Resultado da pesquisa (1)

Termo utilizado na pesquisa Vieira Filho C.H.C

#1 - Lesions in 224 spleens of splenectomized dogs and evalution of alternative techniques for previous microscopic diagnosis

Abstract in English:

When detecting a proliferative splenic lesion, veterinarians usually choose splenectomy before a conclusive diagnosis, which can provide a deleterious effect to the dog. The most appropriate would be to perform splenectomy as a therapeutic procedure only in cases with real surgical indication, which can be established after defining microscopic diagnosis and prognosis. The objectives of this study were: to determine the frequency of different types of lesions in spleens of splenectomized dogs in the period of 12 years (2006-2017); determine the representativity of neoplastic lesions (benign and malignant) and non-neoplastic lesions; to evaluate and compare the safety and efficiency of fine needle aspiration biopsy (FNA) and ultrasound-guided Tru-cut needle biopsy for cytological and histopathological diagnosis, respectively, of splenic nodular lesions. In the studied period 224 cases of lesions were found in splenectomized spleens. The frequency of non-neoplastic lesions (50,45%, 113/224) and neoplastic lesions (49,55%, 111/224) was very similar. Among the neoplastic lesions, the malignant ones were more frequent (79,27%, 88/111), and the hemangiosarcoma was the most common (52,25%, 58/111). The possibility of malignant neoplasm was about 74% greater than a benign one. In summary, it was verified that 60.71% (136/224) of the cases corresponded to benign lesions without indication to splenectomy. FNA techniques and Tru‑cut biopsy showed a low risk of complications. Regarding the diagnostic efficacy, the FNA obtained 71.43% (15/21) of conclusive diagnoses, 60% (9/15) of which were compatible with the final result of the histopathological evaluation, after splenectomy (gold standard). The Tru-cut biopsy obtained 71.43% (5/7) of conclusive diagnoses and 28.57% (2/7) of inconclusive diagnoses. Among the conclusive one, in 100% of the cases the diagnosis was compatible with the gold standard. Thus, since the possibility of benign splenic lesions in dogs is 1.52 times greater than malignancies, splenectomy should be recommended as a therapeutic procedure only in cases with proven surgical indication, which can be established after definition of microscopic diagnosis and prognosis. The use of FNA and Tru-cut biopsy should be recommended, especially for small and focal splenic lesions, since such techniques are good alternatives for establishing diagnosis previously to splenectomy, which may reduce the number of unnecessary splenectomies. The importance of recommending such techniques is emphasized, especially for dogs with focal splenic lesions smaller than three centimeters.

Abstract in Portuguese:

Rotineiramente, frente à detecção de uma lesão proliferativa esplênica, médicos veterinários costumam optar pela esplenectomia antes de se obter o diagnóstico definitivo da lesão esplênica, o que pode trazer consequências deletérias ao cão. O mais apropriado seria, contudo, a sua adoção, como medida terapêutica, apenas nos casos com comprovada indicação cirúrgica, o que pode ser estabelecido após o diagnóstico microscópico e prognóstico definidos. Os objetivos desse estudo foram: determinar a frequência dos diferentes tipos de lesão em baços de cães esplenectomizados no período de 12 anos (2006-2017); determinar a representatividade das lesões neoplásicas (benignas e malignas) e não neoplásicas; avaliar e comparar a segurança e a eficiência da punção aspirativa por agulha fina (PAAF) e da biópsia por agulha Tru-cut guiadas por ultrassom para o diagnóstico citológico e histopatológico, respectivamente, de lesões nodulares esplênicas. No período estudado foram encontrados 224 casos de lesões em baços esplenectomizados. A frequência de lesões não neoplásicas (50,45%, 113/224) e neoplásicas (49,55%, 111/224) esplênicas foi muito semelhante. Entre as neoplásicas, as de caráter maligno foram mais frequentes (79,27%, 88/111) e o hemangiossarcoma o mais comum (52,25%, 58/111). A possibilidade de ocorrência de uma neoplasia maligna foi cerca de 74% maior do que uma benigna. Em suma, verificou-se que em 60,71% (136/224) dos casos estudados, tratava-se de lesões benignas que não teriam indicação de esplenectomia. As técnicas de PAAF e a biópsia por agulha Tru-cut demonstraram ter baixo risco de complicações. Quanto à eficácia diagnóstica, pela PAAF obteve-se 71,43% (15/21) de diagnósticos conclusivos, sendo 60% (9/15) desses compatíveis com o resultado final realizado pela avaliação histopatológica, após a esplenectomia (padrão ouro). Já a biópsia por Tru-cut obteve 71,43% (5/7) de diagnósticos conclusivos e 28,57% (2/7) de inconclusivos. Dentre os conclusivos, em 100% dos casos o diagnóstico foi compatível com o padrão ouro. Desta maneira, visto a possibilidade de ocorrência de lesões esplênicas benignas em cães serem 1,52 vezes maior do que as malignas deve ser recomentado a adoção de esplenectomia, como medida terapêutica, apenas nos casos com comprovada indicação cirúrgica, o que pode ser estabelecido após o diagnóstico microscópico e prognóstico definidos. O uso da PAAF e da biópsia por Tru-cut deve ser recomentado, sobretudo, para lesões esplênicas pequenas e focais, uma vez que tais técnicas representam boas alternativas para o estabelecimento do diagnóstico prévio a esplenectomia, o que pode reduzir o número de esplenectomias desnecessárias. Enfatiza-se a importância da recomendação de tais técnicas, sobretudo para cães com lesões esplênicas focais menores do que três centímetros


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV