Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa Santos W.A

#1 - B-mode ultrasonography and gray scale histogram for evaluation of the nuchal ligament in Quarter horse

Abstract in English:

The gray scale histogram (GSH) makes it possible to measure the amount and distribution of gray shade frequencies, providing quantitative information on both echogenicity and echotexture of tissues. There is a need to diminish the subjectivity of the ultrasound images of the nuchal ligament (NL). This work proposes to evaluate the NL by ultrasound B-mode GSH images in different ages of Quarter horses. It used 15 healthy Quarter horses, which were classified by age into three different groups: “baby” (1), “sobreano” (2) and “adult” (3). The animals were submitted to chemical restraint for the ultrasound examination. Subsequently, the GSH tool was used in each image for statistical analysis. There was a significant difference between Mean and Mode between groups. Group 1 differed significantly when compared to Group 2 and 3. Group 2 presented superior echogenicity to Group 1 and 3. The height of the NL did not vary considerably between groups. GSH indicated that the echogenicity of NL in Quarter horses varies with age.

Abstract in Portuguese:

O histograma em escala de cinza (HEC) possibilita a mensuração da quantidade e distribuição da frequência de tonalidades de cinza, fornecendo informações quantitativas, tanto sobre a ecogenicidade quanto a ecotextura dos tecidos. Havendo a necessidade de diminuir a subjetividade das imagens ultrassonográficas do ligamento nucal (LN), esse trabalho propôs avaliar o LN por imagens ultrassonograficas modo-B pelo HEC em diferentes idades de cavalos da raça Quarto de Milha. Utilizou 15 cavalos da raça Quarto de Milha saudáveis os quais foram classificados por idade em três grupos diferentes: “baby” (1), “sobreano” (2) e “adulto” (3). Os animais foram submetidos a contenção química para a realização do exame ultrassonográfico. Posteriormente, a ferramenta HEC foi empregada em cada imagem para análise estatística. Houve diferença significativa entre as variáveis “Mean” e “Mode” entre os grupos. O Grupo 1 diferenciou significativamente quando comparado ao Grupo 2 e 3. O Grupo 2 apresentou ecogenicidade superior ao Grupo 1 e 3. Quanto à altura do LN não teve variação considerável entre os grupos. O HEC indicou que a ecogenicidade do LN em cavalos Quarto de Milha varia conforme a idade.


#2 - Macromolecules intestinal absorption period of goat kids after bovine colostrum intake, 32(8):794-802

Abstract in English:

ABSTRACT.- Yanaka R., Camargo D.G., Bovino F., Santos W.A., Dócusse M.R., Cavassano B.S. & Feitosa F.L.F. 2012. [Macromolecules intestinal absorption period of goat kids after bovine colostrum intake.] Período de absorção intestinal de macromoléculas em cabritos recém-nascidos após a ingestão de colostro bovino. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(8):794-802. Curso de Medicina Veterinária da Universidade Estadual Paulista, Campus de Araçatuba, Rua Clóvis Pestana 793, Araçatuba, SP 16050-680, Brazil. E-mail: leydsonf@fmva.unesp.br After birth goat kids are dependent of colostrum immunoglobulins due to placental characteristics that don’t allow macromolecules passage from dam’s circulation. According to literature goat kids have colostrum immunoglobulin absorption capability for up to four days. Many physiological aspects of other species have been accepted and used for goats, but those related to passive immunity transference needs more investigation. The goals of the present study was to determine the period of macromolecules passage through gut wall to circulation until 36 hours postpartum and verify the duration of protective humoral immunity transferred by the ingestion of bovine and caprine colostrum. Sixty newborn goat kids were allocated into six treatment groups: T 0 (n=25), non-restricted natural ingestion of goat colostrum; T 1 (n=7), bovine colostrum from birth to two hours postpartum; T 2 (n=7), bovine colostrum ingestion between four to six hours after birth; T 3 (n=7), milk intake until the first eight hours and bovine colostrum administration between 10 to 12 hours postpartum; T 4 (n=7), milk ingestion for the first 18 hours and bovine colostrum ingestion between 22 and 24 hours after birth; T 5 (n=7), milk administration until 30 hours and bovine colostrum intake between 34 to 36 hours postpartum. The total protein (TP), gammaglobulin, immunoglobulin G (IgG) and gamma-glutamyltransferase (GGT) serum concentrations were determined. At birth all neonates presented lower values of the variables, with significant increase of TP and gammaglobulin at two days in groups T 0, T 1 and T 2, IgG and GGT increased in all groups. The treatments T 3, T 4 and T 5 were considered to induce failure of immunity passive transfer. The absorption of macromolecules by kid’s intestinal tract occurred until 36 hours postpartum, with better effectiveness until 12 hours. Antibody levels persist up to 75 days after bovine colostrum intake, but at this time their low concentrations doesn’t provide adequate protection.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Yanaka R., Camargo D.G., Bovino F., Santos W.A., Dócusse M.R., Cavassano B.S. & Feitosa F.L.F. 2012. [Macromolecules intestinal absorption period of goat kids after bovine colostrum intake.] Período de absorção intestinal de macromoléculas em cabritos recém-nascidos após a ingestão de colostro bovino. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(8):794-802. Curso de Medicina Veterinária da Universidade Estadual Paulista, Campus de Araçatuba, Rua Clóvis Pestana 793, Araçatuba, SP 16050-680, Brazil. E-mail: leydsonf@fmva.unesp.br Após o nascimento, os cabritos são dependentes das imunoglobulinas colostrais devido às características placentárias que não permitem a passagem de macromoléculas da circulação materna. De acordo com a literatura, os cabritos possuem capacidade absortiva por até quatro dias. Muitos aspectos fisiológicos de outras espécies são aceitos e utilizados para caprinos, mas aqueles relacionados à transferência de imunidade passiva precisam de investigação. Os objetivos do presente estudo foram determinar o período de passagem de macromoléculas da mucosa intestinal para a circulação e a duração da proteção humoral transferida passivamente pela ingestão de colostro bovino e caprino. Sessenta cabritos recém-nascidos foram distribuídos em seis tratamentos: T 0 (n=25), ingestão natural de colostro caprino à vontade; T 1 (n=7), colostro bovino entre o nascimento e duas horas pós-parto; T 2 (n=7), ingestão de colostro bovino entre quatro e seis horas pós-nascimento; T 3 (n=7), leite nas primeiras oito horas e colostro bovino entre 10 e 12 horas pós-parto; T 4 (n=7), ingestão de leite até 18 horas e colostro bovino entre 22 e 24 horas pós-nascimento; T 5 (n=7), leite até 30 horas e ingestão de colostro bovino entre 34 e 36 horas pós-parto. Determinaram-se as concentrações séricas de proteína total (PT), gamaglobulina, imunoglobulina G (IgG) e a atividade sérica de gama glutamiltransferase (GGT). Ao nascimento, todos os neonatos tiveram valores mais baixos das variáveis, com aumento significativo da PT e gamaglobulina, após dois dias, nos grupos T 0, T 1 e T 2; a IgG e GGT aumentaram em todos os grupos. Os tratamentos T 3, T 4 e T 5 foram considerados como indutores de falha de transferência de imunidade passiva. A absorção de macromoléculas pelo trato intestinal dos cabritos ocorreu até 36 horas pós-parto, sendo mais efetiva até 12 horas. Os níveis de anticorpos persistiram até 75 dias após a ingestão de colostro bovino, porém, com concentrações inadequadas.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV