Resultado da pesquisa (3)

Termo utilizado na pesquisa Vendramini T.H.A

#1 - Markers of inflammation and insulin resistance in dogs before and after weight loss versus lean healthy dogs

Abstract in English:

Chronic low-grade inflammation in obesity is characterized by an increased production of pro-inflammatory cytokines that contribute to insulin resistance. For this study body composition, markers of inflammation and of insulin resistance in dogs before and after weight loss were compared to those of lean dogs. Eleven client-owned obese adult dogs underwent a weight loss program with commercial dry food for weight loss and reached an ideal body condition score (BCS) six months after the beginning of the weight loss program. A Control Group of nine dogs with ideal BCS were selected for the comparison. Shapiro-Wilk test was used to test for normality, Mann Whitney were used for non-normally distributes data, and Student t-test was used for normally distributed parameters. In the Obese Group body fat decreased from 41.6% (30.7-58.6) to 29.1% (18.6-46.3) (P<0.01) and dogs maintained lean body mass throughout the weight loss program (P>0.05). Obese dogs presented higher concentration of fructosamine, triglycerides, insulin, IGF-1 and leptin than the Control Group before weight reduction (P<0.05). Serum concentrations of triglycerides, IL-2, IL-6, TNF-α, insulin, leptin and IGF-1 decreased after weight loss (P<0.01), and these concentrations were similar to the Control Group (P>0.05), except for leptin (P<0.001). No alteration on peptide YY was found. Leptin (r=0.60, P=0.01), fructosamine (r=0.44, P=0.02) and triglycerides (r=0.40, P=0.04) concentrations correlated with the reduction of body fat. Weight loss reduced the concentrations of inflammatory and insulin resistance markers and most parameters became similar to dogs that have always been lean, reinforcing the importance of weight loss in small animal practice.

Abstract in Portuguese:

A inflamação crônica de baixo grau na obesidade é caracterizada pela produção aumentada de citocinas pró-inflamatórias que contribuem para a resistência à insulina. Para este estudo a composição corporal e os marcadores de inflamação e de resistência à insulina em cães antes e após a perda de peso foram comparados aos de cães magros. Onze cães adultos obesos pertencentes a tutores foram incluídos em um programa de perda de peso com ração comercial hipocalórica e alcançaram escore de condição corporal (ECC) ideal seis meses após o início do regime. Um Grupo Controle de nove cães com ECC ideal foi selecionado para a comparação. O teste de Shapiro-Wilk foi usado para testar a normalidade, Mann Whitney foi usado para análise dos dados que não atenderam distribuição normal e o teste t de Student foi usado para parâmetros que atenderam a normalidade. No Grupo Obesidade, a gordura corporal diminuiu de 41,6% (30,7-58,6) para 29,1% (18,6-46,3) (P<0,01) e os cães mantiveram massa magra ao longo do programa de perda de peso (P>0,05). Cães obesos apresentaram maior concentração de frutosamina, triglicérides, insulina, IGF-1 e leptina do que o Grupo Controle antes da redução de peso (P<0,05). As concentrações séricas de triglicerídeos, IL-2, IL-6, TNF-α, insulina, leptina e IGF-1 diminuíram após a perda de peso (P<0,01) e, essas concentrações foram semelhantes ao Grupo Controle (P>0,05), com exceção da leptina (P<0,001). Nenhuma alteração no peptídeo YY foi encontrada. As concentrações de leptina (r=0,60; P=0,01), frutosamina (r=0,44; P=0,02) e triglicerídeos (r=0,40; P=0,04) correlacionaram-se com a redução da gordura corporal. A perda de peso reduziu as concentrações de marcadores inflamatórios e de resistência à insulina e a maioria dos parâmetros tornaram-se semelhante aos dos cães que sempre foram magros, reforçando a importância da perda de peso na prática clínica de pequenos animais.


#2 - Effect of calcium sources in the diets of adult cats on urinary parameters and acid-base balance

Abstract in English:

Calcium is a macroelement that is part of the mineral composition of the diet of companion animals, and is considered a cation of strong alkalizing power, increasing urinary pH. Calcium salts have different solubilities and depending on the anion to which calcium is associated with, it can be more or less absorbed, modifying the pH of the urine. The aim of this study was to evaluate the efficiency of calcium sources on alkalinization of urinary pH, as well as excretion of urinary electrolytes and acid-base balance of adult cats. An extruded diet for cats was selected, and had 160mEq/kg of calcium from the sources of either calcium carbonate (CaCO3) or calcium gluconate (C12H22CaO14) added. In the control treatment there was no addition of calcium sources, resulting in three treatments. Nine adult cats were used, mixed breed, in two experimental periods, with six replicates per treatment. Animal average age was 4±1.3 years old and average weight was 3.96±0.71kg. The cats remained in metabolic cages for an adaptation period of seven days, followed by six days of urine total collection, with volume, density, pH and calcium concentration (g/d) measurements. The acid-base balance was studied by blood gas analysis of venous blood. The two sources of calcium alkalinized the urine (P<0.001). However, calcium gluconate had less alkalinization power compared to the calcium carbonate (P<0.05). Urinary calcium was not affected by treatments, and represented less than 0.5% of calcium intake. The experiment showed that calcium, although an alkaline cation and considered strong influencer of the EB of the diet, cannot be evaluated individually, because depending on its associated anion it may have greater or lesser influence on cats urine pH.

Abstract in Portuguese:

O cálcio (Ca) é um macroelemento que faz parte da composição mineral da dieta de animais de companhia. Este macroelemento é considerado um cátion de forte capacidade alcalinizante e, de acordo com a fonte e quantidade inclusa, pode aumentar o pH urinário. Os sais de cálcio têm diferentes solubilidades e dependendo do ânion ao qual o cálcio está associado, pode ser mais ou menos absorvido e assim, alterar o pH da urina. O objetivo deste estudo foi avaliar os efeitos de duas fontes de cálcio na alcalinização do pH urinário, bem como a excreção de eletrólitos urinários e o equilíbrio ácido-básico de felinos. Foi selecionada uma dieta extrusada para gatos e adicionados 160mEq/kg de cálcio das fontes carbonato de cálcio (CaCO3) ou gluconato de cálcio (C12H22CaO14). No tratamento controle, não houve adição de fontes de cálcio. Foram utilizados nove gatos adultos, de raças mistas, em dois períodos experimentais, com seis repetições por tratamento. Os animais apresentavam idade média de 4,0±1,3 anos e peso corporal médio de 3,96±0,71kg. Estes permaneceram em gaiolas metabólicas em período de adaptação durante sete dias, seguido de coleta total de urina durante seis dias. Nestas amostras foram aferidos o volume, densidade, pH e concentração de cálcio (g/d). O equilíbrio ácido-básico foi avaliado por hemogasometria em amostras de sangue venoso. As duas fontes de cálcio alcalinizaram a urina (P<0,001). No entanto, o gluconato de cálcio apresentou menor potencial de alcalinização em comparação ao carbonato de cálcio (P<0,05). O cálcio urinário não foi afetado pelos tratamentos e representou menos de 0,5% da ingestão de Ca. O experimento demonstrou que o cálcio, apesar de ser um cátion alcalinizante e influenciador do EB da dieta, não pode ser avaliado individualmente, porque dependendo do ânion associado, pode apresentar maior ou menor influência no pH da urina de gatos.


#3 - Dog owners consider homemade diet as adequate, but change the prescribed formulas, 37(12):1453-1459

Abstract in English:

ABSTRACT.- Halfen D.P., Oba P.M., Duarte C.N., Santos J.P.F., Vendramini T.H.A., Sucupira M.C.A., Carciofi A.C. & Brunetto M. 2017. [Dog owners consider homemade diet as adequate, but change the prescribed formulas.] Tutores de cães consideram a dieta caseira como adequada, mas alteram as fórmulas prescritas. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(12):1453-1459. Departamento de Nutrição e Produção Animal, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Duque de Caxias Norte 225, Pirassununga SP 19635 900, Brazil. E-mail: mabrunetto@usp.br The aim of this study was to evaluate the adhesion and perception of dog owners from the city of São Paulo, Brazil, on the employment of homemade diet for the nutritional management of their pet. The participants were 55 owners that provided homemade diet for their dog. The interviews were conducted by telephone and the questionnaire included points related with the preparation and effectiveness of diets, as well as the handling of animals. It was found that a considerable number of prescriptions (45.9%) was associated with patients with hyporexia. Among the owners who reported difficulty in the preparation (10.9%), time spent (33.3%) was the most problematic topic. When questioned in relation to changes in the prescribed formulas, 60% admitted that conducted it without recommendation. In the opinion of interviewed owners, the homemade diet did not cause changes in feces (50%) and coat (62.7%) of the animals compared to the use of a commercial food and was considered appropriate by the majority (79.0%). The homemade diets can be widely used, being especially important in dogs with diseases and/or dogs with hyporexia, since they are more easily accepted than the commercial diet; however, not all owners are able for its right use.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Halfen D.P., Oba P.M., Duarte C.N., Santos J.P.F., Vendramini T.H.A., Sucupira M.C.A., Carciofi A.C. & Brunetto M. 2017. [Dog owners consider homemade diet as adequate, but change the prescribed formulas.] Tutores de cães consideram a dieta caseira como adequada, mas alteram as fórmulas prescritas. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(12):1453-1459. Departamento de Nutrição e Produção Animal, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Duque de Caxias Norte 225, Pirassununga SP 19635 900, Brazil. E-mail: mabrunetto@usp.br O estudo objetivou avaliar a adesão e a percepção dos proprietários de cães, residentes na cidade de São Paulo/SP, quanto ao emprego de dieta caseira no manejo nutricional de seu animal de estimação. Foram entrevistados por contato telefônico 55 proprietários que forneciam dieta caseira no manejo nutricional do seu cão. O questionário contemplou perguntas relacionadas ao preparo e eficiência das dietas, bem como o manejo dos animais. Verificou-se que considerável número (parcela) de prescrições (45,9%) esteve associado a pacientes com hiporexia. Dentre os proprietários que relataram dificuldade no preparo (10,9%), o tempo dispendido (33,3%) foi a maior problemática. Quando questionados em relação às modificações nas fórmulas prescritas, 60% admitiram que a realizaram sem prévia recomendação. Na opinião dos entrevistados, a dieta caseira não causou alterações nas fezes (50%) e na pelagem (62,7%) dos animais em comparação ao emprego de um alimento comercial e foi considerada adequada pela maioria (79,0%). As dietas caseiras podem ser amplamente utilizadas, mostrando-se especialmente importantes em cães doentes e/ou hiporéticos por apresentarem maior aceite em relação à dieta comercial, no entanto, nem todos os tutores estão aptos a utilizá-la.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV