Resultado da pesquisa (2)

Termo utilizado na pesquisa Yamauchi K.C.I

#1 - Medical therapy using omeprazole in 12 hydrocephalic dogs: clinical, diagnostic, and therapeutic findings

Abstract in English:

According to experimental studies with healthy dogs, omeprazole might decrease the CSF production by about 26%; therefore, book texts have been suggested the usage of omeprazole in medical protocols for hydrocephalus treatment. However, to the best knowledge of the authors, the usage and medical response of the omeprazole with substantial group of illness dogs, such as hydrocephalic animals, was lacking. This report describes clinical, diagnostic, and therapeutic findings in 12 dogs with hydrocephalus in which omeprazole were used for medical treatment. The diagnosis of hydrocephalus was accomplished by transcranial sonography (TCS) and/or computed tomography. The ventricular measurement was assessed periodically by TCS during medical treatment. Six dogs were diagnosed with non-obstrutive hydrocephalus and in the other 6 cases hydrocephalus occurred with other concomitant anomalous encephalic disease often related with obstructive hysdrocephalus, such as quadrigeminal cist, arachnoid cyst, chiary-like malformation, and syringomyelia. All of them had medical improvement after the use of omeprazole and the most of the cases had ventricular size reduction. In 10 dogs, the omeprazole was used as single drug, and in 2 dogs medical treatment with steroids and/or diuretics was previously being performed, and omeprazole was added because conventional treatment was resulting in mild to unsatisfactory medical control of the neurological status. The results of this paper shown that omeprazole may be used to ameliorate the neurological status in symptomatic hydrocephalic dogs. This work may represent the first description about the use of omeprazole in order to treat a substantial group of affected dogs with suspected increased intracranial pressure by hydrocephalus, probably due to limitation of CSF production.

Abstract in Portuguese:

O omeprazol diminui a produção do fluido cerebrospinal (FCE) por cerca de 26% de acordo com estudos experimentais em cães saudáveis. Segundo o conhecimento dos autores, embora utilizado na prática clínica e recomendado em livros textos, não há até o momento estudos clínicos em um grupo substancial de animais avaliando a resposta terapêutica ao uso do omeprazol em pacientes enfermos, tais como cães hidrocefálicos sintomáticos. Este trabalho descreve os achados clínicos, diagnósticos e terapêuticos em 12 cães com hidrocefalia que foram submetidos ao tratamento com omeprazol para o manejo médico de hidrocefalia. O diagnóstico de hidrocefalia e doenças neurológicas concomitantes foi realizado por ultrassonografia transcraniana (USTC) e/ou tomografia computadorizada. A mensuração do tamanho ventricular foi realizada pela USTC durante o tratamento médico. Seis cães foram diagnosticados com hidrocefalia não obstrutiva e os outros 6 casos apresentaram hidrofalia concomitante com outras afecções encefálicas anômalas comumente associada à hidrocefalia obstrutiva, tal como cisto quadrigêmio, cisto aracnóide, síndrome de chiari-like e seringomegalia. Em 10 cães o omeprazol foi utilizado como droga única e em 2 cães a terapia inicial foi a convencional utilizando esteroides e diuréticos, e o omeprazol foi adicionado, pois a resposta clínica a terapia convencional foi insatisfatória. Todos os animais obtiveram melhora dos parâmetros neurológicos e a maioria teve uma redução do tamanho ventricular após o uso do omeprazol. Os resultados deste estudo demonstram que o omeprazol pode ser utilizado para melhorar o estado neurológico em cães com hidrocefalia. Este estudo representa a primeira descrição clínica usando o omeprazol para tratar uma série de cães com suspeita de aumento da pressão intracraniana devido à hidrocefalia, provavelmente pela capacidade do fármaco em limitar a produção do FCE.


#2 - Comparative study of mechanical strength of compression between natural, synthetic and mixed biomaterials, 37(1):91-96

Abstract in English:

The orthopedic diseases with bone loss are the challenge in both veterinary and human medicine. Therefore, the orthopedist commonly deal with irreducible comminuted fractures of long bones, bone tumors or non-unions, which require repairers surgical procedures, through the segment replacement or bone defect filling with biomaterials. The aim of this research is to evaluate and compare the mechanical strength of natural, synthetic and mixed biomaterials. Seven experimental groups of six test samples each were used: Group 1 rabbit cortical bone (BONE - control); Group 2, bone cement (CO); Group 3, bone cement autoclaved (COA); Group 4, bone cement and dog cortical bone macrofragment (COMaFO); Group 5, bone cement and bone autoclaved macrofragment dog cortical (COMaFOA); Group 6, bone cement and dog cortical bone microfragment (COMIFO) and Group 7, bone cement and dog cortical bone microfragment (COMiFOA). The specimens were subjected to axial compression mechanical tests controlled universal testing machine EMIC®. The test was stopped when there was sharp decline in the graph curve indicating failure of the sample. In relation to the maximum force, the COA groups COMaFOA and COMiFOA not statistically different from the control group (BONE; p> 0.01). Already the CO groups, COMaFO and COMIFO difeririram statistically the control group (BONE; p <0.01). The relative rigidity, the COMaFOA and COMiFOA groups did not differ statistically from the control group (BONE; p>0.01). Already the CO groups, COA, COMaFO and COMIFO differed significantly from the control group (BONE; p<0.01). Comparing the deformation, the COMaFo groups COMaFOA and COMIFO not statistically different from the control group (BONE; p>0.01). Already the CO groups, COA and COMiFOA differed significantly from the control group (BONE; p<0.01). It is concluded that only COMaFOA and COMiFOA groups showed very similar mechanical properties to the control group (BONE). Therefore, due to these characteristics, these two biomaterials (COMaFOA e COMiFOA) would be the most suitable as a substitute in the repair of bone defects.

Abstract in Portuguese:

As afecções ortopédicas com perda de tecido ósseo são um desafio tanto na medicina veterinária quanto na medicina humana. Portanto, não é raro ortopedistas se depararem com fraturas cominutivas irredutíveis de ossos longos, neoplasias ósseas ou não-uniões, que necessitam de procedimentos cirúrgicos reparadores, por meio da substituição de segmento ou preenchimento de falha óssea com o uso de biomateriais. Pretende-se com esta pesquisa avaliar e comparar a resistência mecânica entre biomateriais naturais, sintéticos e mistos. Foram utilizados sete grupos experimentais compostos por seis corpos de provas cada: Grupo 1 , tecido ósseo cortical de coelho (OSSO - controle); Grupo 2, cimento ósseo (CO); Grupo 3, cimento ósseo autoclavado (COA); Grupo 4, cimento ósseo e macrofragmento ósseo cortical de cão (COMaFO); Grupo 5, cimento ósseo e macrofragmento ósseo autoclavado de cortical de cão (COMaFOA); Grupo 6, cimento ósseo e microfragmento ósseo cortical de cão (COMiFO) e Grupo 7, cimento ósseo e microfragmento ósseo cortical de cão (COMiFOA). Os corpos de prova foram submetidos a ensaios mecânicos de compressão axial controlada em máquina universal de ensaio Emic®. O teste era interrompido quando ocorria queda brusca na curva do gráfico indicando falência da amostra. Em relação à Força máxima, os grupos COA, COMaFOA e COMiFOA não diferiram estatisticamente do grupo controle (OSSO; p>0,01). Já os grupos CO, COMaFO e COMiFO diferiram estatisticamente do grupo controle (OSSO; p<0,01). Quanto a rigidez relativa, os grupos COMaFOA e COMiFOA não diferiram estatisticamente do grupo controle (OSSO; p>0,01). Já os grupos CO, COA, COMaFO e COMiFO diferiram estatisticamente do grupo controle (OSSO; p<0,01). Comparando a deformação, os grupos COMaFo, COMaFOA e COMiFO não diferiram estatisticamente do grupo controle (OSSO; p>0,01). Já os grupos CO, COA e COMiFOA diferiram estatisticamente do grupo controle (OSSO; p<0,01). Conclui-se que apenas os grupos COMaFOA e COMiFOA apresentaram propriedades mecânicas muito semelhantes às do grupo controle (OSSO). Por isso, devido a essas características, esses dois biomateriais (COMaFOA e COMiFOA) seriam os mais indicados como substitutos na reparação de falhas ósseas.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV