Ano 2016 - Volume 36, Número 5


Título
Transmissão, resposta sorológica e tecidual de poedeiras vacinadas com Mycoplasma gallisepticum cepa F, 36(5):401-404
Autores

Resumo
RESUMO.- Machado L.S., Santos F.F., Santos L.M.M., Tortelly R., Pimentel J.C., Sesti L., Pereira V.L.A. & Nascimento E.R. 2016. Transmission, serologic and tissue responses in chickens vaccinated with Mycoplasma gallisepticum F strain (MG-F). [Transmissão, resposta sorológica e tecidual de poedeiras vacinadas com Mycoplasma gallisepticum cepa F.] Pesquisa Veterinária Brasileira 36(5):401-404. Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Pública, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense, Rua Dr. Vital Brazil Filho 64, Vital Brazil, Niterói, RJ 24230-340, Brazil. E-mail: elmiro@vm.uff.br

Mycoplasma gallisepticum cepa F (MG-F) é altamente utilizada em vacinação de poedeiras. MG-F confere bons níveis de proteção às galinhas, deslocando MG de campo ou diminuindo o número deles no trato respiratório. Soroaglutinação Rápida (SAR), ELISA e PCR são testes no monitoramento da micoplasmose, enquanto a histopatologia, mesmo não sendo rotineira, é usada para avaliar a resposta das aves à infecção por MG. O objetivo deste estudo foi avaliar a transmissibilidade, soroconversão e alterações teciduais de MG-F em galinhas. Um total de 100 galinhas SPF foi utilizado, sendo 40 delas não vacinadas (G1), 40 vacinadas na 8ª semana de idade com MG-F (Ceva Saúde Animal, São Paulo/SP, Brasil) (G2) e 20 imunizadas por contato com aves do G2 (G3). Soros e suabes traqueais foram obtidos na 8ª, 12ª, 15ª, 18ª, 20ª, 24ª semana para monitoramento por SAR, ELISA e PCR. Fragmentos de traqueia e saco aéreo, para microscopia, foram feitas após necropsias na 15ª e 24ª semana. Até a 12ª semana não houve diferença significativa entre os grupos pela SAR. Houve reação a SAR a partir da 15ª semana com as seguintes médias: G1 (1,7; 1,76; 0,1; 0,15), G2 (7,81; 7,65; 8,25; 6,29) e G3 (8,1; 8,5; 9,5; 6,16), enquanto por ELISA a soroconversão ocorreu a partir da 18ª semana com médias de densidades óticas de G1 (0,19; 0,14; 0,16), G2 (0,47; 0,45; 0,41) e G3 (0,55; 0,51; 0,51). Todas as aves do G3 apresentaram positividade pela PCR sete semanas após exposição. Não houve diferença significativa entre as medias dos escores de saco aéreo entre os grupos, na 15ª semana (0,20; 0,55; 0,32) e 24ª semana (0,15; 0,80 e 0,66). Em relação à traqueia, G2 apresentou média maior na 15ª semana (0,48) que G3 (0,00) e G1 (0,10). Alterações em G3 foram observadas somente na 24ª semana onde as médias foram de 0,08(G1); 0,46 (G2) e 1,00 (G3), havendo significância (p<0,05) entre G1 e G3. SAR e PCR foram capazes de detectar a transmissão de MG-F de forma precoce em relação ao ELISA. Em relação ao G1 (controle negativo) as reações teciduais para os grupos vacinados foram mais intensas na 24ª semana, o que tudo indica sendo resposta à vacinação.
Download / Visualização