Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa Gomide L.M.W

#1 - Evaluation of lactatemia and muscle enzymes in Quarter Horses subjected to team ropping with different types of training, 38(9):1856-1862

Abstract in English:

ABSTRACT.- Pereira M.S., Gerardi B., Denadai D.S., Chaves A.A., Barbosa J.P.B., Zanon J.E.O., Gomide L.M.W. & Mendes L.C.N. 2018. [Evaluation of lactatemia and muscle enzymes in Quarter Horses subjected to team ropping with different types of training.] Avaliação da lacatatemia e das enzimas musculares de equinos Quarto de Milha submetidos à prova de laço em dupla com diferentes tipos de treinamento. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(9):1856-1862. Departamento de Clínica, Cirurgia e Reprodução Animal, Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Estadual Paulista, Campus de Araçatuba, Rua Clóvis Pestana 793, Bairro Dona Amélia, Araçatuba, SP 16050-680, Brazil. E-mail: marijeronymo@hotmail.com The aim of this study was to evaluate the influence of different types of training on physical fitness through the determination of blood lactate and serum creatinine kinase, aspartate aminotransferase, and lactate dehydrogenase activity after high intensity and short duration physical exercise. Venous blood samples were obtained from 16 Quarter Horses, divided into two groups: the regular training group (GTR) and sporadic training group (GTE), in seven different moments: 30 minutes before exercise (M0), immediately after the exercise (M1), 30 minutes (M2), one hour (M3), two hours (M4), six hours (M5) and 24 hours (M6) after the exercise. For statistical analysis, data was tested for normality and homogeneity of variances. To compare the groups and times in each group, parametric tests (ANOVA) were used for muscular enzymes activity and not parametric tests (Mann-Whitney and Friedmann) were used to analyze blood lactato (P<0.05). There was no significant difference between groups for any variable. However, within the experimental groups it was possible to observe significant differences between the evaluated moments, in relation to lactate and LDH. In the GTE, significant differences were observed for lactate between M0 and M1, with respective values &#8203;&#8203;of 0.90 mmol/L (min. 0.8, max. 1.6) and 3.65 mmol/L (min. 1.0, max. 5,7) and for LDH, where the values &#8203;&#8203;described in M6 differed significantly from M0, M1, M2, M3 and M4. In the GTR, significant differences between the experimental moments were observed in relation to LDH, and the values &#8203;&#8203;observed in M6 were the lowest and differed significantly from those found in M1, M2, M3 and M4. In conclusion, there was no difference between the fitness of animals regularly trained and those trained sporadically. The low magnitude of elevations of serum CK, AST and LDH activity after exercise and the quick return to baseline values, including the blood lactate observed in both groups, suggest that all of evaluated animals were conditioned and able to perform such physical activity.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Pereira M.S., Gerardi B., Denadai D.S., Chaves A.A., Barbosa J.P.B., Zanon J.E.O., Gomide L.M.W. & Mendes L.C.N. 2018. [Evaluation of lactatemia and muscle enzymes in Quarter Horses subjected to team ropping with different types of training.] Avaliação da lacatatemia e das enzimas musculares de equinos Quarto de Milha submetidos à prova de laço em dupla com diferentes tipos de treinamento. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(9):1856-1862. Departamento de Clínica, Cirurgia e Reprodução Animal, Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Estadual Paulista, Campus de Araçatuba, Rua Clóvis Pestana 793, Bairro Dona Amélia, Araçatuba, SP 16050-680, Brazil. E-mail: marijeronymo@hotmail.com O objetivo do trabalho foi avaliar a influência de diferentes tipos de treinamento sobre o condicionamento físico de equinos por meio da determinação do lactato sanguíneo e da atividade sérica de creatina quinase, aspartato aminotransferase e lactato desidrogenase após exercício físico de alta intensidade e curta duração. Amostras de sangue venoso foram obtidas de 16 equinos da raça Quarto de Milha, divididos em dois grupos: grupo de treinamento regular (GTR) e grupo de treinamento esporádico (GTE), em sete diferentes momentos: 30 minutos antes do exercício (M0), imediatamente após (M1), 30 minutos (M2), uma (M3), duas (M4), seis (M5) e 24 (M6) horas após o exercício. Para a análise estatística, os dados foram testados quanto à normalidade e homogeneidade de variâncias. Para comparar os grupos e os momentos em cada grupo foram utilizados testes paramétricos (ANOVA) para a análise das atividades séricas das enzimas musculares e não paramétricos (Mann-Whitney e Friedmann) para a análise do lactato sanguíneo (P<0,05). Não houve diferença significativa entre os grupos para nenhuma variável. No entanto, dentro dos grupos experimentais foi possível observar diferenças significativas entre os momentos avaliados, em relação ao lactato e à LDH. No GTE, foram observadas diferenças significativas quanto ao lactato, entre o M0 e o M1, com valores respectivos de 0,90 mmol/L (mín. 0,8 - máx. 1,6) e 3,65mmo/L (mín. 1,0 - máx. 5,7) e quanto à LDH, onde os valores descritos no M6 diferiram significativamente de M0, M1, M2, M3 e M4. No GTR, diferenças significativas entre os momentos experimentais foram observadas em relação à LDH, sendo que os valores observados no M6 foram os menores e diferiram significativamente daqueles encontrados no M1, M2, M3 e M4. Em conclusão, não houve diferença entre o condicionamento físico dos animais treinados regularmente e aqueles treinados esporadicamente. A baixa magnitude das elevações das concentrações de CK, AST e LDH após o exercício e o rápido retorno aos valores basais, inclusive do lactato, observados em ambos os grupos, sugere que todos os animais avaliados estavam condicionados e aptos a realizar tal atividade física.


#2 - Corrective shoeing in horses: Analysis of the adaptation period to the new condition imposed, 32(10):1001-1004

Abstract in English:

ABSTRACT.- Albernaz R.M., Basile R.C., Dias D.P.M., Gomide L.M.W., Milaré, A.S., Bernardi N.S., Queiroz Neto A. & Lacerda Neto J.C. 2012. Corrective shoeing in horses: Analysis of the adaptation period to the new condition imposed. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(10):1001-1004. Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Via de Acesso Prof. Dr. Paulo Donato Castellane s/n, Jaboticabal, SP 14884-900, Brazil. E-mail: raquel_albernaz@hotmail.com Corrective shoeing is a method commonly used to alter the locomotion pattern in animals or as therapy for various disorders of the locomotive system of horses. However, to date, there have been no scientific studies discussing the period during which animals adapt to this type of intervention. The goal of this study was to evaluate the horseshoe adaptation period with the toe or heel elevated by six degrees at 0, 48, and 96 hours after each type of shoeing. For this analysis, the horses were recorded while walking on a treadmill. Stride length and gait qualitative analyzes were performed using Dvideow software. The level of significance adopted was 5%. In the present study, there was no significant difference between the evaluation times; elevating the toe or heel by six degrees do not generates discomfort during locomotion, therefore, horses are able to return to a regular exercise or training routine immediately after shoeing.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Albernaz R.M., Basile R.C., Dias D.P.M., Gomide L.M.W., Milaré, A.S., Bernardi N.S., Queiroz Neto A. & Lacerda Neto J.C. 2012. Corrective shoeing in horses: Analysis of the adaptation period to the new condition imposed. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(10):1001-1004. Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Via de Acesso Prof. Dr. Paulo Donato Castellane s/n, Jaboticabal, SP 14884-900, Brazil. E-mail: raquel_albernaz@hotmail.com O ferrageamento corretivo é um método comumente utilizado para alterar o padrão do andamento dos animais, assim como na terapêutica de diversas afecções do sistema locomotor dos equinos. No entanto, não existem, até o momento, estudos científicos que revelem o período de adaptação do andamento dos animais a este tipo de intervenção. O objetivo deste estudo foi avaliar o período de adaptação à ferraduras com elevação em seis graus da pinça ou talões em equinos caminhando em esteira rolante. O período de adaptação à ferradura foi avaliado nos tempos 0, 48 e 96 horas após cada tipo de ferrageamento proposto. Os animais foram gravados caminhando em esteira rolante. O comprimento da passada e a análise qualitativa do andamento foram realizados com o auxílio do programa Dvideow. O nível de significância adotado foi de 5%. No presente estudo, não houve diferença significativa entre os dias avaliados, a elevação em seis graus da pinça ou talões não gerou desconforto durante a passada, portanto, os animais podem retornar às atividades regulares de exercício e treinamento imediatamente após o ferrageamento.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV