Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa Lessa D.A.B

#1 - Leukotriene B4 in equine asthma syndrome: what do we know so far?

Abstract in English:

The term “equine asthma syndrome” (EAS) was recently proposed due to the resemblance of the equine disease to human asthma. Leukotrienes cause constriction of the bronchi, especially in the lower airways and increase mucus secretion in the respiratory system. Leukotriene B4 (LTB4) has been discovered as a strong chemotactic factor, which plays a role in neutrophil migration. The immunologic background of EAS remains not fully elucidated despite many studies on the pathogenesis. This study aimed to evaluate the LTB4 concentration in the bronchoalveolar lavage fluid (BALF) of horses with and without pulmonary inflammatory disease. Thirty-five mixed breed horses were studied and LTB4 was determined by using specific ELISA Kit. The horses were grouped by 2 different criteria for statistical analysis of data: 1) according to the values for BALF citology and 2) according to the detection of LTB4 in BALF. There was significant difference of effect of age on the LTB4 detection in equine BALF. Younger animals were the majority where it was possible to detect LTB4 values in LBA. In conclusion, there was an effect of age on the detection of LTB4 in equine BALF, where LTB4 levels were more easily detected in younger animals than older animals and the results of this study raise the possibility of considering future studies with the objective of establishing the real role and the best moment to detect LTB4 in BALF of the equine asthma syndrome.

Abstract in Portuguese:

Recentemente, o termo “síndrome da asma equina” (SAE) foi proposto devido à semelhança da doença equina à asma humana. Os leucotrienos causam constrição dos brônquios, especialmente nas vias aéreas posteriores e aumentam a secreção de muco no sistema respiratório. O leucotrieno B4 (LTB4) foi descoberto como um forte fator quimiotático, que desempenha um papel na migração de neutrófilos. O fundo imunológico do SAE permanece não completamente elucidado apesar de muitos estudos sobre a patogênese. Este estudo teve como objetivo avaliar a concentração de LTB4 no lavado broncoalveolar (LBA) de equinos com e sem doença inflamatória pulmonar. Trinta e cinco cavalos de raças mistas foram estudados e o LTB4 foi determinado usando o kit ELISA específico. Os animais foram agrupados por dois critérios diferentes para análise estatística dos dados: 1) de acordo com os valores para citologia do LBA e 2) de acordo com a detecção do LTB4 no LBA. Houve diferença significativa do efeito da idade na detecção do LTB4 no LBA equino. Os animais mais jovens foram a maioria onde foi possível detectar os valores de LTB4 no LBA. Em conclusão, houve um efeito da idade na detecção de LTB4 em LBA equino, onde os níveis de LTB4 foram mais facilmente detectados em animais jovens do que em animais mais velhos e foi possível detectar a concentração de LTB4 no LBA equino e os resultados deste estudo levantam a possibilidade de considerar futuros estudos com o objetivo de estabelecer o real papel e o melhor momento para detectar LTB4 no LBA da síndrome asmática equina.


#2 - Protocols for preparation of platelet rich plasma (PRP) in Quarter Horses

Abstract in English:

This study compared two protocols for preparation of platelet rich plasma (PRP) and evaluated the association between manual and automated methods for platelet count using a prospective study design. Eight clinically healthy Quarter Horses had venous blood samples collected at rest. After collection, blood samples were centrifuged twice, using two different protocols including a period of sample resting, either at the start or at the end of the protocol. Platelet counting at the start of the protocol, during, and after obtaining PRP was conducted manually or with an automated counter, followed by comparison of the two methods. In order to investigate platelet degranulation during the protocol, vascular endothelial growth factor (VEGF) was measured at each preparation stage. The protocol with sample resting before centrifugation yielded a more concentrated PRP, and the study verified that both manual and automated methods are comparable and can be used interchangeably for platelet counting. VEGF concentration did not differ significantly between protocols, or among protocol stages. The results indicate that choice of protocol for PRP preparation will affect the quantity of platelets in the final product, although platelet degranulation was not observed as evidenced by the stable VEGF concentrations measured. A larger yield of non-degranulated platelets in PRP is desirable since more α-granules will be present, therefore Protocol II is recommended. Both manual and automated counts reliably allow clinicians to obtain platelet counts and the choice of utilizing a manual or automated method is unlikely to interfere with evaluation of the final PRP product.

Abstract in Portuguese:

Este estudo comparou dois protocolos de preparo de plasma rico em plaquetas (PRP) e avaliou a associação entre dois métodos de contagem plaquetária – um manual e o outro automático através de um estudo prospectivo. Sangue venoso de oito equinos da raça Quarto de Milha foi coletado e em seguida foi centrifugado duas vezes utilizando-se dois protocolos distintos: um com descanso antes da primeira centrifugação e outro após a segunda centrifugação. A contagem plaquetária ao início, no meio e ao final dos protocolos foi realizada manualmente e pelo método automatizado, seguida de comparação entre os dois métodos. Para investigar a degranulação plaquetária ocorrida durante o preparo do PRP, o fator de crescimento vascular endotelial (VEGF) foi mensurado em cada estágio dos protocolos. O método utilizando o descanso da amostra antes da primeira centrifugação proporcionou a obtenção de um PRP mais concentrado, além de o estudo verificar que ambos os métodos de contagem plaquetária (manual e automatizado) são comparáveis e podem ser usados indiferentemente. A concentração de VEGF não foi significativamente diferente entre os estágios de preparo do PRP. Os resultados indicam que o método de preparo afeta a quantidade de plaquetas obtidas no PRP, apesar da degranulação plaquetária não ter sido observada, como evidenciado pela concentração estável de VEGF. Uma maior concentração de plaquetas no PRP é desejável, pois indica que um maior número de α-grânulos estará presente na amostra, portanto, conclui-se que o Protocolo II é mais recomendável. Tanto o método manual, quanto o automatizado, pode ser usado de maneira confiável para a contagem plaquetária, não interferindo com a avaliação do produto final (PRP).


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV