Resultado da pesquisa (4)

Termo utilizado na pesquisa Mori E

#1 - Cattle rabies: the effect of clinical evolution, viral genetic lineage, and viral load on the severity of histological lesions

Abstract in English:

Our objective was the characterization and staging of histological lesions in different anatomical sites of the central nervous system (CNS) of rabid cattle. The severity of the lesions was compared with the clinical stages of the disease, the variants of viral isolates, and with the load of virus. Thirty-one spontaneously affected rabid cattle the state of Santa Catarina underwent clinical follow-up and were eventually necropsied. CNS tissues were sampled and submitted to direct fluorescent antibody technique (DFAT), immunohistochemistry (IHC), routine histopathology with hematoxylin and eosin stain (HE), reverse transcriptase polymerase chain reaction (RT-PCR), and polymerase chain reaction in quantitative reverse transcriptase in real time (qRT-PCR). Affected cattle were allotted in four groups according to their clinical stage when euthanized: G1, euthanized while standing; G2, euthanized when in sternal recumbence; G3, euthanized when in lateral recumbence; and G4, affected cattle with natural death. In order to evaluate the degree of severity of the lesions and the presence of Negri bodies (NBs), the brain was sectioned at 9 sites. Additionally, spinal cord and trigeminal ganglion sections were examined. The intensity of the lesions was graded as either absent, mild, moderate, or marked, and the presence or absence of the NBs was noted. Histological lesions were characterized by lymphocytic and monocytic meningoencephalitis with NBs in 28 cases. In all analyzed groups, intensities of histological lesions ranging from mild to severe were observed. Brain regions with the highest inflammatory lesion intensity were the medulla at the level of obex, followed by the colliculus and thalamus. NBs were observed in a higher percentage in the cerebellum, followed by medulla at the obex level, striatum complex, and frontal telencephalon. The duration of the clinical course of the disease did not influence the intensity of the inflammatory lesion, but it did influence the presence of NBs, with a higher percentage of these inclusions in cattle that died naturally than in euthanized cattle. All isolated rhabdovirus included in this study were genetically compatible with samples from hematophagous bats Desmodus rotundus. The evaluation by qRT-PCR did not demonstrate a correlation between lesion intensity and the amount of virus.

Abstract in Portuguese:

Nosso objetivo foi a caracterização e estadiamento de lesões histológicas em diferentes locais anatômicos do sistema nervoso central (SNC) de bovinos raivosos. A gravidade das lesões foi comparada com os estágios clínicos da doença, as variantes dos isolados virais e com a quantidade de vírus. Trinta e um bovinos do estado de Santa Catarina, afetados naturalmente por raiva, foram acompanhados clinicalmente e, ao final, necropsiados. Os tecidos do SNC foram amostrados e submetidos a imunofluorescência direta, imunohistoquímica, histopatologia de rotina, reação em cadeia da polimerase via transcriptase reversa (RT-PCR) e reação em cadeia da polimerase em transcriptase reversa quantitativa em tempo real (qRT-PCR). Os bovinos afetados foram distribuídos em quatro grupos, de acordo com sua fase clínica: G1, eutanasiados quando ainda se mantinham em pé; G2, eutanasiados quando em decúbito esternal; G3, eutanasiados quando em decúbito lateral; e G4, bovinos afetados com morte natural. Para avaliar o grau de gravidade das lesões e a presença de corpúsculos de Negri (CNs), o cérebro foi seccionado em 9 locais. Além disso, seções da medula espinhal e do gânglio trigêmeo foram examinadas. A intensidade das lesões foi graduada como ausente, leve, moderada ou acentuada, e a presença ou ausência dos CNs foi anotada. Lesões histológicas foram caracterizadas por meningoencefalite linfocítica e monocítica com CNs em 28 casos. Em todos os grupos analisados foram observadas intensidades de lesões histológicas variando de leve a grave. As regiões cerebrais com maior intensidade de lesão inflamatória foram o bulbo no nível do obex, seguido do colículo e tálamo. CNs foram mais prevalentes no cerebelo, seguido pelo bulbo ao nível do óbex, corpo estriado e telencéfalo frontal. A duração do curso clínico da raiva não influenciou a intensidade da lesão inflamatória, mas influenciou a presença de CNs, com maior porcentagem dessas inclusões em bovinos que morreram naturalmente do que em bovinos sacrificados. Todos os isolados rabdovírus obtidos neste estudo eram geneticamente compatíveis com amostras provenientes de morcegos hematófagos Desmodus rotundus.


#2 - Emerging animal viruses: real threats or simple bystanders?, 33(10):1161-1173

Abstract in English:

ABSTRACT.- Flores E.F., Weiblen R., Cargnelutti J.F., Bauermann F.V., Mori E., Spilki F.R. & Franco A.C. 2013. Emerging animal viruses: real threats or simple bystanders? Pesquisa Veterinária Brasileira 33(10):1161-1173. Setor de Virologia, Departamento de Medicina Veterinária Preventiva, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria, Av. Roraima 1000, Camobi, Santa Maria, RS 97105-900, Brazil. E-mail: eduardofurtadoflores@gmail.com The list of animal viruses has been frequently added of new members raising permanent concerns to virologists and veterinarians. The pathogenic potential and association with disease have been clearly demonstrated for some, but not for all of these emerging viruses. This review describes recent discoveries of animal viruses and their potential relevance for veterinary practice. Dogs were considered refractory to influenza viruses until 2004, when an influenza A virus subtype H3N8 was transmitted from horses and produced severe respiratory disease in racing greyhounds in Florida/USA. The novel virus, named canine influenza virus (CIV), is considered now a separate virus lineage and has spread among urban canine population in the USA. A new pestivirus (Flaviviridae), tentatively called HoBi-like pestivirus, was identified in 2004 in commercial fetal bovine serum from Brazil. Hobi-like viruses are genetically and antigenically related to bovine viral diarrhea virus (BVDV) and induce similar clinical manifestations. These novel viruses seem to be widespread in Brazilian herds and have also been detected in Southeast Asia and Europe. In 2011, a novel mosquito-borne orthobunyavirus, named Schmallenberg virus (SBV), was associated with fever, drop in milk production, abortion and newborn malformation in cattle and sheep in Germany. Subsequently, the virus disseminated over several European countries and currently represents a real treat for animal health. The origin of SBV is still a matter of debate but it may be a reassortant from previous known bunyaviruses Shamonda and Satuperi. Hepatitis E virus (HEV, family Hepeviridae) is a long known agent of human acute hepatitis and in 1997 was first identified in pigs. Current data indicates that swine HEV is spread worldwide, mainly associated with subclinical infection. Two of the four HEV genotypes are zoonotic and may be transmitted between swine and human by contaminated water and undercooked pork meat. The current distribution and impact of HEV infection in swine production are largely unknown. Avian gyrovirus type 2 (AGV2) is a newly described Gyrovirus, family Circoviridae, which was unexpectedly found in sera of poultry suspected to be infected with chicken anemia virus (CAV). AGV2 is closely related to CAV but displays sufficient genomic differences to be classified as a distinct species. AGV2 seems to be distributed in Brazil and also in other countries but its pathogenic role for chickens is still under investigation. Finally, the long time and intensive search for animal relatives of human hepatitis C virus (HCV) has led to the identification of novel hepaciviruses in dogs (canine hepacivirus [CHV]), horses (non-primate hepaciviruses [NPHV] or Theiler’s disease associated virus [TDAV]) and rodents. For these, a clear and definitive association with disease is still lacking and only time and investigation will tell whether they are real disease agents or simple spectators.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Flores E.F., Weiblen R., Cargnelutti J.F., Bauermann F.V., Mori E., Spilki F.R. & Franco A.C. 2013. Emerging animal viruses: real threats or simple bystanders? [Vírus emergentes de animais: verdadeiras ameaças ou meros espectadores?] Pesquisa Veterinária Brasileira 33(10):1161-1173. Setor de Virologia, Departamento de Medicina Veterinária Preventiva, Centro de Ciências Rurais, Universidade Federal de Santa Maria, Av. Roraima 1000, Camobi, Santa Maria, RS 97105-900, Brazil. E-mail: eduardofurtadoflores@gmail.com O número de vírus animais cresce continuamente, causando preocupação permanente a virologistas e veterinários. O potencial patogênico e associação com doença tem sido claramente demonstrado para alguns - mas não para todos - vírus emergentes. Esse artigo apresenta uma breve revisão das recentes descobertas de vírus animais e a sua potencial relevância para saúde animal. Cães eram considerados refratários aos vírus da influenza até 2004, quando um vírus influenza A subtipo H3N8 foi transmitido de equinos e causou doença respiratória severa em cães galgos na Flórida/EUA. O novo vírus, denominado vírus da influenza canina (CIV), agora considerado uma linhagem distinta do vírus da influenza equina, disseminou-se na população canina urbana dos EUA. Um novo Pestivirus (Flaviviridae) - provisoriamente denominado pestivírus Hobi-like - foi identificado em 2004 em soro fetal bovino importado do Brasil. Os vírus Hobi-like são genética e antigenicamente relacionados com o vírus da diarreia viral bovina (BVDV) e induzem manifestações clínicas semelhantes. A sua origem e distribuição são desconhecidas, mas estão aparentemente disseminados no rebanho brasileiro e já foram identificados no sudeste asiático e na Europa. Em 2011, um novo buniavírus transmitido por mosquitos, denominado vírus Schmallemberg (SBV), foi associado com febre, redução da produção de leite, abortos e malformações fetais em bovinos e ovinos da Alemanha. Subsequentemente, esse agente se disseminou por vários países europeus e atualmente representa uma séria ameaça para saúde animal naquele continente. A origem do SBV é um tema ainda controverso, mas possivelmente tenha resultado de ressortimento entre os buniavírus Shamonda e Satuperi. O vírus da hepatite E (HEV, família Hepeviridae) é um conhecido agente de hepatite aguda em humanos e, em 1997, foi identificado pela primeira vez em suínos. Estudos epidemiológicos posteriores revelaram que o HEV está amplamente distribuído em rebanhos suínos, principalmente associado com infecção subclínica. Dois dos quatro sorotipos do HEV são zoonóticos e podem ser transmitidos entre suínos e humanos por água contaminada e carne mal-cozida. A distribuição atual e impacto da infecção pelo HEV na produção suína são desconhecidos. O girovírus aviário tipo 2 (AGV-2) é um novo girovírus, família Circoviridae, identificado no sangue de galinhas com suspeita de infecção pelo vírus da anemia aviária (CAV). O AGV-2 é estreitamente relacionado ao CAV, mas apresenta diferenças genômicas que justificam sua classificação como espécie viral distinta. O AGV-2 parece estar amplamente distribuído em galinhas no Brasil e também em outros países, mas seu potencial patogênico ainda é desconhecido. Finalmente, a longa e intensiva busca por vírus animais relacionados ao vírus da hepatite C humana (HCV) tem levado a identificação de “novos” pestivírus em cães (canine hepacivirus [CHV]), equinos (hepacivirus de não-primatas [NPHV] ou vírus associado à doença de Theiler [TDAV]) e em roedores. Para estes, uma associação clara e definitiva com doença ainda não foi demonstrada e apenas tempo e investigação irão dizer se são patógenos reais ou apenas espectadores.


#3 - Genotyping of polymorphisms in the prnp gene in Santa Ines sheep in the State of São Paulo, Brazil, 32(3):221-226

Abstract in English:

ABSTRACT.- Santos C.R., Mori E., Leão D.A. & Maiorka P.C. 2012. [Genotyping of polymorphisms in the prnp gene in Santa Ines sheep in the State of São Paulo, Brazil.] Genotipagem de polimorfismos no gene prnp em ovinos Santa Inês no Estado de São Paulo. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(3):221-226. Laboratório de Neuropatologia Experimental e Comparada, Departamento de Patologia, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, Cidade Universitária, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: caio-patologia@usp.br Enzootic paraplexia or scrapie is a fatal neurodegenerative disease affecting mainly sheep and rarely goats. The disease is influenced by polymorphisms at codons 136, 154 and 171 of prnp gene that encodes the prion protein. The animals may be susceptible or resistant to the development of the disease according to the allelic sequences observed in these codons. In Brazil there were only cases of scrapie in imported animals, therefore the country is considered free of the disease. This study performed the genotyping of different polymorphisms associated to the development of scrapie. Then, based on these findings the animals were categorized in resistant and susceptible. A total of 118 samples were sequenced from the Santa Ines sheep raised on properties located in the State of Sao Paulo. From these samples, 6 alleles and 11 genotypes were identified (ARQ / ARQ, ARR / ARQ, ARQ / AHQ, ARQ / VRQ, AHQ / AHQ, ARR / ARR, ARR / AHQ, VRQ / VRQ, ARQ / TRQ, TRR / TRR, TRQ / TRQ), the genotype ARQ / ARQ presented a frequency of 56.7%. It was also detected the presence of tyrosine at codon 136, which may be considered a rare observation, since there is no report regarding Santa Ines breeding presenting this polymorphism. These results showed the great genetic variability in Santa Ines in Sao Paulo and only 1,69% of the genotypes observed are extremely resistant to scrapie. These data demonstrate that the Santa Ines sheep can be considered potentially susceptible to scrapie.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Santos C.R., Mori E., Leão D.A. & Maiorka P.C. 2012. [Genotyping of polymorphisms in the prnp gene in Santa Ines sheep in the State of São Paulo, Brazil.] Genotipagem de polimorfismos no gene prnp em ovinos Santa Inês no Estado de São Paulo. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(3):221-226. Laboratório de Neuropatologia Experimental e Comparada, Departamento de Patologia, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, Cidade Universitária, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: caio-patologia@usp.br Scrapie ou paraplexia enzoótica dos ovinos é uma doença neurodegenerativa fatal que acomete ovinos e raramente caprinos. A doença é influenciada por polimorfismos nos códons 136, 154 e 171 do gene prnp que codifica a proteína priônica. Os animais podem ser susceptíveis ou resistentes, de acordo com as sequências alélicas observadas nos referidos códons. No Brasil ocorreram apenas casos de animais que foram importados, sendo o país considerado livre da doença. Neste trabalho foi realizada a genotipagem dos diferentes polimorfismos associados ao desenvolvimento do scrapie e a categorização em animais susceptíveis e resistentes. Foram sequenciadas 118 amostras provenientes de ovinos da raça Santa Inês criados em propriedades localizadas no Estado de São Paulo. Destas amostras foram identificados 6 alelos e 11 genótipos (ARQ/ARQ, ARR/ARQ, ARQ/AHQ, ARQ/VRQ, AHQ/AHQ, ARR/ARR, ARR/AHQ, VRQ/VRQ, ARQ/TRQ, TRR/TRR, TRQ/TRQ), dentre os quais o genótipo ARQ/ARQ teve ocorrência de 56,7%. Em nosso estudo foi detectada a presença da tirosina no códon 136, observação rara na medida em que não existem relatos nacionais e internacionais envolvendo a raça Santa Inês descrevendo este polimorfismo. Com os resultados obtidos, foi possível determinar a existência de grande variabilidade genética relacionada à raça Santa Inês no Estado de São Paulo. Apesar da variabilidade, apenas 1,69% dos genótipos observados mostraram-se extremamente resistentes ao scrapie. Estes dados demonstram que a raça nativa Santa Inês pode ser considerada potencialmente susceptível ao scrapie.


#4 - Cytology of tracheobronchial and bronchoalveolar lavage in healthy Holteins calves during the first month of life, 32(3):267-270

Abstract in English:

ABSTRACT.- Benesi F.J., Wachholz L., Bertagnon H.G., Leal M.L.R., Mori E. & Fernandes W.R. 2012. [Cytology of tracheobronchial and bronchoalveolar lavage in healthy Holteins calves during the first month of life.] Citologia dos lavados traqueobrônquico (LTB) e broncoalveolar (LBA) de bezerros holandeses sadios durante o primeiro mês de vida. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(3):267-270. Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: febencli@usp.br The neonatal calf is a critical moment for adaptation of the newborn to extra uterine life. The respiratory tract is functionally very demanded and often affected by disease, resulting in direct loss of their function and causing serious economic losses in livestock. The basic point to reduce these losses is appropriate clinical evaluation of neonates; but the diagnosis based solely in physical examination is very difficult to establish. The use of complementary analysis such cytology of the respiratory tract becomes an important diagnostic tool; however their findings must be standardized in the face of different techniques employed. This research studied the dynamics of the cellularity of the bronchoalveolar and tracheobronchial region obtained through lung lavage harvested by nasotracheal catheterization technique and tracheocenthesis respectively, during the first month of life of healthy calves. The tracheobronchial cytology was influenced by the time, showing decreased number of alveolar macrophages and greater number of neutrophils, possibly increased by local irritation caused by the technique, which was repeated sequentially, and/or through greater stimulation of inhaled microorganisms deposited in this region. In the bronchoalveolar region no variation in the cellular constituents in function of time was found. The results allowed the conclusion the cell population of the tracheobronchial region has changed over the week-old calves, possibly due to the technique used and/or to the normal region physiology, represented by higher magnitudes of neutrophils. Otherwise, the cells of the broncholaveolar region showed a stable behavior during the first month of life of newborn calves, presenting numerical predominance of alveolar macrophages.

Abstract in Portuguese:

ABSTRACT.- Benesi F.J., Wachholz L., Bertagnon H.G., Leal M.L.R., Mori E. & Fernandes W.R. 2012. [Cytology of tracheobronchial and bronchoalveolar lavage in healthy Holteins calves during the first month of life.] Citologia dos lavados traqueobrônquico (LTB) e broncoalveolar (LBA) de bezerros holandeses sadios durante o primeiro mês de vida. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(3):267-270. Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: febencli@usp.br O período neonatal dos bezerros é um momento crítico para adaptação do recém-nascido à vida extra uterina e o sistema respiratório, um dos mais exigidos funcionalmente, é frequentemente afetado por enfermidades, redundando no prejuízo direto da sua função e acarretando perdas econômicas importantes na pecuária. O ponto básico para reduzir estas perdas, é representado pela adequada avaliação clínica dos neonatos, todavia o diagnóstico baseado exclusivamente no exame físico é muito difícil de ser estabelecido. O uso de exames complementares como a citologia do trato respiratório torna-se uma ferramenta diagnóstica importante nestes casos, porém faz-se necessário, padronizar seus achados frente às diferentes técnicas empregadas para a sua obtenção. Assim, o presente estudo propôs-se acompanhar as variações dos constituintes celulares da região traqueobrônquica e broncoalveolar obtidos por lavados respiratórios pelos métodos de traqueocentese e por colheita nasotraqueal respectivamente, durante o primeiro mês de vida de bezerros sadios. Observou-se alteração no quadro citológico ao longo do tempo, quando a região traqueobrônquica foi lavada, expresso por diminuição da porcentagem de macrófagos alveolares, com aumento de neutrófilos, possivelmente, por maior irritação local provocada pela técnica, que se repetiu sequencialmente e/ou por maior estimulo de microorganismos inalados depositados nesta região. Na região broncoalveolar, não encontraram-se variações nos constituintes celulares em função do tempo. Os resultados permitiram a conclusão que a população celular da região traqueobrônquica modificou-se ao longo das semanas de vida dos bezerros, possivelmente pela técnica empregada e/ou fisiologia normal da região, sendo representadas por maiores magnitudes de neutrófilos. De modo diverso, na região broncolaveolar, as células evidenciaram um comportamento estável durante o primeiro mês de vida dos bezerros neonatos, apresentando predomínio numérico dos macrófagos alveolares.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV