Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa Oliveira L.B

#1 - Differential diagnoses in 83 dogs with icterus

Abstract in English:

Icterus (jaundice) is a yellowish pigmentation resulting from the depositing of bilirubin in tissues due to its high plasmatic concentration. The pathogenesis of icterus includes metabolic changes or obstructed bilirubin excretion and it is classified as pre-hepatic, hepatic and post-hepatic. This study aimed to evaluate and classify different causes of icterus in dogs during post mortem examination. These dogs were examined from 2014 to 2017, using macroscopic and histologic exams as well as ancillary tests. Eighty-three dogs were examined macroscopically and microscopically. They were separated into groups of icterus types: 24 (28.9%) dogs had pre-hepatic icterus, 45 (54.2%) had hepatic, 13 (15.7%) pre-hepatic and hepatic and one (1.2%) had post-hepatic icterus. Many factors were identified as a cause of icterus, including infectious agents (51/83), neoplasms (13/83), hepatic degeneration (11/83), chronic hepatic diseases (6/83), and obstructive causes (1/87). Among the infectious causes, leptospirosis, ehrlichiosis and disorders suggestive of septicemia were diagnosed. Neoplasms associated with icterus were cholangiocarcinoma, hemangiosarcoma and lymphoma. Other causes of icterus included degenerative diseases, such as lipidosis and glycogen degeneration. Hepatic fibrosis (cirrhosis) as a chronic disease and cholelithiasis also produced icterus. PCR was performed to confirm leptospirosis and ehrlichiosis. Samples of total DNA were used to amplify a fragment of a gene from Leptospira interrogans and Ehrlichia canis. In some dogs, co-infection of these agents was detected. The classification and identification of icterus etiologies in dogs is very important due to the number of diseases with this alteration, where ante mortem diagnosis is not always easily performed when some of these conditions are present.

Abstract in Portuguese:

Icterícia é a pigmentação amarelada decorrente da deposição de bilirrubina em tecidos devido à elevada concentração plasmática. A patogênese da icterícia inclui alterações no metabolismo ou na excreção de bilirrubina, sendo classificada em pré-hepática, hepática ou pós-hepática. O objetivo desse estudo foi identificar, avaliar e classificar as causas de icterícia em cães necropsiados de 2014 a 2017, associando as lesões macroscópicas, histológicas e exames complementares. Foram avaliados macro- e microscopicamente 83 cães com diferentes intensidades de icterícia. Os cães foram separados em grupos de acordo com o tipo de icterícia: 24 (28,9%) cães com icterícia pré-hepática, 45 (54,2%) cães com icterícia hepática, 13 (15,7%) com icterícia pré-hepática e hepática e um (1,2%) com icterícia pós-hepática. Foram identificadas várias etiologias associadas à icterícia, dentre elas pode-se destacar, agentes infecciosos (51/83), neoplasmas (13/83), processos degenerativos (11/83), crônicos (6/83) e obstrutivos (1/83). Dentre as causas infecciosas, destacam-se a leptospirose, a erliquiose e as lesões sugestivas de septicemia. Entre os neoplasmas associados com icterícia destacaram-se o colangiocarcinoma, hemangiossarcoma e linfoma. Outras causas de icterícia incluiriam os processos degenerativos como as degenerações gordurosa e glicogênica. Fibrose hepática (cirrose) e colelitíase foram também diagnosticados como causa de icterícia. A PCR foi utilizada para o diagnóstico confirmatório de leptospirose e erliquiose. Amostras de DNA total foram utilizadas para amplificar um fragmento dos genes de Leptospira interrogans e de Ehrlichia canis. Em alguns cães foi detectada co-infecção por estes agentes. A classificação e a identificação das causas de icterícia em cães são relevantes devido ao grande número de doenças que apresentam essa alteração, muitas vezes sem diagnóstico ante mortem.


#2 - Survival analyses and prognostic markers in canine cutaneous mast cell tumors, 34(9):874-884

Abstract in English:

ABSTRACT.- Natividade F.S., Castro M.B., Silva A.S., Oliveira L.B., McManus C.M. & Galera P.D. 2014. [Survival analyses and prognostic markers in canine cutaneous mast cell tumors.] Análise de sobrevida e fatores prognósticos de cães com mastocitoma cutâneo. Pesquisa Veterinária Brasileira 34(9):874-884. Programa de Pós-Graduação em Saúde Animal, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade de Brasília, Av. L4 Norte, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Brasília DF 70910-900, Brazil. E-mail: natividade@unb.br Mast cell tumor (MCT) is the most common malignant cutaneous neoplasm in dogs. Even with several prognostic markers being studied, in attempt to previse the biological behavior of these tumors, the histological grading is still commonly used to predict behavior, however, it is not significant to predict intermediately differentiated MCT behavior. Different prognostic and cell proliferation markers are being tested with promising results however, the majority of then requires specific staining and immunohistochemical techniques that even nowadays are expensive and not suitable for all veterinarians. Mitotic index is an indirect measure of cell proliferation and it can be established in a common histological microscope slide, and studies indicate it as an important prognostic marker for MCT in dogs. Given the recent publication of the novel two-tier histologic grading system, this study objective to evaluate the prognostic value of the different grading systems associating with survival and compare it with the mitotic index. Even though both grading systems associate with survival in the univariable analyses (P<.001), at the multivariable analyses neither was associated with survival (P>0,05), and the mitotic index was the most significant prognostic factor for survival, regardless of the cut-off point used (P<0,05), especially when Patnaik grade 2 tumors with unpredictable biological behavior were analyzed. The mitotic index was also significantly associated with both local and distant reccurence and paraneoplastic syndrome. In this study, mitotic index was the most significant prognostic factor, in the absence of specific staining and advanced immunohistochemical techniques, and its use is indicated in association with both histological grading system, aiming to add higher prognostic value possible.

Abstract in Portuguese:

RERSUMO.- Natividade F.S., Castro M.B., Silva A.S., Oliveira L.B., McManus C.M. & Galera P.D. 2014. [Survival analyses and prognostic markers in canine cutaneous mast cell tumors.] Análise de sobrevida e fatores prognósticos de cães com mastocitoma cutâneo. Pesquisa Veterinária Brasileira 34(9):874-884. Programa de Pós-Graduação em Saúde Animal, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade de Brasília, Av. L4 Norte, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Brasília DF 70910-900, Brazil. E-mail: natividade@unb.br O mastocitoma é a neoplasia cutânea maligna de maior frequência em cães. Apesar do estudo e do desenvolvimento de diversos marcadores prognósticos na tentativa de prever o comportamento biológico deste tipo de neoplasia, a graduação histológica continua sendo utilizada como principal delineador prognóstico para os animais acometidos, mesmo não conseguindo prever o comportamento de mastocitomas de diferenciação intermediária. Diferentes marcadores de proliferação e atividade celular vêm sendo testados com resultados promissores, entretanto, em sua maioria, demandam técnicas específicas de coloração e imuno-histoquímica que, ainda hoje, são de alto custo e muitas vezes não estão facilmente disponíveis. O índice mitótico é um método indireto de mensuração da atividade proliferativa celular, que pode ser contabilizado em uma lâmina comum de avaliação histológica e estudos vêm determinando-o como importante marcador prognóstico para o mastocitoma canino. Dada a recente publicação sugerindo nova graduação em dois graus (alto e baixo) e indisponibilidade das técnicas específicas utilizadas na determinação de outros fatores prognósticos, objetivou-se avaliar o poder prognóstico das diferentes classificações, associando-as à sobrevida destes animais e comparando com o índice mitótico. Apesar de isoladamente ambas as classificações histológicas apresentarem associação com a sobrevida (P<.001) dos animais acometidos, na análise multifatorial nenhuma foi significativamente associada com a sobrevida (P>0,05). O índice mitótico foi o fator prognóstico mais confiável para sobrevida, independente do ponto de corte utilizado (P<0,05), principalmente para os mastocitomas grau 2 de Patnaik et al. (1984), que apresentam comportamento biológico variado, sendo também associado à ocorrência de recidivas, tanto locais como distantes, e de síndromes paraneoplásicas (P<0,05). Conclui-se ser o índice mitótico o fator prognóstico mais significante, na ausência de técnicas específicas mais avançadas. Preconiza-se seu uso associado às graduações histológicas, visando maior poder prognóstico.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV