Ano 2013 - Volume 33, Número 3


Título
Osteoartrite experimental em coelhos: Progressão lesional, 33(3):279-285
Autores

Resumo
RESUMO.- Campos W.N.S., Souza M.A., Ruiz T., Peres T.P., Néspoli P.B., Marques A.T.C., Colodel E.M. & Souza R.L. 2013. Experimental osteoarthritis in rabbits: lesion progression. [Osteoartrite experimental em coelhos: Progressão lesional.] Pesquisa Veterinária Brasileira 33(3):279-285. Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias, Faculdade de Agronomia, Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Federal de Mato Grosso, Av. Fernando Corrêa da Costa 2367, Bairro Boa Esperança, Cuiabá, MT 78068-900, Brazil. E-mail: wilmavet@gmail.com

O objetivo deste estudo foi avaliar a progressão das lesões em diferentes períodos da osteoartrite (OA) experimental em coelhos, através da radiografia (RX), tomografia computadorizada (TC), macroscopia e histopatologia, interligar estes diferentes métodos diagnósticos, bem como trazer informações que ajudem na decisão do melhor momento para a abordagem terapêutica. Foram delineados quatro períodos experimentais às 3, 6, 9 e 12 semanas após a indução da OA, denominados como PI, PII, PIII e PIV, respectivamente, cada qual com seis animais. Foram avaliados os cinco compartimentos da articulação femorotibial: côndilo femoral medial (CFM), côndilo femoral lateral (CFL), platô tibial medial (PTM), platô tibial lateral (PTL) e tróclea femoral (TF). Por conseguinte, estabeleceu-se um índice por compartimento (IC) e através da soma destes foi obtido um índice da articulação femorotibial (IFT). Observou-se que, o CFM foi o compartimento com maior valor de IC, além disso, diferiu significativamente (p<0,05) dos demais compartimentos. Os compartimentos não apresentaram diferença significativa (p>0,05) entre o PI e o PII, no entanto fato contrário ocorreu entre o PII e o PIII (p<0,05), PIII e PIV (p<0,01) e entre o PI e PIV (p<0,001). Similarmente o IFT, apresentou diferença significativa nos animais do PIV em relação ao PI (p<0,001), ao PII (p<0,001) e ao PIII (p<0,01), e não houve diferença estatística (p>0,05) entre o PI e PII. Na variação média dos intervalos entre os períodos, observou-se um maior valor entre o PIII e o PIV em relação aos outros intervalos de períodos (PI-PII e PII-PIII). No entanto, estes intervalos não apresentaram diferença estatisticamente significativa (p>0.05). Através do RX, TC, macroscopia e histopatológico, verificamos padrões similares entre os indivíduos dentro do mesmo período demonstrando assim uma gradual progressão da doença. Tais resultados evidenciam que entre as 3 e 6 semanas a progressão da lesão é mais lenta e muito provavelmente ainda pode ser reversível em comparação aos outros intervalos onde se comprovou uma maior progressão entre as 9 e 12 semanas após a indução traumática da OA. Estes resultados podem propiciar uma melhor abordagem terapêutica objetivando a reversão das lesões em fases iniciais da OA. Concluímos que, a interligação dos quatro métodos diagnósticos, individualmente classificados em escores e que foram unificados em índices tanto na avaliação por compartimento quanto pela articulação femorotibial pode representar uma condição diagnóstica mais próxima à verdadeira condição da lesão quanto de sua progressão.
Download / Visualização