Resultado da pesquisa (13)

Termo utilizado na pesquisa monitoring

#1 - Ultrasound monitoring of the uterus and ovaries of dominant and subordinate females of yellow-breasted capuchin (Sapajus xanthosternos) and robust tufted capuchin (Sapajus robustus) in captive colonies during the ovarian cycle and anestrus periods

Abstract in English:

The yellow-breasted capuchin (Sapajus xanthosternos) and robust tufted capuchin (Sapajus robustus) are endangered species due to destruction of their natural habitat and predatory chase. However, it is still necessary to elucidate some details of their reproductive physiology in order to obtain better indices in the assisted reproduction of these species. This study aimed to evaluate the ovarian cycle of 13 dominant and subordinate females of S. xanthosternos (n=8) and S. robustus (n=5) using sagittal and transversally scanned ultrasound of their uterus and ovaries. Sonograms were performed every seven days for two months. The ovarian cycle phase and anestrous condition were confirmed by colpocytology. Our results showed different uterine parameters (craniocaudal diameter, dorso-ventral diameter, and transverse diameter) (P<0.05) between anestrous subordinate females and other ovarian cycle phases and social classes. The mean of uterine volume was higher in dominant females than subordinate females in all cycle phases (P<0.05), except in follicular phase. During anestrus, endometrial width was smaller in subordinate females than in dominant females (P<0.05). Subordinate females showed differences in endometrial measures (P<0.05) between anestrous period and follicular and luteal periods. Ovarian measures in dominant females were higher than in subordinate females only during anestrus (P<0.05). In the subordinate females, ovarian parameters were different (P<0.05) between anestrus and follicular and luteal phases. Dominant females showed higher volume of right ovary compared to volume of the left ovary during anestrus and follicular phase (P<0.05). Follicles and corpus luteum were distinguished by ultrasonography in most exams (86.11%). During anestrus, measurable ovarian structures were not observed in both ovaries in dominant and subordinate females. In conclusion, the methodology used in this study allowed to evaluate the ovarian cycle in S. xanthosternos e S. robustus females and that cycle phase/anestrus and social class of the female influenced the size of the uterus and ovaries.

Abstract in Portuguese:

O macaco-prego-do-peito-amarelo (Sapajus xanthosternos) e o macaco–prego-de-crista (Sapajus robustus) encontram-se em risco de extinção devido a destruição do seu habitat e a caça predatória. Porém, ainda necessita-se elucidar alguns detalhes de sua fisiologia reprodutiva, para obterem-se melhores índices por meio de reprodução assistida. Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi acompanhar o ciclo ovariano de 13 fêmeas dominantes e subordinadas de S. xanthosternos (n=8) e S. robustus (n=5) por meio de cortes ultrassonográficos sagitais e transversais do útero e dos ovários. Estas fêmeas foram examinadas uma vez por semana durante dois meses. A fase do ciclo ovariano/anestro foi confirmada pela colpocitologia. Os resultados da pesquisa demonstrou diferença significativa (P<0,05) relacionada ao diâmetro crânio‑caudal, diâmetro dorso-ventral e diâmetro transversal entre as fêmeas subordinadas em anestro com todas as outras fases do ciclo ovariano e classes sociais. A média do volume uterino foi maior nas fêmeas dominantes que nas subordinadas em todas as fases do ciclo (P<0,05) a exceção da fase folicular. A largura endometrial, durante o período de anestro, foi menor nas fêmeas subordinadas quando comparada às dominantes (P<0,05). Nas fêmeas subordinadas, houve diferenças (P<0,05) nas mensurações endometriais entre o período de anestro e das fases folicular e lútea. Quanto aos ovários, as médias das medidas observadas nas fêmeas dominantes foram superiores as das subordinadas durante o anestro (P<0,05). As médias das medidas das variáveis ovarianas das fêmeas subordinadas apresentaram diferenças entre o anestro e as fases folicular e lútea (P<0,05). Nas fêmeas dominantes o volume do ovário direito foi maior que o do ovário esquerdo durante o anestro e na fase folicular (P<0,05). Folículos e corpos lúteos foram diferenciados pela ultrassonografia na maioria das coletas (86,11%). Durante o anestro não foram observadas estruturas ovarianas mensuráveis nos ovários em ambas as classes sociais. Concluiu-se que a metodologia empregada neste estudo permitiu o acompanhamento do ciclo ovariano das fêmeas S. xanthosternos e S. robustus e que as fases do ciclo/anestro e a classe social das fêmeas influenciaram as medidas do útero e ovários.


#2 - Occurrence of bovine brucellosis and tuberculosis in Rio Grande do Sul, Brazil, based on secondary data

Abstract in English:

Results of tests for the diagnosis of bovine brucellosis and tuberculosis were evaluated aiming to analyze the distribution of positivity and characteristics of performance of the control program. The analysis used as secondary data the results of all diagnostic tests of bovines executed in 2008 in the state of Rio Grande do Sul (RS) by veterinarians authorized to operate under the National Program for Control and Eradication of Animal Brucellosis and Tuberculosis. The data were statistically adjusted to minimize the effect of outliers and missing data. The tests achieved 66.80% of the 497 municipalities in the RS and included the participation of 165 authorized veterinarians. 40.21% of tests were carried out in the months of April, September and October, and in 73.90% of establishments had tests performed for both diseases. In the case of brucellosis it appeared that 35,289 animals were tested, with positivity of 0.25%, while the frequency of positive holdings among the 3,406 tested was 0.94%. Females had higher positivity rate (0.29% of 26,724 tested) than males (0.13% of 5,235 tested). Animals between 48-60 months of age presented higher chance of positivity compared to other age groups (Odds Ratio (OR) = 2.63; CI 95% = 1.63 - 4.26). Dairy cattle represented 62.66% of tested animals, which were more likely to appear as positive than beef animals (OR = 2.32; CI 95% = 1.38 - 3.90). In addition, 73.74% of the tested holdings were dairy ones. In the case of tuberculosis, 62,149 animals were tested, distributed in 5,151 holdings, with positivity of 0.87% and 3.13%, respectively. The chance of positivity increased with age, being that animals older than 48 months presented higher values compared to ​​those found in younger animals (OR = 2.07; CI 95% = 1.73 - 2.48). Dairy cattle represented 59.74% of tested animals, which were more likely to be positive than beef ones (OR = 5.03; CI 95% = 4.09 - 6.94). Dairy holdings were 78.50% of all the tests for tuberculosis. The comparative analysis of this study with previous studies on brucellosis prevalence suggested that current control measures have been effective in reducing the prevalence of this disease in RS. On the other hand, information obtained on tuberculosis can be indicators of the condition of this disease, especially in the lack of prevalence studies carried out in the last 30 years. Finally, it is concluded that the use of secondary data, if properly adjusted, can be an effective tool in the management of animal health programs and monitoring and surveillance systems.

Abstract in Portuguese:

Avaliaram-se os resultados de testes para diagnóstico da brucelose e tuberculose bovinas objetivando analisar a distribuição de positividade e características de performance do programa de controle. A análise utilizou como dados secundários todos os resultados de testes para diagnóstico realizados em bovinos no ano de 2008 no estado do Rio Grande do Sul (RS) por médicos veterinários habilitados para atuação no âmbito do Programa Nacional de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose Animal. Os dados foram estatisticamente ajustados para minimizar os efeitos de valores extremos e de dados faltantes. Os testes alcançaram 66,80% dos 497 municípios do RS e incluíram a participação de 165 médicos veterinários habilitados. 40,21% dos testes foram realizados nos meses de abril, setembro e outubro, sendo que em 73,90% dos estabelecimentos foram realizados testes para ambas as enfermidades. No caso da brucelose verificou-se que foram testados 35.289 animais, com uma frequência de positivos de 0,25%, enquanto a frequência de estabelecimentos positivos entre os 3.406 testados foi 0,94%. Fêmeas apresentaram frequência de positividade mais elevada (0,29%, de 26.724 testadas) do que machos (0,13%, de 5.235 testados). Animais entre 48-60 meses de idade apresentaram chance de positividade superior às demais faixas etárias (Razão de Chances (RC) =2,63; IC 95%=1,63-4,26). Animais de aptidão leiteira representaram 62,66% dos animais testados, e apresentaram maior chance de positividade do que animais de corte (RC=2,32; IC 95%=1,38-3,90). Adicionalmente, 73,74% dos estabelecimentos testados eram dedicados à produção de leite. Já no caso da tuberculose foram testados 62.149 animais distribuídos em 5.151 propriedades, com frequência de positivos de 0,87% e 3,13%, respectivamente. A chance de positividade aumentou com a idade, sendo que animais com idade acima de 48 meses de idades apresentaram valores superiores aqueles verificados em animais mais jovens (RC=2,07; IC 95%=1,73-2,48). 59,74% dos animais testados eram de aptidão leiteira, os quais apresentaram mais chance de serem positivos do que aqueles de corte (RC=5,03; IC 95%=4,09-6,94). Propriedades leiteiras representaram 78,50% da totalidade dos testes para tuberculose. A análise comparativa do presente trabalho com estudos precedentes de prevalência da brucelose sugere que as ações de controle em curso têm sido efetivas na redução da prevalência da enfermidade no RS. Por outro lado, as informações obtidas no âmbito da tuberculose podem ser indicadoras da condição desta enfermidade, especialmente pela inexistência de estudos de prevalência realizados há menos de 30 anos. Adicionalmente, conclui-se que a utilização de dados secundários, desde que devidamente ajustados, pode ser uma ferramenta eficaz na gestão de programas de saúde animal e em sistemas de monitoramento e vigilância.


#3 - Use of low-dose of synthetic ACTH in the adrenal stimulation test for diagnosis and monitoring of canine hyperadrenocorticism: evaluation of diagnostic efficacy, 37(3):241-247

Abstract in English:

ABSTRACT.- Martins R.C.B. & Jericó M.M. 2017. [Use of low-dose of synthetic ACTH in the adrenal stimulation test for diagnosis and monitoring of canine hyperadrenocorticism: evaluation of diagnostic efficacy.] Uso de baixa dose de ACTH sintético no teste de estimulação da função adrenal para o diagnóstico e controle do hiperadrenocorticismo canino: avaliação da eficácia diagnóstica. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(3):241-247. Curso de Medicina Veterinária, Universidade Anhembi Morumbi (UAM), Rua Doutor Almeida Lima 1134, Parque da Mooca, São Paulo, SP 03164-000, Brazil. E-mail: renatacast.vet@gmail.com ACTH stimulation is the gold standard test to monitor levels of endogen control of patients under treatment for canine hyperadrenocorticism and it may also be used to diagnose the disease. Current protocols use doses ranging from 5ug/kg to 250ug per animal by intravenous or intramuscular administration. There are no studies with doses inferior to 5ug/kg in adrenopatic patients. In the present investigation, the dose of 1ug/kg/IV was tested; compared with the recommended dose of d 5ug/kg/IV in groups of dogs under clinical suspicion of HAC (HAC Diag), animals under treatment for HAC (HAC Control) and healthy animals (Healthy). Under the dose of 1ug/kg/IV, average results for baseline cortisol values were equal to 2.40ug/dL(+/- 1.57ug/dL) for healthy, 1.53g/dL(+/-0.93ug/dL) for HAC Control and 3.37ug/dL(+/-1.57ug/dL) for HAC Diag. Post-ACTH values in the dose of 1ug/kg were average 11.43ug/dL(+/-2.46ug/dL) for healthy animals, 2.67ug/dL (+/-1.39ug/dL) for HAC Control and 16.56ug/dL(+/-7.62ug/dL) for HAC Diag group. Basal cortisol values at a dose of 5ug/kg were 0.89ug/dL (+/-0.23ug/dL) Control group for HAC; average 3.08ug/dL (+/-1.99ug/dL) for HAC Diag group. Baseline cortisol under the dose of 5ug/kg were average 3.71ug/dL(+/-1.57ug/dL) for HAC Control and 22.52g/dL(+/-8.75ug/dL) for HAC diag. Based on the present results, it was found that both doses of 1 and 5ug/kg of synthetic ACTH do not differ, providing the same kind of change in cortisol values (ANOVA, p=0.225). Also, the dose of 1ug/kg of ACTH was equally effective in raising levels of cortisol in the three groups tested (Healthy, HAC and HAC Control Diag; ANOVA, p<0.05). Through the Dunn test it was observed that HAC Control presented HAC-&#916; cortisol (delta = difference between cortisol after stimulation and basal cortisol) significantly lower than HAC Diag (p<0.05) and healthy animals (p<0.05). Therefore the dose of 1ug/kg of synthetic ACTH can be effectively used to perform the ACTH stimulation test effectively.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Martins R.C.B. & Jericó M.M. 2017. [Use of low-dose of synthetic ACTH in the adrenal stimulation test for diagnosis and monitoring of canine hyperadrenocorticism: evaluation of diagnostic efficacy.] Uso de baixa dose de ACTH sintético no teste de estimulação da função adrenal para o diagnóstico e controle do hiperadrenocorticismo canino: avaliação da eficácia diagnóstica. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(3):241-247. Curso de Medicina Veterinária, Universidade Anhembi Morumbi (UAM), Rua Doutor Almeida Lima 1134, Parque da Mooca, São Paulo, SP 03164-000, Brazil. E-mail: renatacast.vet@gmail.com O teste de estimulação com ACTH é o teste de escolha para realizar o controle dos valores de cortisol endógeno em pacientes sob tratamento para o hiperadrenocorticismo canino, podendo ser utilizado também para diagnosticar a doença. Os protocolos atuais utilizam doses que variam entre 5ug/kg a 250ug/animal por administração intravenosa ou intramuscular. Não se constatam estudos com doses menores que as de 5ug/kg em pacientes portadores de hiperadrenocorticismo. No presente estudo, foi testada a dose de 1ug/kg/IV; comparada à dose consagrada de 5ug/kg/IV, em grupos de animais suspeitos de HAC (HAC Diag), animais portadores de HAC e em tratamento (HAC Control) e animais sadios (Sadios). Na dose de 1ug/kg/IV, os valores basais de cortisol dos Sadios foram iguais à média 2,40ug/dL(+/-1,57ug/dL), dos HAC control foi de média 1,53ug/dL(+/-0,93,ug/dL) e dos HAC diag foi média 3,37ug/dL(+/-1,57ug/dL). Os valores pós-ACTH na dose de 1ug/kg foram de média 11,43ug/dL(+/-2,46ug/dL) para animais sadios, 2,67ug/dL(+/-1,39ug/dL) para o grupo HAC Control e média 16,56ug/dL(+/-7,62ug/dL) para o grupo HAC Diag. Os valores basais de cortisol na dose de 5ug/kg foram 0,89ug/dL(+/-0,23ug/dL) para o grupo HAC Control; média 3,08ug/dL(+/-1,99 ug/dL) para o grupo HAC Diag. Os valores pós-ACTH na dose de 5ug/kg foram de média 3,71ug/dL(+/-1,57ug/dL), para o grupo HAC control e média 22,52ug/dL (+/-8,75ug/dL) para o grupo HAC diag. Analisando-se os resultados obtidos, constatou-se que as doses 1 e 5ug/kg de ACTH sintético não diferem entre si, promovendo o mesmo tipo de variação nos valores de cortisol (ANOVA; p=0,225). Também, que a dose de 1ug/kg de ACTH foi igualmente eficaz na elevação dos níveis de cortisol nos três grupo testados (Sadios, HAC Control e HAC Diag; ANOVA, p<0,05). E, pelo teste de Dunn observamos que o grupo HAC control apresenta &#8710;-cortisol (delta =diferença entre cortisol após estimulo e o cortisol basal) significativamente menor que o dos grupos diagnóstico (p<0,05) e animais sadios (p<0,05). Concluiu-se que a dose de 1ug/kg de ACTH sintético pode ser utilizada com eficácia para a realização do teste de estimulação com ACTH.


#4 - C-Peptides for diagnostics and therapy: a veterinary medicine point of view

Abstract in English:

Empirical studies proved that C-peptides are performing numerous intrinsic biological roles, and serve as a marker for pancreatic performance analysis. Since the last decade, C-peptide assays for differential diagnosis in veterinary diabetic patients are becoming more available, but still only for a very limited number of species. Studies on C-peptide as a diagnostic tool, therapy for associated complications, or as replacement therapies for C-peptide deficiency still showed not to be a common practice in veterinary medicine. This review was conducted to determine the potential importance of C-peptide in Veterinary Medicine, relevant in the diagnosis of diabetes and for other metabolic processes, as well as its proposed therapeutic benefits. Numerous articles were identified that reported positive results in their experimental studies, whether C-peptide as a biomarker for pancreatic performance in dogs, cats, and horses, as a non-invasive method to monitor nutritional status in primates, or to investigate its potential therapeutic benefits for diabetes-related illnesses.

Abstract in Portuguese:

Os estudos empíricos provaram que o peptídeo C realiza várias funções biológicas intrínsecas e serve também como um marcador para a análise de desempenho do pâncreas. Nesta última década os ensaios peptídeo C para o diagnóstico diferencial em doentes diabéticos veterinários estão mais disponíveis, contudo apenas em um limitado número de espécies. Estudos sobre C-peptídeo como ferramenta de diagnóstico, terapia de complicações associadas ou como terapias de reposição na sua deficiência ainda não é prática comum na Medicina Veterinária. Esta avaliação foi realizada para determinar a importância potencial de peptídeo C na Medicina Veterinária, relevante no diagnóstico de diabetes e também em outros processos metabólicos, assim como os benefícios terapêuticos propostos. Foram identificados numerosos artigos que reportaram resultados positivos nos seus estudos experimentais, quer o peptídeo C fosse utilizado como biomarcador para o desempenho do pâncreas em cães, gatos e cavalos, como um método não invasivo para monitorar o estado nutricional em primatas, quer para investigar o seu potencial terapêutico benéfico para doenças relacionadas ao diabetes.


#5 - Monitoring and molecular characterization of group D rotavirus in Brazilian poultry farms, 35(6):536-540

Abstract in English:

ABSTRACT.- Beserra L.A.R., Bernardes N.T.C.G., Brandão P.E. & Gregori F. 2015. Monitoring and molecular characterization of group D rotavirus in Brazilian poultry farms. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(6):536-540. Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Avenida Professor Dr. Orlando Marques de Paiva 87, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: laila_andreia@hotmail.com Rotaviruses are etiological agents of diarrhea both in humans and in several animal species. Data on avian Group D rotaviruses (RVD) are scarce, especially in Brazil. We detected RVD in 4 pools of intestinal contents of broilers, layer and broiler breeders out of a total of 111 pools from 8 Brazilian states, representing an occurrence of 3.6%, by a specific RVD RT-PCR targeting the VP6 gene. Phylogenetic tree confirmed that the Brazilian strains belong to group D and 3 of the sequences were identical in terms of amino acid whereas one showed 99.5% identity with the others. The sequences described in this study are similar to other sequences previously detected in Brazil, confirming the conserved nature of the VP6 protein.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Beserra L.A.R., Bernardes N.T.C.G., Brandão P.E. & Gregori F. 2015. Monitoring and molecular characterization of group D rotavirus in Brazilian poultry farms. [Monitoramento e caracterização molecular de rotavírus do grupo D em criações comerciais brasileiras.] Pesquisa Veterinária Brasileira 35(6):536-540. Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Avenida Professor Dr. Orlando Marques de Paiva 87, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: laila_andreia@hotmail.com Rotavírus são agentes etiológicos de diarreia tanto em humanos como em várias espécies animais. Dados sobre rotavírus do grupo D (RVD) em aves são escassos, especialmente no Brasil. Nós detectamos RVD em 4 pools de conteúdo intestinal de frango de corte, poedeiras e matrizes de um total de 111 pools originários de 8 estados brasileiros, representando uma ocorrência de 3,6% a partir de uma RT-PCR específica para RVD, tendo como alvo o gene VP6. A árvore filogenética confirmou que as amostras brasileiras pertencem ao grupo D e três das sequências obtidas foram idênticas em termos de aminoácidos enquanto uma apresentou 99,5% de identidade com as demais. As sequências aqui definidas são semelhantes a outras sequências previamente definidas no Brasil, confirmando a natureza conservada da proteína VP6.


#6 - Serological monitoring of antibodies for an early diagnosis of aspergillosis in captive penguins, 35(6):573-578

Abstract in English:

ABSTRACT.- Cabana A.L., Xavier M.O., Poester V., Klafke G.B., Bruno-Filho P.L., Martins A., Silva-Filho R.P. & Meireles M.C.A. 2015. Serological monitoring of antibodies for an early diagnosis of aspergillosis in captive penguins. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(6):573-578. Laboratório de Micologia, Setor de Doenças Infecciosas, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal de Pelotas, Campus Universitário s/n, Pelotas, RS 96010-900, Brazil. E-mail: cabanangela@gmail.com This study aimed to evaluate the efficacy of detection of anti-Aspergillus fumigatus antibodies in captive penguins by double radial agar gel immunodiffusion (AGID) for the aspergillosis diagnosis. We included 134 Magellanic penguins (Spheniscus magellanicus) in rehabilitation at the Center for Recovery of Marine Animals (CRAM / FURG). All of them were monitored by AGID weekly until its final destination (death or release), totalizing 660 serum samples studied. All animals were clinically accompanied and post-mortem examinations was performed in penguins that died during the studied period. A total of 28% (37/134) of the penguins died, 89.2% (33/37) due to aspergillosis, 11% (4/37) by other causes and 97 were released. From the 33 animals with proven aspergillosis, 21 presented anti- A. fumigatus antibodies by AGID, being the average interval between death and positive AGID 16.4 days. Twelve animals with negative serology died of aspergillosis. The sensitivity and specificity rates were 63.6% and 95% respectively, and the positive and negative predictive values were 80.7% and 88.9% respectively. These data demonstrate that the serological monitoring for detection of antibodies by AGID can be an important tool for the diagnosis of aspergillosis in penguins.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Cabana A.L., Xavier M.O., Poester V., Klafke G.B., Bruno-Filho P.L., Martins A., Silva-Filho R.P. & Meireles M.C.A. 2015. Serological monitoring of antibodies for an early diagnosis of aspergillosis in captive penguins. [Monitoramento sorológico com detecção de anticorpos para diagnóstico precoce da aspergilose em pinguins em cativeiro.] Pesquisa Veterinária Brasileira 35(6):573-578. Laboratório de Micologia, Setor de Doenças Infecciosas, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal de Pelotas, Campus Universitário s/n, Pelotas, RS 96010-900, Brazil. E-mail: cabanangela@gmail.com Este estudo teve como objetivo avaliar a eficácia da detecção de anticorpos anti- Aspergillus fumigatus em pinguins em cativeiro por imunodifusão radial dupla em gel de ágar (IDGA) para diagnóstico da aspergilose. Foram incluídos 134 pingüins de Magalhães (Spheniscus magellanicus) em reabilitação no Centro de Recuperação de Animais Marinhos (CRAM/FURG), que foram monitoradas por IDGA, semanalmente, até o seu destino final (morte ou de liberação), totalizando 660 amostras de soro estudadas. Todos os animais foram acompanhados clinicamente e exames post mortem foram realizados em pingüins que vieram a óbito durante o período de estudo. Um total de 28% (37/134) dos pinguins foram a óbito, 89,2% (33/37) de aspergilose, 11% (4/37) de outras causas, e 97 foram liberados. A partir dos 33 animais com aspergilose comprovada, 21 apresentaram anticorpos anti- A. fumigatus por IDGA, sendo o intervalo médio entre a morte e IDGA positivas 16,4 dias. Doze animais com sorologia negativa vieram a óbito por aspergilose. As taxas de sensibilidade e especificidade foram de 63,6% e 95%, respectivamente, e os valores preditivos positivos e negativos foram de 80,7% e 88,9 %, respectivamente. Estes dados demonstram que o monitoramento sorológico para detecção de anticorpos por IDGA pode ser uma ferramenta importante no diagnóstico de aspergilose em pinguins.


#7 - Monitoring of the estrous cycle of agoutis (Dasyprocta leporina Lichtenstein, 1823) by vaginal exfoliative cytology and ultrasonography, 35(2):188-192

Abstract in English:

ABSTRACT.- Campos L.B., Peixoto G.C.X., Lima G.L., Castelo T.S., Souza A.L.P., Oliveira M.F. & Silva A.R. 2015. [Monitoring of the estrous cycle of agoutis (Dasyprocta leporina Lichtenstein, 1823) by vaginal exfoliative cytology and ultrasonography.] Monitoramento do ciclo estral de cutias (Dasyprocta leporina Lichtenstein, 1823) através de citologia esfoliativa vaginal e ultrassonografia. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(2):188-192. Laboratório de Conservação de Germoplasma, Universidade Federal Rural do Semi-Árido, BR-110 Km 47, Costa e Silva, Mossoró, RN 59625-900, Brazil. E-mail: legio2000@yahoo.com The objective of the study was to monitor the estrous cycle in agoutis (Dasyprocta leporina) bred in captivity in Brazilian semiarid. During 70 days, five agoutis were daily subjected to vaginal exfoliative cytology, and the ovarian ultrasound monitoring was conducted every three days. A total of 8 estrous cycles were completely monitored, lasting 28.2±0.7 days, ranging from 24 to 31 days. By vaginal exfoliative cytology, there was predominance of superficial cells at proestrus and estrus phases (P<0.05), followed by the predominance of intermediate cells in the metestrus (P<0.05) and parabasal cells in diestrus (P<0.05). By ultrasound, there were no differences in ovarian morphology during the different phases of the estrous cycle (P>0.05). Follicles during the estrogenic phases (proestrus and estrus) were identified, with an average diameter of 1±0.5mm. In only 12.5% of luteal phases, corpora lutea measuring 1.4±0.9mm were identified. We conclude that the association of vaginal cytology and ovarian ultrasonography is a useful alternative for monitoring the estrous cycle and identifying the estrogenic phases in Dasyprocta leporina.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Campos L.B., Peixoto G.C.X., Lima G.L., Castelo T.S., Souza A.L.P., Oliveira M.F. & Silva A.R. 2015. [Monitoring of the estrous cycle of agoutis (Dasyprocta leporina Lichtenstein, 1823) by vaginal exfoliative cytology and ultrasonography.] Monitoramento do ciclo estral de cutias (Dasyprocta leporina Lichtenstein, 1823) através de citologia esfoliativa vaginal e ultrassonografia. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(2):188-192. Laboratório de Conservação de Germoplasma, Universidade Federal Rural do Semi-Árido, BR-110 Km 47, Costa e Silva, Mossoró, RN 59625-900, Brazil. E-mail: legio2000@yahoo.com O objetivo deste estudo foi monitorar o ciclo estral em cutias (Dasyprocta leporina) criadas em cativeiro no semiárido brasileiro. Durante 70 dias, cinco cutias foram diariamente submetidas a citologia esfoliativa vaginal, e o monitoramento ultrassonográfico ovariano foi realizado a cada três dias. Um total de 8 ciclos estrais foi completamente monitorado, com duração de 28,2±0,7 dias, variando de 24 a 31 dias. Pela citologia esfoliativa vaginal, houve uma predominância de células superficiais nas fases de proestro e estro (P<0,05), seguida da predominância de células intermediárias no metaestro (P<0,05) e de células parabasais no diestro (P<0,05). Por ultrassonografia, não houve diferenças na morfologia ovariana durante as diferentes fases do ciclo estral (P>0,05). Os folículos foram identificados durante as fases estrogênicas (proestro e estro), com diâmetro médio de 1±0,5mm. Em apenas 12,5% das fases luteais, corpos lúteos medindo 1,4±0,9mm foram identificados. Conclui-se que a associação da citologia vaginal e da ultrassonografia ovariana constitui uma alternativa viável para o monitoramento de ciclos estrais e identificação das fases estrogênicas em cutias da espécie Dasyprocta leporina.


#8 - Estrus cycle monitoring of captive collared peccaries (Pecari tajacu) in semiarid conditions, 34(11):1115-1120

Abstract in English:

ABSTRACT.- Maia K.M., Peixoto G.C.X., Campos L.B., Bezerra J.A.B., Ricarte A.R.F., Moreira N., Oliveira M.F. & Silva A.R. 2014. Estrus cycle monitoring of captive collared peccaries (Pecari tajacu) in semiarid conditions. Pesquisa Veterinária Brasileira 34(11):1115-1120. Laboratório de Conservação de Germoplasma Animal, Universidade Federal Rural do Semi-Árido, BR-110 Km 47, Presidente Costa e Silva, Mossoró, RN 59625-900, Brazil. E-mail: legio2000@yahoo.com Collared peccaries (Peccary tajacu) are among the most hunted species in Latin America due the appreciation of their pelt and meat. In order to optimize breeding management of captive born collared peccaries in semiarid conditions, the objective was to describe and correlate the changes in the ovarian ultrasonographic pattern, hormonal profile, vulvar appearance, and vaginal cytology during the estrus cycle in this species. During 45 days, females (n=4) were subjected each three days to blood collection destined to hormonal dosage by enzyme immunoassay (EIA). In the same occasions, evaluation of external genitalia, ovarian ultrasonography and vaginal cytology were conducted. Results are presented as means and standard deviations. According to hormonal dosage, six estrous cycles were identified as lasting 21.0 ± 5.7 days, being on average 6 days for the estrogenic phase and 15 days for the progesterone phase. Estrogen presented mean peak values of 55.6 ± 20.5 pg/mL. During the luteal phase, the high values for progesterone were 35.3 ± 4.4 ng/mL. The presence of vaginal mucus, a reddish vaginal mucosa and the separation of the vulvar lips were verified in all animals during the estrogenic peak. Through ultrasonography, ovarian follicles measuring 0.2±0.1 cm were visualized during the estrogen peak. Corpora lutea presented hyperechoic regions measuring 0.4±0.2 cm identified during luteal phase. No significant differences (P>0.05) between proportions of vaginal epithelial cells were identified when comparing estrogenic and progesterone phases. In conclusion, female collared peccaries, captive born in semiarid conditions, have an estral cycle that lasts 21.0±5.7 days, with estrous signs characterized by vulvar lips edema and hyperemic vaginal mucosa, coinciding with developed follicles and high estrogen levels.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Maia K.M., Peixoto G.C.X., Campos L.B., Bezerra J.A.B., Ricarte A.R.F., Moreira N., Oliveira M.F. & Silva A.R. 2014. Estrus cycle monitoring of captive collared peccaries (Pecari tajacu) in semiarid conditions. [Monitoramento de ciclo estral em catetos (Pecari tajacu) criados em cativeiro em condições semiáridas.] Pesquisa Veterinária Brasileira 34(11):1115-1120. Laboratório de Conservação de Germoplasma Animal, Universidade Federal Rural do Semi-Árido, BR-110 Km 47, Presidente Costa e Silva, Mossoró, RN 59625-900, Brazil. E-mail: legio2000@yahoo.com Os catetos (Peccary tajacu) estão entre as espécies mais caçadas na América Latina devido a apreciação de seu couro e carne. No intuito de otimizar o manejo produtivo de catetos nascidos em cativeiro sob condições semiáridas, o objetivo foi descrever e correlacionar as modificações verificadas no padrão ultrassonográfico ovariano, o perfil hormonal, a aparência vulvar, e a citologia vaginal durante o ciclo estral nesta espécie. Durante 45 dias, fêmeas (n=4) foram submetidas a coleta de sangue destinado a dosagem hormonal por meio de teste imuno-enzimático (EIA). Na mesma ocasião, foram conduzidas a avaliação da genitália externa, a ultrassonografia ovariana e a citologia vaginal. Os resultados são apresentados com média e desvio padrão De acordo com a dosagem hormonal, foram identificados seis ciclos estrais, com duração 21,0±5,7 dias, sendo em média 6 dias de fase estrogênica e 15 dias de fase progesterônica. O estrógeno apresentou valores médios de pico de 55,6±20,5pg/mL. Durante a fase luteal, os valores mais altos alcançados pela progesterona foram 35,3±4,4ng/mL. A presença de muco vaginal, mucosa vaginal hiperêmica e separação dos lábios vulvares foi identificada em todos os animais durante o pique estrogênico. Por meio da ultrassonografia, folículos ovarianos medindo 0,2±0,1cm foram visualizados durante o pique estrogênico. Corpos lúteos apresentando regiões hiperecóicas medindo 0,4±0,2 cm foram identificados na fase luteal. Nenhuma diferença significativa (P>0,05) entre as proporções de células epiteliais vaginais foram identificadas quando comparadas as fases estrogênica e progesterônica. Em conclusão, fêmeas de cateto, nascidas em cativeiro sob condições semiáridas, apresentam um ciclo estral que dura 21,0±5,7 dias, com sinais de estro caracterizados por edema de lábios vulvares e hiperemia da mucosa vaginal, coincidindo com desenvolvimento de folículos ovarianos e elevados níveis de estrógeno.


#9 - Serial superficial digital flexor tendon biopsies for diagnosing and monitoring collagenase-induced tendonitis in horses, 33(6):710-718

Abstract in English:

ABSTRACT.- Lacerda Neto J.C., Freitas J.M.R., Poggiani F.M., Dias D.P.M., Gravena K., Bernardi N.S., Ribeiro G. & Palmeira-Borges V. 2013. Serial superficial digital flexor tendon biopsies for diagnosing and monitoring collagenase-induced tendonitis in horses. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(6):710-718. Departamento de Clínica e Cirurgia Veterinária, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane s/n, Jaboticabal, SP 14884-900, Brazil. E-mail: jlacerda@fcav.unesp.br The purpose of this investigation was to demonstrate the feasibility of a biopsy technique by performing serial evaluations of tissue samples of the forelimb superficial digital flexor tendon (SDFT) in healthy horses and in horses subjected to superficial digital flexor tendonitis induction. Eight adult horses were evaluated in two different phases (P), control (P1) and tendonitis-induced (P2). At P1, the horses were subjected to five SDFT biopsies of the left forelimb, with 24 hours (h) of interval. Clinical and ultrasonographic (US) examinations were performed immediately before the tendonitis induction, 24 and 48 h after the procedure. The biopsied tendon tissues were analyzed through histology. P2 evaluations were carried out three months later, when the same horses were subjected to tendonitis induction by injection of bacterial collagenase into the right forelimb SDFT. P2 clinical and US evaluations, and SDFT biopsies were performed before, and after injury induction at the following time intervals: after 24, 48, 72 and 96 h, and after 15, 30, 60, 90, 120 and 150 days. The biopsy technique has proven to be easy and quick to perform and yielded good tendon samples for histological evaluation. At P1 the horses did not show signs of localised inflammation, pain or lameness, neither SDFT US alterations after biopsies, showing that the biopsy procedure per se did not risk tendon integrity. Therefore, this procedure is feasible for routine tendon histological evaluations. The P2 findings demonstrate a relation between the US and histology evaluations concerning induced tendonitis evolution. However, the clinical signs of tendonitis poorly reflected the microscopic tissue condition, indicating that clinical presentation is not a reliable parameter for monitoring injury development. The presented method of biopsying SDFT tissue in horses enables the serial collection of material for histological analysis causing no clinical signs and tendon damage seen by US images. Therefore, this technique allows tendonitis to be monitored and can be considered an excellent tool in protocols for evaluating SDFT injury.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Lacerda Neto J.C., Freitas J.M.R., Poggiani F.M., Dias D.P.M., Gravena K., Bernardi N.S., Ribeiro G. & Palmeira-Borges V. 2013. Serial superficial digital flexor tendon biopsies for diagnosing and monitoring collagenase-induced tendonitis in horses. [Biópsias seriadas do tendão flexor digital superficial para o diagnóstico e monitoração da tendinite induzida por colagenase em equinos.] Pesquisa Veterinária Brasileira 33(6):710-718. Departamento de Clínica e Cirurgia Veterinária, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Universidade Estadual Paulista, Via de Acesso Prof. Paulo Donato Castellane s/n, Jaboticabal, SP 14884-900, Brazil. E-mail: jlacerda@fcav.unesp.br Objetivou-se demonstrar a viabilidade de uma técnica de biópsia na realização de avaliações sequenciais de amostras de tecido do tendão flexor digital superficial (TFDS) do membro torácico, em equinos hígidos e em equinos submetidos à indução de tendinite do TFDS. Oito equinos adultos foram avaliados em duas fases (F) diferentes, controle (F1) e apresentando tendinite induzida (F2). Na F1, os equinos foram submetidos a cinco biópsias do TFDS do membro torácico esquerdo, com 24 horas (h) de intervalo entre as mesmas. Avaliações clínicas e ultrassonográficas (US) foram realizadas imediatamente antes e, 24 e 48 h após cada procedimento. O tecido tendíneo coletado por biópsia foi analisado histologicamente. A F2 ocorreu três meses depois, quando os mesmos equinos foram submetidos à indução de tendinite do TFDS do membro torácico direito por injeção intratendínea de colagenase. Na P2, Avaliações clínicas e US foram realizadas antes da indução da tendinite e após a mesma nos seguintes momentos: 24, 48, 72 e 96 h depois e, 15, 30, 60, 90, 120 e 150 dias depois. A técnica de biópsia se demonstrou ser de fácil e rápida realização, fornecendo fragmentos de tecido tendíneo adequados para a realização de histologia. Na F1, os equinos não demonstraram sinais de inflamação local, dor ou claudicação, bem como não apresentaram alterações na avaliação US do TFDS após as biópsias, demonstrando que o dano físico ao tendão provocado pela biópsia não compromete sua integridade. Assim, o procedimento pode ser utilizado rotineiramente para avaliações histológicas do tecido tendíneo. Na F2, observou-se uma relação entre os achados US e histológicos no que se refere à evolução da tendinite induzida. Entretanto, observou-se que os sinais clínicos da tendinite não acompanham a condição microscópica do tecido, o que indica que a apresentação clínica não pode ser utilizada como parâmetro para a monitoração da evolução da enfermidade. A técnica de biópsia apresentada para colheita de tecido do TFDS em equinos, permite a obtenção de tecido para avaliação histológica seriada sem provocar sinais clínicos e alterações ultrassonográficas que indiquem dano tecidual. Assim, a técnica permite a monitoração da tendinite e pode ser considerada uma excelente ferramenta na avaliação de injúrias do TFDS.


#10 - Milk quality: an utopia without a rigorous monitoring, 33(5):620-626

Abstract in English:

ABSTRACT.- Langoni H. 2013. [Milk quality: an utopia without a rigorous monitoring program for bovine mastitis control.] Qualidade do leite: Utopia sem um programa sério de monitoramento da ocorrência de mastite bovina. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(5):620-626. Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Distrito de Rubião Junior s/n, Botucatu, SP 18618-970, Brazil. E-mail: hlangoni@fmvz.unesp.br Bovine mastitis is still a costly issue in dairy farms, besides public health aspects considering the pathogen transmission to humans. Its multiple etiology with a high number of pathogens involved, demands a rigorous control program for monitoring and milk quality control, based on diagnostic actions and epidemiological vigilance regarding parameters which indirectly are associated with the occurrence of mastitis in dairy herds, as the California Mastitis Test (CMT) and Somatic Cell Count (SCC/mL of milk), of individual milk samples obtained from each cow, and from bulk tank which also allows the Total Bacteria Count (TBC), usually related to the incidence of mastitis, especially in subclinical cases. It is important to reinforce the microbiological milk exam, also to stress the importance of the milking process as a critical point, and to determine risk factors for mastitis. Based on these aspects, this review is presented with the aim to obtain high quality milk products, compromising the personal enrolled in milk production to be conscious that milk quality depends on all, inclusive the consumers which are the final element in the milk production chain.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Langoni H. 2013. [Milk quality: an utopia without a rigorous monitoring program for bovine mastitis control.] Qualidade do leite: Utopia sem um programa sério de monitoramento da ocorrência de mastite bovina. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(5):620-626. Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Distrito de Rubião Junior s/n, Botucatu, SP 18618-970, Brazil. E-mail: hlangoni@fmvz.unesp.br As mastites continuam sendo um dos principais problemas a onerar a pecuária leiteira, além dos aspectos de saúde pública, considerando-se a veiculação de patógenos causadores de doença em humanos. Sua múltipla etiologia, com o envolvimento de inúmeros patógenos, requer um programa de controle rigoroso para o seu monitoramento e controle de qualidade do leite, pautado em ações diagnósticas e de vigilância epidemiológica com relação a parâmetros que indiretamente associam-se à ocorrência de mastites nos rebanhos, como California Mastitis Test (CMT) e Contagem de Células Somáticas (CCS/mL de leite), de amostras de leite individuais composta de cada vaca, bem como do tanque de expansão, o que permite ainda o monitoramento da Contagem Bacteriana Total (CBT), que tende a se relacionar com a ocorrência de mastites, principalmente subclínicas. Destacam-se ainda aspectos de exame microbiológico do leite e da importância da ordenha como ponto crucial nas mastites, enfatizando aspectos relevantes do processo de ordenha com fatores de risco para a ocorrência das mastites. Baseando-se nestes aspectos, apresenta-se esta revisão, acreditando-se na possibilidade de obtenção de produtos lácteos de melhor qualidade, com o comprometimento de todos os envolvidos na cadeia produtiva do leite, conscientes de que a qualidade do leite depende de todos, valendo-se também os consumidores, que são os elementos finais da cadeia produtiva do leite.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV