Resultado da pesquisa (4)

Termo utilizado na pesquisa proteinúria

#1 - Protein-to-creatinine urinary in the early diagnosis of renal injury in canine pyometra

Abstract in English:

Kidney disease that affects bitches with pyometra may lead patients to develop chronic renal failure even after pyometra treatment. Therefore, several studies have sought to clarify the gaps in the understanding of the pathogenesis of renal injury in pyometra. Identification of early detection markers for renal damage, which can predict and identify the prognosis of the disease, is very important. Proteinuria analysis can diagnose kidney damage, since proteins such as albumin are not filtered through the glomerulus and those that undergo glomerular filtration are almost completely reabsorbed by tubular cells. The objective of this study was to evaluate whether the urinary protein-to-creatinine ratio (UPC) can detect renal injury in bitches with pyometra before development of azotemia. For this, 44 bitches with pyometra were divided into two groups: bitches with azotemic piometra (A, n=15, creatinine >1.7) and bitches with non-azotemic pyometra (NA, n=29). The two groups were compared to the control group (CG, n=12), which had no signs of systemic disease. All animals underwent blood and urine tests. Leukocytosis was more evident in bitches in the A group than in the other groups. This shows that the inflammatory response may be associated with the pathogenesis of renal injury. The median UPC in bitches with pyometra was significantly higher than in the CG, with a median above the reference values. In conclusion, the UPC can be used in bitches with pyometra to detect renal damage before the development of azotemia. It has been suggested that the UPC of bitches with pyometra should be followed through during the postoperative period so that permanent renal lesions secondary to pyometra can be diagnosed and treated properly before the development of azotemia.

Abstract in Portuguese:

A doença renal que afeta cadelas com piometra pode levar a insuficiência renal crônica mesmo após o tratamento. Portanto, vários estudos procuraram esclarecer as lacunas na compreensão da patogênese da lesão renal na piometra. A identificação de marcadores de lesão renal precoce, que podem prever e identificar o prognóstico da doença é muito importante. A análise da proteinúria pode diagnosticar lesão renal, uma vez que proteínas como a albumina não são filtradas através do glomérulo e aquelas que sofrem filtração glomerular são quase completamente reabsorvidas pelas células tubulares. O objetivo deste estudo foi avaliar se a relação proteína-creatinina urinária (UPC) pode detectar lesão renal em cadelas com piometra antes do desenvolvimento de azotemia. Para isso, 44 cadelas com piometra foram divididas em dois grupos: cadelas com piometra azotêmica (A, n=15, creatinina >1,7) e cadelas com piometra não azotêmica (NA, n=29). Os dois grupos foram comparados ao grupo controle (CG, n=12), que não apresentaram sinais de doença sistêmica. Todos os animais foram submetidos a exames de sangue e urina. A leucocitose foi mais evidente nas cadelas do grupo A do que nos outros grupos. Isso mostra que a resposta inflamatória pode estar associada à patogênese da lesão renal. A mediana da UPC em cadelas com piometra foi significativamente maior que no CG, com uma mediana acima dos valores de referência. Em conclusão, a UPC pode ser usada em cadelas com piometra para detectar lesões renais antes do desenvolvimento de azotemia. Sugeriu-se que a UPC de cadelas com piometra deve ser acompanhada durante o pós-operatório, de modo que as lesões renais permanentes secundárias à piometra possam ser diagnosticadas e tratadas adequadamente antes do desenvolvimento de azotemia.


#2 - Increased of nitric oxide plasma concentration in dogs with naturally acquired chronic renal disease, 37(8):847-852

Abstract in English:

ABSTRACT.- Galvão A.B., Carvalho M.B., Batalhão L.G., Silva J.C.B., Batalhão M. & Carnio E.C. 2017. Increased of nitric oxide plasma concentration in dogs with naturally acquired chronic renal disease. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(8):847-852. Medicina Veterinária, Faculdade de Ciências Agrárias e Medicina Veterinária, Universidade Estadual Paulista, Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane s/n, Jaboticabal, SP 14884-900, Brazil. E-mail: andrebgalvao@gmail.com This study aimed to determine the amount of plasma nitric oxide in clinically stable dogs at different stages of chronic kidney disease (CKD). Five groups of dogs were studied, aged from 4 to 18, comprising of a control group composed of healthy animals (control n=17), group CKD stage 1 (DRC-1, n=12), group CKD stage 2 (CKD-2, n=10) group, CKD stages 3 (CRD-3, n=13) and Group CKD stage 4 (DRC-4, n=10). Dogs with CKD were clinically stable and received no treatment. Two blood samples were collected at 24 hours intervals (repeated measures) to obtain serum and plasma. The serum creatinine values were used to classify dogs as CG, CKD-1, CKD-2, CKD-3 and CKD-4, and were (1.02±0.02mg/dL), (1.07±0.04mg/dL), (1.81±0.03mg/dL), (3.40±0.15mg/dL) and (6.00±0.20mg/dL) respectively. The determination of nitric oxide (NO) was performed by dosing nitrate/nitrite indirectly, and used for measurement of nitrate according to the NO/ozone chemiluminescence. The data were submitted to ANOVA for nonparametric analysis(Kruskal-Wallis) (P<0.05). The concentration of plasmatic NO did not differ significantly among GC (10.81±0.51µM), CKD-1 (15.49±1.97µM) and CKD-2 (19.83±3.31µM) groups. The plasma concentration of CKD-3 (17.02±1.73µM) and CKD-4 (83.56±13.63µM) was significantly higher compared with healthy dogs. In conclusion, the NO plasma concentration can increase in dogs with CKD and become significantly higher in stage 3 and 4 dogs.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Galvão A.B., Carvalho M.B., Batalhão L.G., Silva J.C.B., Batalhão M. & Carnio E.C. 2017. Increased of nitric oxide plasma concentration in dogs with naturally acquired chronic renal disease. [Aumento da concentração plasmática de óxido nítrico em cães com doença renal crônica naturalmente adquirida.] Pesquisa Veterinária Brasileira 37(8):847-852. Medicina Veterinária, Faculdade de Ciências Agrárias e Medicina Veterinária, Universidade Estadual Paulista, Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane s/n, Jaboticabal, SP 14884-900, Brazil. E-mail: andrebgalvao@gmail.com A determinação de óxido nítrico no plasma em cães clinicamente estáveis em diferentes estágios da doença renal crônica (DRC) não foi estudada, constituindo este o objetivo do presente estudo. Foram estudados cinco grupos de cães, com idade variando entre quatro a 18 anos, compreendendo o grupo controle, composto por animais sadios (controle, n=17), grupo com DRC estágio 1 (DRC-1, n=12), grupo com DRC estágio 2 (DRC-2, n=10), grupo com DRC estágio 3 (DRC-3, n=13) e grupo com DRC estágio 4 (DRC-4, n=10). Os cães com DRC estavam com o quadro clínico estável e sem receber qualquer tipo de tratamento. Foram estudados cinco grupo de cães, com idade variando entre quatro a 18 anos, compreendendo o grupo controle, composto por animais sadios (controle, n=17), grupo com DRC estágio 1 (DRC-1, n=12), grupo com DRC estágio 2 (DRC-2, n=10), grupo com DRC estágio 3 (DRC-3, n=13) e grupo com DRC estágio 4 (DRC-4, n=10). Os animais sadios ou com DRC foram submetidos a duas coletas de sangue, com intervalo de 24 horas (amostras repetidas), para obtenção de soro e plasma. Os valores de creatinina sérica, que definiram a classificação dos pacientes do controle, DRC-1, DRC-2, DRC-3 e DRC-4, que foram 1,02±0,02mg/dL; 1,06±0,05mg/dL; 1,80±0,03mg/dL; 3,39±0,21mg/dL e 6,00±0,28mg/dL, respectivamente. A determinação plasmática indireta de óxido nítrico (NO) foi realizada por meio da dosagem de nitrato/nitrito, através da técnia de quimioluminescência NO / ozono. Os dados foram submetidos à ANOVA para análise não paramétrica (Kruskal-Wallis) (P <0,05). Os resultados das concentrações plasmáticas de NO não diferiram significativamente quando comparados os dados do controle (10,81±0,51µM), DRC-1 (15,49±1,97µM), DRC-2 (19,82±3,31µM). No entanto, o NO plasmático do grupo DRC-3 (17,01±1,73µM) e DRC-4 (83,55±13,63µM), foi significativamente maior, em relação às médias dos cães sadios. Concluímos que a concentração plasmática de NO pode aumentar em cães com DRC e torna-se significativamente mais elevada nos estágios 3 e 4 da doença.


#3 - Urine protein electrophoresis study in dogs with pituitary dependent hyperadrenocorticism during therapy with trilostane, 37(7):734-740

Abstract in English:

ABSTRACT.- Caragelasco D.S., Kogika M.M., Martorelli C.R., Kanayama K.K. & Simões D. M.N. 2017. Urine protein electrophoresis study in dogs with pituitary dependent hyperadrenocorticism during therapy with trilostane. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(7):734-740. Departamento de Clinica Médica, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: mv.douglas@usp.br Hyperadrenocorticism is one of the most common endocrine disorders in dogs. Regarding to the kidneys, chronic hypercortisolemia can cause damage to the glomerulus, and evolve into chronic kidney disease. This study evaluated nine normotensive dogs with pituitary dependent hyperadrenocorticism, before and after therapy with trilostane, during the follow-up period of six months, in order to investigate the development of pathological proteinuria by quantitative (urinary protein-to-creatinine ratio) and qualitative (urinary protein electrophoresis) methods, and also to monitor its intensity over the course of the disease and therapy. The main renal lesion detected in dogs with hyperadrenocorticism was in the tubular segment, evidenced by the prevalence of urinary protein bands of lower molecular weight, indicating the lack absorption of these proteins in the proximal segment of the nephron. Low molecular weight proteins persisted throughout the follow-up. Regarding the future of routine veterinary medical clinic in the care of patients with hyperadrenocorticism, the assessments of proteinuria determinations by the urinary protein-to-creatinin ratio and urinary protein electrophoresis, according to the results obtained in this study, can add more information about the renal damage in these animals, and contribute to the prognosis.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Caragelasco D.S., Kogika M.M., Martorelli C.R., Kanayama K.K. & Simões D. M.N. 2017. Urine protein electrophoresis study in dogs with pituitary dependent hyperadrenocorticism during therapy with trilostane. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(7):734-740. Departamento de Clinica Médica, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: mv.douglas@usp.br Hiperadrenocorticismo (HAC) é uma das doenças endócrinas mais comuns em cães. A hipercortisolemia crônica pode causar danos glomerulares, pelo aumento da taxa de filtração glomerular, podendo levar ao desenvolvimento de doença renal crônica. Este estudo avaliou nove cães normotensos com hiperadrenocorticismo hipófise-dependente, antes e após a terapia com trilostano, durante o período de acompanhamento de seis meses, a fim de investigar o desenvolvimento de proteinúria patológica por métodos quantitativo (relação proteína e creatinina urinária) e qualitativos (eletroforese de proteínas urinárias) e também para monitorar a sua intensidade ao longo do curso da doença e terapia. A principal lesão renal detectada em cães com HAC foi no segmento tubular, evidenciada pela prevalência de bandas de proteínas urinárias de peso molecular mais baixo, indicando a falta de absorção destas proteínas no segmento proximal do néfron. A proteinúria de baixo peso molecular persistiu durante todo o acompanhamento. Em relação ao futuro da rotina clínica médica veterinária no tratamento de cães com hiperadrenocorticismo, as avaliações de proteinúria pela relação proteína e creatinina urinária e eletroforese de proteínas urinárias, de acordo com os resultados obtidos neste estudo, podem adicionar mais informações sobre a lesão renal nestes animais e contribuir para o prognóstico.


#4 - Blood pressure and renal injury in dogs with visceral leishmaniasis, 36(9):857-863

Abstract in English:

ABSTRACT.- Sousa M.G., Lima A.B.G., Araújo C.R.A., Silva V.B.C., Ramos A.T., Machado G.F., Melo G.D. & Carareto R. 2016. Blood pressure and renal injury in dogs with visceral leishmaniasis. Pesquisa Veterinária Brasileira 36(9):857-863. Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Rua dos Funcionários 1540, Cabral, Curitiba, PR 80035-050, Brazil. E-mail: marlos98@ufpr.br Systemic hypertension is known to be a common consequence of chronic renal disease, which is frequently diagnosed in dogs with visceral leishmaniasis. Although many veterinary investigations have looked at the renal injury caused by Leishmania spp., the role played by this complication in the development of arterial hypertension documented in some animals with visceral leishmaniasis is not completely understood. In this study, 18 adult dogs with naturally-occurring visceral leishmaniasis and varying clinical signs underwent an indirect blood pressure measurement. Also, sera and spot urine were used for laboratory tests. The median systolic blood pressure was 135.2mmHg (95% confidence interval: 128.5-147.7), median mean arterial pressure was 105.8mmHg (98.3-110.4), and median diastolic arterial pressure was 88.5mmHg (77.8-92.5). No differences existed between asymptomatic and symptomatic animals regarding arterial pressure, and no correlations were documented between blood pressure and serum creatinine, blood urea, urine protein-to-creatinine ratio, urine specific gravity, and the fractional excretion of sodium and potassium. Although an association between hypertension and the identification of inflammation on histopathology could not be demonstrated in hypertensive animals, the assessment of kidney samples from 12 dogs indicated mild inflammation with a lymphoplasmacytic infiltrate (6/12), moderate inflammation with multifocal lymphoplasmacytic and histiocytic infiltrates (3/12), and multifocal degeneration and protein casts (2/12). Anti-Leishmania spp. immunohistochemistry assays stained the renal epithelium in 2/12 of the animals. Even though mild systemic hypertension was documented in a small subset of animals, no relationship between the severity of clinical signs and hypertension could be anticipated.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Sousa M.G., Lima A.B.G., Araújo C.R.A., Silva V.B.C., Ramos A.T., Machado G.F., Melo G.D. & Carareto R. 2016. Blood pressure and renal injury in dogs with visceral leishmaniasis. [Pressão sanguínea e lesão renal em cães com leishmaniose visceral.] Pesquisa Veterinária Brasileira 36(9):857-863. Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Rua dos Funcionários 1540, Cabral, Curitiba, PR 80035-050, Brazil. E-mail: marlos98@ufpr.br A hipertensão sistêmica é reconhecida como uma consequência comum da doença renal crônica, cujo diagnóstico é frequente em cães com leishmaniose visceral. Embora muitas pesquisas veterinárias tenham investigado a lesão renal causada pela Leishmania spp., o papel dessa complicação no desenvolvimento da hipertensão arterial documentada em alguns animais com leishmaniose visceral ainda não é completamente compreendido. Neste estudo, 18 cães adultos com diagnóstico de leishmaniose visceral e sinais clínicos variáveis foram submetidos à avaliação indireta da pressão arterial. Além disso, foram coletados soro e urina para análises laboratoriais. As medianas das pressões arteriais sistólica, média e diastólica foram 135,2mmHg (intervalo de confiança de 95%: 128,5-147,7), 105,8mmHg (98,3-110,4) e 88,5mmHg (77,8-92,5), respectivamente. Não foram constatadas diferenças entre os cães assintomáticos e sintomáticos em relação à pressão arterial, assim como não houve correlação entre a pressão arterial e a creatinina e uréia séricas, relação proteína-creatinina urinária, densidade urinária e excreção fracionada de sódio e potássio. Embora não tenha sido evidenciada associação entre hipertensão arterial e inflamação do tecido renal à histopatologia, a avaliação das amostras oriundas de 12 cães indicou inflamação leve, com infiltrado linfoplasmocitário (6/12), inflamação moderada com infiltrados linfoplasmocitário e histiocítico multifocais (3/12), além de degeneração multifocal e cilindros protéicos (2/12). Ensaios imunoistoquímicos anti-Leishmania spp. marcaram o epitélio renal em 2/12 animais. Apesar de hipertensão leve ter sido documentada em uma pequena parcela dos cães estudados, não se evidenciou relação entre a severidade dos sinais clínicos e o desenvolvimento de hipertensão arterial.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV