Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa Melo G.K.A

#1 - Comparison of two collection methods to determine protodioscin concentrations in Brachiaria spp. and to monitor Brachiaria spp. poisoning

Abstract in English:

The objective of this study was to evaluate the methods of collecting Brachiaria spp. (Simulated Grazing vs. Total Collection) for the determination of protodioscin concentrations and to monitor the intoxication in sheep susceptible and resistant to poisoning by Brachiaria spp. The collection of Brachiaria spp. was done through two different methods. The first one consisted in throwing a metallic square at 10 random picket points. The second was performed simulating, with the hands, the grazing behavior of sheep. The leaf blades obtained by the two methods were conditioned in a forced ventilation oven. The extraction and quantification of protodioscin from the dry milled plant material was done by reverse-phase high-performance liquid chromatography (HPLC). The collections were carried out at three stages of the life of experimental lamb (suckling, rearing, and finishing). The lambs were divided into resistant and susceptible to intoxication by Brachiaria spp. The criterion for a lamb to be considered sensitive was to present some clinical signs at some stage of its life. No significant differences were observed between the general averages of the two collections when the evaluation was done in the whole period. However, a significant difference was found at the onset of the clinical signs. The concentrations of protodioscin in this period were higher in Brachiaria spp. collected by the simulating grazing method. Both methodologies were efficient to determine the level of protodioscin in the pastures of Brachiaria spp. However, during the periods when the outbreaks occurred, the simulated grazing method was more reliable.

Abstract in Portuguese:

Objetivou-se avaliar dois métodos de coleta de Brachiaria spp. (Pastejo Simulado vs Coleta Total) para determinação das concentrações de protodioscina e efetuar o monitoramento da intoxicação em rebanhos sensíveis e resistentes à intoxicação por Brachiaria spp. Foram realizadas coletas de Brachiaria spp. através de duas metodologias. A primeira consistiu em fazer o lançamento de um quadrado metálico em 10 pontos aleatórios do piquete. A segunda foi realizada simulando com as mãos o comportamento de pastejo dos ovinos. As lâminas foliares obtidas pelas duas metodologias foram acondicionadas em estufa de ventilação forçada. O material seco e moído foi encaminhado para extração e quantificação da protodioscina por cromatografia líquida de alto desempenho (HPLC) de fase reversa. As coletas foram realizadas em três fases de vida dos cordeiros (cria, recria e terminação). Os cordeiros foram divididos em resistentes e sensíveis a intoxicação por Brachiaria spp. O critério para o ovino ser considerado sensível foi apresentar algum sinal clínico da intoxicação em alguma fase de sua vida. Não foram observadas diferenças significativas entre a média geral das duas coletas quando a avaliação foi feita no período total. Porém, foi observada diferença significativa no período de aparecimento dos casos. As concentrações de protodioscina neste período foram superiores pelo método do pastejo simulado. Ambas as metodologias mostraram-se eficientes para determinação da concentração da protodioscina nas pastagens de Brachiaria spp. No entanto, nos períodos em que ocorreram os surtos, o método do pastejo simulado foi mais fidedigno.


#2 - Identification of lamb flocks susceptible and resistant against Brachiaria poisoning, 36(5):383-388

Abstract in English:

ABSTACT.- Pupin R.C., Melo G.K.A., Heckler R.F., Faccin T.C., Ítavo C.C.B.F., Fernandes C.E, Gomes D.C. & Lemos R.A.A. 2016. Identification of lamb flocks susceptible and resistant against Brachiaria poisoning. Pesquisa Veterinária Brasileira 36(5):383-388. Laboratório de Anatomia Patológica, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Av. Senador Filinto Müller 2443, Campo Grande, MS 79074-460, Brazil. E-mail: ricardo.lemos@ufms.br This study was designed to assess the influence of genetic resistance against brachiaria poisoning in sheep. Two groups of sheep, one identified as susceptible (formed by two ewes and one ram) and the other as resistant against brachiaria poisoning (formed by three ewes and one ram) were selected. Sheep considered susceptible were those that presented clinical signs of brachiaria poisoning at any time of their life; resistant sheep were those that even raised on Brachiaria spp. pastures, did not developed any sign of the poisoning during their life. The offspring of the two flocks (15 lambs from the sensitive flock and 9 lambs from the resistant flock) were placed into brachiaria pasture (initially Brachiaria decumbens and B. brizantha,and only B. decumbens after weaning) and followed up during two years (2013-2014). The determination of protodioscin levels in B. decumbens pasture was performed only in 2014 and revealed significant amounts of the toxic principle. Eleven lambs of the susceptible group were affected to some degree of brachiaria poisoning and six died; no lamb of the resistant group was affected. Clinical signs consisted of varying degrees of subcutaneous edema of the face and, erythema and loss of hair of the ears, crusts on the skin of ears, around the eyes and on planum nasale, scar deformation of the ears, and bilateral ocular discharge; affected lambs also sought for shadowy shelters and they were poor doers. Several sheep recovered from the condition and then relapsed. Necropsy findings in six lambs included pale mucous membranes, emaciation, dermatitis, scar deformation of the ears, large yellow livers with marked lobular pattern, and moderate infestation by Haemonchus contortus. Histologically the liver lesions were similar in all necropsied lambs but with varying degrees of severity; they were consistent with brachiaria poisoning and included architectural disruption of hepatocellular trabecula, clusters of foamy macrophages occasionally forming multinucleated giant cells, swollen and vacuolated hepatocytes, crystals or negative images of crystals in the biliary system, bilestasis, bile duct proliferation and lymphoplasmacytic infiltrate in portal triads. The skin lesions were those of photodermatitis and included epidermal necrosis, hyperkeratosis and dermal neutrophilic infiltrate. The results of this study allow to conclude that there is a genetic related resistance to brachiaria poisoning in sheep since the progeny of resistant sheep did not manifest the poisoning. The use of resistant flocks in brachiaria pastures is suggested as a valuable option for the prevention of brachiaria poisoning in sheep.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Pupin R.C., Melo G.K.A., Heckler R.F., Faccin T.C., Ítavo C.C.B.F., Fernandes C.E, Gomes D.C. & Lemos R.A.A. 2016. Identification of lamb flocks susceptible and resistant against Brachiaria poisoning. [Identificação de rebanhos de cordeiros suscetíveis e resistentes a intoxicação por braquiária.] Pesquisa Veterinária Brasileira 36(5):383-388. Laboratório de Anatomia Patológica, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Av. Senador Filinto Müller 2443, Campo Grande, MS 79074-460, Brazil. E-mail: ricardo.lemos@ufms.br Este estudo avaliou a resistência genética na ocorrência de intoxicação por braquiária em ovinos. Foram selecionados dois grupos de ovinos, um identificado como suscetível (formado por duas ovelhas e um carneiro) e o outro como resistente (formado por três ovelhas e um carneiro). Foram considerados suscetíveis ovinos que apresentaram sinais de intoxicação por Brachiaria spp. em algum ponto de suas vidas e resistentes aqueles ovinos que, mesmo criados em pastagem de braquiária, nunca desenvolveram qualquer sinal da intoxicação. A progênie desses dois grupos (15 cordeiros do grupo suscetível e 9 no grupo resistente) foi colocada numa pastagem de braquiária (inicialmente Brachiaria decumbens e B. brizantha e, após o desmame, apenas B. decumbens) e acompanhada durante dois anos (2013-2014). A determinação dos níveis de protodioscina em B. decumbens foi realizada apenas em 2014 e foram encontradas quantidades significativas do princípio tóxico. Onze cordeiros do grupo suscetível foram afetados por algum grau de intoxicação por braquiária; nenhum cordeiro do grupo resistente foi afetado. Os sinais clínicos consistiam de graus variáveis de edema subcutâneo da face e eritema e alopecia da pele das orelhas, crostas na pele das orelhas e ao redor dos olhos e no plano nasal, retração cicatricial das orelhas, fotofobia e corrimento ocular bilateral. Três cordeiros apresentaram desenvolvimento retardado. Vários cordeiros se recuperaram da condição, mas posteriormente quando foram colocados na pastagem apresentaram recidivas. Achados de necropsia em seis cordeiros incluíam mucosas pálidas, pobre condição corporal, dermatite, deformação cicatricial das orelhas, fígado aumentado de volume, amarelo e com padrão lobular evidenciado e graus moderados de infestação por Haemonchus contortus. Histologicamente, as lesões hepáticas eram semelhantes em todos os cordeiros necropsiados, mas apresentavam vários graus de intensidade; eram consistentes com as lesões de intoxicação por braquiária e consistiam de desorganização da arquitetura trabecular dos hepatócitos, agregados de macrófagos espumosos ocasionalmente formando células gigantes multinucleadas, hepatócitos tumefeitos e vacuolizados, cristais ou imagem negativa de cristais no sistema biliar, bilestase, proliferação de ductos biliares e infiltrado linfoplasmocitário nas tríades portais. As lesões da pele eram de fotodermatite e incluíam necrose da epiderme, hiperqueratose e infiltrado neutrofílico na derme. Os resultados desse estudo permitem concluir que há uma resistência genética à intoxicação por braquiária em ovinos, uma vez que a progênie dos ovinos resistentes não manifestou a intoxicação. O uso de rebanhos resistentes em pastagens e braquiária é sugerido como uma valiosa opção para prevenir a intoxicação por braquiária em ovinos.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV