Ano 2010 - Volume 30, Número 1


Título
Comparação entre diversos antígenos para o diagnóstico de Anaplasma marginale por ELISA, 30(1):37-41
Autores

Resumo
RESUMO.- Ramos C.A.N., Araújo F.R., Souza I.I.F., Guedes Jr D.S., Oliveira R.H.M., Farias T.A., Oliveira J.B., Alves L.C. & Faustino M.A.G. 2010. [Comparison between several antigens for diagnosis of Anaplasma marginale by ELISA.] Comparação entre diversos antígenos para o diagnóstico de Anaplasma marginale por ELISA. Pesquisa Veterinária Brasileira 30(1):37-41. Laboratório de Doenças Parasitárias, Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, PE 52171-900, Brazil. E-mail: carlosanramos@yahoo.com.br

Anaplasmose bovina é uma doença com grande importância nas regiões tropicais e subtropicais do mundo por determinar perdas econômicas devido à mortalidade e redução da produtividade. É causada por Anaplasma marginale, uma riquétsia intraeritrocítica obrigatória cujo controle requer, além de uma vacina eficiente, uma acurada identificação de bovinos cronicamente infectados. Apesar de existirem atualmente diversos métodos de diagnóstico dessa riquétsia, os métodos sorológicos, em particular o ensaio de imunoadsorção enzimática–ELISAs, são os mais utilizados devido à sua versatilidade e praticidade. No entanto, devido ao grande número de antígenos disponíveis, atualmente torna-se necessária uma avaliação para definir quais antígenos apresentam um melhor desempenho no diagnóstico da anaplasmose. Soros de bovinos positivos e negativos para A. marginale por PCR, e soros de animais provenientes do Brasil e Costa Rica, foram testados em ELISAs baseados em MSP1a, MSP2 e MSP5 recombinantes, um pool das três proteínas recombinantes, e antígeno de lisado de corpúsculos iniciais da riquétsia (CI). Utilizando soro de bovinos positivos para A. marginale por PCR, uma maior sensibilidade foi observada no ELISA CI. No entanto, uma maior especificidade, com soro de bovinos negativos a PCR, foi observada com os ELISAs recombinantes. O porcentual de bovinos positivos do Brasil e Costa Rica foi maior com ELISA CI. Razões para essas diferenças são discutidas.
Download / Visualização