Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa Siqueira F.M

#1 - Bilateral pyelonephritis due to Escherichia coli infection in a captive jaguar (Panthera onca)

Abstract in English:

Extraintestinal pathogenic Escherichia coli (ExPEC) is a highly diverse pathotype of E. coli which colonizes the intestine, and it is considered an important etiological agent associated with bacteremia and other systemic infections, among them urinary tract infection. Retrospective studies evaluating morbidity and mortality of nondomestic felids have demonstrated that urinary tract diseases are among the main causes of death for geriatric animals. Also, mesenchymal neoplasms of the uterus are common in wild felids, and they possess variable morphologic characteristics related to invasiveness and malignancy. This report describes a case of bilateral pyelonephritis due to extraintestinal uropathogenic E. coli infection in a captive jaguar (Panthera onca). The diagnosis was confirmed through pathological, bacterial and immunohistochemical findings. According to molecular analysis, this E. coli strain was classified in the phylogroup F, possessing the following virulence-associated genes: usp, cnf-1, hlyA, papC and sfa. Additionally, this E. coli was highly resistant to β-lactams and first-generation cephalosporin. This jaguar also presented a uterine leiomyoma with distinct distribution, and severe degenerative articular disease, both of them described as frequently seen lesions in geriatric animals from the Panthera genus.

Abstract in Portuguese:

Escherichia coli extraintestinal patogênica (ExPEC) é um patotipo altamente diverso de E. coli que coloniza o intestino e é considerada um agente etiológico importante, associado com bacteremia e outras infecções sistêmicas, dentre elas infecções do trato urinário. Estudos retrospectivos avaliando morbidade e mortalidade de felídeos não domésticos demostram que doenças do trato urinário estão entre as principais causas de morte de animais geriátricos. Ainda, neoplasias mesenquimais uterinas são comuns em felídeos de cativeiro e possuem características morfológicas variáveis relacionadas a invasividade e malignidade. Neste relato é descrito um caso de pielonefrite bilateral por E. coli extraintestinal uropatogênica em uma onça-pintada de cativeiro (Panthera onca). O diagnóstico foi confirmado através dos achados patológicos, bacteriológicos e imuno-histoquímicos. A partir da análise molecular, esta cepa de E. coli foi classificada no filogrupo F, possuindo os seguintes genes associados a virulência: usp, cnf-1, hlyA, papC and sfa. Adicionalmente, a bactéria isolada foi altamente resistente a β-lactâmicos e cefalosporinas de primeira geração. Foi observado ainda um leiomioma uterino com distribuição distinta e doença articular degenerativa severa, ambas descritas na literatura como comumente observadas em animais geriátricos do gênero Panthera.


#2 - Phylogenetic and pathotype analysis of Escherichia coli swine isolates from Southern Brazil, 32(5):374-378

Abstract in English:

ABSTRACT.- Girardini L.K., Siqueira F.M., Krewer C.C., Krewer C.C., Costa M.M. & Vargas A.C. 2012. Phylogenetic and pathotype analysis of Escherichia coli swine isolates from Southern Brazil. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(5):374-378. Departamento de Medicina Veterinária Preventiva, Universidade Federal de Santa Maria, Camobi, Santa Maria, RS 97105-900, Brazil. E-mail: agueda.vargas@gmail.com The current study evaluated the presence of virulence factors by a multiplex PCR technique and then phylogenetically classified the studied strains into groups A, B1, B2 and D, according to Clermont et al. (2000), in 152 intestinal and extraintestinal swine isolates of Escherichia coli. Seventy seven isolates tested were positive for virulence factors. Phylogenetic characterization placed 21 samples into group A, 65 into B1, 19 into B2 and 47 into D. Fourteen urine samples were classified as uropathogenic E. coli (UPEC), nine were both UPEC and enterotoxigenic E. coli (ETEC) and four were ETEC only. The most common phylogenetic classifications were B1 and D groups. Of the analyzed fecal samples, 25 were classified as ETEC. Phylogenetically, the group of higher occurrence was B1, followed by B2, A and D. For the small intestine samples, 20 were classified as ETEC. Phylogenetic analysis found groups B1 and A to be the most commons in these samples. Six isolated tissue samples were classified as ETEC and most of them were designated as group D by phylogenetic classification. The phylogenetic analysis could be employed in veterinary laboratories in the E. coli isolates screening, including the possibility of vaccine strain selection and epidemiological searches.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Girardini L.K., Siqueira F.M., Krewer C.C., Krewer C.C., Costa M.M. & Vargas A.C. 2012. Phylogenetic and pathotype analysis of Escherichia coli swine isolates from Southern Brazil. [Análise filogenética e de patotipos de Escherichia coli isoladas de suínos no Sul do Brazil.] Pesquisa Veterinária Brasileira 32(5):374-378. Departamento de Medicina Veterinária Preventiva, Universidade Federal de Santa Maria, Camobi, Santa Maria, RS 97105-900, Brazil. E-mail: agueda.vargas@gmail.com O presente estudo teve por objetivo avaliar a presença de diferentes fatores de virulência em 152 isolados de Escherichia coli intestinais e extra-intestinais provenientes de suínos pela técnica de PCR multiplex e classificá-los nos grupos filogenéticos A, B1, B2 e D, de acordo com Clermont et al. (2000). Setenta e sete isolados foram positivos para pelo menos um fator de virulência. Através da caracterização filogenética, 21 isolados foram caracterizados como pertencentes ao grupo A, 65 ao grupo B1, 19 ao grupo B2 e 47 isolados ao grupo D. Quatorze isolados de urina foram caracterizados como E. coli uropatogênica (UPEC); nove apresentaram fatores de UPEC e E. coli enterotoxigênica (ETEC) simultaneamente e quatro foram classificados como ETEC. Na classificação filogenética, os isolados provenientes de amostras de urina classificaram-se principalmente nos grupos D e B1. Das amostras de fezes analisadas, 25 demonstraram fatores de virulência característicos do patotipo ETEC. Filogeneticamente, o grupo de maior ocorrência foi o B1 seguido de B2, A e D. Em relação às cepas isoladas de intestino delgado, 20 foram caracterizadas como ETEC. Pela filogenia, 23 isolados classificaram-se nos grupos A ou B1. Seis isolados de tecidos foram qualificados como ETEC e a maioria deles foram designados como pertencentes ao grupo D, pela classificação filogenética. A análise filogenética pode ser empregada em laboratórios de diagnóstico veterinário como um screening para isolados de E. coli, incluindo a possibilidade de seleção de cepas vacinais e levantamentos epidemiológicos.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV