Resultado da pesquisa (3)

Termo utilizado na pesquisa Santos L.M.M

#1 - Proteomics characterization of Staphylococcus spp. from goat mastitis and phenogeno-typical assessment of resistance to beta-lactamics

Abstract in English:

Mastitis occupies a prominent place among the diseases that affect dairy herds due to economic problems and public health. Staphylococcus spp. are infectious agents more involved in the etiology of caprine mastites, especially coagulase-negative Staphylococcus. Nineteen isolates of Staphylococcus spp. were obtained from subclinical caprine mastitis. All isolates were characterized by MALDI-TOF MS, being 47.36% (9/19) identified for S. epidermidis, 15.78% (3/19) for S. warneri, 10.52% (2/19) for S. aureus and S. caprae and 5.26% (1/19) for S. lugdunensis, S. simulans, and S. cohnii. All isolates characterized by MALDI-TOF were subjected a to polymerase chain reaction (PCR) for the 16S rRNA gene of Staphylococcus spp. to confirm the gender. After determining the species, tests for phenotypic detection of resistance to beta-lactams were carried out simple disk diffusion oxacillin, cefoxitin, penicillin G and amoxicillin + clavulanic acid, agar “screen” oxacillin and microdilution (MIC) cefoxitin. The disk diffusion test showed a strength of 58% (11/19) for penicillin G, 26.31% (5/19) for cefoxitin and 26.31% (5/19) for oxacillin. All strains were susceptible to amoxicillin + clavulanic acid and agar “screen” oxacillin. In the MIC, 63.15% (12/19) of the samples were cefoxitin resistant (MIC >4.0µg/ml). Then isolates were subjected to detection of the mecA resistance genes and regulators (mecl and mecRI), mecC and blaZ. Two samples of Staphylococcus epidermidis had the mecA gene. All isolates were negative for the mecA gene variant, mecl, mecRI, mecC and blaZ. These findings reinforce the importance of this group of microorganisms in the etiology of subclinical mastitis in goats and open perspectives for future research to investigate the epidemiology of the disease.

Abstract in Portuguese:

A mastite ocupa lugar de destaque entre as doenças que acometem o rebanho leiteiro, em virtude de problemas econômicos e de saúde pública. Staphylococcus spp. são os agentes infecciosos mais envolvidos na etiologia das mastites caprinas, principalmente Staphylococcus coagulase negativo. Dezenove isolados de Staphylococcus spp. foram obtidos a partir de mastite caprina subclínica. Todos os isolados foram caracterizados por MALDI-TOF MS, sendo 47,36% (9/19) identificadas como S. epidermidis, 15,78%(3/19) como S. warneri, 10,52% (2/19) como S. caprae e S. aureus e 5,26% (1/19) tanto para S. lugdunensis, como para S. simulans e S. cohnii. Todos os isolados caracterizados pelo MALDI-TOF foram submetidos a reação em cadeia da polimerase (PCR) para o gene 16rRNA de Staphylococcus spp. para a confirmação do gênero. Após a determinação da espécie, foram realizadas as provas para a detecção fenotípica de resistência aos beta-lactâmicos: difusão em disco simples de oxacilina, cefoxitina, penicilina G e amoxacilina +ácido clavulânico, ágar “screen” de oxacilina e microdiluição em caldo (MIC) de cefoxitina. O teste de difusão em disco demonstrou resistência de 58% (11/19) para penicilina G, 26,31% (5/19) para cefoxitina e 26,31% (5/19) para oxacilina. Todas as amostras foram sensíveis a amoxicilina + ácido clavulânico e ao ágar “screen” de oxacilina. Pelo MIC, 63,15% (12/19) das amostras foram resistentes a cefoxitina (MIC >4,0µg/ml). Em seguida os isolados foram submetidos a detecção dos genes de resistência mecA e seus reguladores (mecl e mecRI), mecC e blaZ. Duas amostras de S. epidermidis apresentaram o gene mecA. Todos os isolados foram negativos para a variante do gene mecA, mecl, mecRI, mecC e blaZ. Tais achados reforçam a importância deste grupo de microrganismos na etiologia da mastite subclínica em caprinos e abre perspectivas para futuras pesquisas para a investigação da epidemiologia da doença.


#2 - Transmission, serologic and tissue responses in chickens vaccinated with Mycoplasma gallisepticum F strain (MG-F), 36(5):401-404

Abstract in English:

ABSTRACT.- Machado L.S., Santos F.F., Santos L.M.M., Tortelly R., Pimentel J.C., Sesti L., Pereira V.L.A. & Nascimento E.R. 2016. Transmission, serologic and tissue responses in chickens vaccinated with Mycoplasma gallisepticum F strain (MG-F). Pesquisa Veterinária Brasileira 36(5):401-404. Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Pública, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense, Rua Dr. Vital Brazil Filho 64, Vital Brazil, Niterói, RJ 24230-340, Brazil. E-mail: elmiro@vm.uff.br MG-F protects chickens from MG Mycoplasmosis and monitoring is done by serology (SAR and ELISA) and PCR. Histopathology is used to evaluate bird response to MG. This study evaluated MG-F profile vaccination in SPF chicken. This trial used 100 chickens, being 40 unvaccinated (G1), 40 eye-drop vaccinated at 8 weeks of age with MG-F ( Ceva Animal Health , São Paulo , SP , Brazil ) (G2) and 20 immunized by contact (G3) . Samples were obtained on the 8th, 12th, 15th, 18th, 20th and 24th week for SAR, ELISA and PCR. Fragments of trachea and air sac, for microscopy, were got after necropsies on the 15th and 24th week. Up to 12 weeks there was no significant difference among groups by SAR. SAR reactions appeared from the 15th week with these averages: G1 (1.7, 1.76 , 0.1, 0.15) , G2 (7.81, 7.65, 8.25, 6.29) and G3 (8.1, 8.5, 9.5, 6.16), while by ELISA it occurred after the 18th week with optical densities averages: G1 (0.19, 0.14, 0.16) , G2 (0.47, 0.45, 0.41) and G3 (0.55, 0.51, 0.51) . Positivity in G3 by PCR occurred seven weeks after exposure. At the 15th week the air sac score means were 0.20, 0.55, and 0.32 and 24th week were 0.15, 0.80 and 0.66 (p>0.05). For trachea, G2 (0.48) yielded higher score average than G1 (0.10) and G3 (0.00) on the 15th week. Changes in G3 were seen only at 24th week, being this average (1.00) significantly different (p<0,05) from G1 (0.08) and G2 (0.46). SAR and PCR detected MG-F in G3 earlier than ELISA. Higher tracheal changes for G2 and G3 as compared to G1 could be ascribed to MG-F vaccine infection.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Machado L.S., Santos F.F., Santos L.M.M., Tortelly R., Pimentel J.C., Sesti L., Pereira V.L.A. & Nascimento E.R. 2016. Transmission, serologic and tissue responses in chickens vaccinated with Mycoplasma gallisepticum F strain (MG-F). [Transmissão, resposta sorológica e tecidual de poedeiras vacinadas com Mycoplasma gallisepticum cepa F.] Pesquisa Veterinária Brasileira 36(5):401-404. Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Pública, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense, Rua Dr. Vital Brazil Filho 64, Vital Brazil, Niterói, RJ 24230-340, Brazil. E-mail: elmiro@vm.uff.br Mycoplasma gallisepticum cepa F (MG-F) é altamente utilizada em vacinação de poedeiras. MG-F confere bons níveis de proteção às galinhas, deslocando MG de campo ou diminuindo o número deles no trato respiratório. Soroaglutinação Rápida (SAR), ELISA e PCR são testes no monitoramento da micoplasmose, enquanto a histopatologia, mesmo não sendo rotineira, é usada para avaliar a resposta das aves à infecção por MG. O objetivo deste estudo foi avaliar a transmissibilidade, soroconversão e alterações teciduais de MG-F em galinhas. Um total de 100 galinhas SPF foi utilizado, sendo 40 delas não vacinadas (G1), 40 vacinadas na 8ª semana de idade com MG-F (Ceva Saúde Animal, São Paulo/SP, Brasil) (G2) e 20 imunizadas por contato com aves do G2 (G3). Soros e suabes traqueais foram obtidos na 8ª, 12ª, 15ª, 18ª, 20ª, 24ª semana para monitoramento por SAR, ELISA e PCR. Fragmentos de traqueia e saco aéreo, para microscopia, foram feitas após necropsias na 15ª e 24ª semana. Até a 12ª semana não houve diferença significativa entre os grupos pela SAR. Houve reação a SAR a partir da 15ª semana com as seguintes médias: G1 (1,7; 1,76; 0,1; 0,15), G2 (7,81; 7,65; 8,25; 6,29) e G3 (8,1; 8,5; 9,5; 6,16), enquanto por ELISA a soroconversão ocorreu a partir da 18ª semana com médias de densidades óticas de G1 (0,19; 0,14; 0,16), G2 (0,47; 0,45; 0,41) e G3 (0,55; 0,51; 0,51). Todas as aves do G3 apresentaram positividade pela PCR sete semanas após exposição. Não houve diferença significativa entre as medias dos escores de saco aéreo entre os grupos, na 15ª semana (0,20; 0,55; 0,32) e 24ª semana (0,15; 0,80 e 0,66). Em relação à traqueia, G2 apresentou média maior na 15ª semana (0,48) que G3 (0,00) e G1 (0,10). Alterações em G3 foram observadas somente na 24ª semana onde as médias foram de 0,08(G1); 0,46 (G2) e 1,00 (G3), havendo significância (p<0,05) entre G1 e G3. SAR e PCR foram capazes de detectar a transmissão de MG-F de forma precoce em relação ao ELISA. Em relação ao G1 (controle negativo) as reações teciduais para os grupos vacinados foram mais intensas na 24ª semana, o que tudo indica sendo resposta à vacinação.


#3 - Mycoplasma gallisepticum as a risk factor on weight of broilers condemnated with airsacculitis by Federal Sanitary Inspection, 32(7):645-648

Abstract in English:

ABSTRACT.- Machado L.S., Nascimento E.R., Pereira V.L.A., Almeida D.O., Silva R.C.F. & Santos L.M.M. 2012. [Mycoplasma gallisepticum as a risk factor on weight of broilers condemnated with airsacculitis by Federal Sanitary Inspection.] Mycoplasma gallisepticum como fator de risco no peso de lotes de frangos de corte com condenação por aerossaculite na Inspeção Sanitária Federal. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(7):645-648. Departamento de Saúde Coletiva Veterinária e Saúde Pública, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense, Rua Dr. Vital Brazil Filho64, Vital Brazil, Niterói, RJ 24230-340, Brazil. E-mail: leandromachadovet@yahoo.com.br The Brazilian poultry industry improves annually and is more representative on production and exportation of their products. Care on poultry health cooperates to these developments, however, respiratory agents that affect weight and carcass quality, continue to threaten poultry production. Airsacculitis is considered the main cause of total and/or partial condemnation of broilers carcasses, being Mycoplasma gallisepticum (MG) the most important agent of it. This study aimed to detect MG by “Polymerase Chain Reaction” (PCR) and to correlate its positivity with airsacculitis, weight losses and condemnated broilers by Federal Sanitary Inspection. A total of 40 flocks of slaughter broilers under Federal Inspection in Rio Grande do Sul, Brazil, were randomly selected. In each flock three broilers, regardless of sex, were randomly chosen for necropsy where tracheas were collected and polled in one sample for analysis. For PCR, DNA was extracted by the method of phenol-chloroform and amplified with pairs of specific primers for MG. From the 40 flocks PCR analyzed, 20% (8/40) were positive for MG. MG detection was found to be correlected with airsacculitis increase and weight decrease by multiple logistic regression equation (p<0,05), LogitPi= 7.9409 + (0,5601 x X1) - (3.3080 x X2). Airsacculitis rate increase also correleted with decrease in body weight by simple linear regression equation (p<0.05), Y= 2.1050 - 0.6397X. In conclusion, MG positivity is related to airsacculitis which causes weight loss in broilers. In addition, the PCR was an effective technique for the detection of MG in flocks of broilers, but was not affected by the kind of biological specimens collected, as tracheal scraping or swab.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Machado L.S., Nascimento E.R., Pereira V.L.A., Almeida D.O., Silva R.C.F. & Santos L.M.M. 2012. [Mycoplasma gallisepticum as a risk factor on weight of broilers condemnated with airsacculitis by Federal Sanitary Inspection.] Mycoplasma gallisepticum como fator de risco no peso de lotes de frangos de corte com condenação por aerossaculite na Inspeção Sanitária Federal. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(7):645-648. Departamento de Saúde Coletiva Veterinária e Saúde Pública, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense, Rua Dr. Vital Brazil Filho64, Vital Brazil, Niterói, RJ 24230-340, Brazil. E-mail: leandromachadovet@yahoo.com.br A Indústria avícola brasileira cresce anualmente e se torna cada vez mais representativa na produção e exportação dos seus produtos. Os cuidados com a sanidade avícola têm acompanhado e favorecido essa evolução, entretanto, agentes respiratórios que afetam o peso e a qualidade da carcaça, continuam a provocar grandes prejuízos à produção avícola. A aerossaculite é considerada uma das principais causas da condenação total e/ou parcial de carcaças de frangos de corte, sendo de grande importância Mycoplasma gallisepticum (MG). O objetivo do presente estudo foi detectar MG pela PCR e correlacionar sua positividade a aerossaculite, queda de peso e condenação de carcaças de lotes de frangos de corte na Inspeção Sanitária Federal. Do total de 40 lotes de frangos de corte abatidos sob Inspeção Sanitária Federal, localizado no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil, foram selecionados ao acaso. Em cada lote, três frangos de corte, independente de sexo, foram randomicamente selecionados para necropsia, sendo as traquéias coletadas e agrupadas em pool para formação de uma amostra para análise. Pela PCR, o DNA foi extraído pelo método de fenol-clorofórmio e amplificado com pares de “primers” específicos para MG. Dos 40 lotes analisados pela PCR, 20% (8/40) foram positivos para MG. Houve relação entre a positividade para MG, aumento da taxa de aerossaculite e queda de peso por Regressão Logística Múltipla (p<0,05), LogitPi= 7,9409 + (0,5601 x X1) - (3,3080 x X2). O aumento da taxa de aerossaculite esteve relacionada à queda de peso por Regressão Linear Simples (p<0,05), Y= 2, 1050-0,6397X. Em conclusão, a positividade por MG está relacionada à aerossaculite que provoca queda de peso em frangos de corte. Em adição, a PCR foi uma técnica eficaz para a detecção de MG em lotes de frangos de corte, não sendo este diagnóstico influenciado pelo tipo de colheita do material biológico, por escarificado ou swab de traquéia.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV