Resultado da pesquisa (11)

Termo utilizado na pesquisa Seneciosis

#1 - Seneciosis in cattle associated with ingestion of Senecio brasiliensis under different forms of consumption in Santa Catarina state, Brazil

Abstract in English:

This study identified the different forms of ingestion of Senecio brasiliensis in cattle, diagnosed by the Animal Pathology Laboratory at CAV-UDESC, in the state of Santa Catarina, Brazil. A retrospective evaluation from 1987 to 2016 showed that ingestion has occurred voluntarily due to the presence of the adult plant in native field and/or involuntary, due to the presence of the plant in hay and silage, provided in the trough together with other pastures or by contamination in grain residues. These different forms of ingestion demonstrate the importance of epidemiologic investigation in the diagnosis of seneciosis.

Abstract in Portuguese:

Esse estudo identificou as diferentes formas de ingestão de Senecio brasiliensis em bovinos, diagnosticados pelo laboratório de Patologia Animal do CAV-UDESC, no estado de Santa Catarina. Através de avaliação retrospectiva referente aos anos de 1987 a 2016, foi possível observar que as formas de ingestão da planta ocorreram de forma voluntária, pela presença da planta adulta em campo nativo, e/ou involuntária, pela presença da planta em fenos, silagens, fornecidas no cocho junto à outras pastagens ou por contaminação em resíduos de grãos. Essas diferentes formas de ingestão demonstram a importância da investigação epidemiológica no diagnóstico da seneciose.


#2 - Control of Senecio madagascariensis and Senecio brasiliensis by the use of sheep

Abstract in English:

In order to test different technics to control Senecio madagascariensis, three experiments were carried out. In the first, 40 sheep were placed in an area of four hectares for 90 days, with medium/high levels of infestation by the plant. The area after this period was desiccated with glyphosate (Roundup®) and seeded with Lotus corniculatus L., Trifolium repens, Medicago sativa and Festuca arundinacea Schreb. by direct seeding. After eight months, sheep returned to the area for another 90 days. The second experiment was conducted with 10 sheep grazing for 30 days and 60 days’ rest, in three areas of 0.5 hectares each, with low, medium and high levels of S. madagascariensis infestation. The third experiment was carried out using drying, plowing and cultivated pasture (legumes and grasses) for three consecutive times without the use of sheep in an area infested by the plant. For the control of S. brasiliensis and other species of the genus, a fourth experiment was performed on a farm with history of intoxication by Senecio spp. in cattle. Eighty-six sheep were used in an area of 90 hectares for a year. The results of these experiments demonstrated that sheep consume and decrease the amount of S. madagascariensis in infested areas. Furthermore, it also indicated that S. madagascariensis to be efficiently controlled requires continuous grazing with at least four sheep per hectare. Practices as drying the pastures with herbicides, tillage and pasture planting can help eliminate the plant in long-term plan. In areas with S. brasiliensis infestation mowing can be an effective practice, mainly due to the high size of the plant, since it facilitates consumption by sheep.

Abstract in Portuguese:

Com o objetivo de testar diferentes formas de controle de Senecio madagascariensis foram realizados três experimentos. No primeiro, 40 ovinos foram colocados em uma área de quatro hectares por 90 dias, com infestação média e alta por S. madagascariensis. A área após este período foi dessecada com glifosato (Roundup®) e semeada com Lotus corniculatus L. (cornichão), Trifolium repens (trevo branco), Medicago sativa (alfafa) e Festuca arundinacea Schreb. (festuca) por plantio direto. Os ovinos, após oito meses, retornaram a área por mais 90 dias. O segundo experimento foi realizado com 10 ovinos em pastejo por 30 dias com 60 dias de descanso em três áreas de 0,5 hectares cada uma, com infestação baixa, média e alta por S. madagascariensis. O terceiro experimento foi realizado utilizando-se dessecação, aração e plantio de pastagens (leguminosas e gramíneas) por três vezes consecutivas, sem utilização de ovinos em uma área invadida pela planta. Para o controle de S. brasiliensis e outras espécies do gênero, um quarto experimento foi realizado em uma propriedade rural com histórico de intoxicação por Senecio spp. em bovinos. Foram utilizados 86 ovinos, que permaneceram em uma área de 90 hectares durante um ano. Os resultados destes experimentos demonstraram que os ovinos consomem S. madagascariensis e diminuem a quantidade de planta em áreas infestadas. Por outro lado, evidenciou-se também que S. madagascariensis para ser controlado de forma eficiente necessita de pastejo contínuo com pelo menos quatro ovinos por ha. As práticas como dessecação com herbicidas, aração e plantio de pastagem podem auxiliar na eliminação da planta a longo prazo. Em áreas de infestação por S. brasiliensis a roçagem pode ser uma prática eficiente, principalmente pelo porte alto da planta, pois facilita o consumo pelos ovinos.


#3 - Epidemiological, clinical and pathological aspects and early diagnosis of bovine seneciosis in the Western region of Rio Grande do Sul, Brazil, 37(12):1423-1429

Abstract in English:

ABSTRACT.- Krabbe A.A., Gonçalves M.A., Silveira C.S., Morais R.M., Quevedo L.S., Ribeiro P.V.R. & Anjos B.L. 2017. [Epidemiological, clinical and pathological aspects and early diagnosis of bovine seneciosis in the Western region of Rio Grande do Sul, Brazil.] Aspectos epidemiológicos, clínico-patológicos e diagnóstico precoce da seneciose bovina no Oeste do Rio Grande do Sul. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(12):1423-1429. Laboratório de Patologia Veterinária, Universidade Federal do Pampa, Uruguaiana, RS 97500-970, Brazil. E-mail: anjosbl@gmail.com The ingestion of Senecio spp. (ragwort) is perhaps the leading cause of death of cattle in central and southern Rio Grande do Sul, Brazil. Considering the limited information about this condition in the Western region of Rio Grande do Sul, Brazil, this paper describes main epidemiological clinical and pathological aspects of seneciosis in cattle. The assessments were made through questionnaires on 16 rural properties which had suspected cases of poisoning in cattle, from August 2011 to March 2014. During the visits were evaluated epidemiological aspects of poisoning and performed sample collection of Senecio plants for botanical identification, as well as collection of liver samples using transthoracic biopsy for confirmation of the poisoning. Senecio species most common on farms were S. brasiliensis and S. heterotrichius. From 88 cattle that failed to thrive on nine different farms, 69 animals (about 80%) were positive for chronic seneciosis with periportal fibrosis (78% of cases), megalocytosis (76% of cases) and with bile duct proliferation (68% of cases). Lesions were classified as mild, moderate or marked. The current study confirms the occurrence of this poisoning, even in cattle without evident clinical signs. The use of liver biopsy enabled the early diagnosis of poisoning and helped farmers carefully to dispose affectd cattle, as well as to recognize the real situation of poisoning in the herd and minimize economic losses.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Krabbe A.A., Gonçalves M.A., Silveira C.S., Morais R.M., Quevedo L.S., Ribeiro P.V.R. & Anjos B.L. 2017. [Epidemiological, clinical and pathological aspects and early diagnosis of bovine seneciosis in the Western region of Rio Grande do Sul, Brazil.] Aspectos epidemiológicos, clínico-patológicos e diagnóstico precoce da seneciose bovina no Oeste do Rio Grande do Sul. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(12):1423-1429. Laboratório de Patologia Veterinária, Universidade Federal do Pampa, Uruguaiana, RS 97500-970, Brazil. E-mail: anjosbl@gmail.com A ingestão de Senecio spp. (maria-mole) é, possivelmente, a principal causa de morte de bovinos por agentes tóxicos nas regiões central e sul do Rio Grande do Sul. Ao considerar a limitação de informações acerca dessa condição no Oeste do Rio Grande do Sul, esse trabalho objetiva descrever os principais aspectos epidemiológicos e clínico-patológicos da seneciose em bovinos nessa região. O estudo foi realizado por meio da aplicação de questionários em 16 propriedades rurais de municípios da região que apresentaram casos suspeitos da intoxicação em bovinos, de agosto de 2011 a março de 2014. Durante as visitas as propriedades foram coletadas plantas do gênero Senecio para identificação botânica, bem como se procedeu a coleta de fragmentos de fígado através de biópsia transtorácica para confirmação da intoxicação. As espécies de Senecio mais frequentes nas propriedades foram S. brasiliensis e S. heterotrichius. De um total de 88 bovinos, de nove propriedades distintas, que apresentaram falha no ganho de peso, 69 animais (aproximadamente 80%) foram positivos para seneciose crônica por apresentarem lesões características da intoxicação, tais como fibrose periportal (78% dos casos), megalocitose (76% dos casos) e proliferação de ductos biliares (68% dos casos), classificadas entre discretas e acentuadas. O trabalho confirmou a ocorrência da doença, mesmo em bovinos sem sinais clínicos evidentes. Os resultados obtidos nessas avaliações foram fundamentais para orientar proprietários e técnicos quanto às principais características da doença e às formas de controle a serem adotadas. O emprego da biópsia hepática possibilitou o diagnóstico precoce da intoxicação e auxiliou os criadores quanto ao descarte mais criterioso de bovinos e a real situação da intoxicação no rebanho, minimizando as perdas econômicas.


#4 - Large luteal cell megalocytosis in pregnant cows with chronic seneciosis, 35(1):33-38

Abstract in English:

ABSTRACT.- Krabbe A.A., Gonçalves M.A., Pozzobon R., Pessoa C.R.M., Soares M.P., Costa R.A. & Anjos B.L. 2015. [Large luteal cell megalocytosis in pregnant cows with chronic seneciosis.] Megalocitose de células luteínicas grandes de vacas prenhes com seneciose crônica. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(1):33-38. Laboratório de Patologia Veterinária, Universidade Federal do Pampa, Uruguaiana, RS 97500-970, Brazil. E-mail: anjosbl@gmail.com Several species of Senecio are widely distributed on pasture lands in Southern Brazil. Farmers from this region are known to complain about declines in reproductive rates in cattl from undetermined causes. Several poisonous plants can cause direct and indirect reproductive disorders in cattle in several countries, including Brazil. However, their pathogenetic mechanisms are still poorly understood. The aim of this study is to describe ovarian lesions in cows with chronic seneciosis, from farms located in the Southwest Mesoregion of Rio Grande do Sul, a southern state in Brazil. Twenty-one cases of bovine chronic seneciosis diagnosed between 2011 and 2014 were analyzed. The study showed that chronic seneciosis is the major cause of death in adult cattle in the region. Four pregnant cows showing classical necropsy large luteal cells (LLG) from the ovaries of these four cows had marked megalocytosis and nuclear pseudo-inclusions. Some LLG showed nuclei with up to 23.69μm in diameter and the increase in size of these nuclei was significantly greater than measured those of control cows. It is concluded that the ingestion Senecio spp. induces ovarian changes in cows and the intoxication should be considered as a possible cause of reproductive failure in cattle herds from this region.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Krabbe A.A., Gonçalves M.A., Pozzobon R., Pessoa C.R.M., Soares M.P., Costa R.A. & Anjos B.L. 2015. [Large luteal cell megalocytosis in pregnant cows with chronic seneciosis.] Megalocitose de células luteínicas grandes de vacas prenhes com seneciose crônica. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(1):33-38. Laboratório de Patologia Veterinária, Universidade Federal do Pampa, Uruguaiana, RS 97500-970, Brazil. E-mail: anjosbl@gmail.com Diversas espécies de Senecio estão amplamente difundidas nas pastagens de propriedades rurais do Sul do Brasil. Criadores dessa região relatam quedas nos índices reprodutivos dos rebanhos bovinos, muitas vezes de causas não determinadas. Várias plantas tóxicas são capazes de causar alterações reprodutivas diretas e indiretas em bovinos em diversos países, incluindo o Brasil, no entanto seus mecanismos patogenéticos ainda são pouco compreendidos. O objetivo desse trabalho é descrever lesões ovarianas em vacas com seneciose crônica proveniente de propriedades rurais da mesorregião Sudoeste Rio-grandense. Foram estudados 21 casos positivos de seneciose crônica diagnosticados entre 2011 e 2014. O estudo revelou que a seneciose crônica é a principal causa de morte de bovinos adultos na região. Quatro vacas prenhes apresentaram lesões hepáticas clássicas da intoxicação por Senecio spp. Essas vacas tiveram seus ovários avaliados histologicamente e células luteínicas grandes (CLG) desses ovários apresentavam megalocitose e pseudoinclusões nucleares. Algumas CLG apresentaram núcleos com até 23,69µm de diâmetro e o aumento no tamanho desses núcleos foi significativamente maior que os de vacas controle. Conclui-se que a intoxicação por Senecio spp. causa alterações ovarianas em vacas e é possível que a intoxicação cause perdas reprodutivas nos rebanhos bovinas da região.


#5 - Clinical and pathological aspects of chronic Senecio spp. poisoning in sheep, 34(10):967-973

Abstract in English:

ABSTRACT.- Giaretta P.R., Panziera W., Hammerschmitt M.E., Bianchi R.M., Galiza G.J.N., Wiethan I.S., Bazzi T. & Barros C.S.L. 2014. Clinical and pathological aspects of chronic Senecio spp. poisoning in sheep. Pesquisa Veterinária Brasileira 34(10):967-973. Departamento de Patologia, Universidade Federal de Santa Maria, Av. Roraima 1000, Camobi, Santa Maria, RS 97105-900, Brazil. E-mail: claudioslbarros@uol.com.br This paper describes an outbreak of chronic Senecio spp. poisoning in grazing sheep in Rio Grande do Sul, Brazil, causing the death of 10 out of 860 adult sheep. Eight sick ewes were euthanized and necropsied. Cattle from this farm were also affected. Clinical signs included progressive weight loss, apathy and photosensitization. Four out of seven tested sheep had increased gamma-glutamyl transferase serum activity and two of them presented serum elevation of alkaline phosphatase. At necropsy, three out of eight ewes presented slightly irregular toughened livers with multifocal nodules, two out of eight ewes had a whitish liver with thickened fibrotic Glisson’s capsule partially adhered to the diaphragm, and three out of eight ewes had smooth and grossly normal livers. Necropsy findings attributed to liver failure included hydropericardium (7/8), ascites (5/8), icterus (2/8), hydrothorax (1/8), and edema of mesentery (1/8). The main hepatic histological findings that allowed the establishment of the diagnosis were megalocytosis, proliferation of bile ducts and fibrosis. Spongy degeneration was observed in the brains of all eight necropsied sheep and was more severe at the cerebellar peduncles, mesencephalon, thalamus, and pons. These are suggested as the portions of election to investigate microscopic lesions of hepatic encephalopathy in sheep with chronic seneciosis. The diagnosis of Senecio spp. poisoning was based on epidemiology, clinical signs, laboratory data, necropsy and histological findings.

Abstract in Portuguese:

ABSTRACT.- Giaretta P.R., Panziera W., Hammerschmitt M.E., Bianchi R.M., Galiza G.J.N., Wiethan I.S., Bazzi T. & Barros C.S.L. 2014. Clinical and pathological aspects of chronic Senecio spp. poisoning in sheep. [Aspectos clínico-patológicos da intoxicação crônica por Senecio spp. em ovinos.] Pesquisa Veterinária Brasileira 34(10):967-973. Departamento de Patologia, Universidade Federal de Santa Maria, Av. Roraima 1000, Camobi, Santa Maria, RS 97105-900, Brazil. E-mail: claudioslbarros@uol.com.br Neste trabalho, relata-se um surto de intoxicação crônica por Senecio spp. em ovinos no estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Dez ovelhas adultas de um rebanho de 860 ovinos morreram com sinais da doença e oito que estavam doentes foram eutanasiadas e necropsiadas. Na propriedade, a doença também foi observada em bovinos. Os sinais clínicos nas ovelhas incluíam emagrecimento, apatia e fotossensibilização. Quatro ovelhas, de um total de sete que foram testadas, apresentaram aumento da atividade sérica da gama glutamil transferase e duas apresentaram fosfatase alcalina sérica elevada. Na necropsia, em três dos oito ovinos necropsiados, o fígado estava levemente mais firme, com superfície capsular ligeiramente irregular e com nódulos pálidos na superfície de corte. Em outros três ovinos o fígado era macroscopicamente normal. Em dois dos oito ovinos necropsiados a cápsula de Glisson era brancacenta devido à fibrose e parcialmente aderida ao diafragma. Adicionalmente, foram observadas alterações macroscópicas atribuíveis à insuficiência hepática como hidropericárdio (7/8), ascite (5/8), icterícia (2/8), hidrotórax (1/8) e edema no mesentério (1/8). Histologicamente, as principais alterações observadas, que contribuíram para o estabelecimento do diagnóstico de intoxicação crônica por alcaloides pirrolizidínicos nas ovelhas deste surto foram hepatomegalocitose, proliferação de ductos biliares e fibrose. Todas as ovelhas apresentavam degeneração esponjosa grave no cerebelo e pedúnculos cerebelares, ponte, mesencéfalo e tálamo. Sugere-se que esses sejam os sítios anatômicos de eleição no encéfalo para a observação dessa lesão em ovinos com intoxicação por Senecio spp. O diagnóstico de intoxicação por Senecio spp. foi baseado na epidemiologia, achados clínicos, laboratoriais, de necropsia e histopatológicos.


#6 - Senecio madagascariensis Poir. (Asteraceae): a new cause of seneciosis in cattle in Southern Brazil, 34(9):851-855

Abstract in English:

ABSTRACT.- Stigger A.L., Estima-Silva P., Fiss L., Coelho A.C.B., Santos B.L., Gardner D.R., Marcolongo-Pereira C. & Schild A.L. 2014. [Senecio madagascariensis Poir. (Asteraceae): a new cause of seneciosis in cattle in Southern Brazil.] Senecio madagascariensis Poir. (Asteraceae): uma nova causa de seneciose em bovinos no Sul do Rio Grande do Sul. Pesquisa Veterinária Brasileira 34(9):851-855. Laboratório Regional de Diagnóstico, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal de Pelotas, Campus Universitário s/n, Pelotas, RS 96010-900, Brazil. E-mail: alschild@terra.com.br Two outbreaks of Senecio madagascariensis poisoning in cattle occurred in October 2013 in southern Brazil. Morbidity rate ranged were 3.2% and 6.1%, and lethality rate was 100%. A third case of poisoning occurred on a property in which out of 54 cattle one died with clinical signs of intoxication. In all cases, the cattle were in areas highly infested by S. madagascariensis that was in bloom. The clinical signs were diarrhea, tenesmus, opisthotonus, and progressive weight loss. Death occurred between 10 and 15 days after the onset of clinical signs. At necropsy, lesions were edema in the mesentery, in the wall of the rumen and abomasum, and in the walls of the gall bladder; the liver was firm with marbled aspect. Histologically, the liver had proliferation of fibrous connective tissue, especially in portal areas, hepatomegalocytosis, and bile duct hyperplasia. The observation of large number of S. madagascariensis in several farms in the counties of Arroio Grande, Pedro Osório and Capão do Leão reinforces that this plant is in the process of adaptation and dissemination in this region and that other outbreaks may occur in coming years. The cases reported here apparently resulted from the consumption of the plant during the fall/winter of 2013, when it was in bloom. The quantification of alkaloids in S. madagascariensis revealed the presence of 500 μg/g and 4000μg/g of pyrrolizidine alkaloids in the dry plant from two properties. It is believed that the large amount of the plant in the areas where the animals were and the amount of pyrrolizidine alkaloids found were factors that contributed to the occurrence of outbreaks.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Stigger A.L., Estima-Silva P., Fiss L., Coelho A.C.B., Santos B.L., Gardner D.R., Marcolongo-Pereira C. & Schild A.L. 2014. [Senecio madagascariensis Poir. (Asteraceae): a new cause of seneciosis in cattle in Southern Brazil.] Senecio madagascariensis Poir. (Asteraceae): uma nova causa de seneciose em bovinos no Sul do Rio Grande do Sul. Pesquisa Veterinária Brasileira 34(9):851-855. Laboratório Regional de Diagnóstico, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal de Pelotas, Campus Universitário s/n, Pelotas, RS 96010-900, Brazil. E-mail: alschild@terra.com.br Descrevem-se dois surtos de intoxicação por Senecio madagascariensis Poir. diagnosticados em bovinos em outubro de 2013 na região sul do Rio Grande do Sul. A morbidade foi de 3,2% e de 6,1% respectivamente e a letalidade foi de 100%. Um terceiro caso da intoxicação ocorreu em uma propriedade na qual de 54 bovinos um morreu com sinais clínicos da intoxicação. Em todos os casos, os bovinos estavam em áreas altamente infestas por S. madagascariensis que se encontrava em floração. Os sinais clínicos caracterizaram-se por diarreia, tenesmo, opistótono e emagrecimento progressivo e a morte ocorreu entre 10 e 15 dias após o início dos sinais clínicos. Nas necropsias as lesões eram de edema do mesentério, das paredes do abomaso e do rúmen, e das paredes da vesícula biliar, além de fígado firme e com aspecto marmorizado. Histologicamente havia no fígado proliferação de tecido conjuntivo fibroso, principalmente nos espaços porta, megalocitose e hiperplasia de ductos biliares. A observação de grande quantidade de S. madagascariensis em várias propriedades nos municípios de Arroio Grande, Pedro Osório e Capão do Leão a partir do ano 2013 sugere que esta planta está em pleno processo de adaptação e disseminação nesta região e que outros surtos podem ocorrer nos próximos anos. Os surtos relatados aparentemente resultaram do consumo da planta durante o outono/inverno de 2013, quando a mesma estava já em floração. A quantificação dos alcaloides revelou a presença de 500 µg/g e 4000µg/g de planta seca de alcaloides pirrolizidínicos em duas das três propriedades com casos de seneciose. Acredita-se que a grande quantidade de planta existente nas áreas onde os animais estavam e a quantidade de alcaloides presentes na mesma foram fatores que determinaram a ocorrência dos surtos.


#7 - Seneciosis in cattle associated with photosensitization, 34(5):427-432

Abstract in English:

ABSTRACT.- Giaretta P.R., Panziera W., Galiza G.J.A., Brum J.S., Bianchi R.M., Hammerschmitt M.E., Bazzi T. & Barros C.S.L. 2014. Seneciosis in cattle associated with photosensitization. Pesquisa Veterinária Brasileira 34(5):427-432. Laboratório de Patologia Veterinária, Departamento de Patologia, Universidade Federal de Santa Maria, Camobi, Santa Maria, RS 97105-900, Brazil. E-mail: claudioslbarros@uol.com.br Senecio spp. poisoning is the main cause of cattle mortality in the central region of Rio Grande do Sul. This paper reports an outbreak of seneciosis in cattle with high prevalence of photosensitization, where 83 out of 162 cows (51.3%) presented this clinical sign. The outbreak occurred in September 2013, affecting adult cows that were held in a 205 hectare-pasture from April to October 2013 with abundant Senecio brasiliensis infestation. Main clinical signs were weight loss, excessive lacrimation or mucopurulent ocular discharge, nasal serous discharge, ventral diphteric glossitis, crusts in the nose, teats, dorsum of ears, and vulva. Liver biopsy was performed in all the cows under risk; the histopathological findings in the liver biopsies consisted of fibrosis, megalocytosis, and biliary ductal proliferation and were present in 73.4% of the biopsied animals. Six cows had increased serum activity of gamma glutamyl transferase. Three affected cows were necropsied. The main necropsy findings were a hard liver, distended gall bladder, edema of the mesentery and abomasum. Liver histological changes in the necropsied cows were similar to those of the biopsied livers. Spongiosis was detected in the brain of necropsied cows and is characteristic of hepatic encephalopathy.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Giaretta P.R., Panziera W., Galiza G.J.A., Brum J.S., Bianchi R.M., Hammerschmitt M.E., Bazzi T. & Barros C.S.L. 2014. Seneciosis in cattle associated with photosensitization. [Seneciose em bovinos associada a fotossensibilização.] Pesquisa Veterinária Brasileira 34(5):427-432. Laboratório de Patologia Veterinária, Departamento de Patologia, Universidade Federal de Santa Maria, Camobi, Santa Maria, RS 97105-900, Brazil. E-mail: claudioslbarros@uol.com.br A intoxicação por plantas do gênero Senecio é a principal causa de morte de bovinos na região central do Rio Grande do Sul. Neste trabalho, relata-se um surto de intoxicação por Senecio brasiliensis em bovinos com alta prevalência de fotossensibilização, onde 83 vacas de um total de 162 (51,3%) apresentaram esse sinal clínico. O surto ocorreu em setembro a outubro de 2013, acometendo vacas adultas que foram colocadas de abril a início de outubro de 2013 em um campo de 205 hectares com abundante infestação por Senecio brasiliensis. Os principais sinais clínicos foram emagrecimento, lacrimejamento excessivo ou secreção ocular mucopurulenta, secreção nasal serosa, glossite diftérica ventral e crostas no plano nasal, tetos, ponta das orelhas e na vulva. Realizou-se biópsia hepática em todas as vacas do rebanho; os principais achados histopatológicos nas bipósias hepáticas foram fibrose hepática, megalocitose e proliferação de ductos biliares. As lesões hepáticas foram observadas em 73,4% dos bovinos submetidos à biópsia hepáica. Seis vacas testadas apresentaram aumento da atividade sérica da gama glutamil transferase. Três vacas doentes foram necropsiadas. Nas vacas necropsiadas, o fígado era firme, a vesícula biliar distendida e havia edema do mesentério e do abomaso. As lesões histológicas observadas nos fígados dos bovinos necropsiados eram semelhantes às encontradas nas biópsias hepáticas. Espongiose foi detectada no cérebro das vacas necropsiadas e é uma lesão característica de encefalopatia hepática.


#8 - Sheep grazing for control of Senecio spp. according to infestation level and phenology,

Abstract in English:

ABSTRACT.- Karam F.C., Moraes J.C. F. & Schild A.L. 2013. [Sheep grazing for control of Senecio spp. according to infestation level and phenology.] Controle de Senecio spp. com pastoreio ovino de acordo com sua infestação e fenologia. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(9):1109-1115. Instituto de Pesquisas Veterinárias Desidério Finamor, Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária, Estrada do Conde 6000, Eldorado do Sul, RS 92990-000, Brazil. E-mail: fernandockaram@yahoo.com.br Senecio spp. poisoning is the major cause of death among cattle in Rio Grande do Sul (RS), Brazil. There are no efficient therapeutic measures, but sheep are more resistant and have been used as natural control. The aim of this paper was to assess the efficiency of sheep grazing in different seasons of the year (spring-winter), determining the best time for interference in plant phenology, especially in reproductive phases, and relative Senecio infestation in the pasture. The experiment was conducted on two farms located in the Campanha region of RS, in 50x100m plots, with water availability and with different levels of infestation by Senecio spp. The level of infestation, regardless of the species, was determined by the average number of plants at three random sites measuring 2m in diameter each, within the area of study. In 12 phenological observation points defined in each plot, one to three plants showed low infestation (IB) and four to six plants revealed average infestation (IM), both located on farm A; seven to nine plants had high infestation (IA) and 10 or more plants showed very high infestation (IMA), located on farm B. The plots were on different farms because it was not possible to find all infestation levels on a single farm. The following parameters were evaluated on day 0 (before the introduction of sheep) and every 15 days during the spring of 2009 (year 1) and the winter and spring of 2010 (year 2): number of plants of the Senecio species, reproductive phenophases, vigor, and plant consumption by the sheep. Control was carried out in year 2, in six phenological observation points, which were identical and contiguous to each plot, without sheep grazing, with regular cattle and horse grazing, following the rotation scheme used on the farms. At baseline, each control had the same level of infestation by Senecio spp. corresponding to the experimental area. Between the spring of 2009 and the winter of 2010, the sheep were removed and both cattle and horses were allowed to graze on the plots. The statistical analysis consisted of simple regression and the means were compared by covariance. Reproductive phenophases, vigor, and plant consumption by the sheep, which did not have a normal distribution, were compared by Wilcoxon nonparametric test. The results demonstrated that sheep grazing had a negative impact on the development of Senecio species and that, in winter, it inhibits their future reproductive phenophases. Given the phenological and environmental conditions, as well as the risk for the cattle, the control of Senecio spp. by sheep grazing was more efficient in winter than in spring. Due to the negative impact on plant growth, mainly with regard to reproductive phenophases, with reduction of seed production, sheep grazing is an alternative for the biological control of Senecio spp., which will contribute to reduce their infestation in the medium and long term in RS and, consequently, the damage to cattle breeding.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Karam F.C., Moraes J.C. F. & Schild A.L. 2013. [Sheep grazing for control of Senecio spp. according to infestation level and phenology.] Controle de Senecio spp. com pastoreio ovino de acordo com sua infestação e fenologia. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(9):1109-1115. Instituto de Pesquisas Veterinárias Desidério Finamor, Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária, Estrada do Conde 6000, Eldorado do Sul, RS 92990-000, Brazil. E-mail: fernandockaram@yahoo.com.br Intoxicação por Senecio spp. é a principal causa de morte de bovinos no Rio Grande do Sul (RS) e não há medidas terapêuticas eficazes, mas os ovinos são mais resistentes e têm sido usados como controladores naturais da planta. O objetivo desse trabalho foi avaliar a eficiência do pastoreio com ovinos em diferentes estações do ano (primavera-inverno) determinando a melhor época pela interferência desse pastoreio na fenologia da planta, especialmente nas fases reprodutivas, e em relação à infestação na pastagem. O experimento foi desenvolvido em duas propriedades localizadas na região da Campanha do RS, em módulos de 50m X 100m, com água disponível e com diferentes graus de infestação por Senecio spp. O grau de infestação, independentemente da espécie, foi determinado pela média do número de plantas em três pontos aleatórios com diâmetro de 2m cada, dentro da área de estudo. Em 12 pontos de observação fenológica definidos em cada módulo, uma a três plantas representou infestação baixa (IB) e quatro a seis plantas infestação média (IM), ambos localizados na propriedade A; sete a nove plantas infestação alta (IA) e 10 ou mais plantas foi considerada infestação muito alta (IMA), localizados na propriedade B. Os módulos localizaram-se em propriedades distintas porque não foram encontrados todos os níveis de infestação numa única propriedade. Nesses pontos foram avaliados os seguintes parâmetros no dia 0 (antes da entrada dos ovinos) e a cada 15 dias durante a primavera de 2009 (primeiro ano) e inverno e primavera de 2010 (segundo ano): número de exemplares das espécies de Senecio presentes, fenofases reprodutivas, vigor e consumo. O controle foi feito no segundo ano do experimento, em seis pontos de observação fenológica, estabelecidos de forma idêntica ao módulo, em área contígua a cada um dos módulos, sem pastoreio ovino, com pastoreio periódico de bovinos e equinos, seguindo o manejo de rodízio aplicado nas propriedades. No momento da instalação, cada controle tinha o mesmo grau de infestação de Senecio spp. correspondente à área experimental. No intervalo de tempo experimental, entre a primavera de 2009 e o inverno de 2010, os ovinos foram retirados e os módulos abertos ao pastoreio de bovinos e equinos. A análise estatística foi feita através de regressão simples e a comparação das médias por covariância, sendo que as variáveis fenofase reprodutiva, vigor e consumo, que não apresentaram distribuição normal, foram comparadas pelo teste não paramétrico de Wilcoxon. Os resultados demonstraram que o pastoreio ovino interferiu negativamente no desenvolvimento das espécies de Senecio acompanhadas e que, no inverno, inibe as futuras fenofases reprodutivas das plantas. Considerando as condições fenológicas, ambientais e de maior risco para os bovinos, o controle de Senecio spp. com ovinos, no inverno, é mais eficaz do que na primavera. Pela interferência negativa na planta, especialmente em relação às fenofases reprodutivas, diminuindo a produção de sementes, o pastoreio ovino é uma alternativa de controle biológico de Senecio spp. que reduzirá a infestação a médio e longo prazo no RS, consequentemente, o prejuízo à bovinocultura.


#9 - Poisoning by Senecio spp. in cattle in southern Brazil: Favorable conditions and control measures, 31(7):603-609

Abstract in English:

ABSTRACT.- Karam F.C., Schild A.L. & Mello J.R.B. 2011. [Poisoning by Senecio spp. in cattle in southern Brazil: Favorable conditions and control measures.] Intoxicação por Senecio spp. em bovinos no Rio Grande do Sul: condições ambientais favoráveis e medidas de controle. Pesquisa Veterinária Brasileira 31(7):603-609. Instituto de Pesquisas Veterinárias Desidério Finamor, Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária, Estrada do Conde 6000, Eldorado do Sul, RS 92990-000, Brazil. E-mail: fernandockaram@yahoo.com.br The study aimed to review the main aspects of Senecio spp. poisoning in Rio Grande do Sul, sou-thern Brazil, in relation to the pathology, pathogenesis and epidemiology of this important cause of death in cattle in that State. The main climatic and environmental factors that apparently favor the emersion and plant establishment were revised. The occurrence of poisoning, which has increased its frequency in recent years in the state, and possible ways to control the plant, including the correct handling of soil and the use of less susceptible domestic species in invaded areas were also discussed.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Karam F.C., Schild A.L. & Mello J.R.B. 2011. [Poisoning by Senecio spp. in cattle in southern Brazil: Favorable conditions and control measures.] Intoxicação por Senecio spp. em bovinos no Rio Grande do Sul: condições ambientais favoráveis e medidas de controle. Pesquisa Veterinária Brasileira 31(7):603-609. Instituto de Pesquisas Veterinárias Desidério Finamor, Fundação Estadual de Pesquisa Agropecuária, Estrada do Conde 6000, Eldorado do Sul, RS 92990-000, Brazil. E-mail: fernandockaram@yahoo.com.br Este trabalho teve por objetivo revisar os principais aspectos da intoxicação por Senecio spp. no Rio Grande do Sul no que se refere à patologia, patogenia e epidemiologia dessa importante causa de morte em bovinos nesse Estado. Foram abordados, também, os principais fatores climáticos e ambientais que aparentemente favorecem a emergência e o estabelecimento da planta e a ocorrência da intoxicação, que tem aumentado a sua frequência nos últimos anos no Estado, e as possíveis formas de controle da planta incluindo o manejo correto do solo e a utilização de espécies domésticas menos susceptíveis nas áreas invadidas.


#10 - Chronic seneciosis in sheep in southern Rio Grande do Sul, Brazil, 31(4):326-330

Abstract in English:

ABSTRACT.- Grecco F.B., Estima-Silva P., Marcolongo-Pereira C., Soares M.P., Collares G. & Schild A.L. 2011. [Chronic seneciosis in sheep in southern Rio Grande do Sul, Brazil.] Seneciose crônica em ovinos no sul do Rio Grande do Sul. Pesquisa Veterinária Brasileira 31(4):326-330. Laboratório Regional de Diagnóstico, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal de Pelotas, Campus Universitário s/n, Pelotas, RS 96010-900, Brazil. E-mail: alschild@terra.com.br Two outbreaks of Senecio spp. poisoning in grazing sheep in southern Rio Grande do Sul are described. The disease occurred in 2006 on two farms that were heavily infested with Senecio spp. and had shortage of forage. The morbidity in both outbreaks was 10% and 9.5%, respectively. In one case the sheep were born and had grown up on the farm. On the other, the sheep flock was introduced into the farm some months before the outbreak. Clinical signs included progressive emaciation, apathy, weakness, jaundice and photodermatitis. At necropsy, the sheep had an augmented yellowish and firm liver with irregular capsular surface, and an extended and edematous gallbladder. There was distension and edema of the gallbladder. The cut surface the liver showed well-circumscribed whitish nodules measuring 1-3mm in diameter, which were randomly scattered throughout the hepatic parenchyma. There was also edema of mesentery and ascitis. Histopathological findings of the liver included hepatomegalocytosis, bile duct hyperplasia and periportal fibrosis. There were also swollen hepatocytes, randomly scattered necrotic hepatocytes and nuclear pseudo inclusions. Hepatic encephalopathy (status spongiosus) was observed in the brain in all necropsied sheep. The diagnosis of Senecio poisoning was based on epidemiological data, clinical signs, necropsy findings and histological lesions. It was concluded that despite infrequent, Senecio spp. poisoning in sheep may occur when animals are placed in areas heavily invaded by the plants. Although sheep can efficiently control Senecio spp. in paddocks, this apparently depends on the stocking rate, and outbreaks may occur when stocking rate is less than 0.2 sheep per hectare and when there is severe shortage of forage.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Grecco F.B., Estima-Silva P., Marcolongo-Pereira C., Soares M.P., Collares G. & Schild A.L. 2011. [Chronic seneciosis in sheep in southern Rio Grande do Sul, Brazil.] Seneciose crônica em ovinos no sul do Rio Grande do Sul. Pesquisa Veterinária Brasileira 31(4):326-330. Laboratório Regional de Diagnóstico, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal de Pelotas, Campus Universitário s/n, Pelotas, RS 96010-900, Brazil. E-mail: alschild@terra.com.br Descrevem-se dois surtos de intoxicação por Senecio spp. em ovinos a campo no sul do Rio Grande do Sul. A enfermidade ocorreu no ano 2006 em duas propriedades que estavam severamente invadidas pela planta e com acentuada escassez de forragem. A morbidade nos dois surtos variou de 10% a 9,5% nas duas propriedades, respectivamente. Na primeira propriedade os animais eram nascidos e criados na área e na outra os ovinos haviam sido adquiridos alguns meses antes do surto. Os sinais clínicos caracterizaram-se por emagrecimento progressivo, apatia, fraqueza, icterícia e fotossensibilização. Macroscopicamente, o fígado dos ovinos necropsiados estava aumentado de tamanho, amarelado, com superfície capsular irregular e vesícula biliar aumentada de tamanho e com edema da parede. Ao corte no fígado havia nódulos bem delimitados, esbranquiçados com 1-3mm de diâmetro. Havia, ainda, ascite e discreto edema de mesentério. Microscopicamente, as lesões hepáticas eram semelhantes em todos os fígados e caracterizadas por megalocitose, fibrose periportal, presença de hepatócitos tumefeitos, vacuolizados e de hepatócitos necróticos distribuídos aleatoriamente pelo parênquima hepático, hiperplasia das células dos ductos biliares e presença de pseudo-inclusões nos núcleos de hepatócitos. Encefalopatia hepática (status spongiosus) foi observada em todos os ovinos necropsiados. O diagnóstico foi baseado na epidemiologia, sinais clínicos, lesões macroscópicas e histológicas observadas. Concluiu-se que, apesar de a intoxicação por Senecio spp. ser pouco frequente em ovinos e essa espécie animal controlar eficientemente a planta, isso, aparentemente, depende da lotação utilizada e surtos da intoxicação podem ocorrer quando esta lotação é menor que 0,2 ovinos por hectare e há carência de forragem acentuada.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV