle, a média dos valores séricos de MDA foi 12,08±4,18, enquanto que no grupo pré-tratamento, a média de MDA foi de 24,80±5,74 para as cadelas com neoplasia benigna e 32,27±10,24 para as neoplasias malignas. Verificou-se aumento significativo do valor sérico de MDA em cadelas portadoras de neoplasias malignas em comparação com os animais hígidos ou com neoplasias benignas (P<0,001). Ainda, 30 dias após o tratamento observou-se uma diminuição significativa (P<0,001) no valor médio de MDA (27,37±7,86) nos animais com neoplasias malignas. Em conclusão, os resultados deste estudo evidenciam uma associação entre níveis séricos aumentados de MDA e presença de neoplasias mamárias em cadelas. Os resultados sugerem que este fator pode ser utilizado como biomarcador de estresse oxidativo em cães, com provável impacto no prognóstico dos tumores mamários, uma vez que níveis significativamente mais altos de MDA foram detectados especialmente nas cadelas portadoras de tumores malignos e apresentando anemia.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV