Ano 2012 - Volume 32, Número 12


Título
Metapneumovirus aviário subtipos A e B brasileiros: infecção experimental em frangos de corte e eficácia vacinal, 32(12):1257-1262
Autores

Resumo
RESUMO.- Santos M.B., Martini M.C., Ferreira H.L., Silva L.H.A., Fellipe P.A., Spilki F.R. & Arns C.W. 2012. Brazilian avian metapneumovirus subtypes A and B: experimental infection of broilers and evaluation of vaccine efficacy. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(12):1257-1262. Laboratório de Virologia, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas, Rua Monteiro Lobato s/n, Cx. Postal 6109, Campinas, SP 13083-970, Brazil. E-mail: arns@unicamp.br

O Metapneumovírus aviário (aMPV) é um patógeno respiratório associado à síndrome da cabeça inchada (SHS) em galinhas. Apesar de vacinas vivas contra o aMPV serem utilizadas no Brasil, os subtipos A e B (aMPV/A e aMPV/B) são ainda encontrados no país, com predominância do subtipo B. Este estudo foi conduzido com o intuito de estudar dois isolados brasileiros de aMPV (subtipos A e B) isolados de frango. Para isto, um desafio experimental em frangos foi conduzido com o intuito de explorar a capacidade de replicação dos subtipos A e B Brasileiros. Posteriormente, a protecção virológica conferida por uma vacina do subtipo B em pintos foi realizada com os mesmos isolados. Após o desafio experimental demonstrou-se, por isolamento viral e PCR em tempo real, que o isolado do subtipo B replicou por maior período de tempo e em quantidades maiores, em comparação com o subtipo A. Para o estudo de proteção, 18 pintos de um dia de idade foram vacinados e desafiados aos 21 dias. Usando isolamento viral e PCR em tempo real, em nenhuma ave vacinada e desafiada com aMPV/A foi detectado o vírus, ao passo que uma ave vacinada e desafiada com o aMPV/B foi positiva. Os resultados mostraram que a vacina do subtipo B forneceu protecção heteróloga completa, embora a protecção homóloga não tenha sido conferida em uma ave. Apesar de o aMPV/B ter sido detectado em apenas um frango após vacinação homóloga, a replicação viral em aves vacinadas pode resultar em emergência de mutantes de escape.
Download / Visualização