Ano 2015 - Volume 35, Número 6


Título
Pitiose em ovinos no Paraná, Sul do Brasil, 35(6):513-517
Autores

Resumo
RESUMO.- Bernardo F.D., Conhizak C., Ambrosini F., Jesus F.P.K., Santurio J.M., Kommers G.D., Elias F. & Franciscato C. 2015. Pythiosis in sheep from Paraná, southern Brazil. [Pitiose em ovinos no Paraná, Sul do Brasil.] Pesquisa Veterinária Brasileira 35(6):513-517. Curso de Medicina Veterinária, Universidade Federal da Fronteira Sul, Av. Edmundo Gaievski 1000, Realeza, PR 85770-000, Brazil. E-mail: carinafranciscato@yahoo.com.br

Este trabalho tem como objetivo descrever um caso de pitiose confirmado por ELISA (Enzime-Linked Immunosorbent Assay) indireto e imuno-histoquímica em uma ovelha do sudoeste do Paraná, Brasil, bem como suas lesões macro e microscópicas, a fim de compreender a sua patogenicidade. Trata-se de um ovino, fêmea, de 4 anos de idade, de um rebanho de 30 animais, da raça Santa Inês, criados em sistema semiextensivo, com acesso à um açude. O animal vinha apresentando aumento de volume na região do focinho, associado a emagrecimento progressivo. No exame físico apresentou-se caquético, com aumento de volume bilateral na região nasal, e com uma secreção serosanguinolenta de odor fétido fluindo das narinas, além de possuir os linfonodos submandibulares e retrofaríngeos bilateralmente infartados. Foi realizada coleta de sangue por punção da veia jugular para realização do hemograma e obtenção do soro para posterior realização de exame sorológico. Sendo que todos os parâmetros hematológicos analisados estavam dentro dos valores normais para a espécie. Após a realização do exame clínico e da coleta de sangue, o animal foi eutanasiado e procedeu-se a necropsia. Através do Teste de ELISA indireto, a amostra apresentou resultado positivo para pitiose. Na ocasião da necropsia pode-se verificar uma área necrosada de aproximadamente 3,5 cm de diâmetro no palato duro, a qual se estendeu até o assoalho da cavidade nasal formando uma fístula. Os linfonodos submandibulares e retrofaríngeos estavam aumentados de volume e ao corte edematosos. Os achados microscópicos dos linfonodos submandibulares e retrofaríngeos consistiram de quantidade moderada de eosinófilos, principalmente nos seios subcapsulares caracterizando uma linfadenite eosinofílica (reativa). Na cavidade nasal e oral, observou-se, respectivamente, rinite e estomatite necro-eosinofílica e granulomatosa multifocal acentuada associada a hifas intralesionais. As hifas encontradas no palato e na cavidade nasal foram Grocott-positivas e positivas pela técnica de imuno-histoquímica para Pythium insidiosum, esta última técnica também foi considerada confirmatória para o diagnóstico do agente. Este relato possui impacto epidemiológico por ser o primeiro caso de pitiose sorologicamente confirmado na espécie ovina na região Sul do Brasil e também, serve de alerta para a população, principalmente do meio rural, visto a possibilidade de infecção com o agente quando em contato com áreas alagadiças.
Download / Visualização