Resultado da pesquisa (1103)

Termo utilizado na pesquisa ovinos

#1 - V Encontro Internacional de Saúde Animal e Prevenção

Abstract in English:

Os produtos de origem animal se constituem em importantes componentes das exportações brasileiras, sendo a qualidade sanitária um fator essencial para a sua aceitação no mercado internacional. Enfermidades como a febre aftosa, a encefalopatia espongiforme bovina, a peste suína clássica e a enfermidade de Newcasttle são problemas de saúde animal que significam riscos potenciais para os países produtores de carne e derivados, que, além de implicações sanitárias, também possuem importância política, econômica e social. Enfermidades frequentes ou emergentes podem constituir entrave à produção, perda de mercado, repercussão em saúde pública e prejuízos econômicos. Diante disso, as ações de profilaxia e o controle das doenças requerem profissionais capacitados nas ações diretas do diagnóstico clínico, epidemiológico e laboratorial. As diversas técnicas e métodos de diagnóstico têm evoluído constantemente ao longo dos últimos anos. Os laboratórios de universidades, centros de pesquisa e de referência têm direcionado estudos e ações no sentido de obter maior eficácia e confiabilidade nos resultados fornecidos. Os médicos veterinários atuantes em campo formam o elo fundamental na garantia de qualidade dos exames executados pelos laboratórios, por proverem o material biológico utilizado nos ensaios. Face às novas tecnologias, ou mesmo aos métodos de diagnóstico tradicionais, estes profissionais necessitam de constante atualização em relação aos procedimentos de investigação clínica, bem como do envio adequado de amostras, solicitação de exames e a interpretação dos resultados. Neste contexto, este evento permitirá a articulação de importantes centros de pesquisa nacionais e do exterior, reunindo, em Mato Grosso, pesquisadores de destaque para intercâmbio de conhecimentos e discutir conceitos sobre úde animal e prevenção de doenças.

Abstract in Portuguese:

Os produtos de origem animal se constituem em importantes componentes das exportações brasileiras, sendo a qualidade sanitária um fator essencial para a sua aceitação no mercado internacional. Enfermidades como a febre aftosa, a encefalopatia espongiforme bovina, a peste suína clássica e a enfermidade de Newcasttle são problemas de saúde animal que significam riscos potenciais para os países produtores de carne e derivados, que, além de implicações sanitárias, também possuem importância política, econômica e social. Enfermidades frequentes ou emergentes podem constituir entrave à produção, perda de mercado, repercussão em saúde pública e prejuízos econômicos. Diante disso, as ações de profilaxia e o controle das doenças requerem profissionais capacitados nas ações diretas do diagnóstico clínico, epidemiológico e laboratorial. As diversas técnicas e métodos de diagnóstico têm evoluído constantemente ao longo dos últimos anos. Os laboratórios de universidades, centros de pesquisa e de referência têm direcionado estudos e ações no sentido de obter maior eficácia e confiabilidade nos resultados fornecidos. Os médicos veterinários atuantes em campo formam o elo fundamental na garantia de qualidade dos exames executados pelos laboratórios, por proverem o material biológico utilizado nos ensaios. Face às novas tecnologias, ou mesmo aos métodos de diagnóstico tradicionais, estes profissionais necessitam de constante atualização em relação aos procedimentos de investigação clínica, bem como do envio adequado de amostras, solicitação de exames e a interpretação dos resultados. Neste contexto, este evento permitirá a articulação de importantes centros de pesquisa nacionais e do exterior, reunindo, em Mato Grosso, pesquisadores de destaque para intercâmbio de conhecimentos e discutir conceitos sobre saúde animal e prevenção de doenças.


#2 - Impact of high-energy diets on the rumen environment and digital cushion in confined cattle

Abstract in English:

This study aimed to identify gross and microscopic changes, caused by high-energy diets, in the rumen environment and hoof of confined beef cattle. The study sample comprised 40 confined heifers (Bos taurus) with no disease history divided into four experimental groups using different diets: Group 1 (D1, control), 48:52 forage:concentrate ratio; Group 2 (D2), 30:70 forage:concentrate ratio; Group 3 (D3), 30:70 forage:concentrate ratio + sucrose; Group 4 (D4), 100% concentrate. All animals underwent clinical examination, assessment of ruminal fluid pH and lameness, and sample collection after slaughter for histopathology of the hoof laminae and digital cushion and ruminal tissue. All dependent variables of the study were compared using the SPSS 20.0 statistical software. The variables that did not show normality (HR, RM, ST, and CRT) were compared with application of the Kruskal-Wallis test followed by the Dunnet’s multiple comparison test. All other variables were submitted to analysis of variance (ANOVA) followed by Tukey’s test. The different diets had an impact on the rumen environment (p<0.05) of the heifers assessed, with momentary general depression in the first 12 h after sucrose induction (D3), as well as mild clinical signs in D4. The animals in D3 and D4 presented lower motility (p<0.05) and ruminal pH (p<0.01) than those in D1. Of the 40 heifers, 27.5% (n=11) showed gross lesions in the epithelium of ruminal pillars, whereas 22.5% (n=9) of those in D3 and D4 presented these lesions. Sole corium thickness varied between heifers in D3 compared with those in D1 and D2 (p<0.05). Therefore, high-energy diets, as used in this study, alter some clinical parameters and the rumen environment, causing lesions in the rumen mucosa, and of lesser intensity, in the hoof corium and laminae, suggestive of laminitis.

Abstract in Portuguese:

O objetivo deste trabalho foi identificar alterações macroscópicas e microscópicas provocadas por dietas de alto valor energético no ambiente ruminal e casco de bovinos de corte (Bos taurus) em confinamento. Foram utilizadas 40 novilhas mantidas em confinamento, sendo divididas em 4 grupos experimentais: Grupo D1(controle) - 48% de volumoso e 52% de concentrado; Grupo D2 - 30% de volumoso e 70% de concentrado; Grupo D3 - 30% de volumoso e 70% de concentrado + sacarose; Grupo D4 - 100% de concentrado. Foi realizado exame clínico dos animais, avaliação do pH ruminal, da claudicação, além de coletas de amostras post-mortem para análises histopatológicas da região laminar do casco, coxim digital e do rúmen. Todas as variáveis dependentes do estudo foram comparadas por meio do software estatístico SPSS 20.0. As variáveis sem normalidade (FC, MR, Tc e TPC) foram comparadas pelo teste de Kruskal Wallis, seguido pelo teste de comparação múltipla de Dunnet. Todas demais foram submetidas a análise de variância (ANOVA), seguida pelo teste de Tukey. Foi observado impacto das distintas dietas ao ambiente ruminal (p<0,05). Os grupos D3 e D4 exibiram menor motilidade (p<0,05) e pH ruminal (p<0,01). 27,5% (n=11) dos animais tiveram registros macroscópicos de lesões no epitélio dos pilares ruminais enquanto que os submetidos às dietas 3 e 4 foi observada ocorrência de 22,5% (n=9) de lesões macroscópicas no rúmen. As espessuras do córium solear variaram entre os grupos que receberam a indução de sacarose em relação ao grupo controle e novilhas alimentadas com a dieta 2 (p<0,05). Sendo assim dietas com elevada densidade energética, na condição em que foi empregada, alteraram alguns parâmetros clínicos e o ambiente ruminal, provocando lesões na mucosa do rúmen e de pouca intensidade no córium e tecido laminar, sugestiva de laminite.


#3 - Outbreak of enzootic ataxia in goats and sheep in the state of Bahia

Abstract in English:

The objective of this study was to describe for the first time the clinical-epidemiological, laboratory and pathological aspects of different forms of enzootic ataxia in goats and lambs in the state of Bahia, as well as to propose an emergency oral treatment with copper sulfate in an individualized way for neonates. Three outbreaks of enzootic ataxia were studied. The history, clinical signs and epidemiological data were obtained from the owners and checked during the visits. The first outbreak (FO) occurred in 2013 in a property located in the municipality of Itaberaba and affected a herd composed of 90 goats and 130 sheep. The second outbreak (SO) occurred in 2014 in the municipality of Santa Luz and affected a herd of 90 goats and 110 sheep. The third outbreak (TO) occurred in 2018, in a property located in the same municipality of the SO, being the herd constituted by 80 sheep. Samples of blood were collected from all goats and sheep treated for serum copper dosage. Nine animals (five goats and four sheep) that presented a more severe clinical picture and unfavorable prognosis were necropsied for diagnostic confirmation. During the necropsy of the FO, SO and TO animals, liver samples were collected for copper dosage as well as fragments of several organs for histopathology. At the site where the SO occurred, samples of soil and the main forages where the animals were kept were collected to determine copper, iron, molybdenum, sulfur and zinc contents. The clinical and histopathological findings in the three outbreaks studied were characteristic of enzootic ataxia. In the outbreaks studied, the frequency of enzootic ataxia was higher in goats (52) than in lambs (39). In the goats the mean values of serum copper (0.05mg/kg) and hepatic (2.48mg/kg) of the FO and SO were well below their respective reference values, 12 times lower than serum levels and eight times lower in relation to liver contents. On the other hand, TO sheep presented mean values of serum copper (0.015mg/kg) reduced by 40 times. The levels of iron and sulfur were high in the fodder of the property where the SO occurred, already in the soil, iron levels were high and copper levels were reduced. The treatment tested in neonates and lambs with two doses of copper sulphate solution orally at a dose of 20mg/kg for sheep and 35mg/kg for goats during the first and second week of life was effective in prevention of enzootic ataxia in neonates and can be used for emergency control of the disease. The occurrence of enzootic ataxia (congenital and late form) in goats and sheep was first reported in Bahia. It is also worth noting that this disease caused by copper deficiency has caused great damage to the breeders of small ruminants, mainly due to the high mortality of the animals affected.

Abstract in Portuguese:

Objetivou-se com esse estudo descrever pela primeira vez os aspectos clínico-epidemiológicos, laboratoriais e patológicos de diferentes formas de ataxia enzoótica em cabritos e borregos no estado da Bahia, bem como propor um tratamento oral emergencial com sulfato de cobre de forma individualizada para neonatos. Foram estudados três surtos de ataxia enzoótica. O histórico, sinais clínicos e dados epidemiológicos foram obtidos com os proprietários e verificados durantes as visitas técnicas. O primeiro surto (PS) ocorreu em 2013 em uma propriedade localizada no município de Itaberaba e acometeu um rebanho composto por 90 caprinos e 130 ovinos. O segundo surto (SS) aconteceu em 2014 no município de Santa Luz e afetou um rebanho formado por 90 caprinos e 110 ovinos. O terceiro surto (TS) ocorreu 2018, em uma propriedade localizada no mesmo município do SS, sendo o rebanho constituído por 80 ovinos. Amostras de sangue foram colhidas de todos os caprinos e ovinos atendidos, para dosagem de cobre sérico. Nove animais (cinco caprinos e quatro ovinos) que apresentavam quadro clínico mais grave e prognóstico desfavorável foram necropsiados para confirmação diagnóstica. Durante a necropsia dos animais do PS, SS e TS amostras de fígado foram coletadas para dosagem de cobre, bem como amostras de diversos órgãos para exame histopatológico. Na propriedade onde ocorreu o SS, foram coletadas amostras de solo e das principais forragens onde os animais eram mantidos, a fim de se determinar os teores de cobre, ferro, molibdênio, enxofre e zinco. Os achados clínicos e histopatológicos verificados nos três surtos estudados foram característicos de ataxia enzoótica. Nos surtos estudados, a frequência da ataxia enzoótica foi maior em cabritos (52) do que em cordeiros (39). Nos caprinos os valores médios de cobre sérico (0,05mg/kg) e hepático (2,48mg/kg) do PS e SS encontravam-se muito abaixo dos respectivos valores de referência, sendo 12 vezes menor em relação aos níveis séricos e oito vezes menor em relação aos teores hepáticos. Já os ovinos do TS apresentavam valores médios de cobre sérico (0,015mg/kg) reduzidos cerca de 40 vezes. Os teores de ferro e enxofre encontravam-se elevados nas forragens da propriedade onde ocorreu o SS, já no solo, os níveis de ferro apresentavam-se elevados e os de cobre reduzidos. O tratamento testado nos cabritos e borregos neonatos, com duas administrações individualizadas com solução de sulfato de cobre, por via oral, na dose de 20mg/kg para ovinos e 35mg/kg para caprinos, na primeira e segunda semana de vida, foi eficaz na prevenção da ataxia enzoótica nos neonatos e pode ser utilizado para controle emergencial da doença. Comprovou-se pela primeira vez na Bahia a ocorrência da ataxia enzoótica (forma congênita e tardia) em caprinos e ovinos. Ressalta-se ainda que, esta doença causada por deficiência de cobre, tem cursado com grandes prejuízos aos criadores de pequenos ruminantes, sobretudo, devido à alta mortalidade dos animais acometidos.


#4 - Chemical and structural composition of black pigmented supragingival biofilm of bovines with periodontitis

Abstract in English:

Bovine periodontitis is a multifactorial disease primarily associated with a potentially pathogenic microbiota housed in the oral biofilm of animals. Biofilms are organized structures, in which the constituents coexist in symbiosis, already described as a predisposing factor to periodontitis in other species. The objective of the present study was to characterize the structure and chemical aspects of the bovine black pigmented supragingival biofilm using scanning electron microscopy (SEM) and energy dispersive spectroscopy (EDS), respectively, and determine its relationship with bovine periodontitis. Eleven premolar teeth from different animals were evaluated; five non-pigmented samples and six samples with black pigmented biofilms were initially submitted to SEM, and three areas of these samples were selected for EDS. The structure of the pigmented biofilm was more complex and irregular because of a higher content of mineral elements. The semi-quantitative EDS data indicated an association of iron (p<0.014) and magnesium (p<0.001) with the occurrence of periodontitis, whereas carbon, phosphorus, calcium, manganese, sodium, and potassium were not associated with the disease. Carbon (p<0.039), manganese (p<0.007), and iron (p<0.015) were associated with pigmentation, whereas phosphorus, calcium, and magnesium were not associated with it. Spearman correlation test showed the relationships between calcium and phosphorus, and iron and silicon. The strong association of iron in the pigmented supragingival biofilm and with the occurrence of periodontitis suggests the presence of microorganisms that use this element in their metabolism and that are also associated with bovine periodontitis. This study suggests that the pigmented deposits in the crown of the teeth of cattle are an true biofilm with the deposition of iron, and it indicates that the presence of iron and magnesium in these formations may be involved in the metabolism of some microorganisms associated with the etiology of bovine periodontitis.

Abstract in Portuguese:

A periodontite bovina é uma infecção multifatorial associada primariamente à microbiota potencialmente patogênica presente no biofilme bucal. Biofilmes são estruturas organizadas, nas quais os constituintes convivem em simbiose, descritos em outras espécies como um fator predisponente à periodontite. O objetivo do presente estudo foi caracterizar estrutural e quimicamente o biofilme supragengival pigmentado de preto em bovinos, utilizando-se as técnicas de microscopia eletrônica de varredura (MEV) e espectroscopia de dispersão de energia (EDS), respectivamente, correlacionando os elementos identificados à ocorrência de periodontite e pigmentação. Foram avaliados 11 dentes primeiro-molares; cinco amostras sem pigmentação visível e seis amostras com biofilme pigmentado de preto, que foram submetidas inicialmente à MEV; posteriormente foram selecionadas três áreas aleatórias de cada dente para realização da EDS. A estrutura do biofilme pigmentado revelou formações irregulares e mais complexas, provavelmente devido ao maior acúmulo de elementos minerais. Os resultados semi-quantitativos da EDS apontaram associações entre a presença de ferro (p<0,014) e magnésio (p<0,001) com a ocorrência de periodontite. Carbono, fósforo, cálcio, manganês, sódio e potássio não apresentaram associação com a periodontite. Em relação à pigmentação, carbono (p<0,039), manganês (p<0,007) e ferro (p<0,015) foram os elementos estatisticamente significantes, enquanto fósforo, cálcio e magnésio não apresentaram associação com a pigmentação. O teste de correlação de Spearman demonstrou associações entre os elementos cálcio e fósforo, e ferro e silício. A forte associação do ferro presente no biofilme supragengival com a ocorrência de periodontite, sugere a presença de micro-organismos que utilizam este elemento em seu metabolismo e que possivelmente tenham envolvimento com o desenvolvimento da periodontite bovina. Os resultados inéditos do presente trabalho sugerem que os depósitos pigmentados que se formam na coroa dos dentes de bovinos são um biofilme verdadeiro com deposição de ferro, e indicam que a presença de ferro e magnésio nestas formações pode estar envolvida no metabolismo de alguns dos principais micro-organismos associados à etiologia da periodontite bovina.


#5 - Spontaneous poisoning by Talisia esculenta in cattle

Abstract in English:

Talisia esculenta, commonly known as pitombeira, is a tree which fruits are widely consumed by human beings in northeastern Brazil. The aim of this work is to describe the epidemiological, clinical and pathological aspects of two outbreaks of spontaneous poisoning by T. esculenta in cattle in the dry region of Pernambuco, northeastern Brazil. The cases occurred in the municipalities of São Bento do Una and Belo Jardim. From a total of 25 adult cattle, eight become sick after ingest T. esculenta leaves and fruits. Four cattle died until 72 hours after the first clinical signs; which consisted in ataxia, reluctance to walk, tottering, head tremors muscle spasms in the limbs, rigidity of the pelvic limbs with wide base stance position, ruminal atony and, when stressed, presented falls and remained in abnormal positions. Two cattle were necropsied; the only significant finding was the presence of partially digested leaves, barks and seeds of T. esculenta in ruminal contents. Microscopically no lesions were observed. There is no specific therapy for poisoning by T. esculenta leaves. Prophylaxis consists in preventing cattle from gaining access to pasture areas containing the plant.

Abstract in Portuguese:

Talisia esculenta, popularmente conhecida como pitombeira, é uma árvore cujos frutos são amplamente consumidos por seres humanos no nordeste do Brasil. O objetivo deste trabalho é descrever os aspectos epidemiológicos, clínicos e patológicos de dois surtos de intoxicação espontânea por T. esculenta em bovinos no Agreste de Pernambuco, Nordeste do Brasil. Os casos ocorreram nos municípios de São Bento do Una e Belo Jardim De um total de 25 bovinos adultos, oito adoeceram após consumirem as folhas e frutos de T. esculenta. Quatro morreram em até 72 horas após a observação dos primeiros sinais clínicos; que consistiam em ataxia, relutância em caminhar, andar cambaleante, tremores de cabeça, espasmos musculares nos membros, rigidez dos membros pélvicos com posição de ampla base, atonia ruminal e, quando excitados, apresentavam quedas e permaneciam em posições anormais. Dois bovinos foram necropsiados e o único achado significante foi a presença de folhas, cascas e sementes parcialmente digeridas de T. esculenta no conteúdo ruminal. Microscopicamente não foram observadas lesões. Não existe terapia específica para a intoxicação pelas folhas de T. esculenta. A profilaxia consiste em evitar que bovinos tenham acesso às áreas de pastagem contendo a planta.


#6 - Poisoning by Brachiaria spp. in various lamb breeds at increasing levels of supplementation during growth

Abstract in English:

The study evaluate the frequency of poisoning by Brachiaria spp. at the rearing, growth and termination stages in various lamb breeds at increasing supplementation levels. Forty‑five lambs were used in the growth phase in pastures of Brachiaria spp. with a history of having induced poisoning. The lambs were distributed in nutritional treatments: lambs receiving mineral supplementation (MS), energy/protein supplementation (EPS) at 0.8% of body weight (bw), EPS at 1.6% bw and EPS at 2.4% bw. The lambs were allotted two flocks (F1 and F2) of 21 and 24 lambs each. Clinical signs of poisoning were observed in all treatments. All MS lambs died. The frequency of poisoning were highest in the 0.8% EPS and 1.6% EPS treatments. All lambs in the 2.4% EPS treatment recovered. F1 lambs had a higher frequency of poisoning than F2 lambs regardless of nutritional treatment. Morbidity rates for the F1 and F2 lambs were 52.3 and 16.7%, respectively. Supplementation was not sufficient to decrease the frequency of poisoning in lambs at the termination stage, which was dependent on the genetic origin of the lambs. EPS of 2.4% bw treatment, was an efficient nutritional strategy to minimize the effects of poisoning in lambs fed on Brachiaria spp.

Abstract in Portuguese:

O objetivo deste estudo foi avaliar a frequência da intoxicação por Brachiaria spp. nas fases de recria, crescimento e terminação em várias raças de cordeiros em níveis crescentes de suplementação. Quarenta e cinco cordeiros foram utilizados na fase de crescimento em pastagens de Brachiaria spp. com história de intoxicação, distribuídos em diferentes tratamentos nutricionais: cordeiros recebendo suplementação mineral (SM), suplementação energética/protéica (SEP) a 0,8% do peso vivo (pv), SEP a 1,6% pv e SEP a 2,4% pv. Vinte e um cordeiros vieram do lote F1 e 24 cordeiros foram do lote F2. Sinais clínicos de intoxicação foram observados em todos os tratamentos. Todos os cordeiros com MS morreram. As frequências de intoxicação foram maiores nos tratamentos com 0,8% e 1,6% de SEP. Todos os cordeiros no tratamento com 2,4% de SEP se recuperaram. Cordeiros F1 apresentaram maior frequência de intoxicação que os cordeiros F2, independentemente do tratamento nutricional. As taxas de morbidade para os cordeiros F1 e F2 foram de 52,3 e 16,7%, respectivamente. A suplementação não foi suficiente para diminuir a freqüência de intoxicação em cordeiros na fase de terminação, dependente da origem genética dos cordeiros. O SEP de 2,4% pv, no entanto, foi eficiente para minimizar os efeitos da intoxicação em cordeiros alimentados com Brachiaria spp.


#7 - Retrospective study of radiographic changes in athletic bulls with orthopedic disorders

Abstract in English:

The objectives of this study were to demonstrate the lesions that affect athlete bulls and to correlate the disorders with weight, age, affected limb and region of the limb. The present study was accomplished using radiographic images of athletic rodeo bulls collected from the medical and surgical records of the large animal service at the veterinary hospital. Radiographic images were evaluated for 136 bulls that were taken care of at the Veterinary Hospital, ranging in age from 4 to 13 years, with an average weight of 800kg and proven prior physical activity through participation in rodeos. The chi-square or Fisher’s exact test was used to assess the association between the studied variables. It was observed that 71.6% of the bulls studied and suffering from lameness had radiographic lesions, predominantly in experienced animals. Enthesopathy in starter and experienced bulls, septic arthritis in starter bulls, and fractures and degenerative joint disease in experienced bulls were the most frequent radiographic lesions diagnosed. The region of limb where the majority of radiographic changes occurred was the digits. Risk factors and occurrence of diseases of the locomotor system in athletic bulls are similar to those in sport equines.

Abstract in Portuguese:

O objetivo desse trabalho foi demostrar quais lesões acometem touros atletas, correlacionando as desordens com peso, idade, membro e região afetada. O presente estudo foi realizado utilizando radiografias de touros atletas de rodeio, após levantamento dos prontuários clínicos e cirúrgicos do serviço de grandes animais de um hospital veterinário. Foram avaliadas radiografias de 136 touros que haviam sido atendidos em tal hospital, com idade variando de quatro a 13 anos, com média de peso de 800kg e realizavam participação em rodeios. Para avaliar a associação entre as variáveis estudadas foi utilizado o teste exato de Fischer e o Qui-quadrado. Observou-se que 71,6% dos touros estudados que claudicavam, apresentavam lesões radiográficas, predominantemente em animais mais experientes. A entesiopatia em todos os animais, artrite séptica nos touros iniciantes, fraturas e doença articular degenerativa nos touros mais experientes, foram as alterações radiográficas mais frequentes. As regiões com maior ocorrência de lesões radiográficas foram os dígitos. Os fatores de risco para ocorrência de doenças no sistema locomotor de touros atletas são diversos, similares aos que ocorrem nos equinos atletas.


#8 - Serological response against bovine herpesvirus and bovine viral diarrhea virus induced by commercial vaccines in Holstein heifers

Abstract in English:

Vaccination is a strategy to the prevention and control of reproductive diseases caused by bovine viral diarrhea virus (BVDV) and bovine herpesvirus type 1 (BoHV-1), however the various compositions of commercial vaccines should be evaluated for their ability to induce protection mediated by antibodies. The objective of this research was to evaluate the production of specific neutralizing Abs against BVDV-1 and 2, and BoHV-1 induced by commercial vaccines composed by different adjuvants. Holstein heifers were vaccinated and distributed in three experimental groups: Group I (G1) was vaccinated with a commercial vaccine containing inactivated BVDV-1, BVDV-2 and BoHV-1 diluted in alum hydroxide as adjuvant (n=9); Group II (G2) was vaccinated with an product containing inactivated strains of BVDV-1, BVDV-2, BoHV-1 and BoHV-5 diluted in oil emulsion as adjuvant (n=10); Group III (G3) was vaccinated with a commercial vaccine containing inactivated BVDV-1 and BVDV-2, besides live modified thermosensitive BoHV-1, diluted in Quil A, amphigen and cholesterol (n=10); A control, non‑vaccinated group (n=6) was mock vaccinated with saline. Heifers received two subcutaneous doses of 5mL of each commercial vaccine on the right side of the neck, with 21 days interval. Humoral immune response was assessed by the virus neutralization test (VN) against BVDV-1 (NADL and Singer strains), BVDV-2 (SV253 strain) and BoHV-1 (Los Angeles strain) in serum samples collected on vaccination days zero (D0), 21 (D21) and 42 (D42; 21 days after boosting). Neutralizing Abs against BVDV-1 NADL was detected only in D42, regardless of the vaccine used. Similar geometric mean titers (GMT) for BVDV-1 NADL were observed between G1 (log2=5.1) and G3 (log2=5.1). The seroconversion rate (%) was higher in G1 (78%) when compared to G2 (10%) and G3 (40%). For BVDV-1 Singer, it was also possible to detect Abs production in G1 (log2=5.8, 100% seroconversion rate) and G3 (log2=3.5, seroconversion rate = 60%), only after the booster dose (D42). Neutralizing Abs to BVDV-2 (SV253) were detected only in G3, observing 90% seroconversion associated with high titers of Abs (log2=6.7) after the 2nd dose of vaccine (D42). Heifers from G1 and G3 responded to BoHV-1 after the first dose (D21): G1 (log2=2.5, seroconversion rate = 67%) and G3 (log2=0.7, seroconversion rate = 80%). In D42, a higher magnitude response was observed in the heifers from G3 (log2=6.1, 100%) compared with G1 (log2=4.3, 100%) and G2 (log2=2.7, 60%). Based on the data obtained, it can be concluded that the commercial vaccine contained aluminum hydroxide (G1) was most effective in the induction of antibodies against BVDV-1. On the other hand, this vaccine did not induce the production of neutralizing Abs against BVDV-2. Only the heifers from G3 (Quil A, amphigen and cholesterol) generated neutralizing Abs against BVDV-2. The animals that received commercial vaccine containing oil emulsion as adjuvant (G2) had a weak/undetectable response against BVDV-1 and BVDV‑2. The best protective response against BoHV-1 was observed in heifers vaccinated with the live modified thermosensitive virus.

Abstract in Portuguese:

A vacinação é utilizada como estratégia para a prevenção e controle das doenças reprodutivas, causadas pelos vírus da diarreia viral bovina (BVDV) e herpesvírus bovino tipo 1 (BoHV-1), entretanto, as diversas composições de vacinas comerciais devem ser avaliadas quanto a sua eficiência protetiva mediada por anticorpos (Acs). O objetivo desta pesquisa foi avaliar a produção Acs neutralizantes específicos para cepas de BVDV‑1 e 2, e BoHV-1 induzida por vacinas comerciais contendo diferentes tipos de adjuvantes. Para tal, novilhas Holandesas foram vacinadas e distribuídas em três grupos experimentais: Grupo I (G1) foi vacinado com uma vacina comercial composta por cepas inativadas de BVDV-1, BVDV-2 e BoHV-1 diluídas em hidróxido de alumínio como adjuvante (n=9); Grupo II (G2) foi vacinado com produto contendo as cepas inativadas de BVDV-1, BVDV‑2, BoHV-1 e BoHV-5 em uma emulsão oleosa como adjuvante (n=10); O Grupo III (G3) foi vacinado com uma vacina comercial contendo BVDV-1 e BVDV-2 inativado, além do BoHV-1 vivo modificado e termosensivel, diluídos em adjuvante contendo Quil A, Amphigem e colesterol (n=10); O Grupo Controle não vacinado (n=6) foi inoculado com solução salina. As novilhas receberam duas doses das respectivas vacinas ou solução salina (5mL), com intervalo de 21 dias, por via subcutânea, na tábua do pescoço do lado direito. A resposta imune humoral foi avaliada pelo teste de vírus neutralização (VN) contra o BVDV-1 (cepas NADL e Singer), BVDV-2 (cepa SV253) e BoHV-1 (cepa Los Angeles) em amostras de soro coletadas nos dias (D) de vacinação zero (D0), 21 dias após 1ª dose (D21)e 42 (D42; 21 dias após A 2ª dose). Os anticorpos neutralizantes contra o BVDV-1 NADL foram detectados apenas em D42, independentemente da vacina utilizada. Os títulos médios geométricos (GMT) de anticorpos foram semelhantes entre G1 (log2=5,1) e G3 (log2=5,1). A taxa de soroconversão foi maior no G1 (78%) quando comparado ao G2 (10%) e G3 (40%). Para o BVDV‑1 Singer, somente após D42 foi observada a produção de Acs no G1 (log2=5,8; taxa de soroconversão de 100%) e G3 (log2=3,5; taxa de soroconversão = 60%). Os anticorpos contra BVDV‑2 (SV253) foram detectados apenas nas novilhas do G3, observando-se taxa de soroconversão de 90% com altos títulos de anticorpos neutralizantes (log2=6,7) em D42. Novilhas G1 e G3 responderam ao BoHV-1 após a primeira dose (D21): G1 (log2=2,5; taxa de seroconversão = 67%) e G3 (log2=0,7; taxa de seroconversão = 80%). Em contrapartida, foi observada uma maior magnitude de resposta para as novilhas G3 (log2=6,1; 100%) em D42, em relação aos animais G1 (log2=4,3; 100%) e G2 (log2=2,7; 60%). Com base nos dados obtidos, foi possível concluir que a vacina composta por hidróxido de alumínio (G1) foi mais eficaz na produção de anticorpos contra o BVDV-1, em contrapartida esse produto não induziu anticorpos contra o BVDV-2. Apenas as novilhas do G3 (Quil A, amphigen e colesterol) geraram Acs neutralizantes contra o BVDV-2. Os animais que receberam a vacina em emulsão oleosa (G2) como adjuvante apresentaram uma resposta fraca/indetectável contra o BVDV-1 e BVDV-2. A melhor resposta protetiva contra o BoHV-1 foi observada nas novilhas vacinadas com a vacina viva modificada termosensível.


#9 - Biocidal potential of Eugenia pyriformis essential oil in the control of Rhipicephalus (Boophilus) microplus in the free-living cycle

Abstract in English:

Brazil has one of the largest commercial cattle herds in the world, which naturally coexist with an enormous number of parasitic species. Southern cattle tick, Rhipicephalus (Boophilus) microplus, is among these species, interfering with animal productivity and causing losses to the beef and dairy cattle sector. The use of chemical acaricides in the control of this mite has resulted in the emergence of resistant populations. In this sense, alternative control measures using plants as sources of botanical acaricides have shown to be effective. Eugenia pyriformis Cambess is a Brazilian plant with antioxidant and antimicrobial activity; however, there are no reports on its acaricidal activity in the literature. The present study aimed to evaluate the acaricidal and larvicidal potential of E. pyriformis leaf essential oil (EO) on southern cattle tick at different stages of the reproductive cycle. E. pyriformis leaves were collected and dried, and had their EO extracted by hydrodistillation (3h) using a modified Clevenger apparatus. Chemical analysis was performed by gas chromatography coupled with mass spectrometry (GC/MS), and 32 compounds belonging to the sesquiterpene class were identified: hydrocarbons (17.98%) and oxygenated forms (81.96%), with spathulenol (43.65%) and caryophyllene oxide (12.17%) as the most common. The EO was evaluated by the Adult Immersion Test at the concentrations (500.00 to 3.12mg/mL) in which the following parameters were measured: mortality of females (%), hatchability of eggs (%), and product efficiency (%). Larvae were assessed by the Larval Packet Test at concentrations ranging from 25.00 to 0.00004mg/mL. Lethal concentrations (LC) required for killing 50 and 99.9% of adult females and larvae were determined using Probit analysis. LC50 and LC99.9 of EO were 0.06 and 24.60mg/mL and 1,208.80 and 2,538mg/mL for larvae and adult females, respectively. Action of the EO in the free-living cycle of R. (B.) microplus larvae was another parameter assessed. To this end, the larvae were deposited in pots containing Brachiaria decumbens and, after migration to the leaf apex, a solution containing LC99.9 (24.60mg/mL) of the EO was sprayed. After 24h, 72.25% of the larvae had died, indicating stability of the EO when subjected to uncontrolled temperature and humidity conditions. The mechanism of action through which the EO killed the larvae and adult females was investigated by the Bioautographic Method, which showed inhibition of 3.15mg/mL of the EO on the acetylcholinesterase (AChE) enzyme. The results found in the present experiment indicate that E. pyriformis essential oil is an alternative in the control of southern cattle tick in the larval (parasitic) and free-living cycle (non-parasitic) stages under field conditions.

Abstract in Portuguese:

O Brasil dispõe de um dos maiores rebanhos bovinos comerciais do mundo, sendo natural que junto a esse rebanho, coexista uma enorme quantidade de espécies parasitárias; dentre estes o carrapato Rhipicephalus (Boophilus) microplus que interfere na produtividade animal, causando prejuízos à pecuária de corte e leite. A utilização de acaricidas químicos no controle deste ácaro tem causado o surgimento de populações resistentes e neste sentido, controles alternativos utilizando plantas como fontes de acaricidas botânicos têm se mostrado eficazes. Eugenia pyriformis Cambess é uma planta brasileira com atividades antioxidante e antimicrobiana, entretanto não há relatos da atividade acaricida. O objetivo do presente estudo consistiu na avaliação do potencial acaricida e larvicida do óleo essencial das folhas de E. pyriformis sobre o carrapato bovino nos diferentes estágios do ciclo reprodutivo. As folhas foram coletadas, secas e o OE extraído por hidrodestilação (3 horas) em aparelho Clevenger modificado. A análise química foi realizada por cromatografia gasosa acoplada à espectrometria de massas (CG/EM) sendo identificados 32 compostos, pertencentes à classe sesquiterpenos: hidrocarbonetos (17.98%) e oxigenados (81.96%); tendo como majoritários o spathulenol (43,65%) e caryophylene oxide (12,17%). O OE foi avaliado pelo teste de imersão de adultos nas concentrações (500,00 a 3,12mg/mL) onde foram mensurados os parâmetros: mortalidade das fêmeas (%), eclodibilidade dos ovos (%) e eficiência do produto (%). As larvas foram avaliadas pelo teste de imersão larval (Larval Packet Test) nas concentrações que variaram de 25,00 a 0,00004mg/mL. Foram determinadas as concentrações letais (CLs) necessárias para matar 50 e 99,9% das fêmeas adultas e das larvas utilizando a análise de Probitos. As CL50 e CL99,9 do OE foram (0,06 e 24,60mg/mL) para as larvas e (1.208,80 e 2.538mg/mL) para as fêmeas adultas, respectivamente. Outro parâmetro avaliado em nossa pesquisa foi mensurar a ação do OE no ciclo de vida livre das larvas de R. (B.) microplus; onde as larvas foram depositadas em vasos com Brachiaria decumbens e após migração destas para o ápice das folhas, foi aspergido solução contendo a CL99,9 (24,60mg/mL) do OE. Após 24 horas, 72,25% das larvas morreram indicando que houve estabilidade do OE quando submetido a condições de temperatura e umidade não controladas. O mecanismo de ação pelo qual o OE matou as larvas e fêmeas adultas foi investigado pelo método bioautográfico, indicando uma inibição de 3,15mg/mL do óleo essencial sobre a enzima acetilcolinesterase (AChE). Os resultados encontrados no presente experimento indicaram que o óleo essencial de E. pyriformis é uma alternativa no controle do carrapato bovino no estágio larval (parasitário) e no ciclo de vida livre (estágio não parasitário) em condições de campo.


#10 - Techniques for prevention and control of poisoning by sodium monofluoroacetate (MFA)-containing plants in ruminants

Abstract in English:

Monofluoroacetate (MFA)-containing plants cause sudden death associated with exercise in ruminants, and are responsible for significant losses in Brazilian livestock, estimated at 500,000 bovine deaths annually. Most of the times, the control and treatment of this type of poisoning are not efficient, because disease evolution is superacute, usually causing the death of the animal. Due to the difficulty in controlling this intoxication, several studies have suggested alternatives to prevent it, mainly by making animals resistant to the MFA present in these plants or by avoiding their consumption. This literature review addresses the techniques used experimentally to control the poisoning of ruminants by plants containing MFA. The first studies carried out in Brazil demonstrated that goats and sheep that continuously receive non-toxic doses of plant containing MFA show greater resistance to poisoning than untreated animals, and that this resistance can be transmitted by ruminal fluid transfaunation, suggesting that poisoning occurs due to the presence of bacteria that hydrolyze MFA in the rumen. Based on this hypothesis, several MFA-hydrolyzing bacteria were isolated (Enterococcus faecalis, Bacillus sp., Paenibacillus sp., Burkholderia sp., Cupriavidus sp., Staphylococcus sp., Ancylobacter sp., Ralstonia sp., Stenotrophomonas sp., Pigmentiphaga kullae, and Ancylobacter dichloromethanicus). When some of these bacteria were administered intraruminally, they provided the animal with a different level of protection against poisoning. However, it was observed that protection is gradually lost when the bacterium administration is interrupted. Consequently, to obtain more efficient protection, these bacteria should be administered continuously, probably in the form of probiotics. In another assay, MFA was administered to sheep at non-toxic doses to test the hypothesis that this substance could induce the multiplication of bacteria that hydrolyze it in the rumen. There was no increase in resistance to poisoning after administration of MFA; however, no signs of poisoning were observed when animals received trifluoroacetate and no clinical signs were verified when they were challenged with toxic doses of MFA; in contrast, all control animals presented clinical signs. These results suggest that trifluoroacetate induces the proliferation of MFA‑degrading bacteria, and can be used in intoxication prophylaxis. The conditioned food aversion technique, using lithium chloride, has been successfully used experimentally to prevent ruminants from ingesting plants that contain MFA. Another alternative tested was the spraying of Amorimia septentrionalis with the endophytic bacterium Herbaspirillum seropedicae, which degrades MFA, resulting in decreased concentration of this compound in the plants. In conclusion, several experimental techniques have been proved efficient in the control and prophylaxis of MFA-containing plant poisoning; however, none of these techniques are available commercially. Further experiments, mainly in the field, should be carried out to adapt some of these techniques to the conditions of extensive breeding in the numerous areas where MFA-containing plants occur.

Abstract in Portuguese:

As plantas que contém monofluoroacetato (MFA) causam morte súbita associada ao exercício em ruminantes, e são responsáveis por grandes perdas na pecuária brasileira, estimadas em 500.000 mortes de bovinos anualmente. O controle e tratamento desse tipo de intoxicação, na maioria das vezes, não apresenta eficiência, visto que a evolução da doença é superaguda, e geralmente ocasiona a morte do animal. Devido à dificuldade no controle dessa intoxicação, diversos estudos sugerem alternativas para preveni-la, principalmente tornando os animais resistentes ao MFA presente nessas plantas ou evitando seu consumo. O objetivo do presente trabalho é fazer uma revisão bibliográfica das técnicas utilizadas experimentalmente para controlar a intoxicação de ruminantes por plantas que contém MFA. Nos primeiros trabalhos realizados no Brasil, foi determinado que caprinos e ovinos que recebem continuadamente doses não tóxicas de planta que contém MFA apresentam maior resistência a intoxicação que animais não tratados e que essa resistência pode ser transmitida por transfaunação de fluído ruminal, sugerindo que a mesma ocorre devido a presença de bactérias que hidrolisam MFA no rúmen. Com base nessa hipótese foram isoladas diversas bactérias que hidrolisam MFA (Enterococcus faecalis, Bacillus sp., Paenibacillus sp., Burkholderia sp., Cupriavidus sp., Staphylococcus sp., Ancylobacter sp., Ralstonia sp., Stenotrophomonas sp., Pigmentiphaga kullae e Ancylobacter dichloromethanicus). Quando algumas dessas bactérias foram administradas intraruminalmente conferiram diferentes graus de proteção contra a intoxicação. No entanto foi observado que a proteção se perde gradualmente quando se deixa de administrar a(s) bactéria(s). Em consequência, para obter uma proteção mais eficiente essas bactérias deveriam ser administradas continuadamente, provavelmente na forma de probiótico. Em outro ensaio administrou-se MFA a ovinos em doses não tóxicas para testar a hipótese de que esta substância poderia induzir a multiplicação de bactérias que hidrolisam o mesmo no rúmen. Não houve um aumento da resistência a intoxicação após a administração de MFA; no entanto quando foi administrado trifluoroacetato, os animais não desenvolveram nenhum sinal de intoxicação e quando desafiados com doses tóxicas de MFA não apresentaram sinais clínicos, pelo contrário todos os animais controles apresentaram sinais clínicos. Esses resultados sugerem que o trifluoroacetato induz a proliferação de bactérias que degradam MFA e pode ser utilizado para a profilaxia da intoxicação. A técnica da aversão alimentar condicionada, utilizando cloreto de lítio, tem sido empregada experimentalmente, com sucesso, para evitar que ruminantes ingiram plantas que contém MFA. Outra alternativa testada foi a pulverização de Amorimia septentrionalis com a bactéria endofítica Herbaspirullum seropedicae, que degrada MFA, resultando na diminuição da concentração deste composto na planta. Conclui-se que há diversas técnicas que experimentalmente tem demonstrado eficiência no controle e profilaxia das intoxicações por plantas que contém MFA; no entanto, nenhuma dessas técnicas está disponível comercialmente. Futuros experimentos, principalmente, a campo, deverão ser realizados para adaptar alguma(s) dessas técnicas as condições de criação extensiva nas numerosas áreas onde ocorrem plantas que contém MFA.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV