Ano 2016 - Volume 36, Número 12


Título
Caracterização viral e aspectos clínicos de parvovirose em cães naturalmente infectados no Estado de São Paulo, 36(12):1181-1185
Autores

Resumo
RESUMO.- Monteiro K., Allendorf S.D., Vicente A.F., Appolinário C.M., Peres M.G., Cortez A., Heinemann M.B. & Megid J. 2016. Viral type characterization and clinical aspects of canine parvovirus in naturally infected dogs in São Paulo State, Brazil. [Caracterização viral e aspectos clínicos de parvovirose em cães naturalmente infectados no Estado de São Paulo.] Pesquisa Veterinária Brasileira 36(12):1181-1185. Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Distrito de Rubião Júnior s/n, Botucatu, SP 18618-970, Brazil. E-mail: jane@fmvz.unesp.br

Desde o primeiro isolamento do parvovirus canino tipo 2 (CPV-2) no final dos anos 70 novos subtipos virais como CPV-2a e CPV-2b surgiram e foram se tornando prevalentes na população canina; posteriormente um terceiro subtipo foi identificado, CPV- 2-C. O principal objetivo deste estudo foi detectar e caracterizar os subtipos de parvovírus canino atualmente presente na região Centro-Oeste do Estado de São Paulo-Brasil. Amostras de fezes foram coletadas de cães vacinados e não vacinados, atendidos no Serviço de Enfermidades Infecciosas dos Animais, Hospital Veterinário da FMVZ-UNESP, com suspeita clínica parvovirose . Todas as amostras (n = 30) foram submetidas teste de hemaglutinação para parvovirus canino e as positivas (n = 20) submetidas a PCR; os produtos amplificados foram subsequentemente sequenciados para caracterização do subtipo viral. Os resultados foram associados com a idade, os valores hematológicos, os títulos de hemaglutinação viral nas fezes, estado de vacinação e sobrevivência. A leucopenia foi encontrada em todos os animais; Obito foi observado em 30% dos cães não vacinados e 42% dos vacinados. Em um total de 20 amostras positivas sequenciadas, 18 foram classificadas como CPV-2b, uma como CPV-2c, e uma como CPV-2a. CPV 2a e CPV2c foram detectados em filhotes não vacinados. Em comparação com a amostra de referência foi evidenciada uma mudança de aminoácido na posição 426 nas amostras virais circulantes. Os resultados do estudo demonstram a predominância de CPV-2b e a presença de CPV-2a e CPV-2c em cães naturalmente infectados, vacinados e não vacinados na região de São Paulo.
Download / Visualização