Ano 2013 - Volume 33, Número 2


Título
Avaliação da resistência em um isolado de campo selecionado de Haemonchus contortus à ivermectina e moxidectina usando o Teste de Migração de Larvas em Ágar, 33(2):183-187
Autores

Resumo
RESUMO.- Fortes F.S., Kloster F.S., Schafer A.S., Bier D., Buzatti A., Yoshitani U.Y. & Molento M.B. 2013. Evaluation of resistance in selected field strain of Haemonchus contortus to ivermectin and moxidectin using the Larval Migration on Agar Test. [Avaliação da resistência em um isolado de campo selecionado de Haemonchus contortus à ivermectina e moxidectina usando o Teste de Migração de Larvas em Ágar.] Pesquisa Veterinária Brasileira 33(2):183-187. Laboratório de Doenças Parasitárias, Universidade Federal do Paraná, Rua dos Funcionários 1540, Curitiba, PR 80035-050, Brazil. E-mail: fortesfs@gmail.com

Haemonchus contortus é uma das causas mais comuns e economicamente significativas de doença em produções de pequenos ruminantes em todo o mundo, e os programas de controle de parasitas nematoides - incluindo H. contortus - baseiam-se principalmente no uso de drogas anti-helmínticas. A consequência da utilização desses compostos, como sendo a única estratégia sanitária para evitar infecções por parasitas, tem sido a redução da eficácia de todos os produtos quimioterápicos, selecionando fortemente para resistência. O desenvolvimento generalizado da resistência anti-helmíntica e a dificuldade de seu diagnóstico precoce têm sido uma grande preocupação para o manejo sustentável de parasitas no campo. O objetivo desta pesquisa foi determinar e comparar o efeito da ivermectina (IVM) e da moxidectina (MOX) em um isolado de campo selecionado de H. contortus com um estado de resistência conhecido, utilizando o teste in vitro de migração de larvas em ágar (LMTA). Larvas de terceiro estágio de um isolado de H. contortus selecionado foram obtidas a partir de culturas de fezes de ovinos infectados experimentalmente e incubadas em onze concentrações diluídas crescentes de IVM e MOX (6, 12, 24, 48, 96, 192, 384, 768, 1536, 3072 e 6144µg/mL). As curvas sigmoides de dose-resposta foram obtidas utilizando o valor de R2 >0,90 e a dose de concentração letal (CL50) para as drogas anti-helmínticas testadas, utilizando um modelo logístico de quatro parâmetros. O valor de CL50 para MOX foi significativamente menor do que para IVM (1,253µg/mL e 91,06µg/mL), identificando o isolado de H. contortus como consideravelmente menos suscetível à IVM em comparação à MOX. Além disso, o LMTA mostrou uma alta consistência (p<0,0001) e pode ser uma ferramenta útil de diagnóstico para monitorar o status de resistência de IVM e MOX em isolado de campo de H. contortus, assim como ser utilizado de forma oficial e em rotina para programas de monitoramento das drogas sob a demanda do Ministério da Agricultura (MAPA).
Download / Visualização