Resultado da pesquisa (7)

Termo utilizado na pesquisa Rici R.E.G

#1 - Morphogenesis of the rhea (Rhea americana) respiratory system in different embryonic and foetal stages

Abstract in English:

The rhea (Rhea americana) is an important wild species that has been highlighted in national and international livestock. This research aims to analyse embryo-foetal development in different phases of the respiratory system of rheas. Twenty-three embryos and foetuses were euthanized, fixed and dissected. Fragments of the respiratory system, including the nasal cavity, larynx, trachea, syrinx, bronchi and lungs, were collected and processed for studies using light and scanning electron microscopy. The nasal cavity presented cubic epithelium in the early stages of development. The larynx exhibited typical respiratory epithelium between 27 and 31 days. The trachea showed early formation of hyaline cartilage after 15 days. Syrinx in the mucous membrane of 18-day foetuses consisted of ciliated epithelium in the bronchial region. The main bronchi had ciliated epithelium with goblet cells in the syringeal region. In the lung, the parabronchial stage presented numerous parabronchi between 15 and 21 days. This study allowed the identification of normal events that occur during the development of the rhea respiratory system, an important model that has not previously been described. The information generated here will be useful for the diagnosis of pathologies that affect this organic system, aimed at improving captive production systems.

Abstract in Portuguese:

A ema (Rhea americana) representa importante espécie silvestre que vem se destacando na pecuaria nacional e internacional. Esta pesquisa objetiva analisar o desenvolvimento embrionário-fetal, em diferentes fases, do sistema respiratório de emas. Vinte e três embriões e fetos foram eutanasiados, fixados e dissecados. Fragmentos do sistema respiratório: cavidade nasal, laringe, traqueia, siringe, brônquios e pulmões, foram coletados e processados para estudos por meio de microscopia de luz e microscopia eletrônica de varredura. A cavidade nasal apresentou, nas primeiras fases de desenvolvimento, epitélio estratificado cúbico. A laringe exibiu epitélio respiratório típico entre 27 e 31 dias. A traqueia aos 15 dias apresentou início de formação da cartilagem hialina. Na siringe a túnica mucosa de fetos de 18 dias e formada por epitélio estratificado ciliado na região bronquial. Os brônquios principais apresentavam epitélio estratificado ciliado com células caliciformes na região siringeal. No pulmão, o estágio parabronquial apresentou numerosos parabrônquios entre 15 a 21 dias. Este estudo permitiu a identificação de eventos normais que ocorrem durante o desenvolvimento do sistema respiratório de emas, importante modelo ainda não descrito. As informações geradas serão úteis para o diagnóstico de patologias que acometem este sistema orgânico, visando a melhoria dos sistemas de produção em cativeiro.


#2 - Ultrastructural analysis of the spermatogenesis in the guinea pig (Cavia porcellus), 36(Supl.1):89-94

Abstract in English:

ABSTRACT.- Simões L.S., Rici R.E.G., Favaron P.O., Sasahara T.H.C., Barreto R.S.N., Borghesi J. & Miglino M.A. 2016. Ultrastructural analysis of the spermatogenesis in the guinea pig (Cavia porcellus). Pesquisa Veterinária Brasileira 36(Supl.1):89-94. Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, Cidade Universitária, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: phelipe.favaron@yahoo.com.br Understanding of the reproductive function is essential for both, the establishment of appropriate management systems, and for the use of new species as animal models. In this study, we used light and electron microscopy to characterize the sexual development stages of the guinea pig (Cavia porcellus) in specimens of 30, 45 and 90 days of age. We observed the differentiation of spermatocytes only through transmission electron microscopy in the leptotene, zygotene and pachytene phases of meiosis, in 30-day-old animals. During puberty, there was differentiation of the germinative epithelium and formation of the acrosome. Spermatozoa, however, were not detected. Thus, we could infer that puberty happens after 45 days of age. Sexual maturity was evident in 90-day-old specimens. Our results showed that changes in the testicular germinative epithelium during the postnatal sexual development in guinea pig led to morphological changes, including the ones related to the development of Leydig and Sertoli cells, which are directly related to puberty. In this work, we provide new morphological subsidies for a better understanding of reproductive parameters of this species, enabling its use as an animal model in the field of the reproductive biology.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Simões L.S., Rici R.E.G., Favaron P.O., Sasahara T.H.C., Barreto R.S.N., Borghesi J. & Miglino M.A. 2016. Ultrastructural analysis of the spermatogenesis in the guinea pig (Cavia porcellus). [Análise ultraestrutural da espermatogênese do porquinho-da-Índia (Cavia porcellus).] Pesquisa Veterinária Brasileira 36(Supl.1):89-94. Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, Cidade Universitária, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: phelipe.favaron@yahoo.com.br A função reprodutiva é um fator de vital compreensão tanto para o estabelecimento de sistemas apropriados de manejo, quanto para o uso de novas espécies como modelos animais. Neste estudo através da microscopia de luz e eletrônica caracterizou-se a fase de desenvolvimento sexual do porquinho-da-Índia (Cavia porcellus) em espécimes de 30, 45 e 90 dias de desenvolvimento. Nos animais de 30 dias, a diferenciação dos espermatócitos foi visualizada somente na microscopia eletrônica de transmissão em leptóteno, zigóteno e paquíteno. Durante a puberdade, houve diferenciação do epitélio germinativo, formação do acrossoma, porém não foram evidenciados espermatozóides, assim, infere-se que a puberdade acontece a partir dos 45 dias de idade. A maturidade sexual foi evidente aos 90 dias de idade. Nossos resultados mostraram que ao longo do desenvolvimento sexual pós-natal do porquinho-da-Índia, mudanças no epitélio germinativo testicular levam há alterações morfológicas, inclusive com relação ao desenvolvimento das células de Sertoli e de Leydig, as quais estão diretamente relacionadas com a puberdade. Assim, novos subsídios morfológicos são fornecidos para um melhor entendimento dos parâmetros reprodutivos desta espécie, a fim de viabilizar sua utilização como modelo animal no campo da biologia reprodutiva.


#3 - Glial cells of the central nervous system of Bothrops jararaca (Reptilia, Ofidae): an ultrastructural study, 35(7):685-690

Abstract in English:

ABSTRACT.- Bondan E.F., Martins M.F.M., Sinigaglia-Coimbra R., Rici R.E.G., Miglino M.A., Graca D.L. & Zacariotti R.L. 2015. Glial cells of the central nervous system of Bothrops jararaca (Reptilia, Ofidae): an ultrastructural study. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(7):685-690. Departamento de Patologia Ambiental e Experimental, Universidade Paulista, Rua Luís Góis 2211, São Paulo, SP 04043-200, Brazil. E-mail: bondan@uol.com.br Although ultrastructural characteristics of mature neuroglia in the central nervous system (CNS) are very well described in mammals, much less is known in reptiles, especially serpents. In this context, two specimens of Bothrops jararaca were euthanized for morphological analysis of CNS glial cells. Samples from telencephalon, mesencephalon and spinal cord were collected and processed for light and transmission electron microscopy investigation. Astrocytes, oligodendrocytes, microglial cells and ependymal cells, as well as myelin sheaths, presented similar ultrastructural features to those already observed in mammals and tended to maintain their general aspect all over the distinct CNS regions observed. Morphological similarities between reptilian and mammalian glia are probably linked to their evolutionary conservation throughout vertebrate phylogeny.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Bondan E.F., Martins M.F.M., Sinigaglia-Coimbra R., Rici R.E.G., Miglino M.A., Graca D.L. & Zacariotti R.L. 2015. Glial cells of the central nervous system of Bothrops jararaca (Reptilia, Ofidae): an ultrastructural study. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(7):685-690. Departamento de Patologia Ambiental e Experimental, Universidade Paulista, Rua Luís Góis 2211, São Paulo, SP 04043-200, Brazil. E-mail: bondan@uol.com.br Muito embora as características ultraestruturais da neuróglia madura do sistema nervoso central (SNC) sejam bem descritas em mamíferos, muito pouco é conhecido em répteis, especialmente em serpentes. Neste contexto, dois espécimes de Bothrops jararaca foram eutanasiados para análise morfológica das células gliais presentes no SNC. Amostras de telencéfalo, mesencéfalo e medula espinhal foram coletadas e processadas para investigação por microscopia de luz e eletrônica de transmissão. Astrócitos, oligodendócitos, células microgliais e ependimárias, bem como bainhas de mielina, apresentaram características ultraestruturais similares àquelas já observadas em mamíferos e tenderam a manter seu aspecto geral pelas diferentes regiões observadas no SNC. Similaridades morfológicas entre as células gliais de mamíferos e de répteis estão provavelmente ligadas a sua conservação evolutiva ao longo da filogenia dos vertebrados.


#4 - Comparative ultrastructure of the tongue of black-tufted-ear-marmoset (Callithrix penicillata) and black-howler-monkey (Alouatta caraya) in different age groups, 33(Supl.1):75-84

Abstract in English:

ABSTRACT.- Nitta C.Y., Silva L.C.S., Miglino M.A., Ambrosio C.E., Bombonato P.P. & Rici R.E.G. 2013. [Comparative ultrastructure of the tongue of black-tufted-ear-marmoset (Callithrix penicillata) and black-howler-monkey (Alouatta caraya) in different age groups.] Ultraestrutura comparativa da língua do sagui-de-tufo-preto (Callithrix penicillata) e do bugio-preto (Alouatta caraya) em diferentes faixas etárias. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(Supl.1):75-84. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Orlando Marques de Paiva 87, Cidade Universitária, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: cayo.nitta@usp.br For the comparative analysis and description of the morphology of the tongue and taste buds as well as the distribution of these we have used three animals of different age groups (puppy, young adult), of two species of primate, Callithrix penicillata (black-tufted-ear-marmoset) and Alouatta caraya (black-howler-monkey), both being observed by scanning electron microscopy. The animals of the species Callithrix penicillata were from a commercial breeding of wild animals in Atibaia-SP and they had died of natural causes, and the specie Alouatta caraya were from the collection of Macroscopic Anatomy Laboratory of Faculty of Veterinary Medicine and Animal Science University of São Paulo (FMVZ-USP). With the material analyzed and the technique employed could be seen that the tongue of black-tufted-ear-marmosets and black-howler-monkeys had examined lingual papillae similar to those described for other primate species. The tongue has morphological differences, especially for some types of lingual papillae, at the expense of advancing age of the animals. Overall, we found four types of lingual papillae, which are: filiform, fungiform, vallate and litter. The tongues of the black-howler-monkey had characteristics of animals with herbivorous diets. Possessing this way with the filiform papillae varied formats (crown, spear, multifilament), according to the regions of the tongue, and also robust taste, especially in the lingual prominence. Since the tongues of the black-tufted-ear-marmosets owned features of omnivorous animals. With filiform-shaped crown, large amounts of fungiform papillae and foliate papillae developed. It was observed that the changes of tongue papillae that occur in animals after birth correlated with the change in the types of foods consumed. Being suspected then conclude that diets have direct relation to the morphological and structural of the lingual papillae now here in the animals analyzed.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Nitta C.Y., Silva L.C.S., Miglino M.A., Ambrosio C.E., Bombonato P.P. & Rici R.E.G. 2013. [Comparative ultrastructure of the tongue of black-tufted-ear-marmoset (Callithrix penicillata) and black-howler-monkey (Alouatta caraya) in different age groups.] Ultraestrutura comparativa da língua do sagui-de-tufo-preto (Callithrix penicillata) e do bugio-preto (Alouatta caraya) em diferentes faixas etárias. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(Supl.1):75-84. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Orlando Marques de Paiva 87, Cidade Universitária, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: cayo.nitta@usp.br Para a análise e descrição comparativa da morfologia da língua e de suas papilas, bem como a distribuição destas, foram utilizados três animais de faixas etárias distintas (filhote, jovem, adulto), de duas espécies de primatas, Callithrix penicillata (sagui-de-tufo-preto) e Alouatta caraya (bugio-preto), ambas sendo observadas através da microscopia eletrônica de varredura. Os animais da espécie Callithrix penicillata eram procedentes de um criadouro comercial de animais selvagens em Atibaia/SP e vieram a óbito por causas naturais, e os da espécie Alouatta caraya eram provenientes do acervo do Laboratório de Anatomia Macroscópica da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ-USP). Com o material analisado e a técnica empregada pôde-se constatar que as línguas dos saguis-de-tufo-preto e dos bugios-pretos analisadas apresentavam papilas linguais similares às descritas para outras espécies de primatas. As línguas possuíam diferenças morfológicas, principalmente para alguns tipos de papilas linguais, em detrimento do avançar da idade dos animais. De forma geral, foram observados quatro tipos de papilas linguais, sendo estas: filiforme, fungiforme, valada e folhada. As línguas dos bugio-pretos apresentavam características de animais com dietas herbívoras. Possuindo desta forma papilas filiformes com formatos variados (coroa, lança, multifilamentar), de acordo com as regiões da língua, e também robustas papilas, principalmente na proeminência lingual. Já as línguas dos saguis-de-tufo-preto possuíam características de animais onívoros. Com papilas filiformes em formato de coroa, grandes quantidades de papilas fungiformes e desenvolvidas papilas folhadas. Observou-se que as modificações das papilas linguais que ocorrem nos animais após o nascimento apresentaram correlação com a mudança nos tipos de alimentos consumidos. Sendo presumível então concluir que as dietas possuem relação direta para com as alterações morfológicas e estruturais das papilas linguais nos animais ora aqui analisados.


#5 - Histological and comparative analysis of lingual papillae of the deer Mazama americana and Mazama gouzoubira by light and scanning electron microscopy, 32(10):1061-1066

Abstract in English:

ABSTRACT.- Kokubun H.S., Esper G.V.Z., Franciolli A.L.R., Silva F.M.O., Rici R.E.G. & Miglino M.A. 2012. [Histological and comparative analysis of lingual papillae of the deer Mazama americana and Mazama gouzoubira by light and scanning electron microscopy.] Estudo histológico e comparativo das papilas linguais dos cervídeos Mazama americana e Mazama gouzoubira por microscopia de luz e eletrônica de varredura. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(10):1061-1066. Setor de Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres, Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Orlando Marques de Paiva 87, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: greyson@usp.br The type of feeding is dependent on the environment in which the animal lives, fact that’s responsible for changes in morphology such as stratification, level of keratinization and functionality. Among the functional morphological structures of the tongue the papillae are worth mentioning due to their close relation to the diet. Two Cervidae species were used, five Mazama gouazoubira and two Mazama americana. Their tongues were divided into three parts, apex, body and root, and comparatively analyzed by light and scanning electron microscopy. The filiform, fungiform and vallate papillae were present in the two species’ tongue and presented the same distribution, differing only in the quantity of vallate papillae on the root of the tongue, fact that might be related to the diet. Moreover, their distribution resembles that of other herbivore species.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Kokubun H.S., Esper G.V.Z., Franciolli A.L.R., Silva F.M.O., Rici R.E.G. & Miglino M.A. 2012. [Histological and comparative analysis of lingual papillae of the deer Mazama americana and Mazama gouzoubira by light and scanning electron microscopy.] Estudo histológico e comparativo das papilas linguais dos cervídeos Mazama americana e Mazama gouzoubira por microscopia de luz e eletrônica de varredura. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(10):1061-1066. Setor de Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres, Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Orlando Marques de Paiva 87, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: greyson@usp.br O tipo de alimentação depende do ambiente em que o animal se encontra, sendo este um fator responsável pela alteração da morfologia, como a estratificação e o nível de queratinização da língua, e a funcionalidade da mesma. Dentre as estruturas morfológicas funcionais da língua, as papilas vêm merecendo destaque devido a sua estreita relação com a dieta. Foram utilizadas duas espécies de cervídeos: cinco Mazama gouazoubira e duas Mazama americana, dividindo-se a língua em três partes: ápice, corpo e raiz. Analisou comparativamente a língua de duas espécies por meio de microscopia de luz e eletrônica de varredura. As papilas filiforme, fungiforme e valada apresentaram na língua das duas espécies estudadas, e com a mesma distribuição, mudando apenas a quantidade e formato de papilas filiformes no ápice lingual e a quantidade e disposição das papilas valadas na raiz da língua, fator este que pode ser ligado à dieta dos animais. . Além disto, sua distribuição é semelhante à de outras espécies de herbívoros.


#6 - Kidney of Minke Whale (Baleanoptera acutorostrata): Architecture and structure, 32(8):807-811

Abstract in English:

ABSTRACT.- Sarmento C.A.P., Ferreira A.O., Rodrigues E.A.F., Lesnau G.G., Rici R.E.G., Abreu D.K., Biasi C. & Miglino M.A. 2012. [Kidney of Minke Whale (Baleanoptera acutorostrata): Architecture and structure.] Rins de Baleia Minke (Baleanoptera acutorostrata): arquitetura e estrutura. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(8):807-811. Departamento de Cirurgia, Setor de Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: sarmento@usp.br Among marine mammals, whale is one of the most attention-arousing animals, especially concerning its urinary tract. This system follows the pattern of mammals with regard to its constitution, however, it differs in renal morphology and number of lobes, which, in turn, form complete reniculi, agglutinated in hundreds. This structure is supported by fibrous connective tissue, but highly capable of maintaining electrolyte balance. Six pairs of kidneys of Minke whale (Balaenoptera acutorostrata), collected in 1982, in Cabedelo, Paraiba, Brazil, in the last fishing allowed, were dissected. These kidneys were preserved in 10% formaldehyde and they presented a very large histologic layer of collagen surrounding the medullary wall. The urinary collecting duct form papillary glasses, that reach a single collecting center which discharges in the ureter. It was found that the kidney of Minke whale has a lobe characteristic, with, on average, 700 reniculi; each reniculus has anatomical and functional characteristics of a unipyramidal kidney, with an inner layer (medulla), and an outer layer (cortex), and independent irrigation, with formation of individually arcuate arteries, as observed in unipyramidal terrestrial mammals. However, the set gathering all these reniculi constitutes, in the end, a multilobular and polipyramidal kidney, contrary to the morphology of most terrestrial mammals. It was not possible to distinguish the renicular cortex structures of the Minke whale in the level of light microscopy. Through scanning electron microscopy, it was possible to visualize a cortical layer located between two fibrous capsules. This joint, in turn, consists of connective tissue, which, along with a layer of collagen and elastic fibers, separates the cortex from the medulla; the kidney glomeruli were visualized, completely taken by the glomerular vessels and arranged into several layers. One notices that the glomerular cavity is almost a virtual space into which the glomerular filtrate is drained, and it does not present a globular shape. Vascularization is increased in the medullary region. The difference between the kidneys of terrestrial and marine mammals consists in the arrangement of morphological components, favoring the organ’s physiology.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Sarmento C.A.P., Ferreira A.O., Rodrigues E.A.F., Lesnau G.G., Rici R.E.G., Abreu D.K., Biasi C. & Miglino M.A. 2012. [Kidney of Minke Whale (Baleanoptera acutorostrata): Architecture and structure.] Rins de Baleia Minke (Baleanoptera acutorostrata): arquitetura e estrutura. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(8):807-811. Departamento de Cirurgia, Setor de Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: sarmento@usp.br Entre os mamíferos marinhos, a baleia é um dos animais que mais desperta atenção, especialmente no atinente ao seu sistema urinário. Este sistema segue o padrão entre os mamíferos quanto a sua constituição, entretanto, difere na morfologia renal, em número de lobos, que por sua vez, forma renículos completos, aglutinados às centenas. Esta estrutura é sustentada por tecido conjuntivo fibroso, mas altamente capaz de manter o equilíbrio hidroeletrolítico. Foram dissecados 6 pares de rins de baleia Minke (Balaenoptera acutorostrata), colhidos em 1982, Cabedelo, Estado da Paraíba, Brasil, na última pesca autorizada. Estes rins estavam conservados em formol 10% e apresentaram uma camada histológica de colágeno muito grande circundando a parede medular. O duto coletor urinário forma cálices papilares, desembocando num único centro coletor que desemboca no ureter. Verificou-se que o rim da baleia Minke apresenta característica lobulada possuindo em média 700 renículos, cada renículo possui características anatômicas e funcionais de um rim unipiramidal, com uma camada interna (medula), e uma camada externa (córtex), e irrigação independente, com formação das artérias arqueadas individualmente, como observadas em mamíferos terrestres unipiramidais. Entretanto, o conjunto destes renículos constitui ao final um rim multilobular e polipiramidal, contrariando a morfologia da maioria dos mamíferos terrestres. Não foi possível distinguir ao nível de microscopia de luz as estruturas do córtex renicular da baleia Minke. Na microscopia eletrônica de varredura foi possível visualizar uma camada cortical que fica localizada entre duas cápsulas fibrosas. Esta junção por sua vez é feita por tecido conjuntivo o qual juntamente com uma camada de colágeno e fibras elásticas, separa o córtex da medula , foram visualizados os glomérulos renais, completamente tomados pelos vasos glomerulares e dispostos em várias camadas. Percebe-se que a cavidade glomerular é praticamente um espaço virtual para onde o filtrado glomerular é drenado, não apresentando o formato globular. A vascularização intensifica-se ao chegar à região medular. A diferença entre rins de mamíferos terrestres e marinhos está na disposição dos componentes morfológicos, favorecendo a fisiologia do órgão.


#7 - Proliferative analysis of trophoblastic cells in cattle.] Análise proliferativa nas células trofoblásticas em bovinos, 31(6):538-542

Abstract in English:

ABSTRACT.- Rici R.E.G., Facciotti P.R., Franciolli A.L.R., Mançanares A.C.F., Pastori J., Maria D.A. & Miglino M.A. 2011. [Proliferative analysis of trophoblastic cells in cattle.] Análise proliferativa nas células trofoblásticas em bovinos.] Análise proliferativa nas células trofoblásticas em bovinos. Pesquisa Veterinária Brasileira 31(6):538-542. Programa de Pós-Graduação em Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, Cidade Universitária, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: roseeli@usp.br The aim of the present study was to evaluate the cell proliferative activity, by AgNORs number, in different regions of bovine placenta throughout gestation. A total of 28 bovine placentas were separated into four groups: group I (60 to 120 days), group II (121 to 170 days), group III (171 to 220 days), and group IV (221 to 290 days). It was found a greater number of AgNORs in giant trophoblastic cells (GTC) when compared with mononuclear trophoblastic cells (MTC) (p<0,001) in all regions and gestational groups analyzed, that confirms their intensive synthesis activity in trophoblast epithelium. The central region of the placentome begins an intense proliferative activity in group II, observed by clusters, while placentomes edges showed a higher number of clusters on group III. These data suggest that the central region of the placentomes began an intense proliferative activity prior to its edge, both declines at the end of pregnancy. Interplacentomal area showed a higher number of AgNORs in the group IV, suggesting a higher proliferative activity of these cells at the end of pregnancy. The results of this study indicate that the proliferative activity, as determined by the amount of intranuclear AgNORs, exhibits patterns that are not only specific to each type of trophoblastic cells, but also for each specific region of bovine placenta throughout pregnancy.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Rici R.E.G., Facciotti P.R., Franciolli A.L.R., Mançanares A.C.F., Pastori J., Maria D.A. & Miglino M.A. 2011. [Proliferative analysis of trophoblastic cells in cattle.] Análise proliferativa nas células trofoblásticas em bovinos.] Análise proliferativa nas células trofoblásticas em bovinos. Pesquisa Veterinária Brasileira 31(6):538-542. Programa de Pós-Graduação em Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, Cidade Universitária, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: roseeli@usp.br Este estudo teve como objetivo analisar atividade proliferativa das células trofoblásticas, através da quantificação de AgNORs, em diferentes regiões da placenta bovina ao longo da gestação. Foram utilizados 28 úteros, sendo estes agrupados de acordo com as idades gestacionais: grupo I (60-120 dias); II (121- 170 dias); III (171-220 dias) e IV (221-290 dias). Foi encontrado um número significativamente maior de AgNORs nas células trofoblásticas gigantes (CTG) em relação às mononucleadas (CTM) (p<0,001) em todas as regiões e grupos gestacionais analisados, o que confirma sua intensa atividade de síntese no epitélio trofoblástico. A região central do placentônio inicia uma atividade proliferativa mais intensa já no grupo II, observada pelo número de clusters, enquanto que a margem do placentônio apresenta uma maior quantidade de clusters no grupo III. Estes dados sugerem que a região central do placentônio inicia uma intensa atividade proliferativa anteriormente a sua margem, ambas declinando no final da gestação. A área interplacentomal apresentou um maior número de AgNORs no último grupo gestacional, sugerindo uma maior atividade proliferativa dessas células no final da prenhez. Os resultados deste estudo indicam que a atividade proliferativa, determinada pela quantidade de AgNORs intranucleares, exibe padrões que são específicos não somente para cada tipo de célula trofoblástica, mas também para cada região específica da placenta bovina ao longo da gestação.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV