Ano 2015 - Volume 35, Número 12


Título
Parasitos gastrintestinais de suínos criados sob diferentes sistemas de manejo no Estado do Rio de Janeiro, 35(12):941-946
Autores

Resumo
RESUMO.- Barbosa A.S., Bastos O.M.P., Dib L.V., Siqueira M.P., Cardozo M.L., Ferreira L.C., Chaves W.T., Fonseca A.B.M., Uchôa C.M.A. & Amendoeira M.R.R. 2015. Gastrointestinal parasites of swine raised in different management systems in the State of Rio de Janeiro, Brazil. [Parasitos gastrintestinais de suínos criados sob diferentes sistemas de manejo no Estado do Rio de Janeiro.] Pesquisa Veterinária Brasileira 35(12):941-946. Laboratório de Toxoplasmose, Instituto de Oswaldo Cruz (FioCruz), Prédio 108, sala 32/34, Avenida Brasil 4365, Manguinhos, RJ 21045-900, Brazil. E-mail: alynne.barbosa@ioc.fiocruz.br

De 2012 a 2013 foram pesquisados parasitos gastrintestinais de suínos de granjas localizadas em diferentes municípios do estado do Rio de Janeiro. Amostras fecais de 790 suínos foram coletadas da ampola retal, sendo 88 de propriedades familiares e 702 de granjas com produção industrial. As amostras foram submetidas às técnicas de Faust et al., Sheather, Ritchie, Lutz e exame direto. A prevalência estimada foi de 93,1% nas granjas familiares e 59,1% nas granjas industriais. Balantidium coli, coccídios e Entamoeba sp. foram os parasitos que apresentaram as maiores frequências, sendo as categorias machos e fêmeas reprodutoras e leitões de terminação as mais infectadas (p<0,05). Trofozoítas de B. coli foram mais evidenciados nas amostras fecais de consistências semi-sólida, seguida pelas fezes com consistências sólida e diarreica. Ovos de estrongilídeos e Trichuris suis foram detectados exclusivamente em criações familiares. Ovos de Ascaris suum e de Strongyloides ransomi apresentaram baixa frequência. O alto grau de parasitismo, principalmente de protozoários, indica a necessidade de reavaliação do manejo dos suínos em ambos os tipos de produção.
Download / Visualização