Resultado da pesquisa (8)

Termo utilizado na pesquisa insulin

#1 - Glucose and insulin curve in pregnant mares and its relationship with clinical and biometric features of newborn foals

Abstract in English:

The aim of the present study was to describe the dynamics of glucose and insulin curves in pregnant mares, and to evaluate the curves according to body condition score, identifying the presence of insulin resistance and correlating these values with the weight, height and clinical changes of the neonates. For this, pregnant mares were evaluated and then grouped according to body condition score during the gestation length until lactation. GrM corresponds to mares with moderate body score (BCS 5-6); GrOv were mares with overweight body score (BCS 7) and GrOb were obese mares (BCS 8-9). A two-step oral sugar test (OST) was used to determine the data. Cortisol analysis was performed with 300-320 days of gestation, at foaling and after parturition. For evaluation of the neonate, a general clinical examination and, weight and height measurements were performed. The results showed hyperglycemia in response to OST with normal insulin values at foaling with a subsequent fall in both values at lactation disregarding group division. Baseline glucose was decreased in GrM compared to GrOv and GrOb with 70-100 days of gestation and with 130-160 days of gestation. With 270-300 days of gestation and post-partum GrOb had increased baseline glucose than GrM. After OST, glucose at foaling day in GrOb presented increased values than GrM. Baseline insulin values did not differ between groups. Post OST insulin levels were higher in GrOb than GrM and GrOv at parturition. No difference in cortisol between moments was identified. GrOb and GrOv maintained increased concentrations after foaling while GrM had a decrease. No correlation was found between maternal glucose and insulin values with foal weight and height, however, a lower ratio between neonatal weight and mare’s weight in GrOb and GrOv was identified in relation to the GrM. At foaling, mares presented glucose dysregulation, with obese and overweight mares presenting a greater response to OST.

Abstract in Portuguese:

O objetivo do presente estudo foi descrever a dinâmica das curvas de glicose e insulina em éguas gestantes e avaliar as curvas de acordo com o escore de condição corporal, identificando a presença de resistência insulínica e correlacionando esses valores com o peso, altura e alterações clínicas dos neonatos. Para isso, as éguas prenhes foram avaliadas em conjunto e agrupadas de acordo com o escore de condição corporal durante a gestação até o pós-parto. GrM pertenciam éguas com escore corporal moderado (EC 5-6); GrOv, grupo de éguas com escore corporal acima do peso (EC 7) e GrOb, grupo de éguas obesas (EC 8-9). O teste de glicose oral em duas etapas (OST) foi usado para determinar os dados. A análise do cortisol também foi realizada nos 300-320 dias de gestação, no dia do parto e após o parto. Para avaliação do neonato, foram realizados exame clínico geral e medidas de peso e altura. Os resultados mostraram hiperglicemia em resposta ao OST com valores normais de insulina no momento parto, com uma queda subsequente em ambas as variáveis na lactação, desconsiderando a divisão do grupo. A glicemia basal diminuiu no GrM em comparação com GrOv e GrOb com 70-100 dias de gestação e com 130 160 dias de gestação. Com 270-300 dias de gestação e no pós-parto, o GrOb apresentou aumento na glicemia basal em relação ao GrM. Após OST, a glicose no dia do parto no GrOb apresentou valores aumentados em relação ao GrM. Os valores basais de insulina não diferiram entre os grupos. Após OST níveis de insulina foram maiores no GrOb do que GrM e GrOv no momento do parto. Não houve diferença nos valores de cortisol entre os momentos. O GrOb e GrOv mantiveram cortisol aumentado após o parto enquanto o GrM diminuiu. Não foi encontrada correlação entre os valores de glicemia e insulina materna com o peso e a altura do potro, entretanto, foi identificada uma relação menor entre o peso neonatal e o peso da égua no GrOb e GrOv em relação ao GrM. No parto, as éguas apresentaram desregulação da glicose, sendo que as éguas obesas e com sobrepeso apresentaram uma resposta maior ao OST.


#2 - Insulin favors acute inflammatory reaction in alloxan‑diabetic tilapia during infectious aerocystitis

Abstract in English:

In vertebrates, the inflammatory reaction is responsible for modulating the initial nonspecific defense until specific immunity is acquired. In this context, numerous studies in mammals have demonstrated the participation of insulin in the inflammatory response, favoring cell proliferation and the migratory capacity of endothelial cells, vascular smooth muscle cells and monocytes, as well as mediating the expression of pro-thrombotic and pro-fibrotic factors. However, little is known about the effect of this peptidic hormone on the inflammatory reaction in teleostean fish. In order to evaluate the participation of insulin in the acute inflammatory response of Nile tilapia, Oreochromis niloticus, during aerocystitis induced by Aeromonas hydrophila, and 48 aloxane-diabetic tilapia were used, constituting two groups: diabetics treated with insulin and diabetics without treatment. After six, 24, and 48 hours of inflammatory stimulation, tilapia were submitted to deep anesthesia for euthanasia and necropsy, and thus, obtaining exudate and harvesting of the swim bladder for analysis of the inflammatory reaction. Based on this premise, the present study demonstrated the participation of insulin in the acute inflammatory reaction of alloxan-diabetic tilapia by favors the cellular accumulation in the exudate, the proliferative effect of fibrous tissue and neovascularization in the inflamed site. Such findings reinforce the old hypothesis that insulin plays an important role in the innate immune response during acute inflammatory reaction, being an important pro-inflammatory hormone. However, Nile tilapia proved to be a promising experimental model for studies and advances in research involving diabetes mellitus.

Abstract in Portuguese:

Em vertebrados, a reação inflamatória é responsável por modular a defesa inicial não-específica, até que imunidade específica seja adquirida. Neste contexto, inúmeros estudos em mamíferos têm demonstrado a participação da insulina sobre a resposta inflamatória, favorecendo a proliferação celular e a capacidade migratória das células endoteliais, células do músculo liso vascular e dos monócitos, além de mediar a expressão de fatores pró-trombótico e pró-fibrótico. Porém, pouco se conhece o efeito deste hormônio peptídico sobre a reação inflamatória em peixes teleósteos. Para avaliar a participação da insulina sobre a resposta inflamatória aguda em tilápias do Nilo, Oreochromis niloticus, na aerocistite induzida por Aeromonas hydrophila, foram utilizadas 48 tilápias aloxano-diabéticas, constituindo dois grupos: dos diabéticos tratados com insulina e diabéticos sem tratamento. Após, seis, 24 e 48 horas do estimulo inflamatório, as tilápias foram submetidas à anestesia profunda para eutanásia e necropsia, e assim, obtenção de exsudato e colheita da bexiga natatória para analise da reação inflamatória. Partindo-se desta premissa, o presente estudo demonstrou a participação da insulina na reação inflamatória aguda infecciosa de tilápias do Nilo aloxano-diabéticas por favorecer o acúmulo positivo celular no exsudato, assim como o efeito proliferativo de tecido fibroso e a neovascularização no local inflamado. Tais achados reforçam a hipótese de que a insulina desempenha importante papel na resposta imune inata na reação inflamatória aguda, sendo um importante hormônio pró-inflamatório. Contudo, a tilápia do Nilo demonstrou ser um modelo experimental promissor para estudos e avanços em pesquisas envolvendo o diabetes mellitus.


#3 - Standardization of ELISA for the measurement of Insulin-Like Growth Factor I (IGF-I) in bovine plasm, 37(12):1545-1553

Abstract in English:

ABSTRACT.- Maioli M.A. & Nogueira G.P. 2017. [Standardization of ELISA for the measurement of Insulin-Like Growth Factor I (IGF-I) in bovine plasm.] Padronização da quantificação do fator de crescimento semelhante a insulina I (IGF-I) em plasma bovino por ELISA. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(12):1545-1553. Departamento de Apoio a Produção e Saúde Animal, Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba, Universidade Estadual Paulista, Unesp-Araçatuba, Rua Clóvis Pestana 793, Araçatuba, SP 16050-680, Brazil. E-mail: maioli_marcos@hotmail.com This study aimed to standardize an in house competitive enzyme-linked immunosorbent assay (cELISA) to determine plasma concentrations of total insulin-like growth factor I (IGF-I) for the bovine specie using the amplification biotin-streptavidin peroxidase system. The IGF-I was extracted from insulin-like growth factor binding proteins (IGFBPs) using the acidified glycine buffer followed by the pH neutralization with sodium hydroxide. The microplates were coated with anti-rabbit IgG, thereafter the measurements were carried out using two approaches, one with a prior incubation of samples with the anti-h-IGF-I antibody and another without previous incubation (simultaneous addition of IGF-I and biotinylated sample). The best results were obtained using the method without the prior incubation, using the following combination of reagents: microplates were coated with 0.25µg/well of anti-rabbit IgG, the specific antibody at a dilution of 1:250,000 and 0.06ng/well of biotinylated IGF-I. The in house methodology showed sensitivity of 50ng/ml, a correlation between doses of 0.945 when compared to a commercial method. In addition, after 33 assays (quantification of 1114 samples) the proposed methodology presented a good precision, with inter-assay variation coefficients of 12.94% and 20.71% for the high and low controls, respectively. Finally, we concluded that ELISA method for the quantification of total IGF-I using the system biotin-streptavidin-peroxidase amplification in a competitive assay is established and is presented as a useful tool for studies aimed at monitoring the IGF-I concentrations.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Maioli M.A. & Nogueira G.P. 2017. [Standardization of ELISA for the measurement of Insulin-Like Growth Factor I (IGF-I) in bovine plasm.] Padronização da quantificação do fator de crescimento semelhante a insulina I (IGF-I) em plasma bovino por ELISA. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(12):1545-1553. Departamento de Apoio a Produção e Saúde Animal, Faculdade de Medicina Veterinária de Araçatuba, Universidade Estadual Paulista, Unesp-Araçatuba, Rua Clóvis Pestana 793, Araçatuba, SP 16050-680, Brazil. E-mail: maioli_marcos@hotmail.com Esse estudo teve como objetivo a padronização de um ensaio imunoenzimático competitivo (cELISA) in house para a determinação das concentrações plasmáticas do fator de crescimento semelhante a insulina I (IGF-I) total para a espécie bovina, utilizando o sistema de amplificação biotina-estreptavidina peroxidase. O IGF-I foi extraído das proteínas ligadoras do fator de crescimento semelhante a insulina I (IGFBP), utilizando o tampão glicina acidificado seguido de neutralização do pH com hidróxido de sódio. As microplacas foram sensibilizadas com anti IgG de coelho, e as dosagens realizadas utilizando duas abordagens, um método com incubação prévia das amostras com o anticorpo anti-h-IGF-I e outro sem incubação prévia (adição simultânea de IGF-I biotilinado e amostra). Os melhores resultados foram obtidos utilizando o método sem incubação prévia, com a sensibilização da placa com 0,25μg/poço de anti-IgG de coelho, o anticorpo específico na diluição 1:250.000 e 0,06ng/poço de IGF-I biotinilado. O ensaio in house apresentou um limite inferior de detecção de 50ng/mL, uma correlação de 0,945 entre doses quando comparado a uma metodologia comercial. Os coeficientes de variação inter-ensaio de 12,94% (345,8ng/mL) para os controles alto e 20,71% (131,6ng/mL) para o baixo. Dessa forma, conclui-se que a metodologia imunoenzimática para quantificação de IGF-I total utilizando o sistema de amplificação biotina-estreptavidina peroxidase em um ensaio competitivo está estabelecida e apresenta-se como uma ferramenta útil para estudos que visem o monitoramento das concentrações de IGF-I.


#4 - Insulin binding characteristics in canine muscle tissue: effects of the estrous cycle phases, 36(8):761-766

Abstract in English:

ABSTRACT.- Pöppl A.G., Valle S.C., González F.H.D., Kucharski L.C. & Da Silva R.S.M. 2016. Insulin binding characteristics in canine muscle tissue: effects of the estrous cycle phases. Pesquisa Veterinária Brasileira 36(8):761-766. Setor de Clínica de Pequenos Animais, Hospital de Clínicas Veterinárias. Departamento de Medicina Animal, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: alan.poppl@ufrgs.br Hormonal fluctuations during the different estrous cycle are a well-recognized cause of insulin resistance in bitches, and little is known about insulin receptor binding or post-binding defects associated with insulin resistance in dogs. To evaluate insulin binding characteristics in muscle tissue of bitches during the estrous cycle, 17 owned bitches were used in the study (six in anestrus, five in estrus, and six in diestrus). An intravenous glucose tolerance test (IVGTT) was performed in all patients by means of injection of 1mL/kg of a glucose 50% solution (500mg/kg), with blood sample collection for glucose determination at 0, 3, 5, 7, 15, 30, 45 and 60 minutes after glucose infusion. Muscle samples, taken after spaying surgery, were immediately frozen in liquid nitrogen and then stored at -80 ºC until the membranes were prepared by sequential centrifugation after being homogenized. For binding studies, membranes were incubated in the presence of 20,000cpm of human 125I-insulin and in increasing concentrations of unlabeled human regular insulin for cold saturation. The IVGTT showed no differences among bitches during the estrous cycle regarding baseline glycemia or glycemic response after glucose infusion. Two insulin binding sites - high-affinity and low-affinity ones - were detected by Scatchard analysis, and significant statistical differences were observed in the dissociation constant (Kd1) and maximum binding capacity (Bmax1) of the high-affinity binding sites. The Kd1 for the anestrus group (6.54±2.77nM/mg of protein) was smaller (P<0.001) than for the estrus (28.54±6.94nM/mg of protein) and diestrus (15.56±3.88nM/mg of protein) groups. Bmax1 in the estrus (0.83±0.42nM/mg of protein) and diestrus (1.24±0.24nM/mg of protein) groups were also higher (P<0.001) than the values observed in anestrus (0.35±0.06nM/mg of protein). These results indicate modulation of insulin binding characteristics during different phases of the estrous cycle in dogs, showing that muscle insulin binding affinity for its receptor is reduced during estrus and diestrus. However, this poor hormone-receptor affinity is compensated for by a greater total binding capacity, once there is no difference in patients’ glycemic response after an intravenous glucose load.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Pöppl A.G., Valle S.C., González F.H.D., Kucharski L.C. & Da Silva R.S.M. 2016. Insulin binding characteristics in canine muscle tissue: effects of the estrous cycle phases. [Características de ligação da insulina no tecido muscular canino: efeitos da fase do ciclo estral.] Pesquisa Veterinária Brasileira 36(8):761-766. Setor de Clínica de Pequenos Animais, Hospital de Clínicas Veterinárias. Departamento de Medicina Animal, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: alan.poppl@ufrgs.br As flutuações hormonais durante as diferentes fases do ciclo estral são uma causa importante de resistência insulínica em fêmeas caninas, e poucas informações são conhecidas sobre defeitos na ligação da insulina ao seu receptor, ou defeitos pós-receptor associados com resistência à insulina em cães. Para avaliar as características da ligação insulina-receptor no tecido muscular de cadelas durante o ciclo estral, dezessete pacientes foram utilizadas no estudo (seis em anestro, cinco em estro e seis em diestro). Um teste de tolerância à glicose intravenosa (IVGTT) foi realizado em todas as pacientes por meio da infusão de 1mL/kg de uma solução de glicose 50% (500mg/kg), com coletas de sangue para determinação de glicemia nos tempos 0, 3, 5, 7, 15, 30, 45 e 60 minutos da injeção de glicose. Amostras de tecido muscular foram coletadas durante ovariohisterectomia, imediatamente congeladas em nitrogênio líquido, e posteriormente armazenadas a -80°C até a preparação das membranas por meio de homogeneização e centrifugação sequencial. Para os experimentos de ligação hormônio-receptor, as membranas foram incubadas na presença de 20.000cpm de 125I-insulina humana, e concentrações crescentes de insulina regular humana não marcada para saturação fria. O IVGTT não mostrou diferenças entre as pacientes em diferentes fases do ciclo estral com relação a glicemia basal, ou na resposta glicêmica após infusão de glicose nos tempos estudados. Dois sítios de ligação da insulina, um de alta-afinidade, e outro de baixa afinidade, foram detectados pela análise de Scatchard, e diferenças significativas foram detectadas na constante de dissociação (Kd1) e capacidade de ligação máxima (Bmax1) dos sítios de ligação de alta-afinidade. O Kd1 para o grupo anestro (6,54±2,77nM/mg de proteína) foi menor (P<0,001) que os Kd1 dos grupos estro (28,54±6,94 nM/mg de proteína) e diestro (15,56±3,88nM/mg de proteína). Os Bmax1 dos grupos estro (0,83±0,42nM/mg de proteína) e diestro (1,24±0,24nM/mg de proteína) também foram maiores que os valores encontrados no grupo anestro (0,35±0,06nM/mg de proteína). Estes resultados demonstram uma modulação das características de ligação da insulina nas diferentes fases do ciclo estral em cães, evidenciando uma menor afinidade de ligação da insulina ao seu receptor no tecido muscular durante o estro e diestro. Contudo, esta menor afinidade de ligação hormônio-receptor é compensada por uma maior capacidade de ligação, o que fica também evidenciado pela ausência de diferenças na resposta glicêmica das pacientes após um desafio com glicose por via endovenosa.


#5 - Influence of Insulin-like Growth Factor I (IGF-I) on the survival and the in vitro development of caprine preantral follicles, 34(10):1037-1044

Abstract in English:

ABSTRACT.- Costa S.L., Costa E.P., Pereira E.C.M., Benjamin L.A., Rodrigues M.T., Mendes V.R.A. & Silva T.F. 2014. Influence of Insulin-like Growth Factor I (IGF-I) on the survival and the in vitro development of caprine preantral follicles. Pesquisa Veterinária Brasileira 34(10):1037-1044. Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas e da Saúde, Laboratório de Maturação de Ovócitos e Fertilização In Vitro, Universidade Federal de Viçosa, Avenida Peter Henry Rolfs s/n, Campus Universitário, Viçosa, MG 36570-900, Brazil. E-mail: sanelylc@hotmail.com The aim of this study was to investigate the effects of the insulin-like growth factor -I (IGF-I) on survival, activation (transition from primordial to primary follicles) and growth of caprine preantral follicles cultured in vitro. Fragments of ovarian cortex were cultured for one and seven days in the absence or presence of IGF-I (0, 50 and 100ng/ml). The non-cultured and cultured tissues were processed and analyzed by histology and transmission electron microscopy. The culture for one day in a medium with 100ng/ml of IGF-I showed 86.7% of morphologically normal follicles. These results were similar (P>0.05) to the percentage of normal follicles found in the control (96.7%). It was also found that this medium increased the percentage of follicular activation (developing follicles) with one day of culture. The oocyte and follicular diameters remained similar to the control by culturing for one day in a medium containing 100ng/ml of IGF-I. The ultrastructural analysis did not confirm the integrity of the follicular fragments in a medium containing IGF-I (100ng/ml) after one and seven days of culture. In conclusion, this study demonstrated that the addition of 100 ng/ml of IGF-I in the culture medium enables the development of preantral follicles of goats with one day of culture. However, it is not sufficient to maintain the follicular integrity and the follicular survival rate after seven days of culture.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Costa S.L., Costa E.P., Pereira E.C.M., Benjamin L.A., Rodrigues M.T., Mendes V.R.A. & Silva T.F. 2014. Influence of Insulin-like Growth Factor I (IGF-I) on the survival and the in vitro development of caprine preantral follicles. [Influência do Fator de Crescimento Semelhante à Insulina-I (IGF-I) sobre a sobrevivência e o desenvolvimento in vitro de folículos pré-antrais caprinos.] Pesquisa Veterinária Brasileira 34(10):1037-1044. Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas e da Saúde, Laboratório de Maturação de Ovócitos e Fertilização In Vitro, Universidade Federal de Viçosa, Avenida Peter Henry Rolfs s/n, Campus Universitário, Viçosa, MG 36570-900, Brazil. E-mail: sanelylc@hotmail.com O objetivo do presente estudo foi investigar os efeitos do fator de crescimento semelhante a insulina-I (IGF-I) na sobrevivência, ativação (transição de folículos primordiais para primários) e crescimento de folículos pré-antrais caprinos cultivados in vitro. Fragmentos de córtex ovariano foram cultivados por um e sete dias na ausência ou presença de IGF-I (0, 50 e 100ng/mL). Os tecidos não cultivados e cultivados foram processados e analisados por histologia e microscopia eletrônica de transmissão. O cultivo por um dia em meio com 100ng/mL de IGF-I apresentou 86,7% de folículos morfologicamente normais. Estes resultados foram semelhantes (P>0,05) ao percentual de folículos normais encontrados no controle (96,7%). Verificou-se ainda que este meio aumentou o percentual de ativação folicular (folículos em desenvolvimento) com um dia de cultivo. Os diâmetros ovocitário e folicular mantiveram-se semelhantes ao controle ao cultivar por um dia em meio contendo 100ng/mL de IGF-I. As análises ultraestruturais não confirmaram a integridade folicular dos fragmentos em meio contendo IGF-I (100 ng/mL) após um e sete dias de cultivo. Em conclusão, esse estudo demonstrou que a adição de 100 ng/mL de IGF-I no meio de cultivo ativa o desenvolvimento de folículos pré-antrais de caprinos com um dia de cultivo. Entretanto, não é suficiente para manter a integridade folicular e a taxa de sobrevivência folicular após sete dias de cultivo.


#6 - Porcine follicular fluid concentration of free insulin-like growth factor-I collected from different diameter ovarian follicles, 33(10):1269-1274

Abstract in English:

ABSTRACT.- Oberlender G., Murgas L.D.S., Zangeronimo M.G., Pontelo T.P., Menezes T.A. & Silva A.C. 2013. Porcine follicular fluid concentration of free insulin-like growth factor-I collected from different diameter ovarian follicles. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(10):1269-1274. Setor de Fisiologia e Farmacologia Veterinárias, Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal de Lavras, Campus Universitário s/n, Cx. Postal 3037, Lavras, MG 37200-000, Brazil. E-mail: guilherme.oberlender@uffs.edu.br The study aimed to quantify the concentrations of free IGF-I in serum and fluid of ovarian follicles in pre-pubertal gilts and describe the ovarian morphology by measuring the size of the ovaries and counting the number of surface follicles. Ovaries (n=1,000) from pre-pubertal gilts were obtained immediately after slaughter. A total of 10 samplings were performed, with ovaries obtained from 50 females for each collection. The follicles situated on the surface of each ovary were classified as small (SFs, 2 to 5mm in diameter) or large (LFs 6 to 10mm in diameter) and the follicular fluid was obtained by follicle aspiration. The collection of serum samples was performed after the gilts exsanguination using sterile tubes. From the pool of serum and follicular fluid obtained from 50 females, the concentration of free IGF-I was determined in each sample using an enzyme immunoassay kit (ELISA). The description of ovarian morphometry was performed in 100 ovaries from randomly selected gilts. The larger and smaller lengths of ovaries were measured, and the total number of SFs and LFs present on the surface of each ovary were also counted. The IGF-I concentration was greater (P<0.05) in LFs (170.92±88.29 ng/mL) compared with SFs (67.39±49.90ng/mL) and serum (73.48±34.63ng/mL). The largest and smallest length of the ovaries was 26.0±3.0 and 19.0mm ±2.0mm, respectively. The number of SFs (70.86±25.76) was greater (P<0.01) than LFs (6.54±5.26). The study concluded that LFs present greater levels of IGF-I when compared with SFs and blood, which is related to increased activity of the LFs and its differentiation to ovulation. In addition, ovaries of pre-pubertal gilts have a higher number of SFs compared to LFs. Therefore, our study demonstrated unique data regarding the physiological concentration of free IGF-I in ovarian follicles, that can be used in future research to evaluate the addition of this hormone in the in vitro production media of porcine embryos with the goal to improve the technique efficiency.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Oberlender G., Murgas L.D.S., Zangeronimo M.G., Pontelo T.P., Menezes T.A. & Silva A.C. 2013. Porcine follicular fluid concentration of free insulin-like growth factor-I collected from different diameter ovarian follicles. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(10):1269-1274. Setor de Fisiologia e Farmacologia Veterinárias, Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal de Lavras, Campus Universitário s/n, Cx. Postal 3037, Lavras, MG 37200-000, Brazil. E-mail: guilherme.oberlender@uffs.edu.br Objetivou-se quantificar as concentrações do IGF-I livre no soro e no fluido de folículos ovarianos de fêmeas suínas pré-púberes e descrever a morfologia ovariana, por meio da mensuração das dimensões dos ovários e da contagem do número de folículos superficiais. Ovários (n=1.000) foram obtidos de fêmeas pré-púberes imediatamente após o abate. Foi realizado um total de 10 coletas, sendo em cada, obtidos ovários de 50 fêmeas. Os folículos localizados na superfície de cada ovário foram classificados em pequenos (FPs, 2-5mm de diâmetro) ou grandes (FGs, 6-10mm de diâmetro) e o fluido folicular foi obtido por aspiração dos folículos. A coleta do soro foi realizada após a exsanguinação das fêmeas com o uso de tubos estéreis. A partir do pool de fluido folicular e do soro obtido das 50 fêmeas, determinou-se a concentração de IGF-I livre em cada amostra por meio de kit de ensaio imunoenzimático (ELISA). A descrição da morfometria ovariana foi realizada em 100 ovários provenientes de fêmeas escolhidas aleatoriamente. Foi mensurado o comprimento maior e menor dos ovários e, também, contabilizado o número total de FPs e FGs presentes na superfície de cada ovário. A concentração de IGF-I foi superior (P<0,05) nos FGs (170,92±88,29ng/mL) em comparação com os FPs (67,39±49,90ng/mL) e o sérico (73,48±34,63ng/mL). O comprimento maior e menor dos ovários foi de 26,0±3,0mm e 19,0±2,0 mm, respectivamente. O número de FPs (70,86±25,76) foi maior (P<0,01) em comparação com os FGs (6,54±5,26). Conclui-se que FGs apresentam níveis de IGF-I superiores aos FPs, e ao sangue, sendo isso relacionado a maior atividade dos FGs e à diferenciação que os mesmos sofrem para a ovulação. Além disso, ovários de fêmeas suínas pré-púberes apresentam elevado número de FPs em comparação aos FGs. Portanto, nosso estudo demonstrou dados originais a respeito da concentração fisiológica de IGF-I livre em folículos ovarianos, que podem ser utilizados em futuras pesquisas para avaliar a adição desse hormônio nos meios de produção in vitro de embriões suínos com o objetivo de melhorar a eficiência da técnica.


#7 - Glycemia and serum concentrations of insuline, triglycerides and cortisol in Mangalarga Marchador horses after physical exercise, 31(9):756-760

Abstract in English:

ABSTRACT.- Coelho C.S., Gama J.A.N., Lopes P.F.R. & Souza V.R.C. 2011. [Glycemia and serum concentrations of insuline, triglycerides and cortisol in Mangalarga Marchador horses after physical exercise.] Glicemia e concentrações séricas de insulina, triglicérides e cortisol em equinos da raça Mangalarga Marchador após exercício físico. Pesquisa Veterinária Brasileira 31(9):756-760. Programa de Mestrado em Ciência Animal, Centro Universitário Vila Velha, Rua Comissário José Dantas de Melo 21, Vila Velha, ES 29102-770, Brazil. E-mail: clarisse.coelho@uvv.br The aim of this study was evaluate the influence of physical exercise of submaximal intensity (marcha gait) on biochemical variables used for the evaluation of energetic metabolism in Mangalarga Marchador horses trained in Espirito Santo, Brazil. Serum and plasma samples were obtained from 15 horses in four different moments: before (T0), 5 minutes (T1), 30 minutes (T2) and 2 hours (T3) after the exercise. Results showed that the imposed exercise did not influence plasmatic glucose, with mean values of 117.1±5.8g/dL, 122.6±59.6mg/dL, 124.8±48.6mg/dL and 112.9±49.1mg/dL, and serum insuline, with median values of 6.50mUI/mL, 2.00mUI/mL, 5.85mUI/mL and 11.60mUI/mL, respectively on the moments T0, T1, T2 and T3. Differently, it was possible to observe a positive influence of the exercise over serum triglycerides, with mean values of 25.4±14.9mg/dL, 42.3±17.8mg/dL, 31.4±17.7mg/dL and 25.1±15.1mg/dL, and serum cortisol, with mean values of 7.46±4.37mg/dL, 12.45±3.08mg/dL, 11.40±2.52mg/dL and 6.89±1.78mg/dL, respectively on the moments T0, T1, T2 and T3. It was possible to conclude that the marcha gait leaded to an elevation of serum triglycerides and cortisol levels. Also, as the values found were within reference levels, it was possible to conclude that the horses were used to this physical activity imposed on the occasion.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Coelho C.S., Gama J.A.N., Lopes P.F.R. & Souza V.R.C. 2011. [Glycemia and serum concentrations of insuline, triglycerides and cortisol in Mangalarga Marchador horses after physical exercise.] Glicemia e concentrações séricas de insulina, triglicérides e cortisol em equinos da raça Mangalarga Marchador após exercício físico. Pesquisa Veterinária Brasileira 31(9):756-760. Programa de Mestrado em Ciência Animal, Centro Universitário Vila Velha, Rua Comissário José Dantas de Melo 21, Vila Velha, ES 29102-770, Brazil. E-mail: clarisse.coelho@uvv.br O presente estudo teve por objetivo avaliar a influência do exercício físico de intensidade submáxima (provas de marcha) sobre as variáveis bioquímicas sanguíneas usadas na avaliação do metabolismo energético em equinos da raça Mangalarga Marchador criados no Estado do Espírito Santo. Para tal foram obtidas amostras de soro e plasma de 15 equinos, da raça Mangalarga Marchador, em quatro momentos assim definidos: antes (T0) e com 5 minutos (T1), 30 minutos (T2) e 2 horas (T3) após o término do exercício. A análise dos resultados demonstrou a não influência do exercício físico imposto sobre a glicose plasmática, com valores médios de 117,1±35,8mg/dL, 122,6±59,6mg/dL, 124,8± 48,6mg/dL e 112,9±49,1mg/dL, e sobre a insulina sérica, com valores de mediana de 6,50mUI/mL, 2,00mUI/mL, 5,85mUI/mL e 11,60mUI/mL, respectivamente, nos tempos T0, T1, T2 e T3. De forma oposta, foi possível observar uma influência significativa sobre triglicérides séricos, com valores médios de 25,4±14,9mg/dL, 42,3±17,8mg/dL, 31,4±17,7mg/dL e 25,1±15,1mg/dL, e sobre o cortisol sérico, com valores médios de 7,46±4,37mg/dL, 12,45±3,08mg/dL, 11,40±2,52mg/dL e 6,89±1,78mg/dL, respectivamente nos tempos T0, T1, T2 e T3. A interpretação destes resultados permitiu concluir que a marcha elevou as concentrações séricas de triglicérides e cortisol. Também foi possível destacar que, por tais valores encontrarem-se dentro de intervalos fisiológicos, os equinos usados estavam aptos ao nível de exercício físico imposto na ocasião.


#8 - Identification of insulin-like growth factor-I serum levels in foals with osteochondrosis, 31(8):677-682

Abstract in English:

ABSTRACT.- Baccarin R.A.Y., Pereira M.A., Roncati N.V., Furtado P.V., Oliveira C.A. & Hagen S.C.F. 2011. [Identification of insulin-like growth factor-I serum levels in foals with osteochondrosis.] Identificação dos níveis séricos do fator de crescimento tipo insulina 1 em potros com osteocondrose. Pesquisa Veterinária Brasileira 31(8):677-682. Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Orlando Marques de Paiva 87, Butantã, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: baccarin@usp.br Osteochondrosis is the most common orthopaedic developmental disorder in horses and has been traditionally defined as a multifactorial disease. The disease had a very dynamic character in which the repair process starts almost immediately after the lesion has formed. The intensity and efficacy of this repair process is strongly age-related and is determined by the turnover rate of the components of the extracellular matrix of the articular cartilage. Since the insulin-like growth factor-I (IGF-1) acts regulating the growth of articular cartilage, this study aimed to describe the serum levels of IGF-1, insulin and glucose in healthy Lusitano foals and foals with osteochondrosis, from birth to 18 months of age. At one month 76.08% of the foals showed radiographic signs of osteochondrosis, but at age of 18 months the percentage dropped to 16.2%. The IGF-1 concentrations reached peak values at age of 14 to 16 months, equivalent to the onset of puberty. The IGF-1 concentrations in foals with osteochondrosis were lower than in healthy 2 to 5-month-old foals (P<0.05), and the insulin at age of 2 months (P<0.05). On farms with high incidence of osteocondrosis is recommended that measurement of serum IGF-1 and insulin occur during the first 6 months of age, to have enough time to establish preventive and therapeutic measures.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Baccarin R.A.Y., Pereira M.A., Roncati N.V., Furtado P.V., Oliveira C.A. & Hagen S.C.F. 2011. [Identification of insulin-like growth factor-I serum levels in foals with osteochondrosis.] Identificação dos níveis séricos do fator de crescimento tipo insulina 1 em potros com osteocondrose. Pesquisa Veterinária Brasileira 31(8):677-682. Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Orlando Marques de Paiva 87, Butantã, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: baccarin@usp.br A osteocondrose é uma das doenças ortopédicas do desenvolvimento mais comuns em cavalos, e deve ser encarada como uma desordem multifatorial. Caracteriza-se por ser uma doença dinâmica, onde o processo de reparo inicia-se quase que imediatamente após a formação da lesão osteocondral. A intensidade e eficácia deste reparo são fortemente relacionados à idade, e estão associados a reposição dos componentes da matriz cartilagínea. Uma vez que o fator de crescimento tipo insulina-1 (IGF-1) age regulando o crescimento da cartilagem articular, este estudo objetivou descrever os níveis séricos de IGF-I, insulina e glicose em potros Puro Sangue Lusitano hígidos ou com osteocondrose, desde o nascimento até 18 meses de idade. Dos potros acompanhados, 76,08% apresentaram sinais radiográficos de osteocondrose com um mês de idade, porém somente 16,2% mantiveram as lesões aos 18 meses. As concentrações de IGF-1 alcançaram picos entre 14 e 16 meses, equivalente ao início da puberdade. As concentrações de IGF-1 nos potros com osteocondrose foram menores que potros sadios, aos 2 e 5 meses (P<0,05), e os de insulina aos 2 meses (P<0,05). Em criatórios com alta ocorrência de osteocondrose recomenda-se que as mensurações dos níveis séricos de IGF-1 e insulina ocorram durante os primeiros 6 meses de idade, para que haja tempo hábil de se estabelecer medidas profiláticas e de tratamento.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV