Ano 2016 - Volume 36, Número 11


Título
Fauna helmintológica de catetos (Tayassu tajacu Linnaeus, 1758) procedentes da Amazônia Brasileira, 36(11):1109-1115
Autores

Resumo
RESUMO.- Pereira-Junior R.A., Sousa S.A.P., Oliveira M.C., Valadares A.A., Hoppe E.G.L. & Almeida K.S. 2016. [Helminthic parasites of the collared peccaries (Tayassu tajacu Linnaeus, 1758) of the Brazilian Amazon.] Fauna helmintológica de catetos (Tayassu tajacu Linnaeus, 1758) procedentes da Amazônia Brasileira. Pesquisa Veterinária Brasileira 36(11):1109-1115. Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Federal do Tocantins, BR-153 Km 112, Zona Rural, Caixa Postal 132, Araguaína, TO 77804-970, Brazil. E-mail: pereirajunior.ra@outlook.com

Tayassu tajacu, popularmente conhecido como cateto, é uma espécie silvestre encontrada em quase todo o continente Americano, sendo abundante em seus locais de ocorrência. O trabalho objetivou conhecer a fauna helmintológica, bem como os indicadores de infecções, de catetos (T. tajacu) procedentes da Amazônia Brasileira. Para tanto, foram utilizados cinco animais adultos (três machos e duas fêmeas), capturados no município de Araguaína, estado do Tocantins, com auxílio de armadilhas. Os catetos foram tranquilizados, contidos quimicamente e eutanasiados segundo o Guia Brasileiro de Boas Práticas para Eutanásia em Animais do Conselho Federal de Medicina Veterinária. As espécies encontradas foram identificadas e os indicadores de infecção foram determinados (percentual de infecção, abundância, intensidade média e variação da intensidade). Foi coletado um total de 1394 helmintos, sendo nove espécies de nematódeos: Eucyathostomum dentatum, Cruzia brasiliensis, Monodontus semicircularis, Monodontus aguiari, Spiculopteragia tayassui, Texicospirura turki, Parabronema pecariae, Physocephalus sexalatus, Cooperia punctata. Os helmintos com maiores percentuais de infecção foram Physocephalus sexalatus, Parabronema pecariae e Monodontus aguiari, encontrados em 100% dos animais examinados, sendo este último o mais abundante (164), com maior intensidade média (164) e com maior número total de helmintos (820). Em contrapartida, Spiculopteragia tayassui foi a espécie que obteve menores indicadores, sendo encontrada apenas uma fêmea neste estudo. Foi relatada, neste trabalho, a primeira ocorrência de Cruzia brasiliensis parasitando catetos (T. tajacu) no Brasil, espécie até então descrita e encontrada apenas parasitando suínos domésticos.
Download / Visualização