Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa Castiglioni M.C.R

#1 - Comparison of right and left common carotid arteries of horses and mules by two-dimensional ultrasound and Doppler flow

Abstract in English:

In ultrasonography, the bi-dimensional mode (B-mode) allows the morphological and morphometric evaluation of several types of organs and tissues, while the Doppler mode allows the hemodynamic evaluation. In humans, the Doppler evaluation is routinely used in the assessment of important arteries and veins, such as the carotid arteries and jugular veins, with significant differences between genres and sides. However, in veterinary medicine, this diagnostic method is not yet well established in the evaluation of the carotid arteries, with only few reports in domestic horses. This study aims to compare the right and left common carotid arteries of domestic horses and mules using bi-dimensional and Doppler ultrasound evaluation. The common carotid arteries from 10 domestic horses (five males and five females) and 10 mules (five males and five females) were evaluated. The following variables were measured at three different portions (cranial, middle and caudal): diameter, intima-media thickness (IMT), resistivity index (RI), pulsatility index (PI), peak of systolic velocity (pSV) and final diastolic velocity (fDV). No significant differences were observed in the bi-dimensional variables (diameter and IMT) between the common carotid arteries of horses and mules, regardless of gender (p>0.05). In Doppler mode, there were no significant differences between carotid values in male and female horses (p> 0.05). In the mules, it was only possible to observe differences between the RI and PI values (p<0.05), being higher on the left side (0.81 and 2.04 respectively), and the fDV (p<0.05) higher, on the right side (14.35) in males. As for females, there was only in fDV (p<0.05), with the upper right side (23.16). Diameters and IMT do not differ between sides in horses and mules in B-mode ultrasound. Spectral Doppler in horses does not differ between sides, regardless of gender. As for mules, males differ in RI, PI and fDV between sides, while females differ only in fDV.

Abstract in Portuguese:

Na ultrassonografia, o modo bidimensional (modo B) permite a avaliação morfológica e morfométrica de vários tipos de órgãos e tecidos, enquanto o modo Doppler permite a avaliação hemodinâmica. Em humanos, a avaliação com Doppler é usada rotineiramente na avaliação de artérias e veias importantes, como as artérias carótidas e veias jugulares, com diferenças significativas entre gêneros e lados. No entanto, em medicina veterinária, este método diagnóstico ainda não está bem estabelecido na avaliação das artérias carótidas, com apenas poucos relatos em equinos domésticos. Este estudo tem como objetivo comparar as artérias carótidas comuns direita e esquerda de equinos e mulas domésticos, utilizando a avaliação bidimensional (modo B) e por ultrassonografia Doppler espectral. Avaliaram-se as artérias carótidas comuns de 10 equinos domésticos (cinco machos e cinco fêmeas) e 10 mulas (cinco machos e cinco fêmeas). As seguintes variáveis foram medidas em três porções diferentes (cranial, médio e caudal): diâmetro, espessura íntima-média (IMT), índice de resistividade (RI), índice de pulsatilidade (PI), pico de velocidade sistólica (pSV) e velocidade diastólica final (fDV). Não foram observadas diferenças significativas nas variáveis bidimensionais (diâmetro e IMT) entre as artérias carótidas comuns de cavalos e muares, independentemente do gênero (p>0,05). No modo Doppler, não houve diferenças significativas entre os valores para carótidas em equinos machos e fêmeas (p>0,05). Nos muares, só foi possível observar diferenças entre os valores de RI e PI (p<0,05), sendo maiores no lado esquerdo (0,81 e 2,04 respectivamente), e o fDV (p<0,05) superior no lado direito (14,35) nos machos. Quanto as fêmeas, houve apenas no fDV (p<0,05), sendo o lado direito superior (23,16). Os diâmetros e IMT não diferem entre os lados em equinos e muares na ultrassonografia modo B. Já o Doppler espectral nos equinos não difere entre os lados, independentemente do gênero. Quanto aos muares, os machos diferenciam no IR, IP e fDV entre os lados, enquanto as fêmeas apenas para fDV.


#2 - B-mode and Doppler ultrasonography in the assessment of the common carotid arteries of equines and mules and the relation with body mass, age and neck circumference

Abstract in English:

As age increases, changes in cardiovascular anatomy and physiology occur, even in the absence of disease. Thus, studies of vessel hemodynamics are considered primordial to detect any cardiovascular changes. The objective of this study has been to describe the parameters of B-mode and spectral Doppler ultrasonography in the evaluation of the common carotid arteries of 11 equine and 11 mules, and correlate with age, body mass and neck circumferences. The diameters, intima - media thickness (IMT), resistivity index (RI), pulsatility index (PI), systolic velocity (SV), diastolic velocity (DV), maximum velocity (MV), vascular flow index (VFI), body mass, age, circumference and neck length. Ultrasonographic variables were evaluated in three different region called cranial, middle and caudal. Equine females presented higher values regarding the body mass, age and neck length, as compared to the neck circumferences of the animals, those of the mules were superior. The age of the mules had a positive correlation with the body mass, diameter and neck circumferences, it has a negative correlation between age and vessel diameters. The body mass of the mules had a positive correlation with age and vessel diameters, and with vessel diameters and neck circumferences in equine females. The RI and PI variables had a positive correlation with body mass for mules, and with age for equine females. The DV had a negative correlation with body mass for both equine and mule females. Regarding the variables MV and VFI, age correlated negatively for mules, while it was not significant for equine females. It found a difference between equine females and mules in the correlations performed, with body mass, age, neck circumferences and between B-mode and Doppler ultrasonography variables.

Abstract in Portuguese:

Com o aumento da idade ocorrem alterações na anatomia e fisiologia cardiovascular, mesmo na ausência de doenças. Assim, os estudos da hemodinâmica dos vasos são considerados primordiais para detectar quaisquer alterações cardiovasculares. Esse trabalho tem como objetivo descrever as variáveis de ultrassonografia modo-B e Doppler espectral na avaliação das artérias carótidas comuns de 11 fêmeas equinas e 11 muares, e correlacionar com idade, massa corpórea e circunferências dos pescoços. Para tais procedimentos foram avaliados os diâmetros, espessura da camada íntima média (EIM), índice de resistividade (IR), índice de pulsatilidade (IP), velocidade sistólica (VS), velocidade diastólica (VD), velocidade máxima (VM), índice de vascularização de fluxo (IVF), massa corpórea, idade, circunferências e comprimentos dos pescoços. As variáveis ultrassonográficas foram avaliadas em três regiões diferentes denominados de crania médio e caudal. As fêmeas equinas apresentaram valores maiores referente ao massa corpórea, idade e comprimento dos pescoços, já em relação às circunferências dos pescoços dos animais, as dos muares foram superiores. A idade dos muares possuiu correlação positiva com a massa corpórea, diâmetro e com as circunferências dos pescoços, com as fêmeas equinas, possui correlação negativa entre idade e os diâmetros dos vasos. A massa corpórea dos muares teve correlação positiva com idade e diâmetros dos vasos, já às fêmeas equinas com diâmetros dos vasos e as circunferências dos pescoços. As variáveis IR e IP tiveram correlação positiva com a massa corpórea para os muares, e com idade para fêmeas equinas. O VD teve correlação negativa com a massa corpórea tanto para as fêmeas equinas quanto nos muares. Já as variáveis VM e IVF, a idade correlacionou negativamente para os muares, enquanto não foi significativo para as fêmeas equinas. Averiguou diferença entre fêmeas equinas e muares nas correlações realizadas, com a massa corpórea, idade, circunferências dos pescoços e entre as variáveis da ultrassonografia modo-B e Doppler.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV