Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa Rocha T.A.S.S

#1 - Acetabular ventroversion using the sacroiliac wedge, with or without pelvic osteotomies in dogs: an ex vivo study

Abstract in English:

Canine hip dysplasia (CHD) is a common condition observed in the surgical clinics for small animals. Among the surgical techniques for management of CHD, triple pelvic osteotomy and sacroiliac wedge promote acetabular lateral axial rotation (ventroversion), increasing acetabular coverage and joint stability. The present study aimed to evaluate radiographically, by measuring the Norberg angle (NA) and the acetabular coverage percentage (ACP), the acetabular ventroversion induced by the sacroiliac wedge technique, with or without pelvic osteotomies; we also checked the feasibility of wedges made of polyamide with an angulation of 20° and 30°. The software used to measure NA and ACP was AutoCAD® 2009. Pelves from 10 canine corpses were evaluated radiographically at four time-points: M0 (Control Group), M1 (wedges of 20° and 30°), M2 and M3 (wedges associated with bilateral pubis and ischium osteotomies, respectively). There was no significant increase in the acetabular ventroversion at M1, M2, and M3. The polyamide sacroiliac wedge technique proved to be feasible, stable, and easy to apply. Further, the software proved to be efficient and easy to use for NA and ACP measurements. In the present study, even in the cases of non-dysplasic adult canine corpses, it was concluded that the sacroiliac wedge technique does not require to be accompanied by pubis and ischial osteotomies because they did not significantly increase the NA and ACP.

Abstract in Portuguese:

A displasia coxofemoral (DCF) é afecção comum na clínica cirúrgica de pequenos animais. Entre as técnicas cirúrgicas para controle da DCF, a osteotomia pélvica tripla (OPT) e a cunha sacroilíaca (CSI), promovem rotação lateral acetabular no eixo axial (ventroversão), aumentando a cobertura acetabular e a estabilidade da articulação. Desta forma, o presente estudo objetivou avaliar radiograficamente, por meio da aferição do ângulo de Norberg (NA) e da porcentagem de cobertura acetabular (PCA), a ventroversão acetabular induzida pela técnica da cunha sacroilíaca, associada ou não às osteotomias pélvicas, além de verificar a exequibilidade das cunhas confeccionadas de poliamida com angulação de 20ο e 30ο. O software utilizado para aferir o AN e o PCA foi o AutoCAD® 2009. Dez pelves de cadáveres caninos foram avaliadas radiograficamente em quatro momentos: MO (Grupo Controle), M1 (cunhas de 20ο e 30ο), M2 e M3 (cunhas associadas à osteotomia bilateral do púbis e ísquio, respectivamente). Não houve aumento significativo da ventroversão em M1, M2 e M3. A técnica de cunha sacroilíaca de poliamida mostrou-se exequível, estável e de fácil aplicação. Não obstante, o software utilizado mostrou-se eficiente e de fácil utilização nas aferições do AN e PCA. Neste estudo, mesmo tratando-se de cadáveres de cães adultos e de maioria não displásicos, concluiu-se que a utilização da técnica de cunha sacroilíaca não necessita de associação à ostectomia púbica e a osteotomia do ísquio por não promoverem aumento significativo do AN e da PCA.


#2 - Suture and venous traction test analysis in dogs fixed in alcohol and preserved in saline solution, 38(9):1834-1837

Abstract in English:

ABSTRACT.- Pelógia M.E.S., Cerqueira E.S.F., Silveira C.P.B., Rolim G.S., Fechis A.D.S., Rocha T.A.S.S., Laus J.L. & Oliveira F.S. 2018. Suture and venous traction test analysis in dogs fixed in alcohol and preserved in saline solution. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(9):1834-1837. Universidade Estadual Paulista, Via de acesso Paulo Donato Castelane, Jaboticabal, SP 14884‑900, Brazil. E-mail: singaretti@fcav.unesp.br The objective of this research was to determine in necropsied dogs the best time for fixation in ethylic alcohol (EA) and preservation in 30% sodium chloride aqueous solution (SCAS 30%), aiming micro-surgical training. Five groups of necropsied dogs (G1 to G5) were fixed with EA, and put in boxes containing EA for 30 (G2), 60 (G3), 90 (G4) or 120 days (G5). After that, each group was preserved in SCAS 30% for 120 days. The control group (G1) was composed by cadavers without fixation/preservation. At the end of each period, two fragments of external jugular vein per cadaver were collected, for traction test. Immediately after the collection, the cadavers femoral veins were evaluated (by 2 people) regarding the suture quality in binocular surgical microscope, and attributed scores from 0 (bad) to 5 (excellent), regarding the fresh samples. The average at the maximum rupture strength of the G3 fixation end (21.51N), such as the average of the G2 preserving end (21.62N) remained closer to the control group (19.98N) and the G2 was the group with the best score for venous suture training. The EA was efficient as a fixative just like SCAS as a dog cadavers’ preservative. The small change of the traction test values, together with the best suture score, indicated the group kept for 30 days in EA and SCAS (G2) as the best for venous micro-surgical training.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Pelógia M.E.S., Cerqueira E.S.F., Silveira C.P.B., Rolim G.S., Fechis A.D.S., Rocha T.A.S.S., Laus J.L. & Oliveira F.S. 2018. Suture and venous traction test analysis in dogs fixed in alcohol and preserved in saline solution. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(9):1834-1837. Universidade Estadual Paulista, Via de acesso Paulo Donato Castelane, Jaboticabal, SP 14884‑900, Brazil. E-mail: singaretti@fcav.unesp.br O objetivo deste trabalho foi determinar, em cadáveres de cães, o melhor tempo para fixação em álcool etílico (AE) e conservação em solução aquosa de cloreto de sódio (SACS) a 30% visando o treinamento microcirúrgico. Cadáveres de cinco grupos (G1 a G5) foram fixados com AE e colocados em caixas contendo AE por 30 (G2), 60 (G3), 90 (G4) ou 120 days (G5). Depois, cada grupo foi conservado em SACS 30% por 120 dias. O grupo controle (G1) foi composto de cães sem fixação/conservação. Ao final de cada período, 2 fragmentos da veia jugular externa por cadáver foram coletados para o teste de tração. Imediatamente após a coleta, as veias femorais foram avaliadas (por 2 pessoas) em relação à qualidade da sutura em microscópio cirúrgico binocular, e atribuídos escores de 0 (péssimo) à 5 (excelente), em relação às amostras frescas. A média da força máxima de ruptura no G3 no final da fixação (21,51N), assim como a média do G2 no final da conservação (21,62N) foram as que mais se mantiveram próxima do grupo controle (19,98N) e o G2 foi o grupo com o melhor escore para treinamento da sutura venosa. O AE foi eficiente como fixador assim como a SACS foi efetiva na conservação de cadáveres de cães. A pequena alteração nos valores do teste de tração, junto com o melhor escore para sutura, indicaram o grupo mantido por 30 dias em AE e SACS (G2) como o melhor para treinamento venoso microcirúrgico.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV