Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa Marques L.S

#1 - Causes of death of beef cattle raised in feedlots

Abstract in English:

The causes of death of cattle kept in pre-export feedlots (PEFs) and in feedlot for finishing for slaughter are described. Two studies were conducted: a retrospective study of mortality cases in feedlots from 2000 to 2017 registered at the “Laboratório Regional de Diagnóstico” of the “Faculdade de Veterinária” of the “Universidade Federal de Pelotas”; and a prospective study from January 2018 to August 2019, following up 22 feedlots for finishing and six PEFs for the export of live cattle. From January 2000 to August 2019 samples of 150 cases of diseases that affected feedlot cattle were received from 22 feedlots for finishing and 115 of the six PEFs followed. Mortality considering all diagnosed diseases was significantly higher in feedlots for finishing (p<0.05), than in PEFs for the export of live cattle, of 1% and 0.12%, respectively. Diseases of the digestive system were the most important causes, of death in feedlots regardless of its purpose. Acidosis presented the highest mortality rates both in feedlot for finishing (3.33%) as in PEFs for export (0.95%). In all cases the disease occurred due to failure in the adaptation of animals to the ingestion of concentrated foods. Bovine tick fever and pneumonia presented mortality rates of 0.13% and 0.09%, respectively in PEFs. In the feedlot for finishing seneciosis was the second cause of death due to cattle coming from areas with high infestation by the plant. In the present study, it was possible to identify the main diseases that occur in cattle feedlots for finishing or for the export of live animals in the southern region of Rio Grande do Sul. These diseases are known in other systems of cattle breeding and can be prevented or controlled through management, chemoprophylaxis or vaccination, minimizing losses due to mortality.

Abstract in Portuguese:

Descrevem-se as causas de morte de bovinos mantidos confinados em estabelecimentos pré-embarque (EPEs) para exportação de animais vivos e em estabelecimentos de terminação para abate. Foram realizados dois estudos: um retrospectivo dos casos de mortalidade em confinamentos de 2000 a 2017 registrados no Laboratório Regional de Diagnóstico da Faculdade de Veterinária da Universidade Federal de Pelotas; e um estudo prospectivo de janeiro de 2018 a agosto de 2019, acompanhando-se 22 confinamentos de terminação e seis EPEs para exportação de bovinos vivos. No total, de janeiro de 2000 a agosto de 2019 foram recebidos no LRD-UFPel amostras de 150 casos de enfermidades que afetaram bovinos confinados, 35 provenientes de 22 confinamentos de terminação e 115 dos seis EPEs acompanhados. A mortalidade considerando-se todas as enfermidades diagnosticadas foi significativamente maior nos confinamentos para terminação (p<0,05), do que nos EPEs para exportação de bovinos vivos, de 1% e 0,12%, respectivamente. As doenças do sistema digestivo foram as causas de morte mais importante nos confinamentos, independente da finalidade. Acidose apresentou as maiores taxas de mortalidade tanto nos confinamentos para terminação (3,33%) como nos EPEs para exportação (0,95%). Em todos os casos a doença ocorreu devido a falha na adaptação dos animais à ingestão de alimentos concentrados. Tristeza parasitária bovina e pneumonias apresentaram taxas de mortalidade de 0,13% e 0,09, respectivamente em EPEs de exportação. Nos confinamentos para terminação a seneciose foi a segunda causa de morte devido aos bovinos serem provenientes de áreas com alta infestação pela planta. Este estudo permitiu identificar as principais enfermidades diagnosticadas em confinamentos para terminação de bovinos ou para exportação de bovinos vivos na região Sul do Rio Grande do Sul. Observou-se que são doenças que ocorrem em outros sistemas de criação de bovinos e que podem ser prevenidas ou controladas por meio de manejo, quimioprofilaxia ou vacinação, minimizando prejuízos por mortalidade de animais.


#2 - Actinobacillosis outbreak in cattle with clinical manifestation of hippopotamus-like face

Abstract in English:

Actinobacillosis outbreak with clinical manifestation of hippopotamus-like face observed in a property located in the municipality of Capão do Leão, Southern Brazil, in September 2016, is described. The cattle herd remained for most of the year in rice stubble. When these areas were occupied with new crops, they were transferred to areas where there were small native forests. Three cattle were affected. They presented a volume increase in the nasolabial and maxillary region, and there was also regional lymph node swelling. The evolution of the disease occurred in approximately six months. In tissue fragments collected for culture, Actinobacillus lignieresii was isolated. The diagnosis was based on clinical findings, histopathological evaluation characterized by the presence of piogranulomas with Splendore Hoeppli reaction in its center, bacterial isolation, and identification of A. lignieresii by polymerase chain reaction (PRC) and genetic sequencing.

Abstract in Portuguese:

Descreve-se um surto de actinobacilose com manifestação clínica de cara de hipopótamo diagnosticado em uma propriedade localizada no município do Capão do Leão, Rio Grande do Sul em setembro de 2016. Os bovinos permaneciam durante a maior parte do ano em restevas de arroz e quando as áreas eram ocupadas com novas lavouras eram transferidos para áreas onde havia pequenas matas nativas. Foram afetados três bovinos adultos que apresentavam aumento de volume na região nasolabial e maxilar e havia, também, tumefação dos linfonodos regionais. A evolução da enfermidade era de aproximadamente seis meses. Nos fragmentos coletados para cultura houve isolamento de Actinobacillus lignieresii. O diagnóstico foi baseado nos achados clínicos, na avaliação histopatológica caracterizada pela presença de piogranulomas com reação de Splendori Hoeppli no centro, no isolamento bacteriano, identificação de Actinobacillus lignieresii por reação em cadeia da polimerase (PRC) e sequenciamento genético.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV