Ano 2014 - Volume 34, Número 12


Título
Diagnóstico de infecção por Leishmania infantum pela reação em cadeia da polimerase em mamíferos silvestres, 34(12):1243-1246
Autores

Resumo
RESUMO.- Lombardi M.C., Turchetti A.P., Tinoco H.P., Pessanha A.T., Soave S.A., Malta M.C.C., Paixão T.A. & Santos R.L. 2014. Diagnosis of Leishmania infantum infection by Polymerase Chain Reaction in wild mammals. [Diagnóstico de infecção por Leishmania infantum pela reação em cadeia da polimerase em mamíferos silvestres.] Pesquisa Veterinária Brasileira 34(12):1241-1244. Departamento de Clínica e Cirurgia Veterinárias, Escola de Veterinária, Universidade Federal de Minas Gerais, Av. Antônio Carlos 6627, Belo Horizonte, MG 31270-901, Brazil. E-mail: rsantos@vet.ufmg.br

A leishmaniose visceral é uma doença infecciosa crônica de mamíferos causada, no Brasil, pelo protozoário Leishmania infantum (sinonímia: Leishmania chagasi) e transmitida pelo flebótomo Lutzomyia longipalpis. Trata-se de uma zoonose endêmica em muitas regiões do Brasil, inclusive em Belo Horizonte, Minas Gerais. Em centros urbanos, leishmaniose visceral acomete principalmente o cão doméstico. Entretanto, L. infantum já foi diagnosticada em outras espécies, incluindo canídeos e primatas de cativeiro em zoológicos. Este estudo buscou avaliar a presença do DNA deste agente em animais de cativeiro e de vida livre da Fundação Zoobotânica de Belo Horizonte através da reação em cadeia da polimerase. Foram analisadas oitenta e uma amostras de sangue oriundas de primatas, carnívoros, ruminantes, edentatos, marsupial e herbívoro de estômago simples. Três primatas Alouatta guariba (bugio marrom) e dois canídeos Speothos venaticus (cachorro-do-mato-vinagre), foram positivos, demonstrando a importância do controle da leishmaniose em áreas endêmicas com a finalidade de conservar a fauna silvestre mantida em cativeiro.
Download / Visualização