Resultado da pesquisa (24)

Termo utilizado na pesquisa Toxic plants

#1 - Spontaneous and experimental poisoning by Merremia macrocalyx (Convolvulaceae) in cattle

Abstract in English:

The aim of this work was to describe the epidemiological, clinical and pathological aspects of spontaneous poisoning by Merremia macrocalyx in cattle in the Pernambuco state, northeastern Brazil, and to experimentally replicate the poisoning by this plant. To determine the occurrence of poisonings, 30 farms were visited in six municipalities at the Forest Zone of Pernambuco. The plant was found in nine farms, in which history of plant poisoning in cattle, and occasionally in sheep were also reported. Three outbreaks of spontaneous poisonings in cattle were studied. To replicate the disease experimentally, two steers received a single dose of 60g/kg and two steers received 80g/kg of the fresh leaves of M. macrocalyx in the trough for spontaneous ingestion. Two steers were also used as a control group. The main clinical signs observed in spontaneous cases consisted of restlessness, bloat, polyuria, diarrhea, and death within 48 to 72 hours after the onset of clinical signs. Cattle experimentally poisoned presented similar clinical signs to those observed in spontaneous cases. Gross lesions consisted of dryness and impaction of the rumen, omasum and reticulum contents. Abomasal content was fluid, the mucosa was hyperemic, with swollen folds and multiple ulcers. Similar lesions were observed in duodenum mucosae. Histologically, lesions observed in the abomasum and duodenum mucosa consisted of necrosis, hemorrhage and inflammatory infiltration of neutrophils and lymphocytes. The wide distribution and palatability of this plant, associated with the high sensitivity of the bovine species verified in this experiment, highlight the importance of this plant in spontaneous cases of poisoning in cattle.

Abstract in Portuguese:

O objetivo deste trabalho é descrever os aspectos epidemiológicos, clínicos e patológicos da intoxicação espontânea por Merremia macrocalyx em bovinos de Pernambuco, nordeste do Brasil e reproduzir experimentalmente a intoxicação por esta planta. Para determinar a ocorrência das intoxicações, foram visitadas 30 propriedades em seis municípios na Zona da Mata de Pernambuco. A planta foi encontrada em nove fazendas onde também haviam históricos de intoxicações em bovinos e ocasionalmente em ovinos. Três surtos de intoxicações espontâneas em bovinos foram estudados e para reproduzir experimentalmente a doença, dois novilhos receberam doses únicas de 60g/kg e dois novilhos receberam 80g/kg de folhas frescas de M. Macrocalyx para consumo espontâneo no cocho. Dois novilhos foram utilizados como grupo controle. Os principais sinais clínicos observados na intoxicação espontânea consistiram em agitação, timpanismo, poliúria, diarreia e morte dentro de 48 a 72 horas após a observação dos primeiros sinais clínicos. Os bovinos intoxicados experimentalmente apresentaram sinais clínicos semelhantes aos observados nos casos espontâneos. À necropsia as lesões consistiam em compactação e ressecamento dos conteúdos do rúmen, omaso e retículo. O conteúdo do abomaso estava fluido, notava-se hiperemia das mucosas, as pregas estavam edemaciadas e continham múltiplas úlceras. Lesões semelhantes também foram observadas na mucosa do duodeno. Histologicamente, as lesões observadas na mucosa do abomaso e do duodeno consistiam em necrose, hemorragia e infiltrado inflamatório neutrofílico e linfocítico. A ampla distribuição de Merremia macrocalyx na região estudada e a boa palatabilidade associada à alta sensibilidade da espécie bovina verificada neste experimento, reforça a importância desta planta em casos espontâneos de intoxicação em bovinos.


#2 - Phytotoxins eliminated by milk: a review

Abstract in English:

Milk is a complex emulsion of lipids suspended in aqueous protein solution that can be a carrier of various contaminants, but generally it is not an important route of toxic excretion. The main problem is chronic repetitive exposure, as it occurs with ingestion of toxic plants and its potential danger to animals that consume the milk. Previously reported hazardous phytotoxins eliminated by milk include: indolizidine alkaloids, causing oligosaccharide storage disease; piperidine alkaloids, causing acute poisoning or malformations; pyrrolizidine alkaloids, which cause hepatic lesions; quinolizidine alkaloids, as a cause of skeletal defects; glucosinolates, which cause changes in the thyroid; tremetol (or tremetone), which causes a disease characterized by tremors in animals and milk sickness in humans; sodium monofluoracetate, which causes the death of kids after ingestion of colostrum from goats that have ingested Amorimia septentrionalis during gestation; ptaquiloside, which induces carcinogenesis in animals that ingest milk or derivatives produced by animals that have ingested Pteridium spp. Ipomoea asarifolia, which contains indole diterpenes causing tremors in suckling pups. Chrysocoma ciliata causes alopecia in suckling pups, but its toxic compound is still unknown. Knowledge about the risk of exposure to these substances via milk and its dissemination are important for veterinary and human health.

Abstract in Portuguese:

O leite é uma mistura complexa de lipídeos suspensos em solução aquosa de proteínas e pode ser veículo de diversos contaminantes, mas, geralmente, não é uma importante via de excreção de tóxicos. O principal problema é a exposição repetida, como ocorre com a ingestão de plantas tóxicas, e seu potencial perigo para os animais que consomem o leite. As fitotoxinas já descritas, que são eliminadas através do leite e podem causar danos à saúde incluem: alcaloides indolizidínicos, causam a doença do armazenamento de oligossacarídeos; alcaloides piperidínicos, que causam intoxicação aguda, pela sua capacidade de dessensibilizar os receptores nicotínicos da acetilcolina, ou malformações; alcaloides pirrolizidínicos, que provocam alterações hepáticas; alcaloides quinolizidínicos, que causam defeitos esqueléticos; glucosinolatos, que provocam alterações na tireoide; tremetol (ou tremetone), que provoca, em animais, uma doença caracterizada por tremores, e em humanos, a doença conhecida como doença do leite; monofluoracetato de sódio, que causa a morte de filhotes após a ingestão do colostro de fêmeas que ingeriram Amorimia septentrionalis durante a gestação; ptaquilosídeo, que induz a carcinogênese em animais que ingerem leite ou derivados, produzidos por animais que ingeriram Pteridium spp. Ipomoea asarifolia contem indol diterpenos que causam tremores em filhotes lactentes. Chrysocoma ciliata causa alopecia em filhotes lactentes, porém seu princípio ativo tóxico ainda é desconhecido. O conhecimento e a divulgação sobre o risco da exposição a essas substâncias eliminadas através do leite são importantes tanto para a saúde animal quanto para a saúde humana.


#3 - Cyanogenic poisoning by spontaneous ingestion of star grass (Cynodon nlemfuensis var. nlemfuensis cv. ‘Florico’) in cattle

Abstract in English:

This study reports the epidemiological data and the clinical-pathological condition of five outbreaks of cyanogenic poisoning in cattle spontaneously ingesting star grass (Cynodon  nlemfuensis Vanderyst var. nlemfuensis cv. ‘Florico’). In all outbreaks, the areas where the plant was previously fertilized with high concentrations of nitrogen and the properties adopted the silvipastoral system. The first clinical signs appeared between 10 and 15 minutes after the first introduction of cattle and were characterized by muscular tremors, dyspnea, moderate tympanism, staggering gait, forced breathing with open mouth, sternal recumbency followed by death after 15 to 30 minutes and/or recovery in a few hours after the signs started. In total, 43 cows have become ill and 18 died. Two necropsies were performed and no significant changes were found except for the presence of the plant near the esophageal sphincter region. No histological lesions were seen through microscopy. Green leaves of the star grass were collected from all properties where the outbreaks occurred and the test of the picro-sodium paper was performed, revealing red-brick coloration in 20 minutes after maceration of the leaves.

Abstract in Portuguese:

Descrevem-se os dados epidemiológicos e quadro clínico-patológico de cinco surtos de intoxicação cianogênica em bovinos que ingeriram espontaneamente grama estrela (Cynodon nlemfuensis Vanderyst var. nlemfuensis cv. ‘Florico’). Em todos os surtos, as áreas onde a planta se encontrava haviam sido previamente adubadas com altas concentrações de nitrogênio e as propriedades adotavam o sistema silvipastoril com Eucaliptus sp. Os primeiros sinais clínicos surgiram entre 10 e 15 minutos após a primeira introdução dos bovinos e caracterizou-se por tremores musculares, dispneia, timpanismo moderado, andar cambaleante, respiração forçada com a boca aberta, decúbito esternal seguido de morte após 15 a 30 minutos e/ou, recuperação em poucas horas após início dos sinais. No total, adoeceram 43 vacas e destas 18 morreram. Duas necropsias foram realizadas e não foram encontradas alterações significativas, exceto a presença da planta próxima a região do esfíncter esofágico. Através da microscopia não foram visualizadas lesões histológicas. Folhas verdes da grama estrela foram coletadas de todas as propriedades onde os surtos ocorreram e realizadas o teste do papel picro-sódico, o qual revelou coloração vermelho‑tijolo em 20 minutos após maceração das folhas.


#4 - Nitrate and nitrite poisoning in sheep and goats caused by ingestion of Portulaca oleracea, 38(8):1549-1553

Abstract in English:

ABSTRACT.- Simões J.G., Medeiros R.M.T., Medeiros M.A., Olinda R.G., Dantas A.F.M. & Riet‑Correa F. 2018. Nitrate and nitrite poisoning in sheep and goats caused by ingestion of Portulaca oleracea. [Intoxicação por nitratos e nitritos em ovinos e caprinos causada pela ingestão de Portulaca oleracea.] Pesquisa Veterinária Brasileira 38(8):1549-1553. Hospital Veterinário, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, Campus de Patos, PB 58708‑110, Brazil. E-mail: frcorrea@inia.org.uy Three outbreaks of poisoning by Portulaca oleracea were reported in sheep and goats in Northeast Brazil. In the first outbreak, 8 out of 20 sheep were affected and later died. In the second outbreak, three goats and one sheep died out of a flock of 30 animals that included both species. In the third outbreak, two out of 19 sheep were affected, and they recovered after a treatment of 2% methylene blue at a dose of 4 mg/kg body weight. In the first and second outbreaks, the animals ingested P. oleracea after it was cut and offered in feeders. In the third outbreak, the flock was grazing in an area that had been invaded by the plant. To determine the toxicity, P. oleracea was administered experimentally at a dose of 80g/kg of body weight to seven sheep, weighing 19-30 kg. One control sheep received green grass. One to four hours after P. oleracea ingestion, the animals showed clinical signs of poisoning characterized by cyanotic mucous membranes, bloat, ruminal pH of 8-9, pollakiuria, aerophagia, involuntary movements of the upper lip, apathy, tachypnea and tachycardia. Five animals recovered, including one that was treated with 1% methylene blue, and two animals died. During necropsy, the mucous membranes were brownish, and the blood was dark brown. Diphenylamine tests of the plant and of rumen contents were positive for nitrates. Positive results for nitrates were also found in 24 samples of P. oleracea that were collected in different places in the states of Pernambuco and Paraíba. We conclude that P. oleracea accumulates nitrates at toxic levels and may cause poisoning in sheep and goats.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Simões J.G., Medeiros R.M.T., Medeiros M.A., Olinda R.G., Dantas A.F.M. & Riet‑Correa F. 2018. Nitrate and nitrite poisoning in sheep and goats caused by ingestion of Portulaca oleracea. [Intoxicação por nitratos e nitritos em ovinos e caprinos causada pela ingestão de Portulaca oleracea.] Pesquisa Veterinária Brasileira 38(8):1549-1553. Hospital Veterinário, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, Campus de Patos, PB 58708‑110, Brazil. E-mail: frcorrea@inia.org.uy Relatam-se três surtos de intoxicação por Portulaca oleracea em ovinos e caprinos no Nordeste do Brasil. No primeiro surto morreram oito de 20 ovinos. No segundo morreram três caprinos e um ovino de um total de 30 animais das duas espécies. No terceiro surto foram afetadas duas ovelhas de um rebanho de 19 animais, que se recuperaram após o tratamento com azul de metileno a 2% na dose de 4 mg/kg/vivo. Nos surtos 1 e 2 os animais ingeriram P. oleracea cortada e oferecida no coxo e no surto 3 estavam pastoreando em uma área invadida pela planta. Para determinar a toxicidade de P. oleracea foram utilizados oitos ovinos, sendo sete experimentais e um controle, com peso entre 19 e 30 kg. A planta foi administrada por via oral, na dose de 80 g/kg/peso corporal. O animal controle recebeu capim verde e concentrado. Entre uma a quatro horas após a ingestão da planta os animais apresentaram sinais clínicos caracterizados por mucosas cianóticas, timpanismo gasoso, pH ruminal de 8-9, polaquiúria, aerofagia, movimentos involuntários do lábio superior, apatia, taquipnéia e taquicardia. Cinco animais se recuperaram, incluindo um que foi tratado com azul de metileno a 2%, e dois morreram. Na necropsia observaram-se mucosas de coloração marrom e sangue marrom escuro. O teste de difenilamina realizado na planta e no conteúdo ruminal foi positivo para nitratos. Resultados positivos para nitratos foram detectados em 24 amostras coletadas em diferentes locais dos estados de Pernambuco e Paraíba. Conclui-se que P. oleracea acumula nitratos em níveis tóxicos, e quando ingerida por ovinos e caprinos pode provocar intoxicação e morte.


#5 - Cardiotoxic plants affecting ruminants in Brazil, 38(7):1239-1249

Abstract in English:

ABSTRACT.- Nascimento N.C.F., Aires L.D.A., Pfister J.A., Medeiros R.M.T., Riet-Correa F. & Mendonça F.S. 2018. [Cardiotoxic plants affecting ruminants in Brazil.] Plantas cardiotóxicas para ruminantes no Brasil. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(7):1239-1249. Laboratório de Diagnóstico Animal, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Rua Dom Manoel de Medeiros s/n, Dois Irmãos, Recife, PE 52171-900, Brazil. E-mail: fabio.mendonca@pq.cnpq.br This review updates information about cardiotoxic plants affecting ruminants in Brazil. Currently it is known that there are at least 131 toxic plants belonging to 79 genera. Twenty five species affect the heart function. Plants that contain sodium monofluoroacetate (Palicourea spp., Psychotria hoffmannseggiana, Amorimia spp., Niedenzuella spp., Tanaecium bilabiatum and Fridericia elegans) cause numerous outbreaks of poisoning, mainly in cattle, but buffaloes, sheep and goats are occasionally affected. Poisoning by Palicourea marcgravii remains the most important due to the wide distribution of this plant in Brazil. New species of the genus Palicourea containing sodium monofluoracetate, such as Palicourea amapaensis, Palicourea longiflora, Palicourea barraensis, Palicourea macarthurorum, Palicourea nigricans, Palicourea vacillans and Palicourea aff. juruana were described in the amazon region. In the northeast region, the most important toxic plant for cattle is Amorimia septentrionalis. In the midwest, outbreaks of Niedenzuella stannea poisoning have been reported in cattle in the Araguaia region and the disease needs to be better investigated for its occurrence and importance. Tetrapterys multiglandulosa and Tetrapterys acutifolia, two plants causing cardiac fibrosis also contain sodium monofluoroacetate and were reclassified to the genus Niedenzuella. These two plants and Ateleia glazioveana, other plant that causes cardiac fibrosis continues to be important in the southeastern and south of Brazil. Other less important are the plants that contain cardiotoxic glycosides, such as Nerium oleander and Kalanchoe blossfeldiana, in wich poisonings are generally accidental. Recently, several experimental methodologies were successfully employed to avoid poisonings by sodium monofluoroacetate containing plants. These methodologies include the induction of food avertion using lithium chloride, the ministration of repeatedly non-toxic doses of leaves to induce resistance, the use of acetamide to prevent poisonings and the intraruminal inoculation of sodium monofluoroacetate degrading bacteria.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Nascimento N.C.F., Aires L.D.A., Pfister J.A., Medeiros R.M.T., Riet-Correa F. & Mendonça F.S. 2018. [Cardiotoxic plants affecting ruminants in Brazil.] Plantas cardiotóxicas para ruminantes no Brasil. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(7):1239-1249. Laboratório de Diagnóstico Animal, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Rua Dom Manoel de Medeiros s/n, Dois Irmãos, Recife, PE 52171-900, Brazil. E-mail: fabio.mendonca@pq.cnpq.br Esta revisão atualiza informações sobre plantas cardiotóxicas que afetam os ruminantes no Brasil. Atualmente, sabe-se que existem pelo menos 131 plantas tóxicas pertencentes a 79 gêneros. Vinte e cinco espécies afetam o funcionamento do coração. As plantas que contêm monofluoroacetato de sódio (Palicourea spp., Psychotria hoffmannseggiana, Amorimia spp., Niedenzuella spp., Tanaecium bilabiatum e Fridericia elegans) causam numerosos surtos de intoxicação, principalmente em bovinos, mas búfalos, ovinos e caprinos são ocasionalmente afetados. A intoxicação por Palicourea marcgravii continua a ser a mais importante devido à ampla distribuição desta planta no Brasil. Novas espécies do gênero Palicourea contendo monofluoracetato de sódio, como Palicourea amapaensis, Palicourea longiflora, Palicourea barraensis, Palicourea macarthurorum, Palicourea nigricans, Palicourea vacillans e Palicourea aff. juruana foram descritas na região amazônica. Na região nordeste, a planta tóxica mais importante para bovinos é Amorimia septentrionalis. No Centro-Oeste, surtos de intoxicação por Niedenzuella stannea foram relatados em bovinos na região do Araguaia e a doença precisa ser melhor investigada quanto à sua ocorrência e importância. Tetrapterys multiglandulosa e Tetrapterys acutifolia, duas plantas que causam fibrose cardíaca, também contêm monofluoracetato de sódio e foram reclassificadas para o gênero Niedenzuella. Essas duas espécies e Ateleia glazioveana, outra planta que causa fibrose cardíaca, continuam sendo importantes no Sul e Sudeste do Brasil. Outras espécies menos importantes e que ocasionamente provocam surtos acidentais de intoxicação são as plantas que contém glicosídeos cardiotóxicos, tais como Nerium oleander e Kalanchoe blossfeldiana. Recentemente, várias metodologias experimentais foram empregadas para evitar intoxicações por plantas que contêm monofluoroacetato de sódio. Estas metodologias incluem a indução de aversão condicionada utilizando cloreto de lítio, a utilização de doses repetidas não tóxicas de folhas para induzir resistência, o uso de acetamida para prevenir as intoxicações e a inoculação intraruminal de bactérias degradantes de monofluoroacetato de sódio.


#6 - Toxic plants for ruminants and equidae in the state of Sergipe, Brazil, 38(5):835-839

Abstract in English:

ABSTRACT.- Nascimento E.M., Medeiros R.M.T. & Riet-Correa F. 2018. [Toxic plants for ruminants and equidae in the state of Sergipe, Brazil.] Plantas tóxicas para ruminantes e equídeos do estado de Sergipe. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(5):835-839. Laboratório de Patologia Animal, Unidade Acadêmica de Medicina Veterinária, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, Avenida Universitária s/n, Patos, PB 58700-970, Brazil. E-mail: eduardoaquario@hotmail.com In a survey on toxic plants for ruminants and equidae conducted in 2015 and 2016 in the state of Sergipe, farms from16 municipalities of different microregions (litoral, agreste and sertão) were visited. Thirty two farmers and 10 veterinarians were interviewed about the occurrence of known toxic plants in the state of Sergipe and poisoning by plants previously unknown. According to the survey, Amorimia spp., Crotalaria retusa, Ipomoea asarifolia, Palicourea aeneofusca and Poiretia punctata are important causes of death on livestock in the region. Sporadic poisonings by Ipomoea carnea subsp. fistulosa, Mimosa tenuiflora, Pannisetum purpureum and Manihot esculenta were also registered. Some farmers reported poisoning by Ziziphus joazeiro and Citrus spp., which had not been reported previously as toxic.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Nascimento E.M., Medeiros R.M.T. & Riet-Correa F. 2018. [Toxic plants for ruminants and equidae in the state of Sergipe, Brazil.] Plantas tóxicas para ruminantes e equídeos do estado de Sergipe. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(5):835-839. Laboratório de Patologia Animal, Unidade Acadêmica de Medicina Veterinária, Centro de Saúde e Tecnologia Rural, Universidade Federal de Campina Grande, Avenida Universitária s/n, Patos, PB 58700-970, Brazil. E-mail: eduardoaquario@hotmail.com Em um levantamento feito nos anos de 2015 e 2016 no estado de Sergipe, com o objetivo de conhecer as plantas tóxicas para ruminantes e equídeos, foram visitadas propriedades rurais em 16 municípios, englobando as mesorregiões do litoral, agreste e sertão. Para isso foram realizadas entrevistas a 32 produtores e 10 a médicos veterinários da região. De acordo com o levantamento, Amorimia spp., Crotalaria retusa, Ipomoea asarifolia, Palicourea aeneofusca e Poiretia punctata são responsáveis por mortes de animais gerando prejuízos consideráveis aos produtores. Surtos esporádicos de intoxicações por Ipomoea carnea subsp. fistulosa, Mimosa tenuiflora, Pannisetum purpureum e Manihot esculenta também foram relatados. Alguns produtores relataram surtos isolados de intoxicações por Ziziphus joazeiro e citrus sp, plantas não conhecidas anteriormente como tóxicas.


#7 - Comparison of the effects of Cestrum axillare leaves with isolated saponins in goats, 38(5):852-861

Abstract in English:

ABSTRACT.- Marinho J.B.R., Carvalho A.U., Pierezan F., Keller K.M., Riet-Correa F., Melo M.M. & Soto-Blanco B. 2018. [Comparison of the effects of Cestrum axillare leaves with isolated saponins in goats.] Comparação dos efeitos das folhas de Cestrum axillare Vell. com as saponinas isoladas em caprinos. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(5):852-861. Departamento de Clínica e Cirurgia Veterinária, Escola de Veterinária, Universidade Federal de Minas Gerais, Av. Antônio Carlos 6627, Belo Horizonte, MG 30123-970, Brazil. E-mail: benito.blanco@pq.cnpq.br Cestrum axillare Vell. (formerly Cestrum laevigatum Schltd.), family Solanaceae, is the most important hepatotoxic plant in Brazil that causes acute poisoning. It occurs in the Southeast and Center-West regions and in coastal areas of the Northeast Brazil. Spontaneous poisoning was described in cattle, goats and sheep, with clinical signs evidenced within 24 hours after ingestion of the leaves and death within 48 hours after signs onset. The clinical signs observed in acute poisoning are apathy, anorexia, ruminal arrest, arched back, constipation with feces in small spheres, sometimes covered with mucus and blood streaks, muscle tremors, staggering gait and sometimes sialorrhoea. Neurological signs may be observed, due to interference in the urea cycle due to hepatic insufficiency resulting in hyperammonemia (hepatic encephalopathy). The main pathological finding is centrilobular hepatic necrosis. The toxic principle present in C. axillare was not yet definitively proven, but some authors attribute the toxicity of the plant to the presence of saponins gitogenin and digitogenin. However, it has not been determined whether the saponins present in C. axillare are responsible for the hepatotoxic effect of the plant. Thus, the objective of this work is to determine if the saponins are the compounds responsible for the hepatotoxic effects produced by the ingestion of the leaves of C axillare, using goats as experimental model. For this, the effects of the administration of the leaves were compared with those produced by the saponins isolated from the leaves in goats. Six goats were randomly assigned to three experimental groups that received [1] dry leaves of C. axillare (animals A1 and A2), [2] saponins extract from leaves (animals S1 and S2) or [3] control group (animals C1 and C2). For goats receiving the dry leaves the administered dose of plant was 10g/kg for one animal (A1) and 5g/kg for the other one (A2). For animals receiving the saponins extract, administration was done at a dose equivalent to 20g/kg repeated after 24 hours. The dry leaves administered at a dose of 10g/kg to a goat produced toxic effects, with alterations in biochemistry (indicating hepatic lesion) and histopathology showing centrilobular hepatic necrosis. At the dose of 5 g/kg of dry leaves, clinical signs of poisoning were not observed, but hepatic necrosis was found; after 15 days after the last administration, the hepatic parenchyma of this animal was already normal, with only hemorrhagic areas, demonstrating full regeneration. The administration of extracts of saponins containing gitogenin and digitogenin to goats did not produce significant toxic effects, proving that these compounds are not responsible for intoxication. In addition, goats are a good experimental model for studies of this intoxication.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Marinho J.B.R., Carvalho A.U., Pierezan F., Keller K.M., Riet-Correa F., Melo M.M. & Soto-Blanco B. 2018. [Comparison of the effects of Cestrum axillare leaves with isolated saponins in goats.] Comparação dos efeitos das folhas de Cestrum axillare Vell. com as saponinas isoladas em caprinos. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(5):852-861. Departamento de Clínica e Cirurgia Veterinária, Escola de Veterinária, Universidade Federal de Minas Gerais, Av. Antônio Carlos 6627, Belo Horizonte, MG 30123-970, Brazil. E-mail: benito.blanco@pq.cnpq.br Cestrum axillare Vell. (anteriormente C. laevigatum Schltd.), família Solanaceae, é a mais importante planta hepatotóxica do Brasil que causa intoxicação aguda. Tem ocorrência nas regiões Sudeste e Centro-Oeste e em áreas litorâneas do Nordeste. A intoxicação natural foi descrita em bovinos, caprinos e ovinos, com sinais clínicos evidenciados em até 24 horas após a ingestão das folhas e morte em até 48 horas após o início da sintomatologia. Os sinais clínicos observados na intoxicação aguda são apatia, anorexia, parada ruminal, dorso arqueado, constipação com fezes em formas de pequenas esferas, por vezes recobertas com muco e com estrias de sangue, tremores musculares, andar cambaleante e, às vezes, sialorreia. Podem ser observados sinais neurológicos, devido à interferência no ciclo da ureia pela insuficiência hepática resultando em hiperamonemia (encefalopatia hepática). O principal achado patológico é a necrose hepática centrolobular. O princípio tóxico presente no C. axillare ainda não está definitivamente comprovado, mas alguns autores atribuem a toxicidade da planta à presença das saponinas gitogenina e digitogenina. No entanto, ainda não foi determinado se as saponinas presentes em C. axillare são as responsáveis pelo efeito hepatotóxico da planta. Assim, o objetivo deste trabalho é determinar se as saponinas são os compostos responsáveis pelos efeitos hepatotóxicos produzidos pela ingestão das folhas de C. axillare, usando caprinos como modelo experimental. Para isto, foram comparados os efeitos da administração das folhas com os produzidos pelas saponinas isoladas destas folhas em caprinos. Foram utilizados seis caprinos, distribuídos aleatoriamente em três grupos experimentais que receberam [1] folhas secas de C. axillare (Caprinos A1 e A2), [2] extrato de saponinas das folhas (Caprinos S1 e S2), e [3] grupo controle (Caprinos C1 e C2). Para os caprinos que receberam as folhas secas a dose administrada de planta foi de 10g/kg para um animal (A1) e de 5g/kg para outro (A2). Para os animais que receberam o extrato de saponinas, a administração foi feita na dose equivalente a 20g/kg, repetida após 24 horas. Foi verificado que as folhas secas, quando administradas na dose de 10g/kg a um caprino, produziram efeitos tóxicos, com alterações na bioquímica (indicando lesão hepática) e histopatológica apresentando necrose hepática centrolobular. Na dose de 5g/kg de folhas secas, não foi observado sintomatologia clínica da intoxicação, mas houve necrose hepática; 15 dias após a última administração, o parênquima hepático deste animal já se encontrava normal, apenas com áreas hemorrágicas, demonstrando plena regeneração. A administração do extrato de saponinas contendo gitogenina e digitogenina a caprinos não produziu efeitos tóxicos significantes, comprovando não serem estes compostos os responsáveis pela intoxicação. Além disto, a espécie caprina é um bom modelo experimental para estudos desta intoxicação.


#8 - Hepatic encephalopathy secondary to poisoning by Tephrosia cinerea in sheep, 38(4):635-641

Abstract in English:

ABSTRACT.- Silveira A.M., Moreira E.C., Vaz F., Lorenzo C., Driemeier D., Furlan F., Dantas A.F.M. & Riet-Correa F. 2018. [Hepatic encephalopathy secondary to poisoning by Tephrosia cinerea in sheep.] Encefalopatia hepática secundária à intoxicação por Tephrosia cinerea em ovinos. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(4):635-641. Hospital Veterinário, Universidade Federal de Campina Grande, Avenida Universitária s/n, Santa Cecília, Patos, PB 58700-970, Brazil. E-mail: franklinrietcorrea@gmail.com In the semiarid region of northeastern Brazil, Tephrosia cinerea causes periacinar hepatic fibrosis in sheep with severe ascites and, occasionally, nervous signs. Sixteen sheep from six outbreaks of T. cinerea poisoning were studied. All sheep had histologic lesion of periacinar fibrosis and six showed, in the brain, vacuolization (spongy degeneration) of the white matter and junction between grey and white matter and presence of Alzheimer type II astrocytes in the grey matter. The disease was produced experimentally in two sheep, that presented porto-sistemic shunts and similar histologic lesions as those observed in the spontaneous cases. Immunohistochemistry revealed weak labelling with anti-GFAP antibodies suggesting a degenerative alteration of astrocytes with accumulation of dense bodies and reduction of the GFAP. There was strong labelling with anti-S100 antibodies suggesting cellular reactivity with proliferation of mitochondria and endoplasmatic reticulum. Such alterations are characteristic of the effects caused by ammonia on the astrocytes. It is concluded that in poisoning by T. cinerea nervous signs due to hepatic encephalopathy occur in some sheep.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Silveira A.M., Moreira E.C., Vaz F., Lorenzo C., Driemeier D., Furlan F., Dantas A.F.M. & Riet-Correa F. 2018. [Hepatic encephalopathy secondary to poisoning by Tephrosia cinerea in sheep.] Encefalopatia hepática secundária à intoxicação por Tephrosia cinerea em ovinos. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(4):635-641. Hospital Veterinário, Universidade Federal de Campina Grande, Avenida Universitária s/n, Santa Cecília, Patos, PB 58700-970, Brazil. E-mail: franklinrietcorrea@gmail.com A intoxicação por Tephrosia cinerea causa fibrose hepática periacinar em ovinos na região semiárida do Nordeste, com quadro clínico de ascite acentuada, e, ocasionalmente, com sinais neurológicos. Neste trabalho foram estudadas 16 ovinos em 6 surtos de intoxicação por T. cinerea. Todos os ovinos apresentaram lesões histológicas de fibrose periacinar e seis apresentaram, no encéfalo, vacuolização da substância branca e da junção entre a substância branca e a cinzenta com presença de astrócitos de Alzheimer tipo II na substância cinzenta. A doença foi reproduzida experimentalmente em dois ovinos que apresentaram ascite, desvios vasculares (shunts) porto-sistêmicos e sinais nervosos com lesões histológicas semelhantes a dos casos espontâneos. Na técnica de imuno-histoquímica houve marcação fraca ou ausente do citoplasma astrocitário para o anticorpo anti-GFAP em seis ovinos evidenciando uma alteração degenerativa, em que os astrócitos acumulam corpos densos e reduzem o volume de GFAP. Houve marcação positiva para o anticorpo anti-S100 em oito ovinos, incluindo os dois ovinos experimentais o que sugere reatividade celular, com proliferação mitocondrial e de retículo endoplasmático liso. Estas alterações são caraterísticas dos efeitos da amônia nos astrócitos. Conclui-se que na intoxicação por T. cinerea em alguns ovinos ocorrem sinais nervosos em consequência da encefalopatia hepática.


#9 - Control of Senecio madagascariensis and Senecio brasiliensis by the use of sheep

Abstract in English:

In order to test different technics to control Senecio madagascariensis, three experiments were carried out. In the first, 40 sheep were placed in an area of four hectares for 90 days, with medium/high levels of infestation by the plant. The area after this period was desiccated with glyphosate (Roundup®) and seeded with Lotus corniculatus L., Trifolium repens, Medicago sativa and Festuca arundinacea Schreb. by direct seeding. After eight months, sheep returned to the area for another 90 days. The second experiment was conducted with 10 sheep grazing for 30 days and 60 days’ rest, in three areas of 0.5 hectares each, with low, medium and high levels of S. madagascariensis infestation. The third experiment was carried out using drying, plowing and cultivated pasture (legumes and grasses) for three consecutive times without the use of sheep in an area infested by the plant. For the control of S. brasiliensis and other species of the genus, a fourth experiment was performed on a farm with history of intoxication by Senecio spp. in cattle. Eighty-six sheep were used in an area of 90 hectares for a year. The results of these experiments demonstrated that sheep consume and decrease the amount of S. madagascariensis in infested areas. Furthermore, it also indicated that S. madagascariensis to be efficiently controlled requires continuous grazing with at least four sheep per hectare. Practices as drying the pastures with herbicides, tillage and pasture planting can help eliminate the plant in long-term plan. In areas with S. brasiliensis infestation mowing can be an effective practice, mainly due to the high size of the plant, since it facilitates consumption by sheep.

Abstract in Portuguese:

Com o objetivo de testar diferentes formas de controle de Senecio madagascariensis foram realizados três experimentos. No primeiro, 40 ovinos foram colocados em uma área de quatro hectares por 90 dias, com infestação média e alta por S. madagascariensis. A área após este período foi dessecada com glifosato (Roundup®) e semeada com Lotus corniculatus L. (cornichão), Trifolium repens (trevo branco), Medicago sativa (alfafa) e Festuca arundinacea Schreb. (festuca) por plantio direto. Os ovinos, após oito meses, retornaram a área por mais 90 dias. O segundo experimento foi realizado com 10 ovinos em pastejo por 30 dias com 60 dias de descanso em três áreas de 0,5 hectares cada uma, com infestação baixa, média e alta por S. madagascariensis. O terceiro experimento foi realizado utilizando-se dessecação, aração e plantio de pastagens (leguminosas e gramíneas) por três vezes consecutivas, sem utilização de ovinos em uma área invadida pela planta. Para o controle de S. brasiliensis e outras espécies do gênero, um quarto experimento foi realizado em uma propriedade rural com histórico de intoxicação por Senecio spp. em bovinos. Foram utilizados 86 ovinos, que permaneceram em uma área de 90 hectares durante um ano. Os resultados destes experimentos demonstraram que os ovinos consomem S. madagascariensis e diminuem a quantidade de planta em áreas infestadas. Por outro lado, evidenciou-se também que S. madagascariensis para ser controlado de forma eficiente necessita de pastejo contínuo com pelo menos quatro ovinos por ha. As práticas como dessecação com herbicidas, aração e plantio de pastagem podem auxiliar na eliminação da planta a longo prazo. Em áreas de infestação por S. brasiliensis a roçagem pode ser uma prática eficiente, principalmente pelo porte alto da planta, pois facilita o consumo pelos ovinos.


#10 - Toxic plants affecting the nervous system of ruminants and horses in Brazil, 37(12):1357-1368

Abstract in English:

ABSTRACT.- Riet-Correa F., Medeiros R.M.T., Pfister J.A. & Mendonça F.S. 2017. Toxic plants affecting the nervous system of ruminants and horses in Brazil. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(12):1357-1368. Laboratório de Diagnóstico Animal, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Rua Dom Manoel de Medeiros s/n, Dois Irmãos, Recife, PE 52171-900, Brazil. E-mail: fabio.mendonca@pq.cnpq.br This review updates information about neurotoxic plants affecting ruminants and equidae in Brazil. Currently in the country, there are at least 131 toxic plants belonging to 79 genera. Thirty one of these poisonous plants affect the nervous system. Swainsonine-containing plants (Ipomoea spp., Turbina cordata and Sida carpinifolia) cause numerous outbreaks of poisoning, mainly in goats, but cattle and horses are occasionally affected. The poisoning by Ipomoea asarifolia, a tremorgenic plant, is very common in sheep, goats and cattle in the Northeastern region and in the Marajo island. Poisoning by the pods of Prosopis juliflora are frequent in cattle in Northeastern Brazil; occasionally this poisoning affects goats and more rarely sheep. Some poisonings by plants, such as Hybanthus calceolaria, Ipomoea marcellia and Talisia esculenta in ruminants and Indigofera lespedezioides in horses were recently described and needs to be accurately investigated about its occurrence and importance. Other plants poisonings causing nervous signs in ruminants and equidae are less important, but should be considered for the differential diagnosis of neurologic diseases.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Riet-Correa F., Medeiros R.M.T., Pfister J.A. & Mendonça F.S. 2017. Toxic plants affecting the nervous system of ruminants and horses in Brazil. [Plantas tóxicas que afetam o sistema nervoso de ruminantes e equinos no Brasil.] Pesquisa Veterinária Brasileira 37(12):1357-1368. Laboratório de Diagnóstico Animal, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Rua Dom Manoel de Medeiros s/n, Dois Irmãos, Recife, PE 52171-900, Brazil. E-mail: fabio.mendonca@pq.cnpq.br Esta revisão tem por objetivo atualizar as informações sobre plantas neurotóxicas que afetam ruminantes e equinos no Brasil. Atualmente sabe-se que existe no país pelo menos 131 plantas tóxicas pertencentes a 79 gêneros. Trinta e uma espécies afetam o sistema nervoso. As plantas quem contém swainsonina (Ipomoea spp., Turbina cordata and Sida carpinifolia) causam numerosos surtos de intoxicação, principalmente em caprinos, mas bovinos e cavalos são ocasionalmente afetados. A intoxicação por Ipomoea asarifolia, uma planta tremorgênica, é muito comum em ovinos, caprinos e bovinos na região Nordeste e na ilha de Marajó. A intoxicação pelas vagens de Prosopis juliflora é frequente em bovinos no Nordeste do Brasil; ocasionalmente são afetados caprinos e mais raramente ovinos. Algumas intoxicações por plantas, como Hybanthus calceolaria, Ipomoea marcellia e Talisia esculenta em ruminantes e Indigofera lespedezioides em equinos foram recentemente descritas e precisam ser investigadas com precisão sobre sua ocorrência e importância. Outras intoxicações por plantas que causam sinais nervosos em ruminantes e equídeos são menos importantes, todavia devem ser consideradas para o diagnóstico diferencial de doenças neurológicas.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV