Resultado da pesquisa (6)

Termo utilizado na pesquisa Lopes J.R.G

#1 - Phytotoxins eliminated by milk: a review

Abstract in English:

Milk is a complex emulsion of lipids suspended in aqueous protein solution that can be a carrier of various contaminants, but generally it is not an important route of toxic excretion. The main problem is chronic repetitive exposure, as it occurs with ingestion of toxic plants and its potential danger to animals that consume the milk. Previously reported hazardous phytotoxins eliminated by milk include: indolizidine alkaloids, causing oligosaccharide storage disease; piperidine alkaloids, causing acute poisoning or malformations; pyrrolizidine alkaloids, which cause hepatic lesions; quinolizidine alkaloids, as a cause of skeletal defects; glucosinolates, which cause changes in the thyroid; tremetol (or tremetone), which causes a disease characterized by tremors in animals and milk sickness in humans; sodium monofluoracetate, which causes the death of kids after ingestion of colostrum from goats that have ingested Amorimia septentrionalis during gestation; ptaquiloside, which induces carcinogenesis in animals that ingest milk or derivatives produced by animals that have ingested Pteridium spp. Ipomoea asarifolia, which contains indole diterpenes causing tremors in suckling pups. Chrysocoma ciliata causes alopecia in suckling pups, but its toxic compound is still unknown. Knowledge about the risk of exposure to these substances via milk and its dissemination are important for veterinary and human health.

Abstract in Portuguese:

O leite é uma mistura complexa de lipídeos suspensos em solução aquosa de proteínas e pode ser veículo de diversos contaminantes, mas, geralmente, não é uma importante via de excreção de tóxicos. O principal problema é a exposição repetida, como ocorre com a ingestão de plantas tóxicas, e seu potencial perigo para os animais que consomem o leite. As fitotoxinas já descritas, que são eliminadas através do leite e podem causar danos à saúde incluem: alcaloides indolizidínicos, causam a doença do armazenamento de oligossacarídeos; alcaloides piperidínicos, que causam intoxicação aguda, pela sua capacidade de dessensibilizar os receptores nicotínicos da acetilcolina, ou malformações; alcaloides pirrolizidínicos, que provocam alterações hepáticas; alcaloides quinolizidínicos, que causam defeitos esqueléticos; glucosinolatos, que provocam alterações na tireoide; tremetol (ou tremetone), que provoca, em animais, uma doença caracterizada por tremores, e em humanos, a doença conhecida como doença do leite; monofluoracetato de sódio, que causa a morte de filhotes após a ingestão do colostro de fêmeas que ingeriram Amorimia septentrionalis durante a gestação; ptaquilosídeo, que induz a carcinogênese em animais que ingerem leite ou derivados, produzidos por animais que ingeriram Pteridium spp. Ipomoea asarifolia contem indol diterpenos que causam tremores em filhotes lactentes. Chrysocoma ciliata causa alopecia em filhotes lactentes, porém seu princípio ativo tóxico ainda é desconhecido. O conhecimento e a divulgação sobre o risco da exposição a essas substâncias eliminadas através do leite são importantes tanto para a saúde animal quanto para a saúde humana.


#2 - Neonatal mortality associated with sodium monofluoracetate in kids fed with colostrum from goats ingesting Amorimia septentrionalis

Abstract in English:

Sudden deaths after colostrum ingestion in kids and lambs born to mothers grazing in areas with Amorimia septentrionalis have been reported in the Brazilian northeastern semi-arid region, in Paraíba state. This study aimed to determine whether the sodium monofluoracetate (MF) contained in A. septentrionalis is eliminated in milk, causing the death of kids. After confirming gestation on the 25th day after mating, 26 goats were randomly distributed into three groups. In Group 1, eight goats received fresh leaves of A. septentrionalis in daily doses of 1g/kg body weight, administered at three different periods during gestation: from days 91 to 100, 116 to 125, and from day 140 until delivery day. In Group 2, consisting of 10 females, eight goats received 1g/kg body weight of A. septentrionalis dried and milled leaves, fed daily from the 140th day of gestation until delivery. The other two goats of this group did not ingest the plant during gestation and after delivery the colostrum supplied to their kids was replaced by colostrum of goats from that same group that had ingested the plant. Eight goats from Group 3 (control) did not ingest A. septentrionalis. Seven goats from Group 1 showed signs of poisoning from 2nd to 8th days of plant administration, in all periods, and recovered within 7 to 12 days. Another goat presented severe clinical signs and was submitted to euthanasia in extremis. Two goats aborted. Four kids, from two goats, received colostrum and, after 15 minutes, presented depression, breathing wheezing, lateral recumbence, bleating, and death. Two goats gave birth at night; the two kids were found dead and, at necropsy, it was verified that they were born alive. The last goat in this group gave birth to two kids which showed no signs of poisoning after colostrum ingestion. In Group 2, the eight goats that ingested dry leaves of the plant presented tachycardia and engorgement of the jugular veins; six aborted, and the kids of the other two goats died immediately after delivery without ingesting colostrum. The three kids of the two goats that did not ingest the plant during gestation did not show signs of poisoning after ingesting colostrum from the goats that had ingested the plant. In Group 3, all females kidded normally and the kids showed no signs of poisoning. Ten leaf samples of A. septentrionalis contained 0.00074% ±0.00018 MF. These results demonstrate that the MF of A. septentrionalis is eliminated in colostrum and may cause the death of kids. As in previous reports, the plant also caused abortion.

Abstract in Portuguese:

Mortes súbitas, após a ingestão do colostro, em cabritos e cordeiros nascidos de mães que pastejam em áreas com Amorimia septentrionalis são relatadas no semiárido da Paraíba. O objetivo deste trabalho foi determinar se o monofluoracetato de sódio (MF) contido em Amorimia septentrionalis é eliminado pelo leite, causando a morte dos cabritos. Após a confirmação da gestação no 25º dia após a cobertura, 26 cabras foram aleatoriamente distribuídas em três grupos. No Grupo 1, oito cabras receberam folhas frescas de A. septentrionalis em doses diárias de 1g/kg de peso vivo, administradas em três períodos diferentes durante a gestação: entre os dias 91 a 100, 116 a 125 e do 140º dia até o parto. No Grupo 2, composto por 10 fêmeas, oito cabras receberam 1g/kg de peso vivo de folhas secas e trituradas de A. septentrionalis, fornecida diariamente do 140º dia de gestação até o parto. As outras duas cabras desse grupo não ingeriram a planta durante a gestação e, ao parirem, o colostro fornecido aos seus cabritos foi substituído pelo colostro de cabras, desse mesmo grupo, que ingeriram a planta. Oito cabras do Grupo 3 (controle) não ingeriram A. septentrionalis. Sete cabras do Grupo 1 apresentaram sinais de intoxicação entre o 2º e 8º dia de administração da planta, em todos os períodos, e se recuperavam em 7 a 12 dias. Outra apresentou sinais clínicos graves e foi eutanasiada in extremis. Duas cabras abortaram. Quatro cabritos, oriundos de duas cabras, receberam colostro e, após 15 minutos, apresentaram depressão, respiração ofegante, decúbito lateral, berros e morte. Dois cabritos, nascidos de duas cabras que pariram durante a noite, foram encontrados mortos e os achados de necropsia permitem afirmar que nasceram vivos. A outra cabra desse grupo pariu dois cabritos que, mesmo mamando o colostro, não apresentaram sinais de intoxicação. No Grupo 2, as oito cabras que ingeriram a planta seca apresentaram taquicardia e ingurgitamento das veias jugulares; seis abortaram e os cabritos das outras duas morreram imediatamente após o parto, sem ingerir colostro. Os três filhotes das duas cabras que não ingeriram a planta durante a gestação não apresentaram sinais de intoxicação após ter ingerido colostro das cabras que tinham ingerido a planta. No Grupo 3, todas as fêmeas pariram normalmente e os filhotes não apresentaram sinais de intoxicação. Dez amostras de folhas de A. septentrionalis continham 0,00074% ±0,00018 de MF. Estes resultados demonstram que o MF de A. septentrionalis, além de causar abortos, é eliminado pelo colostro podendo causar a morte dos cabritos.


#3 - Evaluation of resistance to natural poisoning by Amorimia septentrionalis in goats which had received sodium monofluoroacetate degrading bacteria, 38(10):1913-1917

Abstract in English:

ABSTRACT.- Pessoa D.A.N., Silva L.C.A., Mendonça F.S., Almeida V.M., Lopes J.R.G., Albuquerque L.G., Silva A.A. & Riet-Correa F. Evaluation of resistance to natural poisoning by Amorimia septentrionalis in goats which had received sodium monofluoroacetate degrading bacteria. [Avaliação da resistência à intoxicação natural por Amorimia septentrionalis em caprinos que receberam bactérias degradadoras de monofluoroacetato de sódio.] Pesquisa Veterinária Brasileira 38(10):1913-1917. Unidade Acadêmica de Medicina Veterinária, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, Avenida Universitária s/n, Bairro Santa Cecília, Patos, PB 58700-970, Brazil. E-mail: danipessoavet14@gmail.com Amorimia septentrionalis is an important sodium monofluoroacetate (MFA) containing plant that causes sudden death in ruminants in northeastern Brazil. MFA degrading bacteria are being used in the prevention against poisoning by this plant. The aim of this study was to evaluate if goats which had per os received MFA degrading bacteria remained resistant when exposed to natural poisoning by A. septentrionalis. Eighteen goats were randomly distributed into three groups: the goats of Group 1 previously received, during 40 days, a solution containing the bacteria Ralstonia sp. and Burkholderia sp., those goats in the Group 2 received the bacteria Paenibacillus sp. and Cupriavidus sp. and goats from Group 3 did not receive any bacteria. After the administration period, during 60 days, the animals of all groups were released to graze on a one hectare paddock, with significant amount of A. septentrionalis. They were observed daily for the spontaneous consumption of A. septentrionalis leaves and the occurrence of clinical signs of poisoning or sudden death. Goats from all groups consumed significant amounts of A. septentrionalis during the experimental period. Goats that did not receive MFA-degrading bacteria (Group 3) became sick and died from the 25th to the 27th day of the experiment, whereas the goats of the groups that received MFA&#8209;degrading bacteria showed only clinical sings when A. septentrionalis regrowth after the 55th day of the experiment. The days elapsed from field observation to death of Group 3 goats (25.5±0.9 days) were significantly lower (p<0.05) than Group 1 (58.6±1.3 days) and Group 2 (57.8±1.5 days). Thus, it can be concluded that administration of MFA degrading bacteria increases the resistance to natural poisoning by A. septentrionalis.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Pessoa D.A.N., Silva L.C.A., Mendonça F.S., Almeida V.M., Lopes J.R.G., Albuquerque L.G., Silva A.A. & Riet-Correa F. Evaluation of resistance to natural poisoning by Amorimia septentrionalis in goats which had received sodium monofluoroacetate degrading bacteria. [Avaliação da resistência à intoxicação natural por Amorimia septentrionalis em caprinos que receberam bactérias degradadoras de monofluoroacetato de sódio.] Pesquisa Veterinária Brasileira 38(10):1913-1917. Unidade Acadêmica de Medicina Veterinária, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, Avenida Universitária s/n, Bairro Santa Cecília, Patos, PB 58700-970, Brazil. E-mail: danipessoavet14@gmail.com Amorimia septentrionalis que contém monofluoroacetato de sódio (MFA) é responsável pela ocorrência de mortes súbitas em ruminantes no nordeste do Brasil. Bactérias degradadoras desse composto estão sendo utilizadas na prevenção contra a intoxicação por essa planta. O objetivo deste estudo foi avaliar se caprinos que receberam, via oral, bactérias degradadoras de MFA permaneciam resistentes quando expostos a intoxicação natural por A. septentrionalis. Dezoito caprinos foram divididos em três grupos, os caprinos do Grupo 1 receberam anteriormente, durante 40 dias, uma solução contendo as bactérias Ralstonia sp. e Burkholderia sp., os do Grupo 2 receberam, também por 40 dias as bactérias Paenibacillus sp. e Cupriavidus sp. e os do Grupo 3 não receberam nenhuma bactéria. Após o período de administração, durante 60 dias, os animais de todos os grupos foram soltos para pastar em um piquete de um hectare, que apresentava uma quantidade significativa da planta. Diariamente eles foram observados quanto ao consumo espontâneo das folhas de A. septentrionalis e quanto à presença de sinais clínicos de intoxicação ou morte. Os caprinos de todos os grupos consumiram quantidades significantes da planta durante o período experimental. Os caprinos que não receberam as bactérias degradantes de MFA (Grupo 3) adoeceram e morreram entre o 25º e o 27º dia de experimento, enquanto que os que receberam as bactérias degradantes de MFA (Grupo 1 e 2) só apresentaram sinais clínicos no 55º dia de experimento, o que coincidiu com a rebrota da planta. Os dias transcorridos desde a observação a campo até a morte dos caprinos do Grupo 3 (25,5±0,9 dias) foram significativamente menores (p<0,05) que os do Grupo 1 (58,6±1,3 dias) e do Grupo 2 (57,8±1,5 dias). Com isso pode-se concluir que a administração de bactérias degradadoras de MFA aumenta à resistência a intoxicação natural por A. septentrionalis.


#4 - Embryonic mortality and abortion in goats caused by ingestion of Poincianella pyramidalis, 38(7):1259-1263

Abstract in English:

ABSTRACT.- Santos J.R.S., Lopes J.R.G., Medeiros M.A., Campos E.M., Medeiros R.M.T. & Riet-Correa F. 2018. Embryonic mortality and abortion in goats caused by ingestion of Poincianella pyramidalis. [Mortalidade embrionária e aborto em caprinos causados pela ingestão de Poincianella pyramidalis.] Pesquisa Veteriária Brasileira 38(7):1259-1263. National Institute of Agricultural Research, La Estanzuela, Casilla de correo 68033, Colonia, Uruguay. E-mail: frcorrea@inia.org.uy This study aimed to characterize the embryotoxic, teratogenic and abortifacient effect of Poincianella pyramidalis in goats. Twenty pregnant goats with 18 days of gestation were divided into five groups of four animals each. After collection, the leaves of P. pyramidalis were dried in the shade and crushed. The daily feed provided to the goats was equivalent to 3% of their body weight, being 1% concentrated feed and 2% roughage. In Group 1 (control), the provided roughage was Cynodon dactylon (Tifton) hay; in Groups 2, 3 and 4, 10%, 20% and 80% of the C. dactylon roughage was replaced by dry and ground P. pyramidalis, respectively. In Group 5, all the roughage was replaced by green P. pyramidalis ad libitum, collected daily. Ultrasonographic examination was performed twice a week throughout the pregnancy. Goats in Groups 1, 2 and 3, delivered normal kids. Two goats in Group 4 aborted at 127 and 90 days of gestation. In group 5, three goats showed embryonic death at 25, 30 and 31 days of gestation and the other goat aborted at 39 days of pregnancy. Malformations were not observed. It is suggested that P. pyramidalis, which is very common in the semiarid region of northeastern Brazil, should be considered as an important cause of reproductive losses in this area. Due to its high palatability, it is important to avoid the ingestion of P. pyramidalis by pregnant and mating goats.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Santos J.R.S., Lopes J.R.G., Medeiros M.A., Campos E.M., Medeiros R.M.T. & Riet-Correa F. 2018. Embryonic mortality and abortion in goats caused by ingestion of Poincianella pyramidalis. [Mortalidade embrionária e aborto em caprinos causados pela ingestão de Poincianella pyramidalis.] Pesquisa Veteriária Brasileira 38(7):1259-1263. National Institute of Agricultural Research, La Estanzuela, Casilla de correo 68033, Colonia, Uruguay. E-mail: frcorrea@inia.org.uy O objetivo deste trabalho foi estudar o potencial embriotóxico, abortivo e teratogênico da Poincianella pyramidalis em caprinos. Para tanto foram utilizadas 20 cabras prenhes com 18 dias de gestação, divididas em cinco grupos de quatro animais. Depois da coleta, as folhas de P. pyramidalis era secas a sombra e trituradas. A alimentação diária fornecida aos caprinos foi proporcional a 3% do seu peso vivo, sendo 1% de alimento concentrado e 2% de volumoso. No Grupo 1 (controle), o volumoso fornecido foi apenas feno de Cynodon dactylon (Tifton). Já nos Grupos 2, 3 e 4, 10%, 20% e 80% do volumoso foi substituído por folhas secas e trituradas de P. pyramidalis, respectivamente. No Grupo 5, todo o volumoso foi constituído por P. pyramidalis verde ad libitum, coletadas diariamente. Para o acompanhamento das gestações, exames ultrassonográficos foram realizados duas vezes por semana, durante toda a gestação. As cabras dos Grupos 1, 2 e 3 pariram cabritos normais. Duas cabras no Grupo 4 abortaram, sendo uma com 127 dias de gestação e outra com 90 dias. No grupo 5, três cabras apresentaram morte embrionária no 25º, 30º e 31º dia de gestação e uma cabra abortou no 39º dia de gestação. No presente estudo não foi observada nenhuma malformação. Com esses resultados e considerando a ampla difusão de P. pyramidalis na região semiárida do nordeste Brasileiro sugere-se que esta planta é uma importante causa de perdas reprodutivas na região. Devido a sua alta palatabilidade, recomenda-se evitar a permanência de cabras prenhes em áreas onde ocorre P. pyramidalis.


#5 - Resistance to poisoning by Amorimia septentrionalis in goats induced by ruminal inoculation of the bacteria Pigmentiphaga kullae and Ancylobacter dichloromethanicus, 35(2):125-128

Abstract in English:

ABSTRACT.- Pessoa D.A.N., Silva L.C.A., Lopes J.R.G., Macêdo M.M.S., Garino Jr F., Azevedo S.S. & Riet-Correa F. 2015. [Resistance to poisoning by Amorimia septentrionalis in goats induced by ruminal inoculation of the bacteria Pigmentiphaga kullae and Ancylobacter dichloromethanicus.] Resistência à intoxicação por Amorimia septentrionalis em caprinos, induzida pela inoculação ruminal das bactérias Pigmentiphaga kullae e Ancylobacter dichloromethanicus. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(2):125-128. Unidade Acadêmica de Medicina Veterinária, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, Avenida Universitária s/n, Bairro Santa Cecília, Patos, PB 58700-970, Brazil. E-mail: danipessoavet@gmail.com In Brazil is estimated that poisoning of livestock by sodium monofluoroacetate (MFA) containing plants causes the death of about 500.000 cattle per year. The ruminal inoculation of bacteria that degrade MFA has been proposed as a way to prevent the poisoning. This study aimed to evaluate in goats resistance to the MFA-containing plant Amorimia septentrionalis induced by ruminal inoculation of the bacteria Pigmentiphaga kullae and Ancylobacter dichloromethanicus. Twelve goats, without previous contact with MFA-containing plants, were divided into two groups of six animals each. In group 1, 60ml of a mixture of the two bacteria was inoculated every day for 10 days into each goat. In group 2, the goats did not receive the bacteria. At the 10th day of inoculation, A. septentrionalis began to be administered daily at a dose of 5g/kg body weight to both groups. The administration was interrupted in each goat after first clinical signs of poisoning were observed.. The goats of group 1 showed clinical signs 5.83±2.56 days after the administration of the plant, what differed significantly (p=0.037) from goats of group 2, that showed clinical signs 2.67±0 52 days after the beginning of ingestion. The amount of A. septentrionalis ingested by inoculated goats (28.83±12.97g/kg) to cause clinical sings was significantly greater (p=0.025) than the amount ingested by the non-inoculated (12.03±3.65) goats to cause clinical signs and was also statistically different between the groups. We concluded that the intraruminal administration of Pigmentiphaga kullae and Ancylobacter dichloromethanicus increases the resistance to poisoning by MFA-containing plants.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Pessoa D.A.N., Silva L.C.A., Lopes J.R.G., Macêdo M.M.S., Garino Jr F., Azevedo S.S. & Riet-Correa F. 2015. [Resistance to poisoning by Amorimia septentrionalis in goats induced by ruminal inoculation of the bacteria Pigmentiphaga kullae and Ancylobacter dichloromethanicus.] Resistência à intoxicação por Amorimia septentrionalis em caprinos, induzida pela inoculação ruminal das bactérias Pigmentiphaga kullae e Ancylobacter dichloromethanicus. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(2):125-128. Unidade Acadêmica de Medicina Veterinária, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, Avenida Universitária s/n, Bairro Santa Cecília, Patos, PB 58700-970, Brazil. E-mail: danipessoavet@gmail.com No Brasil, estima-se que as intoxicações por plantas tóxicas que contém monofluoroacetato de sódio (MFA) causam a morte de aproximadamente 500.000 bovinos ao ano. A inoculação ruminal de bactérias que degradam MFA tem sido proposta como uma forma de prevenir a intoxicação. O presente trabalho teve como objetivo avaliar, em caprinos, a resistência ao MFA presente em Amorimia septentrionalis, induzida por inoculação ruminal das bactérias Pigmentiphaga kullae e Ancylobacter dichloromethanicus. Doze caprinos, que nunca tiveram contato prévio com plantas que contêm MFA, foram divididos em dois grupos, com seis animais cada. No grupo 1, 60 mL de uma mistura das duas bactérias foi inoculada, diariamente, durante 10 dias em cada caprino. No grupo 2, os caprinos não receberam as bactérias. A partir do 10º dia de inoculação, A. septentrionalis foi administrada, diariamente, na dose de 5g/kg de peso vivo, sendo interrompida em cada animal após a observação dos primeiros sinais clínicos da intoxicação. Os caprinos do grupo 1 apresentaram sinais clínicos 5,83±2,56 dias após a administração da planta o que diferiu significativamente (p=0,037) dos caprinos do grupo 2, que apresentaram sinais clínicos aos 2,67±0,52 dias. A quantidade de planta ingerida pelos caprinos inoculados (28,83±12,97g/kg) e os não inoculados (12,03±3,65g/kg) para desencadear os sinais clínicos foi, também, estatisticamente diferente entre os grupos (p=0,025). Conclui-se que a administração intraruminal de Pigmentiphaga kullae e Ancylobacter dichloromethanicus induz resistência à intoxicação por plantas que contêm MFA.


#6 - Elimination of the tremorgenic toxin of Ipomoea asarifolia by milk, 34(11):1085-1088

Abstract in English:

ABSTRACT.- Lopes J.R.G., Riet-Correa F., Cook D., Pfister J.A. & Medeiros R.M.T. 2014. Elimination of the tremorgenic toxin of Ipomoea asarifolia by milk. Pesquisa Veterinária Brasileira 34(11):1085-1088. Hospital Veterinário, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, Patos, PB. 58708-110, Brazil. E-mail: rmtmed@uol.com.br With the aim to determine if the tremorgenic toxin of Ipomoea asarifolia is eliminated in milk, three groups of Swiss female mice received, immediately after giving birth until weaning, a ration containing 20% or 30% of dry I. asarifolia. All the offspring of the females that received 20% or 30% I. asarifolia showed tremors 2-4 days after birth. The offspring of the females that received 20% I. asarifolia recovered 4-7 days after weaning. The offspring of the females that received 30% of the plant in the ration died while showing tremors before weaning or up to two days after weaning. It is concluded that the tremorgenic compound of I. asarifolia or its toxic metabolites are eliminated in milk, and that lactating mice may be used as a model for the determination of the toxic compound(s) in this plant.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Lopes J.R.G., Riet-Correa F., Cook D., Pfister J.A. & Medeiros R.M.T. 2014. Elimination of the tremorgenic toxin of Ipomoea asarifolia by milk. [Eliminação da toxina tremorgênica de Ipomoea asarifolia pelo leite.] Pesquisa Veterinária Brasileira 34(11):1085-1088. Hospital Veterinário, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, Patos, PB. 58708-110, Brazil. E-mail: rmtmed@uol.com.br Com o objetivo de determinar se a toxina tremorgênica da Ipomoea asarifolia é eliminada pelo leite, três grupos de camundongos fêmeas da linhagem Swiss receberam, imediatamente após o parto até o desmame, ração contendo 20% ou 30% de folhas secas de I. asarifolia. Todos os filhotes das fêmeas que receberam 20% ou 30% de I. asarifolia apresentaram tremores 2-4 dias após o nascimento. Os filhotes das fêmeas que receberam 20% de I. asarifolia se recuperam 4-7 dias após o desmame. Os filhotes das fêmeas que receberam 30% da planta na ração morreram antes do desmame ou até dois dias após o desmame, ainda apresentando tremores. Conclui-se que o componente tremorgênico de I. asarifolia ou seus metabólitos são eliminados no leite, e que camundongos fêmeas em lactação podem ser usados como um modelo para a determinação do(s) composto(s) tóxico(s) desta planta.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV