Resultado da pesquisa (12)

Termo utilizado na pesquisa articulação

#1 - Musculoskeletal ultrasonography of the elbow joint in dogs: applicability and evaluation protocol

Abstract in English:

The elbow is a complex joint and has great clinical relevance in small animal medicine. Previous research in this area has been performed using radiographic and tomographic methods; however, there are limited studies on ultrasonography. The aims of this study was suggesting an evaluation protocol for elbow scan and describe the ultrasonographic anatomy of the elbow joint in dogs. Ten cross-breed dogs weighing 5-15kg underwent radiography and were selected for this ultrasonographic study. The protocol was established for the ultrasonographic description dividing the articular areas in the proximal, middle, and distal, lateral, cranial, medial, and caudal faces. The approach was performed in the longitudinal, transverse and oblique planes and the musculoskeletal structures were described according to the architecture, echogenicity and echotexture. Computed tomography and magnetic resonance imaging scans were obtained for one animal for comparison. Ultrasonography was effective in visualizing and analyzing muscles, tendons and ligaments. Bone contours and regions that have clinical significance such as the medial coronoid process and anconeus process were identified, but with limited access. Prior knowledge of the normal sonographic anatomy of the elbow joint, as well as its technical advantages and limitations will allow further studies related to the identification of musculoskeletal disorders.

Abstract in Portuguese:

O cotovelo é uma articulação complexa e tem grande relevância clínica na medicina veterinária de pequenos animais. Pesquisas prévias nesta área foram realizadas utilizando radiografias e tomografia computadorizada, entretanto há limitados estudos com ultrassonografia. O objetivo desse estudo é sugerir um protocolo de avaliação da articulação do cotovelo e descrever sua anatomia ultrassonográfica. Dez cães sem raça definida, pesando 5-15kg foram submetidos à radiografias e foram selecionados para o estudo ultrassonográfico. O protocolo foi estabelecido para a descrição anatômica ultrassonográfica dividindo as articulações em proximal, média e distal, faces lateral, cranial, medial e caudal. A abordagem foi realizada nos planos longitudinal, transverso e oblíquo e as estruturas foram descritas de acordo com a arquitetura, ecogenicidade e ecotextura. Tomografia computadorizada e ressonância magnética foram realizadas em um animal para comparação. A ultrassonografia foi efetiva na visualização e análise de músculos, tendões e ligamentos. Os contornos ósseos e regiões com significado clínico como o processo coronóide medial e o processo ancôneo foram identificados, mas com acesso limitado. Conhecimento prévio da anatomia ultrassonográfica normal da arquitetura do cotovelo, bem como suas vantagens e limitações, irão permitir estudos adicionais relacionados à identificação de desordens musculoesqueléticas.


#2 - Physiotherapy protocol during initial postoperative period of arthroscopy in horses

Abstract in English:

This study evaluated the effects of a physiotherapy protocol applied in joints with osteochondritis dissecans submitted to arthroscopy. Twelve horses totaling twenty joints were used and divided into two uniform groups, according to articular lesion grade. Treated Group (TG) received the physiotherapy protocol (cryotherapy, passive rage motion and controlled exercise) that initiate just after anesthetic recovery and extended for five days. Control Group (CG) remained resting in stall during the same period. Physical examination and synovial fluid analysis were used to evaluate the treatment. The synovial fluid examination consisted of physical analysis (color, aspect, and viscosity), mucin clot evaluation, Serum Amyloid A, Prostaglandin E2 and urea concentration. Synovial samples were collected by arthrocentesis at the beginning of the surgical procedure (D1), 48 hours (D3) and 96 hours (D5) after surgery. Before arthroscopy and daily during the postoperative period joints were evaluated by physical exam: superficial temperature (°C), range of motion (degrees) and circumference (centimeters). The joint physical examination showed no significant difference between groups and neither along the days for the same group. The parameters of synovial fluid showed difference over the moments in each group but didn’t have difference between groups. Color and aspect had the same patterns across moments, in CG fluid had significant change when compared D1 with D3 (color and aspect: p<0.001) and D5 (color: p<0.001; aspect: p<0.05) becoming mostly bloody and cloudy in D3 and D5. However in TG the difference was significant just between D1 and D3 (color and aspect: p<0.05), showing an improvement of synovial fluid in D5 (color and aspect: p>0.05). Viscosity and mucin clot evaluation showed significant change in CG between D1 and D3 (viscosity: p<0.01; mucin clot: p<0.05) and between D1 and D5 (viscosity: p<0.01;mucin clot: p<0.01). In TG no significant difference of viscosity and mucin clot was observed over the moments, showing an early improvement of synovial fluid quality. The Serum Amyloid A concentration showed an extremely significant increase in CG (p<0.001) when compared D1 (1217.13±664.47μg/mL) and D3 (42423.80±52309.31μg/mL). The comparison between D1 and D5 in CG, and across moments in TG, had no statistical difference. The PGE2 eicosanoid remained statistically unchanged all over the time. Urea showed significant increase in D3 when compared to D1 (p<0.001) in CG, and had no variation in TG. The physiotherapy protocol minimized the inflammatory mediators and provided minor alterations in synovial fluid after arthroscopy

Abstract in Portuguese:

Este estudo avaliou os efeitos de um protocolo fisioterápico, aplicado em articulações com osteocondrite dissecante, submetidas à artroscopia. Foram utilizados 12 cavalos, totalizando 20 articulações, divididas em dois grupos homogêneos de acordo com a graduação da lesão articular. O grupo tratado (GT) recebeu o protocolo fisioterápico (crioterapia, movimentação passiva e exercício controlado) que se iniciou imediatamente após a recuperação anestésica e se estendeu por cinco dias. O grupo controle (GC) permaneceu em repouso na baia, pelo mesmo período. Exame físico da articulação e análise do líquido sinovial foram utilizados para avaliar o tratamento. O exame do líquido sinovial consistiu em análise física (cor, aspecto e viscosidade), avaliação do coágulo de mucina e concentrações de amiloide sérica A, prostaglandina E2 e ureia. Amostras de líquido sinovial foram colhidas por artrocentese no início do procedimento cirúrgico (D1) e após 48 (D3) e 96 horas (D5) do procedimento cirúrgico. Antes da artroscopia e diariamente no período pós-operatório, as articulações foram avaliadas por exame físico: temperatura superficial (°C), ângulo de flexão (graus), circunferência (centímetros). A avaliação física das articulações não apresentou diferença significativa entre os grupos nem ao longo dos dias em cada grupo. Nas análises do líquido sinovial, observou-se uma variação diferente entre os momentos em cada grupo porém sem diferença significativa entre os grupos. A cor e o aspecto tiveram resultados semelhantes ao longo do tempo, no GC houve uma alteração significativa quando comparados D1 e D3 (cor e aspecto: p<0,001) e D1 e D5 (cor: p<0,001; aspecto: p<0,05) tornando-se sanguinolento e turvo na maioria das amostras em D3 e D5. Já no GT, houve diferença significativa apenas entre D1 e D3 (cor e aspecto: p<0,05), demonstrando melhora no líquido sinovial em D5 (cor e aspecto: p>0,05). A viscosidade e o coágulo de mucina apresentou alteração significativa no GC entre D1 e D3 (viscosidade: p<0,01; coágulo de mucina: p<0,05) e entre D1 e D5 (viscosidade e coágulo de mucina: P<0,01). No grupo tratado não foram observadas alterações significativas em viscosidade e coágulo de mucina, ao longo dos momentos, demonstrando uma melhora precoce na qualidade do líquido sinovial. A amiloide sérica A apresentou um aumento extremamente significante no GC (p<0,001) quando comparados D1 (1217,13±664,47μg/dL) e D3 (42423,80±52309,31μg/dL). Quando comparados D1 e D5 no GC e ao longo do tempo no GT não foram observadas diferenças significativas. A concentração de PGE2 permaneceu sem alterações. As mensurações de ureia apresentaram aumento significativo em D3 quando comparado a D1 (p<0,001) no GC e não apresentou variação no GT. O protocolo fisioterápico minimizou os mediadores inflamatórios e proporcionou menor alteração do líquido sinovial após artroscopia.


#3 - Modified TightRope technique for treatment of the cranial cruciate ligament disease in dogs: long term outcomes, 38(8):1631-1637

Abstract in English:

ABSTRACT.- Abreu T.G.M., Muzzi L.A.L., Camassa J.A.A., Kawamoto F.Y.K. & Rios P.B.S. 2018. [Modified TightRope technique for treatment of the cranial cruciate ligament disease in dogs: long term outcomes.] Técnica de TightRope modificada no tratamento da doença do ligamento cruzado cranial em cães: resultados a longo prazo. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(8):1631-1637. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Campus de Jaboticabal, Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane Km 5, Jaboticabal, SP 14884-900, Brazil. E-mail: thaismorato@yahoo.com.br The aim of the study was to describe the long term outcomes of the modified extracapsular TightRope (TR) technique in the treatment of the cranial cruciate ligament (CCL) disease in eight dogs (10 joints) with a body weight ranging from 4kg to 28kg. The animals were submitted to specific orthopedic examinations and were diagnosed with total CCL rupture by drawer and tibial compression tests. Conventional and stress positional radiographic examinations of the affected joints were performed. The TR technique was modified using the nylon suture thread replacing the fiber suture used in the original technique, which facilitated the availability of obtaining the material. There was also modification in the origin of the tibial tunnel perforation that was performed immediately cranial to the groove of the long digital extensor tendon. The dogs underwent radiographic examination in the immediate postoperative and in later periods. At one month after surgical procedure, the animals showed mild or moderate lameness in the affected pelvic limbs. Mild cranial tibial drawer was observed in 60% of the operated joints. At three months after the procedure, the animals have mild decrease in the range of joint motion, but without signs of pain. Two stifle joints (20%) showed a slight cranial displacement of the tibia in the drawer test. In this period, 80% of the affected joints showed normal limb support. At one year after the procedure, radiographic examination showed a discrete progression of the degenerative joint disease in 50% of the operated joints. The long term outcomes were obtained from eight joints and in only one pelvic limb was observed mild lameness with slight weight transfer to the normal contralateral limb. All other evaluated pelvic limbs (87.5%) showed no lameness and proper recovery of joint function. In conclusion, the modified TR extracapsular surgical technique proved to be effective as a treatment option for CCL disease in small and medium dogs, with no complications. Modifications of the surgical suture thread and the tibial site perforation of the TR technique seem to have positive effects on stabilization of the stifle joint.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Abreu T.G.M., Muzzi L.A.L., Camassa J.A.A., Kawamoto F.Y.K. & Rios P.B.S. 2018. [Modified TightRope technique for treatment of the cranial cruciate ligament disease in dogs: long term outcomes.] Técnica de TightRope modificada no tratamento da doença do ligamento cruzado cranial em cães: resultados a longo prazo. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(8):1631-1637. Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Campus de Jaboticabal, Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane Km 5, Jaboticabal, SP 14884-900, Brazil. E-mail: thaismorato@yahoo.com.br O objetivo deste estudo foi descrever os resultados a longo prazo do uso da técnica extracapsular TightRope (TR) modificada no tratamento da doença do ligamento cruzado cranial (LCCr) em oito cães (10 articulações) com peso corporal variando entre 4kg e 28kg. Todos os animais selecionados foram submetidos aos exames ortopédicos específicos, sendo diagnosticada ruptura completa do LCCr pelos testes de gaveta e de compressão tibial. Realizaram-se exames radiográficos convencionais e em posição de estresse das articulações. A técnica TR foi modificada utilizando-se o fio de náilon substituindo o fio de fibra empregado na técnica original, facilitando a disponibilidade de obtenção do material. Houve também modificação na origem da perfuração do túnel tibial, sendo realizada imediatamente cranial ao sulco do tendão extensor digital longo. Todos os cães foram submetidos ao exame radiográfico tanto no pós-operatório imediato como no tardio. Aos 30 dias após a intervenção cirúrgica, os pacientes apresentavam claudicação nos membros pélvicos operados de grau discreto a moderado. Foi observado discreto movimento de gaveta cranial em 60% das articulações acometidas. Aos três meses após o procedimento cirúrgico, os animais apresentaram ausência de dor e discreta redução na amplitude dos movimentos articulares. Em duas articulações (20%) observou-se discreto deslocamento cranial da tíbia no teste de gaveta. Nesta fase, 80% dos membros avaliados apresentavam apoio normal. Um ano após a intervenção cirúrgica, observou&#8209;se ao exame radiográfico discreta progressão da doença articular degenerativa em 50% das articulações operadas. Das oito articulações avaliadas a longo prazo, em apenas um membro operado observou-se discreta claudicação com reduzida transferência de peso para o membro contralateral. Os demais membros pélvicos avaliados (87,5%) demonstraram ausência de claudicação e adequada recuperação da função articular. Concluiu-se que a técnica cirúrgica extracapsular TR modificada mostrou-se efetiva como opção de tratamento para doença do LCCr em cães de porte pequeno e médio, não apresentando complicações. As modificações do fio cirúrgico e da perfuração da tíbia na técnica TR parecem ter efeitos positivos na estabilização da articulação do joelho.


#4 - Radiographic assessment of the proximal tibial angles in dogs and cats with and without cranial cruciate ligament rupture, 38(6):1190-1195

Abstract in English:

ABSTRACT.- Arruda A.F.D.P., Muzzi L.A.L., Lacreta Junior A.C.C., Muzzi R.A.L., Sampaio G.R., Moreira S.H. & Mesquita L.R. 2018. Radiographic assessment of the proximal tibial angles in dogs and cats with and without cranial cruciate ligament rupture. [Avaliação radiográfica dos ângulos da tibia proximal em cães e gatos com e sem ruptura do ligamento cruzado cranial.] Pesquisa Veterinária Brasileira 38(6):1190-1195. Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal de Lavras, Av. Doutor Sylvio Menicucci 1001, Cx. Postal 3037, Kennedy, Lavras, MG 37200-000, Brazil. E-mail: lalmuzzi@dmv.ufla.br The influence of the proximal tibial angles in the cranial cruciate ligament (CCL) rupture in dogs is still controversial, and little is known regarding this topic in cats. The aim of this study was to evaluate and compare the angles of the proximal portion of the tibia in dogs and cats with and without CCL rupture. Retrospective and prospective radiographs of the stifle joints were obtained and divided into four groups. Group 1 was composed of 70 stifle joint images of dogs without orthopedic disorders (healthy dogs), group 2 had 70 stifle joint images of dogs with CCL rupture, group 3 had 50 stifle joint images of cats without orthopedic disorders (healthy cats) and group 4 had 25 stifle joint images of cats with CCL rupture. Radiographs were taken with the stifle joint in the mediolateral projection, positioned at the angle of hind limb support. Between the two groups of dogs evaluated, the dogs with CCL rupture had statistically greater tibial plateau angle (TPA) compared with healthy dogs. No difference was shown in relation to the TPA between healthy cats and cats with CCL rupture. In relation to the patellar ligament angle by tibial plateau method the values for the healthy dogs were significantly higher than those for the CCL ruptured dogs. Similarly, healthy cats had significantly higher mean values than cats with CCL rupture. In the patellar ligament angle by common tangent method there was no significantly difference between the two groups of dogs. Between the two groups of cats, animals with CCL rupture had statistically higher mean values than healthy cats. In general, the groups of dogs showed higher mean values than the groups of cats. For the patellar ligament insertion angle (PLIA) healthy dogs showed a significantly higher mean than dogs with CCL rupture. There was no significant difference between the groups of cats. In conclusion, the TPA and the PLIA possibly influence the etiology of CCL rupture in dogs but not in cats. The low patellar ligament angle measured by common tangent method may favorably influence the reduced incidence of CCL rupture in cats.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Arruda A.F.D.P., Muzzi L.A.L., Lacreta Junior A.C.C., Muzzi R.A.L., Sampaio G.R., Moreira S.H. & Mesquita L.R. 2018. Radiographic assessment of the proximal tibial angles in dogs and cats with and without cranial cruciate ligament rupture. [Avaliação radiográfica dos ângulos da tibia proximal em cães e gatos com e sem ruptura do ligamento cruzado cranial.] Pesquisa Veterinária Brasileira 38(6):1190-1195. Departamento de Medicina Veterinária, Universidade Federal de Lavras, Av. Doutor Sylvio Menicucci 1001, Cx. Postal 3037, Kennedy, Lavras, MG 37200-000, Brazil. E-mail: lalmuzzi@dmv.ufla.br A influência dos ângulos da parte proximal da tíbia sobre a ruptura do ligamento cruzado cranial (LCC) em cães é ainda controversa, e pouco é descrito sobre este tópico em gatos. O objetivo deste estudo foi avaliar e comparar os ângulos da tíbia proximal em cães e gatos, ambas as espécies com e sem ruptura do LCC. Foram obtidos exames radiográficos retrospectivos e prospectivos das articulações do joelho e divididos em quatro grupos: no grupo 1 foram incluídas 70 imagens radiográficas da articulação do joelho de cães sem distúrbios ortopédicos (cães saudáveis), no grupo 2 foram 70 imagens radiográficas articulação do joelho de cães com ruptura do LCC, no grupo 3 foram 50 imagens radiográficas da articulação do joelho de gatos sem distúrbios ortopédicos (gatos saudáveis), e no grupo 4 foram 25 imagens radiográficas articulação do joelho de gatos com ruptura do LCC. As imagens radiográficas da articulação do joelho foram obtidas na projeção mediolateral, mantendo-se a articulação posicionada na angulação de apoio do membro pélvico. Em relação ao ângulo do platô tibial (APT), os cães com ruptura do LCC tiveram estatisticamente maiores valores médios do APT quando comparados aos cães saudáveis. Não foi observada diferença significativa em relação ao APT entre os gatos saudáveis e os gatos com ruptura do LCC. Em relação ao ângulo do ligamento patelar mensurado pelo método do platô tibial, os valores médios observados para os cães saudáveis foram significativamente mais elevados do que os valores encontrados para os cães com ruptura do LCC. De forma semelhante, os gatos saudáveis também apresentaram valores médios mais elevados do que os gatos com ruptura do LCC. Para o ângulo do ligamento patelar mensurado pelo método da tangente comum, não foram observadas diferenças significativas entre os dois grupos de cães. No entanto, entre os dois grupos de gatos, os animais com ruptura do LCC apresentaram valores médios significativamente mais elevados do que os gatos saudáveis. Em geral, os grupos de cães demonstraram valores médios mais elevados quando comparados aos grupos de gatos. Em relação ao ângulo de inserção do ligamento patelar (AILP), os cães saudáveis apresentaram valores médios significativamente mais elevados do que os cães com ruptura do LCC. No entanto, não foi observada diferença significativa entre os dois grupos de gatos. Em conclusão, o APT e o AILP possivelmente exercem influência na etiologia da ruptura do LCC em cães, mas não influenciam nos gatos. Em gatos, os reduzidos ângulos do ligamento patelar observados pelo método da tangente comum podem influenciar favoravelmente na baixa incidência da ruptura do LCC nessa espécie.


#5 - Normal ultrasonographic, anatomical and histological aspects of the equine metacarpophalangeal joint, 37(10):1165-1171

Abstract in English:

ABSTRACT.- De Bastiani G., De La Corte F., Kommers G.D., Brass K.E., Pereira R., Cantarelli C. & Silva T.M. 2017. [Normal ultrasonographic, anatomical and histological aspects of the equine metacarpophalangeal joint.] Aspectos ultrassonográficos, anatômicos e histológicos normais da articulação metacarpofalangeana equina. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(10):1165-1171. Departamento de Clínica de Grandes Animais, Universidade Federal de Santa Maria, Avenida Roraima 1000, Santa Maria, RS 97105-900, Brazil. E-mail: grasibage@hotmail.com The purpose of this study was to describe and characterize the equine metacarpophalangeal joint structures through ultrasonographic, anatomical and histological analysis. Seventy forelimb specimens were obtained from a slaughterhouse and submitted to ultrasonographic evaluation. Thirty specimens without ultrasonographic detectable lesions were selected for dissection and subsequent anatomical and histological evaluation. Criteria such as size, shape, architecture and echogenicity were observed in order to characterize normal ligaments, tendons, joint capsule and articular cartilage of the metacarpophalangeal joint.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- De Bastiani G., De La Corte F., Kommers G.D., Brass K.E., Pereira R., Cantarelli C. & Silva T.M. 2017. [Normal ultrasonographic, anatomical and histological aspects of the equine metacarpophalangeal joint.] Aspectos ultrassonográficos, anatômicos e histológicos normais da articulação metacarpofalangeana equina. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(10):1165-1171. Departamento de Clínica de Grandes Animais, Universidade Federal de Santa Maria, Avenida Roraima 1000, Santa Maria, RS 97105-900, Brazil. E-mail: grasibage@hotmail.com O objetivo deste estudo foi descrever e caracterizar as estruturas que compõem a articulação metacarpofalangena equina por meio de análise ultrassonográfica, anatômica e histológica. Membros torácicos equinos (=70), obtidos em instalações frigoríficas, foram submetidos a exame ultrassonográfico post mortem. Destes, 30 membros apresentaram imagens ultrassonográficas consideradas sem alterações. Posteriormente foi realizada a dissecação dos mesmos e o estudo anátomo-histológico. Critérios como tamanho, forma, arquitetura e ecogenicidade foram observados a fim de caracterizar as imagens ultrassonográficas, anatômicas e histológicas normais das estruturas ligamentares, tendíneas, capsulares e cartilaginosas da articulação metacarpofalangeana equina.


#6 - Radiographic and tomographic study of the elbow joint in dogs, 37(2):160-170

Abstract in English:

ABSTRACT.- Sendyk-Grunkraut A., Martín C.M., Souza A.N.A., Patrício G.C.F., Lorigados C.A.B., Matera J.M. & Fonseca-Pinto A.C.B.C. 2017. [Radiographic and tomographic study of the elbow joint in dogs.] Avaliação morfológica e morfométrica da articulação umerorradioulnar em cães através de exames radiográficos e por tomografia computadorizada. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(2):160-170. Programa de Pós-Graduação em Clínica Cirúrgica Veterinária, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Orlando Marques de Paiva 87, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: anacarol@usp.br Elbow dysplasia disease includes an united anconeal process, fragmented medial coronoid process, osteochondrosis of humeral trochlea, articular incongruity and degenerative joint disease. The aim of this study was to present detailed morphologic and morphometric aspects of the elbow joint in dog in clinical and correlate with radiographic and tomographic (CT) exam. Inter-observer variation for articular incongruity measurements by CT, comparative analysis in the radiographic exam, angle in ulnar notch and its comparative analysis between radiographic and tomographic agreement examination in 44 elbow of dogs with different ages were evaluated. The statistics analyses included the kappa coefficient and interclass correlation and Fischer’s test and McNemar’s test. It was evidenced that individual performance of each radiographic incidence had poor agreement with the tomographic exam, suggesting that the accomplishment of more than two radiograph views are needed. There was no agreement between the three evaluators in the ulnar notch angle at radiographic and tomographic exams. However, there was good/moderate agreement for articular incongruity measurement in the sagittal plane between evaluators. It was possible to conclude that none of the five radiographic incidences was better than the others for radiographic analysis because each incidence had a better identification of a particular elbow compartment; measurements at the tomographic exam to evaluate radioulnar incongruity had no reproductiveness in the frontal plane, but in sagittal plan had a good/moderate agreement between observers and the angle in ulnar notch presented no repeatability at radiographic exam and no reproductiveness at tomographic exam.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Sendyk-Grunkraut A., Martín C.M., Souza A.N.A., Patrício G.C.F., Lorigados C.A.B., Matera J.M. & Fonseca-Pinto A.C.B.C. 2017. [Radiographic and tomographic study of the elbow joint in dogs.] Avaliação morfológica e morfométrica da articulação umerorradioulnar em cães através de exames radiográficos e por tomografia computadorizada. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(2):160-170. Programa de Pós-Graduação em Clínica Cirúrgica Veterinária, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Orlando Marques de Paiva 87, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: anacarol@usp.br Este estudo teve como objetivo apresentar de forma detalhada dados morfológicos e morfométricos da articulação umerorradioulnar de cães de raça definida avaliados por meio de exames físicos, radiográficos e tomográficos. A amostra dessa pesquisa constituiu-se de 44 cotovelos de cães com idades variadas. Para análise de informações obtidas, o coeficiente kappa e de correlação interclasse e associação foram realizados. Constatou-se que o desempenho individual de cada projeção radiográfica teve pobre concordância com o exame tomográfico; não houve concordância entre os observadores para as mensurações do ângulo da incisura ulnar ao exame radiográfico e tomográfico. Porém houve boa/moderada concordância para mensuração da incongruência radioulnar no plano sagital entre os observadores. Concluiu-se que nenhuma das cinco incidências radiográficas foi superior para análise radiográfica, uma vez que cada projeção apresentou melhor identificação de um compartimento do cotovelo. Medidas ao exame tomográfico para incongruência radioulnar não apresentaram reprodutibilidade no plano de reconstrução frontal, entretanto no corte sagital apresentaram boa e moderada concordância entre os observadores e que a mensuração do ângulo da incisura ulnar não apresentou repetibilidade ao exame radiográfico e nem reprodutibilidade ao exame tomográfico. Esses resultados contribuem para melhor utilização de cada exame de acordo com a região a ser avaliada bem como ressaltam a necessidade da somatória de múltiplos exames de imagem para a correta avaliação desta afecção.


#7 - Macroscopic and histological evaluations of equine joint cartilage repair treated with microperforation of the subchondral bone associated or not with intra-articular kartogenin, 36(4):272-278

Abstract in English:

ABSTRACT.- Rocha Junior S.S., Mendes H.M.F., Beier S.L., Paz C.F.R., Azevedo D.S.D., Lacerda I.G.O., Correa M.G. & Faleiros R.R. 2016. [Macroscopic and histological evaluations of equine joint cartilage repair treated with microperforation of the subchondral bone associated or not with intra-articular kartogenin.] Avaliações macroscópica e histológica do reparo da cartilagem articular equina tratada com microperfurações do osso subcondral associadas ou não à injeção intra-articular de cartogenina. Pesquisa Veterinária Brasileira 36(4):272-278. Escola de Veterinária, Universidade Federal de Minas Gerais, Avenida Antônio Carlos 6627, Cx. Postal 567, Campus Pampulha, Belo Horizonte, MG 31270-901, Brazil. E-mail: faleirosufmg@gmail.com The aim of this study was to evaluate the joint cartilage repair by macroscopic (via arthroscopy) and histological (biopsy fragments) analyses in chondral defects induced into equine femoral trochlea treated by microperforation associated with or without intra-articular administration of kartogenin. Six horses weighing 342±1.58 kg (mean ± SD), aged approximately 7.2±1.30 years and with a body condition score of 7.1±0.75, were used. The horses underwent arthroscopy for induction of 1-cm2 chondral lesions in lateral femoral trochlea immediately treated by microperforation of the subchondral bone of both knees. Four weekly intra-articular injections of kartogenin (20µM) in one knee (treated group) and Ringer lactate solution in the contralateral joint (control group) were performed during the postoperative period. After 60 days, macroscopic evaluations were performed by video-arthroscopy, and biopsy samples of the repair tissue were taken for histopathological healing evaluation. No significant change was observed in macroscopic and histological scores for chondral healing between treated and untreated groups (P>0.05). The overall mean percentage of hyaline cartilage in both groups (17.5%) was consistent with other international studies using other types of chondral microperforation; however, no statistical differences were observed between groups (P>0.05). In conclusion, the therapy with kartogenin, according to the used protocol, did not produce any macroscopic and histological healing improvement in induced chondral lesions treated with microperforations in equine femoral trochlea.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Rocha Junior S.S., Mendes H.M.F., Beier S.L., Paz C.F.R., Azevedo D.S.D., Lacerda I.G.O., Correa M.G. & Faleiros R.R. 2016. [Macroscopic and histological evaluations of equine joint cartilage repair treated with microperforation of the subchondral bone associated or not with intra-articular kartogenin.] Avaliações macroscópica e histológica do reparo da cartilagem articular equina tratada com microperfurações do osso subcondral associadas ou não à injeção intra-articular de cartogenina. Pesquisa Veterinária Brasileira 36(4):272-278. Escola de Veterinária, Universidade Federal de Minas Gerais, Avenida Antônio Carlos 6627, Cx. Postal 567, Campus Pampulha, Belo Horizonte, MG 31270-901, Brazil. E-mail: faleirosufmg@gmail.com O objetivo deste estudo foi avaliar o reparo da cartilagem hialina equina, por meio de análises macroscópica (através de videoartroscopia) e histológica (através de fragmentos de biopsia), em defeitos condrais induzidos na tróclea lateral do fêmur tratados pela técnica de microperfurações subcondral associada ou não com administração intra-articular de cartogenina. Foram utilizados seis equinos pesando em média (±DP) 342±1,58 kg, com a idade aproximada de 7,2±1,30 anos e escore corporal de 7,1±0,75, que foram submetidos a videoartroscopia para indução da lesão condral de 1 cm2 na tróclea lateral do fêmur e realização da técnica de microperfuração do osso subcondral de ambos os joelhos. Foram realizadas quatro aplicações semanais com 20 µM de cartogenina intra-articulares em um dos joelhos (grupo tratado) e solução de ringer com lactato na articulação contralateral (grupo controle). Após o período de 60 dias, foram feitas as avaliações macroscópicas, através de videoartroscopias, e histológicas, através de biopsia. Não foram observadas diferenças significativas nos escores macroscópicos e histológicos para reparação condral entre animais dos grupos tratados e não tratados (P>0,05). De modo geral, a porcentagem média de cartilagem hialina no tecido de reparo (17,5%) foi condizente com a literatura internacional usando outros tipos de perfuração condral. Entretanto, não se observaram diferenças estatísticas entre grupos (P>0,05). A terapia com cartogenina, segundo protocolo utilizado, não produziu melhora do processo cicatricial em lesões condrais induzidas e tratadas com microperfurações na tróclea lateral do fêmur em equinos.


#8 - Anatomical description of the metacarpal phalangeal joint in sheep, 33(Supl.1):15-19

Abstract in English:

ABSTRACT.- Bianchi P.K.F.C., Martins E.A.N., Portugal E., Kfoury Júnior J.R. & Gonçalez P.O. 2013. [Anatomical description of the metacarpal phalangeal joint in sheep.] Descrição anatômica da articulação metacarpo-falângica em ovinos. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(Supl.1):15-19. Setor de Anatomia Animal, Faculdade de Veterinária, Universidade Camilo Castelo Branco, Av. Hilário da Silva Passos 950, Parque Universitário, Descalvado, SP 13690-970, Brazil. E-mail: pedro.bianchi@usp.br The joints anatomical description highlights the standards for biomechanical conditions that must be considered in the selection of a particular animal species. Thus, the objective was to describe the metacarpal phalangeal joint in sheep, for its architecture and adjacent structures. For this purpose, we used ten adult sheep, Santa Ines breed, males and females, randomly chosen. The anatomical specimens for the study were collected by the disarticulation of the distal row of carpal and metacarpal bone of an sheep’s forelimb. To observe the joint capsule, adjacent structures were overruled and their topographical relationships with such joint analyzed. The longitudinal measures of the joint capsule and the III-IV metacarpal bones, proximal phalanges III and IV proximal phalanx were taken. Through the results, it is concluded that the metacarpal phalangeal joint in sheep presents similar topographical relationships described for other ruminants, with connections at the proximal and recesses at the distal areas.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Bianchi P.K.F.C., Martins E.A.N., Portugal E., Kfoury Júnior J.R. & Gonçalez P.O. 2013. [Anatomical description of the metacarpal phalangeal joint in sheep.] Descrição anatômica da articulação metacarpo-falângica em ovinos. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(Supl.1):15-19. Setor de Anatomia Animal, Faculdade de Veterinária, Universidade Camilo Castelo Branco, Av. Hilário da Silva Passos 950, Parque Universitário, Descalvado, SP 13690-970, Brazil. E-mail: pedro.bianchi@usp.br A descrição anatômica articular evidencia os fatores padrões para as condições biomecânicas que devem ser consideradas na seleção do animal de uma determinada espécie. Dessa forma, objetivou-se descrever a articulação metacarpo-falângica na espécie ovina, em relação a sua arquitetura, considerando o volume, recessos, comunicações e relações no aspecto anatômico macroscópico. Para tanto, foram utilizados dez animais adultos da espécie ovina, raça Santa Inês, machos e fêmeas, escolhidos aleatoriamente. A cápsula articular teve uma dimensão média de 3,05 cm e uma capacidade volumétrica média de 3,99 ml; as comunicações ocorreram em um grau médio de expansão do Látex nas faces dorsal (56,7%) e palmar (53,3%); as comunicações proximais nas faces dorsal, palmar e dorso-palmar apareceram em 100,0% dos casos; os recessos estiveram presentes nas extremidades distais. Nesse contexto, conclui-se, que a articulação metacarpo-falângica de ovinos apresenta-se com relações topográficas semelhantes à descrita para os demais ruminantes, possuindo comunicações em sua porção proximal e recessos distalmente.


#9 - Goniometric evaluation of both forelimbs and hind limbs in sheep of two different ages, 32(8):812-816

Abstract in English:

ABSTRACT.- Conceição R.T., Rahal S.C., Agostinho F.S., Teixeira C.R., Araújo F.A.P. & Monteiro F.O.B. 2012. [Goniometric evaluation of both forelimbs and hind limbs in sheep of two different ages.] Goniometria dos membros torácicos e pélvicos de ovinos com duas faixas etárias. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(8):812-816. Departamento de Cirurgia e Anestesiologia Veterinária, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Estadual Paulista, Campus de Botucatu, Distrito de Rubião Junior s/n, Botucatu, SP 18600-970, Brazil. E-mail: sheilacr@fmvz.unesp.br The purpose of this study was to compare goniometric values for forelimb and hind limbs in clinically healthy Santa Ines sheep with two ages (young and adult). Thirty female Santa Ines sheep were separated into two groups of 15 animals each: Group 1 with 6 to 12-month-old sheep (classified as young), and Group 2 with 3 to 6-year-old sheep (classified as adult). Maximum flexion, maximum extension, and range of motion (ROM) of the shoulder, elbow, carpal, hip, stifle, and tarsal joints, in the right and left limbs were measured with a standard transparent plastic goniometer. The measurements were performed in triplicate by two independent investigators with the sheep in a standing position. There was no statistically significant difference between the right and left sides, between investigators or between groups. In conclusion, in clinically healthy sheep the goniometric values were not influenced by age.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Conceição R.T., Rahal S.C., Agostinho F.S., Teixeira C.R., Araújo F.A.P. & Monteiro F.O.B. 2012. [Goniometric evaluation of both forelimbs and hind limbs in sheep of two different ages.] Goniometria dos membros torácicos e pélvicos de ovinos com duas faixas etárias. Pesquisa Veterinária Brasileira 32(8):812-816. Departamento de Cirurgia e Anestesiologia Veterinária, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Estadual Paulista, Campus de Botucatu, Distrito de Rubião Junior s/n, Botucatu, SP 18600-970, Brazil. E-mail: sheilacr@fmvz.unesp.br O trabalho teve por objetivo comparar os valores goniométricos das articulações dos membros torácicos e pélvicos em ovinos da raça Santa Inês em duas faixas etárias (jovens e adultos). Foram utilizados 30 ovinos hígidos, fêmeas, divididos em dois grupos: Grupo 1 com 15 animais jovens (idade entre 6 e 12 meses), Grupo 2 com 15 animais adultos (entre 3 e 6 anos). Foram aferidas a máxima flexão, a máxima extensão e calculou-se a amplitude de movimento das articulações, direita e esquerda, dos membros torácicos (ombro, cotovelo e carpo) e pélvicos (coxofemoral, joelho e tarso), com o emprego de um goniômetro universal de plástico. Cada articulação foi aferida em triplicata por dois avaliadores com o animal em estação. Não foram detectadas diferenças estatísticas entre as médias em ambos os lados, entre os avaliadores ou entre os grupos. Foi possível assim concluir que, em ovinos hígidos, os valores goniométricos não foram influenciados pela idade.


#10 - Cytological and physicochemical aspects of the temporomandibular joint synovial fluid of horses in different ages, 31(10):926-932

Abstract in English:

ABSTRACT.- Zambrano R.S., Fonseca F.A., Dias G.M.B., Alves G.E.S., Lima E.M.M., Vianna A.R.C.B. & Godoy R.F. 2011. [Cytological and physicochemical aspects of the temporomandibular joint synovial fluid of horses in different ages.] Aspectos fisicoquímicos e citológicos do líquido sinovial da articulação temporomandibular de equinos em diferentes idades. Pesquisa Veterinária Brasileira 31(10):926-932. Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade de Brasília, ICC Sul, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Cx. Postal 4508, Brasília, DF 70910-970, Brazil. E-mail: robertagodoy@unb.br The synovial fluid analysis is very important to identify cytology and chemical modifications of suppurative and nonsuppurative inflammatory diseases, bleeding, neoplasm or infectious diseases. The aim of this study was to analyze the physicochemical and cytological aspects of temporomandibular joint synovial fluid in 24 healthy horses, 12 males and 12 females, who were divided into four groups: control group (Gc) with age varied between five to 13 years, group 1 (G1), with ages varied between five and seven years, group 2 (G2) age varied between eight and ten years and group 3 (G3) with age varied between 11 and 13. The synovial fluid was evaluated for volume, pH, density, glucose, total protein, red blood cells, nucleated cells, neutrophils, lymphocytes and macrophages. The animals in this study were treated for minor dental abnormalities and it was not possible to detect changes in physicochemical and cytologic synovial fluid between the different groups.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Zambrano R.S., Fonseca F.A., Dias G.M.B., Alves G.E.S., Lima E.M.M., Vianna A.R.C.B. & Godoy R.F. 2011. [Cytological and physicochemical aspects of the temporomandibular joint synovial fluid of horses in different ages.] Aspectos fisicoquímicos e citológicos do líquido sinovial da articulação temporomandibular de equinos em diferentes idades. Pesquisa Veterinária Brasileira 31(10):926-932. Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade de Brasília, ICC Sul, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Cx. Postal 4508, Brasília, DF 70910-970, Brazil. E-mail: robertagodoy@unb.br A análise do líquido sinovial é de grande importância para identificar alterações citológicas e químicas de afecções inflamatórias supurativas e não supurativas, hemorragias, neoplasia ou doenças infecciosas. O objetivo deste estudo foi analisar os aspectos fisicoquímicos e citológicos do líquido sinovial da articulação temporomandibular em 24 equinos hígidos, sendo 12 machos e 12 fêmeas, que foram divididos em quatro grupos, sendo um grupo controle (Gc) com a idade variando de cinco a 13 anos, grupo 1 (G1) com a idade variando entre cinco e sete anos, grupo 2 (G2) com idade variando entre oito e dez anos e grupo 3 (G3) com idade que varia entre 11 e 13 anos. O líquido sinovial foi avaliado quanto ao seu volume, pH, densidade, glicose, proteínas totais, hemácias, células nucleadas, neutrófilos, linfócitos e macrófagos. Os animais do presente estudo foram tratados para alterações dentárias leves e não foi possível detectar alterações fisicoquímicas e citológicas no líquido sinovial entre os diferentes grupos.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV