Ano 2013 - Volume 33, Número 4


Título
Práticas de manejo para controle de parasitas gastrointestinais em fazendas com ovinos em Minas Gerais, Sudeste do Brasil, 33(4):464-468
Autores

Resumo
RESUMO.- Gouveia A.M.G., Molento M.B., Silva M.X., Brandão H.M., Gouveia G.C., Morlán J.B. & Guimarães A.S. 2013. Management practices to control gastrointestinal parasites in sheep farms in Minas Gerais, southeastern Brazil. [Práticas de manejo para controle de parasitas gastrointestinais em fazendas com ovinos em Minas Gerais, Sudeste do Brasil.] Pesquisa Veterinária Brasileira 33(4):464-468. Emprapa Gado de Leite, Rua Eugênio do Nascimento 610, Dom Bosco, Juiz de Fora, MG 36038-330, Brazil. E-mail: alessandro.guimaraes@embrapa.br

Problemas relacionados com parasitas são considerados um dos principais problemas sanitários na criação de ovinos, causando consideráveis ​​perdas econômicas para criação comercial. O objetivo deste estudo foi determinar o nível tecnológico e o nível de conhecimento dos criadores sobre práticas de manejo para o controle de parasitas gastrintestinais em ovinos no estado de Minas Gerais, sudeste do Brasil. A análise foi baseada em 213 questionários aplicados pelos veterinários oficiais da Agência de Governo Estudal de Saúde Animal (Instituto Mineiro de Agropecuária, IMA), cobrindo 16,6% de todos os municípios. Duzentos e treze propriedades com ovinos foram amostradas e 117 tiveram o seu nível tecnológico determinado. A partir da amostra, 0,9% foi caracterizado como nível elevado, de 45,3%, como de médio e 53,0% como baixo nível tecnológico. O tamanho do rebanho variou de 2 a 1843 com uma média de 80,5 ovinos por propriedade. A maioria dos sistemas de produção de ovinos eram extensivos/semi-extensivos (74,5%). As práticas de manejo adotadas pelos criadores para reduzir o parasitismo foram: separar animais jovens e adultos (5,6%), mudança de pastagem após vermifugar os animais (5,2%), uso de quarentena para animais recem adiquiridos (2,3%), vermifugação de ovelhas recém-chegadas (1,5%) e assistência técnica regular (31,9%). Apesar de 76,5% dos criadores vermifugarem os animais, os tratamentos foram realizados sem qualquer critério técnico importante, com um intervalo médio de 4,6 meses. As famílias de drogas mais comumente usadas foram lactonas macrocíclicas (38,5%) e benzimidazóis (24,9%). As práticas de manejo adotadas em Minas Gerais são baseadas em recomendações antigas e não em estratégias para prevenir infecções parasitárias. As observações de campo reforçam os achados em que os proprietários obtiveram resultados insatisfatórios na manutenção dos níveis de saúde e produtividade de seus empreendimentos.
Download / Visualização