Ano 2015 - Volume 35, Número 7


Título
Resistência anti-helmíntica em rebanhos caprinos nos biomas Caatinga e Mata Atlântica, 35(7):643-648
Autores

Resumo
RESUMO.- Borges S.L., Oliveira A.A., Mendonça L.R., Lambert S.M., Viana J.M., Nishi S.M., Julião F.S. & Almeida M.A.O. 2015. [Anthelmintic resistance in goat herds in the Caatinga and Mata Atlântica biomes.] Resistência anti-helmíntica em rebanhos caprinos nos biomas Caatinga e Mata Atlântica. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(7):643-648. Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Federal da Bahia, Av. Ademar de Barros 500, Salvador, BA 40170-110, Brazil. E-mail: simlobor@yahoo.com.br

A utilização de anti-helmínticos por longos períodos como principal medida de controle das parasitoses gastrintestinais de ruminantes levou a ineficácia aos levamisol, benzimidazóis e avermectinas. Este estudo descreve a atividade anti-helmíntica in vivo em populações naturais de nematoides trichostrongilídeos de caprinos. Foram selecionados 18 rebanhos provenientes dos biomas Caatinga (n=12) e Mata Atlântica (n=6), do Estado da Bahia, Brasil, criados em pastagens comunais em região semiárida. Grupos de oito a 10 animais foram tratados com albendazol (ABZ), ivermectina (IVM), levamisol (LEV), moxidectina (MOX) e closantel (CLOS). Os resultados do Teste de Redução da Contagem de Ovos nas Fezes indicaram resistência simultânea dos gêneros Haemonchus sp. e Trichostrongylus spp. para o ABZ, IVM, LEV, MOX e CLOS. As percentagens de eficácia variaram de 0-92%, 0-75%, 0-91%, 69-97% e 0-85% para o ABZ, IVM, LEV, MXD e CLOS, respectivamente, no bioma Caatinga e 0-59% para o ABZ e 9-59% para o IVM no bioma Mata Atlântica. Verificou-se nos rebanhos eficácia inferior a 95% para estes anti-helmínticos, com exceção de um único rebanho no qual a eficácia para MOX foi de 97%, o que sugere a presença de NGIs resistentes aos principais classes de anti-helmínticos em rebanhos caprinos destes biomas.
Download / Visualização