Resultado da pesquisa (1)

Termo utilizado na pesquisa Sambar deer

#1 - An outbreak of malignant catarrhal fever in Sambar deer (Rusa unicolor), 38(8):1675-1680

Abstract in English:

ABSTRACT.- Oliveira M.C., Pereira G.O., Daoualibi Y., Dutra V., Brito M.F., Caldas S.A., Balthazar D.A. & Ubiali D.G. 2018. An outbreak of malignant catarrhal fever in Sambar deer (Rusa unicolor). Surto de febre catarral maligna em cervos Sambar (Rusa Unicolor). [Surto de febre catarral maligna em cervos Sambar (Rusa Unicolor).] Pesquisa Veterinária Brasileira 38(8):1675-1680. Setor de Anatomia Patológica, Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública, Anexo do Instituto de Veterinária, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, BR‑465 Km 7, Seropédica, RJ 23890-001, Brazil. E-mail: danielubiali@hotmail.com Malignant catarrhal fever (MCF) is an infectious, pansystemic and highly fatal disease with wide geographic distribution. The species that are clinically prone to it include cattle, deer and bison. In Brazil, the disease in ruminants and deer is associated with the contact with sheep, especially during labor, when the fetal remains that are eliminated contain the ovine herpesvirus 2 (OvHV-2). The outbreak took place in a conservationist property in the city of Casimiro de Abreu/RJ, which hosted 23 Sambar deer, and, of these, 19 died, showing neurological signs. The deer lived in a location together with 15 male and female meat sheep. A female specimen of the Sambar deer (Rusa unicolor), aged approximately three years, which had presented with neurological clinical signs was referred to necropsy in the Setor de Anatomia Patológica at Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (SAP/UFRRJ). During necropsy, cerebrospinal fluid was sampled for analysis; fragments of several organs were fixated in 10% buffered formalin and processed for histopathological analysis. Fragments of occipital lobe, cerebellum and bulb were collected to perform the polymerase chain reaction (PCR). The diagnosis of this outbreak was based on epidemiological, clinical and pathological findings, and on the amplification of the OvHV-2 DNA through PCR. The histological changes were the base to confirm the MCF case and were characterized by degeneration of vascular endothelial cells, fibrinoid vasculitis, hyperplasia and necrosis of lymphoid organs. However, PCR was an important tool to confirm the diagnosis. MCF as an important disease with nervous symptomatology in deer.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Oliveira M.C., Pereira G.O., Daoualibi Y., Dutra V., Brito M.F., Caldas S.A., Balthazar D.A. & Ubiali D.G. 2018. An outbreak of malignant catarrhal fever in Sambar deer (Rusa unicolor). Surto de febre catarral maligna em cervos Sambar (Rusa Unicolor). [Surto de febre catarral maligna em cervos Sambar (Rusa Unicolor).] Pesquisa Veterinária Brasileira 38(8):1675-1680. Setor de Anatomia Patológica, Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública, Anexo do Instituto de Veterinária, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, BR‑465 Km 7, Seropédica, RJ 23890-001, Brazil. E-mail: danielubiali@hotmail.com A febre catarral maligna (FCM) é uma doença infecciosa, com distribuição geográfica ampla, pansistêmica e altamente fatal. As espécies clinicamente suscetíveis incluem bovino, cervo e bisão. No Brasil, a doença em ruminantes e cervídeos está associada ao contato com ovinos, principalmente durante o parto, no qual os envoltórios fetais eliminados contém, em suas secreções, o Herpesvírus ovino-2 (OvHV-2). O surto ocorreu em uma propriedade conservacionista no município de Casimiro de Abreu/RJ, que abrigava 23 cervos exóticos, onde foram registradas a morte de 19 destes, com sinais neurológicos. Os cervos habitavam em um piquete com 15 ovinos de corte, machos e fêmeas. Um exemplar de cervo sambar (Rusa unicolor), fêmea, com aproximadamente três anos de idade, que havia apresentado sinais clínicos neurológicos foi encaminhado para necropsia no Setor de Anatomia Patológica da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (SAP/UFRRJ). Durante a necropsia foi realizada a coleta de líquido cefalorraquidiano e de fragmentos de lobo occipital, cerebelo e bulbo, para a realização de reação em cadeia da polimerase (PCR). Fragmentos de diversos órgãos foram fixados em formalina 10% tamponada e processados para a análise histopatológica. O diagnóstico do presente surto foi estabelecido com base nos achados epidemiológicos, clínicos, patológicos e na amplificação do DNA do OvHV-2 através da PCR. As alterações histológicas foram a base para confirmar o caso de FCM e caracterizaram-se por degeneração de células endoteliais vasculares, vasculite fibrinoide, hiperplasia dos órgãos linfoides. Contudo, a PCR foi uma ferramenta importante para a confirmação do diagnóstico. Ressalta-se a importância da FCM na lista dos diagnósticos diferenciais de doenças que cursam com sintomatologia nervosa em cervídeos.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV