Resultado da pesquisa (1)

Termo utilizado na pesquisa Machado-Júnior A.A.N

#1 - Effect of racial crossing on the scrotum-testicular biometry in sheep submitted to scrotal insulation, 37(3):291-294

Abstract in English:

ABSTRACT.- Lisboa-Neto A.F.S., Mariano-Filho P.G., Carvalho J.R., Araújo M.S., Santos A.C., Machado F.C.F., Silva-Filho M.L. & Machado-Júnior A.A.N. 2017. Effect of racial crossing on the scrotum-testicular biometry in sheep submitted to scrotal insulation. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(3):291-294. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Avenida Prof. Doutor Orlando Marques de Paiva 87, Butantã, São Paulo, SP 05508-010, Brazil. E-mail: lisboaneto@usp.br The objective of this study was to evaluate the effect of the racial crossing on scrotum-testicular biometric characteristics of four sheep Santa Ines and four crossbred (Santa Ines x Dorper) submitted to scrotal insulation, following the return of these characteristics to values previously reported. For this, two measurements were made regarding the scrotal circumference (SC), length (L) and testicular width (W) before treatments. The testicular volume (V) was calculated by the formula V=2 [(r²) x &#960; x H]. The pouches were made with double-layer plastic, internally lined with cotton, and fixed around the spermatic funiculus and scrotum with adhesive tape and bandage remaining in this position for seven days. Measurements were made every seven days, totaling 15 measurements throughout the experiment. The data were submitted to analysis of variance (ANOVA) to a randomized block design with two blocks, 15 treatments and four replications. The variables analyzed were subjected to Dunnett test at 5% probability, to compare the values obtained before and after insulation. For comparison between the breeds, the variables were submitted to Tukey test at 5% probability. All animals studied suffered significant influence (P<0.05) after scrotal insulation, but Santa Ines returned to the values previously observed in a shorter period than the crossbred. In summary, sheep Santa Ines have a higher resistance than crossbred animals when subjected to thermal stress induced by scrotal insulation.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Lisboa-Neto A.F.S., Mariano-Filho P.G., Carvalho J.R., Araújo M.S., Santos A.C., Machado F.C.F., Silva-Filho M.L. & Machado-Júnior A.A.N. 2017. Effect of racial crossing on the scrotum-testicular biometry in sheep submitted to scrotal insulation. [Efeito do cruzamento racial sobre a biometria escroto-testicular em ovinos submetidos à insulação escrotal.] Pesquisa Veterinária Brasileira 37(3):291-294. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Avenida Prof. Doutor Orlando Marques de Paiva 87, Butantã, São Paulo, SP 05508-010, Brazil. E-mail: lisboaneto@usp.br Objetivou-se neste trabalho avaliar o efeito do cruzamento sobre as características biométricas escroto-testiculares de carneiros da raça Santa Inês e mestiços (Santa Inês x Dorper), submetidos à insulação escrotal, acompanhando o retorno dessas características aos valores previamente observados. Para isso, foram realizadas duas mensurações referentes à circunferência escrotal (CE), comprimento (C) e largura testicular (L), antes da insulação. O volume testicular (V) foi calculado pela fórmula V=2 [(r²) x &#960; x h]. As bolsas de insulação foram fixadas ao redor do funículo espermático e escroto com fita adesiva e esparadrapo, permanecendo por sete dias. Após o período de insulação, as mensurações foram realizadas a cada sete dias, totalizando 15 mensurações durante todo o experimento. Os dados obtidos foram submetidos à análise de variância (ANOVA) para um delineamento em blocos casualizados, com dois blocos, 15 tratamentos e quatro repetições. As variáveis analisadas foram submetidas ao teste de Dunnett a 5% de probabilidade, para comparar os valores obtidos antes e após a insulação. Para a comparação entre as raças, as variáveis foram submetidas ao teste de Tukey a 5% de probabilidade. Todos os animais estudados sofreram influência significativa (P<0,05) após a insulação escrotal, porém os carneiros da raça Santa Inês retornaram aos valores anteriormente observados em um espaço de tempo mais curto do que os mestiços. Conclui-se que carneiros da raça Santa Inês apresentam maior resistência do que animais mestiços quando submetidos ao estresse térmico induzido pela insulação escrotal.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV