Resultado da pesquisa (6)

Termo utilizado na pesquisa González F.H.D

#1 - Hematological findings and factors associated with feline leukemia virus (FeLV) and feline immunodeficiency virus (FIV) positivity in cats from southern Brazil, 37(12):1531-1536

Abstract in English:

ABSTRACT.- Costa F.V.A., Valle S.F., Machado G., Corbellini L.G., Coelho E.M., Rosa R.B. & González F.H.D. 2017. Hematological findings and factors associated with feline leukemia virus (FeLV) and feline immunodeficiency virus (FIV) positivity in cats from southern Brazil. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(12):1531-1536. Laboratório de Análises Clínicas Veterinárias, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: stella.valle@ufrgs.br Using a retrospective study, 493 cats tested for FeLV and FIV were selected for analysis of the association between hematologic findings and positivity at immunoassay test. Individual and hematologic variables were assessed considering the influence of results using univariate and multivariate logistic regression analysis. Out 153 of the 493 cats were positive for FeLV (31%), 50 were positive for FIV (10.1%) and 22 were positive for both FIV and FeLV (4.4%). Multivariate analysis detected significant associations between FeLV infection and age below 1 year (p=0.01), age from 1 to 10 years (p=0.03), and crossbreed (p=0.04). Male cats were more likely to be FIV-positive (p=0.002). Regarding hematological changes, FeLV-positive cats have higher odds to anemia, leukopenia and lymphopenia than FeLV-negative cats. FIV-positive cats are more likely to have anemia than negative. Identification of associated factors related to animal status and correlation of hematological disorders with infection by retroviruses in cats could be useful for detecting these retroviral diseases in cats.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Costa F.V.A., Valle S.F., Machado G., Corbellini L.G., Coelho E.M., Rosa R.B. & González F.H.D. 2017. Hematological findings and factors associated with feline leukemia virus (FeLV) and feline immunodeficiency virus (FIV) positivity in cats from southern Brazil. [Achados hematológicos e fatores associados a positividade pelo vírus da leucemia felina (felv) e vírus da imunodeficiência felina em gatos do sul do Brasil.] Pesquisa Veterinária Brasileira 37(12):1531-1536. Laboratório de Análises Clínicas Veterinárias, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: stella.valle@ufrgs.br Através de um estudo retrospectivo, 493 gatos testados para FeLV e FIV foram selecionados para análise da associação entre as alterações hematológicas e a positividade no teste imunoenzimático. Variáveis individuais e hematológicas foram consideradas para verificar a influência dos resultados utilizando análise de regressão logística univariada e multivariada. Um total de 153 de 493 gatos avaliados foram positivos para o FeLV (31%), 50 foram positivos para o FIV (10,1%) e 22 foram positivos para FIV e FeLV (4,4%). Análise multivariada detectou uma associação significativa entre a infecção pelo FeLV e a idade abaixo de 1 ano (P=0,01), idade entre 1 a 10 anos (P=0,03) e raça mista (P=0,04). Gatos machos foram mais predispostos a serem positivos para FIV (P=0,002). Com base nas alterações hematológicas, gatos positivos para o FeLV tem maior odds para apresentar anemia, leucopenia e linfopenia que os negativos. Gatos positivos para FIV possuem maiores chances de apresentarem anemia que os gatos negativos. A identificação dos fatores associados à infecção relacionados ao perfil do animal e a correlação com os distúrbios hematológicos com a infecção, pode ser útil para detecção das doenças retrovirais em gatos.


#2 - Paraneoplastic hematological, biochemical, and hemostatic abnormalities in female dogs with mammary neoplasms, 37(5):479-484

Abstract in English:

ABSTRACT.- Duda N.C.B., Valle S. de F., Matheus J.P., Angeli N.C., Vieira L.C., Oliveira L.O., Sonne L. & González F.H.D. 2017. Paraneoplastic hematological, biochemical, and hemostatic abnormalities in female dogs with mammary neoplasms. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(5):479-484. Departamento de Patologia Clínica Veterinária, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Avenida Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: ncbduda@hotmail.com Paraneoplastic laboratory abnormalities are identified in several types of cancers in dogs and cats. In veterinary medicine, particularly in mammary cancer, there are few studies that correlate abnormal laboratory findings with tumor type and staging. The aim of this study was to evaluate hematological, biochemical, and hemostatic abnormalities and correlate them with mammary tumor staging in female dogs with mammary cancer. Blood samples from 24 female dogs were evaluated, and the hematological, biochemical, and hemostatic parameters were correlated with tumor staging obtained by physical examination, imaging exams, and histopathological surgical biopsies. The groups were organized according to tumor staging: group 1 (stages I and II), group 2 (stage III), and group 3 (stages IV and V). Anemia, neutrophilic leukocytosis, monocytosis, eosinophilia, thrombocytosis, hypoalbuminemia, hypocalcemia, hypoglycemia, and low blood urea were observed. The variables MCHC, TPP, and RDW were correlated with tumor staging with no clinical relevance. Thrombin time and fibrinogen were significant between the groups in the coagulation test, being associated with tumor staging. The findings suggest influence of the proinflammatory cytokines released during tumor growth.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Duda N.C.B., Valle S. de F., Matheus J.P., Angeli N.C., Vieira L.C., Oliveira L.O., Sonne L. & González F.H.D. 2017. Paraneoplastic hematological, biochemical, and hemostatic abnormalities in female dogs with mammary neoplasms. [Anormalidades hematológicas, bioquímicas e hemostáticas de origem paraneoplásica em fêmeas caninas com neoplasia mamária.] Pesquisa Veterinária Brasileira 37(5):479-484. Departamento de Patologia Clínica Veterinária, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Avenida Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: ncbduda@hotmail.com Alterações laboratoriais de origem paraneoplásica são identificadas em diversos tipos de câncer de cães e gatos. Na medicina veterinária, existem poucos estudos que correlacionam os achados laboratoriais anormais com o tipo e estadiamento tumorais, principalmente em cadelas com neoplasia mamária. O objetivo deste estudo foi avaliar as alterações hematológicas, bioquímicas e hemostáticas em cadelas com neoplasia mamária e relacioná-las com o estadiamento tumoral. Foram coletadas amostras de sangue de 24 fêmeas caninas, e os parâmetros hematológicos, bioquímicos e hemostáticos obtidos foram relacionados com o estadiamento tumoral, realizado através do exame físico, exames de imagem e avaliação histopatológica após remoção cirúrgica. Os grupos foram organizados de acordo com o estadiamento tumoral em: Grupo 1 (estádios I e II), grupo 2 (estádio III) e grupo 3 (estádios IV e V). Observou-se anemia, leucocitose neutrofílica, monocitose, eosinofilia, trombocitose, hipoalbuminemia, hipocalcemia, hipoglicemia e diminuição de ureia sanguínea. As variáveis CHCM, PPT e RDW foram relacionadas com o estadiamento tumoral, porém sem relevância clínica. Nos testes de coagulação, o TT e o fibrinogênio apresentaram diferença significativa entre os grupos, sendo associado com estadiamento tumoral. Os resultados sugerem influência das citocinas pró-inflamatórias liberadas durante o crescimento do tumor.


#3 - Insulin binding characteristics in canine muscle tissue: effects of the estrous cycle phases, 36(8):761-766

Abstract in English:

ABSTRACT.- Pöppl A.G., Valle S.C., González F.H.D., Kucharski L.C. & Da Silva R.S.M. 2016. Insulin binding characteristics in canine muscle tissue: effects of the estrous cycle phases. Pesquisa Veterinária Brasileira 36(8):761-766. Setor de Clínica de Pequenos Animais, Hospital de Clínicas Veterinárias. Departamento de Medicina Animal, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: alan.poppl@ufrgs.br Hormonal fluctuations during the different estrous cycle are a well-recognized cause of insulin resistance in bitches, and little is known about insulin receptor binding or post-binding defects associated with insulin resistance in dogs. To evaluate insulin binding characteristics in muscle tissue of bitches during the estrous cycle, 17 owned bitches were used in the study (six in anestrus, five in estrus, and six in diestrus). An intravenous glucose tolerance test (IVGTT) was performed in all patients by means of injection of 1mL/kg of a glucose 50% solution (500mg/kg), with blood sample collection for glucose determination at 0, 3, 5, 7, 15, 30, 45 and 60 minutes after glucose infusion. Muscle samples, taken after spaying surgery, were immediately frozen in liquid nitrogen and then stored at -80 ºC until the membranes were prepared by sequential centrifugation after being homogenized. For binding studies, membranes were incubated in the presence of 20,000cpm of human 125I-insulin and in increasing concentrations of unlabeled human regular insulin for cold saturation. The IVGTT showed no differences among bitches during the estrous cycle regarding baseline glycemia or glycemic response after glucose infusion. Two insulin binding sites - high-affinity and low-affinity ones - were detected by Scatchard analysis, and significant statistical differences were observed in the dissociation constant (Kd1) and maximum binding capacity (Bmax1) of the high-affinity binding sites. The Kd1 for the anestrus group (6.54±2.77nM/mg of protein) was smaller (P<0.001) than for the estrus (28.54±6.94nM/mg of protein) and diestrus (15.56±3.88nM/mg of protein) groups. Bmax1 in the estrus (0.83±0.42nM/mg of protein) and diestrus (1.24±0.24nM/mg of protein) groups were also higher (P<0.001) than the values observed in anestrus (0.35±0.06nM/mg of protein). These results indicate modulation of insulin binding characteristics during different phases of the estrous cycle in dogs, showing that muscle insulin binding affinity for its receptor is reduced during estrus and diestrus. However, this poor hormone-receptor affinity is compensated for by a greater total binding capacity, once there is no difference in patients’ glycemic response after an intravenous glucose load.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Pöppl A.G., Valle S.C., González F.H.D., Kucharski L.C. & Da Silva R.S.M. 2016. Insulin binding characteristics in canine muscle tissue: effects of the estrous cycle phases. [Características de ligação da insulina no tecido muscular canino: efeitos da fase do ciclo estral.] Pesquisa Veterinária Brasileira 36(8):761-766. Setor de Clínica de Pequenos Animais, Hospital de Clínicas Veterinárias. Departamento de Medicina Animal, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: alan.poppl@ufrgs.br As flutuações hormonais durante as diferentes fases do ciclo estral são uma causa importante de resistência insulínica em fêmeas caninas, e poucas informações são conhecidas sobre defeitos na ligação da insulina ao seu receptor, ou defeitos pós-receptor associados com resistência à insulina em cães. Para avaliar as características da ligação insulina-receptor no tecido muscular de cadelas durante o ciclo estral, dezessete pacientes foram utilizadas no estudo (seis em anestro, cinco em estro e seis em diestro). Um teste de tolerância à glicose intravenosa (IVGTT) foi realizado em todas as pacientes por meio da infusão de 1mL/kg de uma solução de glicose 50% (500mg/kg), com coletas de sangue para determinação de glicemia nos tempos 0, 3, 5, 7, 15, 30, 45 e 60 minutos da injeção de glicose. Amostras de tecido muscular foram coletadas durante ovariohisterectomia, imediatamente congeladas em nitrogênio líquido, e posteriormente armazenadas a -80°C até a preparação das membranas por meio de homogeneização e centrifugação sequencial. Para os experimentos de ligação hormônio-receptor, as membranas foram incubadas na presença de 20.000cpm de 125I-insulina humana, e concentrações crescentes de insulina regular humana não marcada para saturação fria. O IVGTT não mostrou diferenças entre as pacientes em diferentes fases do ciclo estral com relação a glicemia basal, ou na resposta glicêmica após infusão de glicose nos tempos estudados. Dois sítios de ligação da insulina, um de alta-afinidade, e outro de baixa afinidade, foram detectados pela análise de Scatchard, e diferenças significativas foram detectadas na constante de dissociação (Kd1) e capacidade de ligação máxima (Bmax1) dos sítios de ligação de alta-afinidade. O Kd1 para o grupo anestro (6,54±2,77nM/mg de proteína) foi menor (P<0,001) que os Kd1 dos grupos estro (28,54±6,94 nM/mg de proteína) e diestro (15,56±3,88nM/mg de proteína). Os Bmax1 dos grupos estro (0,83±0,42nM/mg de proteína) e diestro (1,24±0,24nM/mg de proteína) também foram maiores que os valores encontrados no grupo anestro (0,35±0,06nM/mg de proteína). Estes resultados demonstram uma modulação das características de ligação da insulina nas diferentes fases do ciclo estral em cães, evidenciando uma menor afinidade de ligação da insulina ao seu receptor no tecido muscular durante o estro e diestro. Contudo, esta menor afinidade de ligação hormônio-receptor é compensada por uma maior capacidade de ligação, o que fica também evidenciado pela ausência de diferenças na resposta glicêmica das pacientes após um desafio com glicose por via endovenosa.


#4 - Epidemiological, clinical and immunohistochemical aspects of canine lymphoma in the region of Porto Alegre, Brazil, 34(4):349-354

Abstract in English:

ABSTRACT.- Neuwald E.B., Teixeira L.V., Conrado F.O, Silva M.O.D., Hlavac N.R.C. & González F.H.D. 2014. Epidemiological, clinical and immunohistochemical aspects of canine lymphoma in the region of Porto Alegre, Brazil. Pesquisa Veterinária Brasileira 34(4):349-354. Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: eneuwald@ibest.com.br This paper describes the epidemiological, clinical and immunohistochemical characteristics of canine lymphomas diagnosed in the region of Porto Alegre, Brazil. Thirty dogs were enrolled in the study; most of them were male (60%), mixed-breed (23%) and middle-aged or older. The majority (87%) of affected dogs showed the multicentric form. The B-cell phenotype was most frequently detected (62%); 37% of the animals were in clinical stage IV, and 83% were classified as sub-stage “b”. Lymphadenopathy was observed in 67% of the cases, and dyspnea, prostration, decreased appetite and vomiting were the most common clinical signs encountered. Anemia was a frequently encountered laboratory alteration (57%), as were leukocytosis (40%), thrombocytopenia (33%), lymphopenia (30%), hyperglobulinemia (20%) and hypercalcemia (13%). The results of this study indicate that the clinical features of dogs with lymphoma in the region of Porto Alegre are similar to those observed worldwide.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Neuwald E.B., Teixeira L.V., Conrado F.O, Silva M.O.D., Hlavac N.R.C. & González F.H.D. 2014. Epidemiological, clinical and immunohistochemical aspects of canine lymphoma in the region of Porto Alegre, Brazil. [Aspectos epidemiológicos, clínicos e imuno-histoquímicos do linfoma canino na região de Porto Alegre.] Pesquisa Veterinária Brasileira 34(4):349-354. Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: eneuwald@ibest.com.br Esse trabalho apresenta os achados epidemiológicos, clínicos e imuno-histoquímicos de linfomas caninos diagnosticados na região de Porto Alegre. Trinta cães foram incluídos no estudo; sendo principalmente machos (60%), sem raça definida (23%) e de meia-idade a idosos. A maioria (87%) dos cães afetados apresentou a forma anatômica multicêntrica. O imunofenótipo B foi detectado com mais frequência (62%); 37% dos cães apresentavam estadiamento clínico IV e 83% encontravam-se no subestádio “b”. Linfadenopatia foi observada em 67% dos casos; outros sinais clínicos comumente detectados foram dispneia, prostração, diminuição do apetite e vômitos. Anemia foi a alteração laboratorial mais frequente (57%), seguida por leucocitose (40%), trombocitopenia (33%), linfopenia (30%), hiperglobulinemia (20%), hiperproteinemia (17%) e hipercalcemia (13%). Os resultados do presente estudo indicam que as características epidemiológicas e clínicas de cães com linfoma na região de Porto Alegre são semelhantes às observadas em todo o mundo.


#5 - Metabolic evaluation of dairy cows submitted to three different strategies to decrease the effects of negative energy balance in early postpartum, 31(Supl.1):11-17

Abstract in English:

ABSTRACT.- García A.M.B., Cardoso F.C., Campos R., Thedy D.X. & González F.H.D. 2011. Metabolic evaluation of dairy cows submitted to three different strategies to diminish the effects of negative energy balance in early postpartum. Pesquisa Veterinária Brasileira 31(Supl.1):11-17. Departamento de Patologia Clínica Veterinária, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: alejandrabarrera.ufrgs@yahoo.com In early lactation dairy cattle suffer metabolic alterations caused by negative energy balance, which predisposes to fatty liver and ketosis. The aim of this study was to evaluate the metabolic condition of high yielding dairy cows subjected to three treatments for preventing severe lipomobilization and ketosis in early lactation. Fifty four multiparous Holstein cows yielding >30 L/day were divided into four groups: control (CN= no treatment), glucose precursor (PG= propylene-glycol), hepatic protector (Mp= Mercepton®), and energy supplement with salts of linolenic and linoleic faty acids (Mg-E= Megalac-E®). Treatments were administrated randomly at moment of calving until 8 weeks postpartum. Blood samples were collected on days 1, 7, 14, 21, 28, 35, 42 and 49 postpartum. Body condition score (BCS) was evaluated at the same periods and milk yield was recorded at 2nd, 4th, 5th, 6th, 7th, and 8th weeks of lactation. Concentrations of non-esterified fatty acids (NEFA), albumin, AST, ß-hydroxybutyrate (BHBA), cholesterol, glucose, total protein, urea and triglycerides were analyzed in blood samples. Cut-off points for subclinical ketosis were defined when BHBA &#8805;1.4 mmol/L and NEFA &#8805;0.7 mmol/L. General occurrence of subclinical ketosis was 24% during the period. An ascendant curve of cholesterol and glucose was observed from the 1st to the 8th week of lactation, while any tendency was observed with BHBA and NEFA, although differences among treatments were detected (p&#8804;0.05). BCS decreased from a mean of 3.85 at 1st week to 2.53 at 8th week of lactation (p=0.001). Milk yield was higher in the Mg-E group compared with the other treatment groups (p&#8804;0.05) Compared with the CN group, the treatments with Mp and PG did not show significant differences in blood biochemistry and milk yield. Cows receiving PG and Mg-E showed higher values of BHBA and NEFA (P<0.05), indicating accentuated lipomobilization. Supplementation with Mg-E also resulted in significant higher concentrations of cholesterol, BHBA, urea, AST and lower values of glycemia. This performance may be explained by the highest milk yield observed with this treatment. Treatments with PG and Mp did not improve milk yield, compared with control cows, but did not show metabolic evidence of ketosis, fat mobilization or fatty liver. These results suggest that treatment with Mg-E improves milk production but induces a higher negative energy balance leading to moderated lipomobilization and ketone bodies production, increasing the risk of fatty liver.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- García A.M.B., Cardoso F.C., Campos R., Thedy D.X. & González F.H.D. 2011. Metabolic evaluation of dairy cows submitted to three different strategies to diminish the effects of negative energy balance in early postpartum. [Avaliação metabólica de vacas leiteiras submetidas a três estratégias para diminuir os efeitos do balanço energético negativo no pós-parto inicial.] Pesquisa Veterinária Brasileira 31(Supl.1):11-17. Departamento de Patologia Clínica Veterinária, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: alejandrabarrera.ufrgs@yahoo.com Durante o início da lactação as vacas leiteiras sofrem transtornos metabólicos causados pelo balanço energético negativo, o que predispõe a infiltração gordurosa hepática e cetose. O objetivo deste estudo foi avaliar o status metabólico de vacas leiteiras de alta produção submetidas a três tratamentos para prevenir severa lipomobilização e cetose no início da lactação. Cinquenta e quatro vacas de raça Holandesa multíparas produzindo >30 L/dia foram divididas em quatro grupos: controle (CN= sem tratamento), precursor de glicose (PG= propileno-glicol), protetor hepático (Mp= Mercepton®) e suplementação com sais de ácidos linolênico e linoléico (Mg-E= Megalac-E®). Amostras de sangue foram coletadas nos dias 1, 7, 14, 21, 28, 35, 42 e 49 do pós-parto. A condição corporal foi avaliada nos mesmos períodos e a produção de leite foi registrada nas semanas 2, 4, 5, 6, 7 e 8 de lactação. As concentrações de ácidos graxos não esterificados (AGNE), albumina, AST, ß-hidroxibutirato (BHB), colesterol, glicose, proteína total, uréia e triglicerídeos foram determinadas nas amostras de sangue. Pontos de corte para diagnosticar cetose subclínica foram definidos quando BHB &#8805;1,4mmol/L e AGNE &#8805;0,7mmol/L. A ocorrência geral de cetose subclínica foi de 24% durante o período. Uma curva ascendente de colesterol e de glicose foi observada desde a 1ª até a 8ª semana de lactação, enquanto que nenhuma tendência foi observada com BHB e AGNE, embora diferenças entre os tratamentos foram detectadas (p&#8804;0,05). A condição corporal diminuiu de uma media de 3,85 na 1ª semana até 2,53 na 8ª semana de lactação (p=0,001). A produção de leite foi superior no grupo de Mg-E comparado com os demais tratamentos. Comparado com o grupo CN, os tratamentos de Mp e PG não mostraram diferenças significativas na bioquímica sanguínea nem na produção de leite (p&#8804;0,05) As vacas que receberam PG e Mg-E mostraram maiores valores de AGNE, indicando uma acentuada lipomobilização. A suplementação com Mg-E também resultou em maiores concentrações de colesterol, BHB, uréia, AST e menores valores de glicemia. Este resultado pode ser explicado pela maior produção de leite observada com este tratamento. Os tratamentos com PG e Mp não melhoraram a produção de leite, comparados ao grupo CN, mas também não mostraram evidências metabólicas de cetose, alta lipomobilização nem infiltração gordurosa hepática. Os resultados sugerem que o tratamento com Mg-E melhora a produção de leite, mas induz um balance energético negativo maior levando a moderada lipomobilização e produção de corpos cetônicos, aumentando o risco de fígado gorduroso.


#6 - Frequências dos tipos sanguíneos do sistema DEA em uma população de cães de raça doadores de sangue em Porto Alegre, RS, 31(2):178-181

Abstract in English:

ABSTRACT.- Esteves V.S., Lacerda L.A., Lasta C.S., Pedralli V. & González F.H.D. 2011. Frequencies of DEA blood types in a purebred canine blood donor population in Porto Alegre, RS, Brazil. Pesquisa Veterinária Brasileira 31(2):178-181. Laboratório de Análises Clínicas Veterinárias, Departamento de Patologia Clínica Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: luciana.lacerda@ufrgs.br The study of canine immunohematology is very important for veterinary transfusion medicine. The objective of this study was to determine the DEA blood type frequencies in a purebred canine blood donor population from Porto Alegre, RS, Brazil. One hundred clinically healthy purebred dogs were chosen, 20 dogs from each breed (Great Dane, Rottweiler, Golden Retriever, German Shepherd and Argentine Dogo). Blood samples were taken in ACD-A tubes and the MSU hemagglutination tube test (MI, USA) was used to determine the blood types. The studied population presented general frequencies of 61% for DEA 1.1, 22% for DEA 1.2, 7% for DEA 3, 100% for DEA 4, 9% for DEA 5 and 16% for DEA 7. A significant association was found between breeds and certain combinations of blood types in this population. The results are in agreement with the literature since most part of the canine population studied was positive for DEA 1.1, the most antigenic blood type in dogs. Differences were found among the studied breeds and those should be considered when selecting a blood donor. The knowledge of blood types frequencies and their combinations in different canine populations, including different breeds, is important because it shows the particularities of each group, helps to keep a data bank of local frequencies and minimizes the risks of transfusion reactions.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Esteves V.S., Lacerda L.A., Lasta C.S., Pedralli V. & González F.H.D. 2011. Frequencies of DEA blood types in a purebred canine blood donor population in Porto Alegre, RS, Brazil. Pesquisa Veterinária Brasileira 31(2):178-181. Laboratório de Análises Clínicas Veterinárias, Departamento de Patologia Clínica Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: luciana.lacerda@ufrgs.br O estudo da imunohematologia canina é muito importante para a medicina veterinária transfusional. O objetivo deste estudo foi determinar as frequências dos tipos sanguíneos do sistema DEA em uma população de cães de raça que fazem parte de um programa de cães doadores de sangue em Porto Alegre, RS, Brasil. Cem cães saudáveis de raça pura foram selecionados, vinte de cada raça (Dogue Alemão, Rottweiler, Golden Retriever, Pastor Alemão e Dogo Argentino). Amostras de sangue foram coletadas em tubos contendo ACD-A e o teste de hemaglutinação em tubo de ensaio da MSU (MI, EUA) foi utilizado para determinar os tipos sanguíneos. A população estudada apresentou frequências gerais de 61% para DEA 1.1, 22% para DEA 1.2, 7% para DEA 3, 100% para DEA 4, 9% para DEA 5 and 16% para DEA 7. Uma associação significativa foi encontrada entre as raças e certas combinações de tipos sanguíneos nesta população. Os resultados estão de acordo com a literatura, visto que a maioria da população canina estudada foi positiva para DEA 1.1, o tipo sanguineo mais antigênico em cães. Foram encontradas diferenças entre as raças estudadas e estas devem ser consideradas na seleção de um doador de sangue. O conhecimento das frequências dos tipos sanguíneos e de suas combinações em diferentes populacões caninas, incluindo diferentes raças, é importante, pois demonstra as particularidades de cada grupo, auxilia na manutenção de um banco de dados sobre as frequências locais e minimiza os riscos de reações transfusionais.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV