Resultado da pesquisa (1)

Termo utilizado na pesquisa De Salvo M.N

#1 - Canine monocytic ehrlichiosis in Buenos Aires, Argentina: comparison of serological and molecular assays

Abstract in English:

Canine monocytic ehrlichiosis (CME) is an infectious disease caused by the bacterium Ehrlichia canis and transmitted by Rhipicephalus sanguineus sensu lato, a tick with worldwide distribution. When not diagnosed and treated early, disease can be severe. Currently, the disease is confirmed by serological or molecular assays. The objective of this study was to compare a serological assay based on immunochromatography (SPEED EHRLI immunochromatographic test; BVT, France) and a molecular assay (a screening PCR followed by a nested PCR specific for E. canis) for the diagnosis of E. canis in suspected dogs from Buenos Aires city and southern Greater Buenos Aires, Argentina. Blood samples from 20 clinically healthy dogs (Control Group) and from 80 sick dogs suspected of having CME (Groups 1 to 4) were tested in parallel. Neither the immunochromatographic test nor the PCR assay was able to detect the presence of E. canis in the Control Group. In the group which had been previously tested by serology, the agreement between the tests was low (kappa: 0.200), whereas in the group which had been previously tested by PCR, the concordance between the tests was adequate (kappa: 0.650). The concordance between the tests evaluated in the total population studied was moderate (kappa: 0.496). The results of our study suggest that the use of rapid serological tests as a first approach, together with subsequent confirmation by PCR, will improve the diagnosis of CME.

Abstract in Portuguese:

A ehrlichiose monocítica canina (CME) é uma doença infecciosa transmitida pelo carrapato Rhipicephalus sanguineus sensu lato com distribuição mundial causada por Ehrlichia canis, que pode produzir uma doença grave se não foi diagnosticada e tratada precocemente. A confirmação da doença é feita diretamente pela detecção do DNA fazendo a reação em cadeia da polimerase (PCR) ou indiretamente por métodos sorológicos. O objetivo deste estudo foi comparar o método sorológico baseado na imunocromatografia e a técnica de PCR para o diagnóstico de E. canis em cães suspeitos da Cidade de Buenos Aires e da região sul da Grande Buenos Aires. As amostras de sangue de 20 cães clinicamente saudáveis ​​(Grupo Controle) e de 80 cães com suspeita clínica de CME (Grupo 1-4) foram avaliadas em paralelo. O diagnóstico serológico foi feito pelo teste imunocromatográfico SPEED EHRLI (BVT, França). Para a detecção molecular, foi utilizada uma PCR de triagem para amplificar um fragmento de 345 pb do gene que codifica a subunidade 16S do rRNA da família Anaplasmataceae. As amostras positivas depois foram processadas pela PCR aninhada específica para E. canis. No Grupo Controle, a presença de E. canis não foi detectada por PCR ou anticorpos específicos com o teste imunocromatográfico. No grupo em que a sorologia foi solicitada inicialmente (1 e 2), a concordância entre os testes foi baixo (kappa: 0,200) enquanto que no grupo onde o teste inicialmente solicitado foi a PCR, a concordância entre os testes era adequado (kappa: 0,650). A concordância entre os testes avaliados na população total estudada foi moderada (kappa: 0,496). Em conclusão, os resultados do nosso estudo sugerem que o uso de testes serológicos rápidos inicialmente, juntamente com a confirmação subsequente por PCR, permitirá melhorar o diagnóstico de CME.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV