Resultado da pesquisa (16)

Termo utilizado na pesquisa Vascularização

#1 - Systematization, distribution, and territories of the caudal cerebral artery on the surface of the brain in nutria (Myocastor coypus)

Abstract in English:

The nutria (Myocastor coypus) is a medium-sized, semi-aquatic rodent valued by the skin and meat industry. This study aimed to describe and systematize the caudal cerebral artery on the brain surface in nutria, establishing a standard model and its main variations in this species. The thirty animals used were euthanized according to animal welfare rules. The vessels were filled with latex stained with red pigment and the samples were fixed in formaldehyde. In nutria, the brain was vascularized by the vertebral basilar system. The terminal branches of the basilar artery originated the rostral cerebellar, caudal cerebral, rostral choroidal and middle cerebral arteries, and its terminal branch, the rostral cerebral artery. The terminal branch of the basilar artery projected the caudal cerebral artery, which is usually a single medium-caliber vessel, into the transverse fissure of the brain. The caudal cerebral artery was presented as a single (66.7% of the cases to the right and 76.7% to the left) and double vessel (33.3% of the cases to the right and 23.3% to the left). It originated the rostral mesencephalic artery, the proximal component, and the caudal inter-hemispheric artery. The terminal branches of the rostral and caudal tectal mesencephalic arteries formed a typical anastomotic network. The caudal inter-hemispheric artery emitted central branches, the caudal choroidal artery, hemispherical occipital arteries, rostral tectal mesencephalic branches and distal components, and anastomosed “in osculum” with the terminal branches of the rostral inter-hemispheric artery. The caudal choroidal artery anastomosed with the rostral choroidal artery, where it branched out on the thalamic mass, vascularizing all diencephalic structures and the hippocampus. The caudal cerebral artery and its terminal branches anastomosed with the terminal branches of the rostral and middle cerebral arteries in a restricted region of the caudal pole of the cerebral hemisphere. The vascularization area of the caudal cerebral artery and its central branches in the paleopallial of the piriform lobe is extremely restricted, caudomedially.

Abstract in Portuguese:

A nutria (Myocastor coypus) é um roedor semi-aquático de tamanho mediano, apreciado na indústria de peles e carne. Este trabalho tem por objetivo descrever e sistematizar a artéria cerebral caudal na superfície do cérebro em nutria, estabelecendo um modelo padrão e suas principais variações e territórios nesta espécie. Os trinta animais utilizados foram eutanasiados segundo as regras de bem-estar animal, os vasos foram preenchidos com látex, corado em vermelho e as peças foram fixadas em formoldeído. O cérebro foi vascularizado exclusivamente pelo sistema vértebro-basilar. Os ramos terminais da artéria basilar originaram as artérias cerebelar rostral, cerebral caudal, corióidea rostral, cerebral média e seu ramo terminal, a artéria cerebral rostral. O ramo terminal da artéria basilar lançou a artéria cerebral caudal, um vaso normalmente único, de médio calibre, para o interior da fissura transversa do cérebro. A artéria cerebral caudal foi um vaso único em 66,7% à direita e em 76,7% à esquerda e mostrou-se dupla em 33,3% à direita e em 23,3% à esquerda. Ela lançou a artéria tectal mesencefálica rostral, componente proximal e a artéria inter-hemisférica caudal. Os ramos terminais das artérias tectais mesencefálicas, rostral e caudal, formavam uma rede anastomótica típica. A artéria inter-hemisférica caudal lançou ramos centrais, a artéria corióidea caudal, as artérias hemisféricas occipitais, os ramos tectais mesencefálicos rostrais, componentes distais e anastomosou-se “em ósculo” com o ramo terminal da artéria inter-hemisférica rostral. A artéria corióidea caudal anastomosava-se com a artéria corióidea rostral, onde ramificavam-se sobre a massa talâmica, vascularizando todas as estruturas do diencéfalo e hipocampo. A artéria cerebral caudal com seus ramos terminais apresenta anastomoses com os ramos terminais das artérias cerebrais rostral e média em uma região restrita do pólo caudal do hemisfério cerebral. A área de vascularização da artéria cerebral caudal com seus ramos centrais no páleo-palio do lobo piriforme é extremamente restrita, caudo-medialmente ao mesmo.


#2 - Vascularization of the Alouatta belzebul brain base

Abstract in English:

We studied the arterial circle in the brain of five specimens of the Alouatta belzebul primate. The material had the arterial system perfused (water at 40°C), injected with stained latex (Neoprene 650), fixed in aqueous formaldehyde solution (10%) and dissected for vessel verification. The arterial circle of this primate is composed of two vascular systems: the vertebra-basilar and the carotid ones, which anastomose to close the arterial circuit. In the caudal portion of the arterial circle, there are the vertebral arteries and their branches: the rostral spinal artery and the caudal inferior cerebellar artery. The anastomosis of the vertebral arteries gives rise to the basilar artery. It presented an anatomical variation at the beginning of its path, forming a double basilar artery, called arterial island. In its course, it emitted branches giving rise to the rostral inferior cerebellar artery, the pontine arteries, the rostral cerebellar arteries, the satellite rostral cerebellar arteries and its terminal branch, the caudal cerebral artery, which presented itself in two segments: the pre-communicating one and post-communicating, joining the internal carotid artery and originating the caudal communicating artery. This group of arteries and anastomoses enclose the caudal portion of the arterial circle. From the right and left internal carotid arteries begins the rostral portion of the arterial circle, which consists of the right and left rostral cerebral arteries and the right and left middle cerebral arteries. The rostral cerebral arteries anastomose into a single trunk, giving rise to the interhemispheric artery, and in A. belzebul and Sapajus libidinosus, the rostral communicating artery is absent. The interhemispheric artery goes to the midbrain region and the corpus callosum knee divides into pericalous artery and callosarginal artery, which will supply the pre and post-central regions of the cerebral hemispheres of this species, as well as other non-human and human primates. It is noted that in the first part of the left rostral cerebral artery, there is a direct inosculation between the recurrent branch of the rostral cerebral artery and left middle cerebral artery to supply the entorhinal region. This fact also occurs in Pongo spp. The middle cerebral artery travels along the lateral sulcus where it emits several superficial branches to irrigate the superior and inferior lateral cortical regions of the frontal, parietal and temporal lobes. It is not part of the arterial circle but is the terminal branch of the internal carotid artery. A. belzebul can be considered to depend on two sources of supply to the brain: the vertebra-basilar and carotid systems, contributing to the intervention of veterinarians during clinical and surgical procedures in other primates, as well as the preservation of wild animals.

Abstract in Portuguese:

Estudamos o círculo arterial no encéfalo de cinco espécimes do primata Alouatta belzebul. O material teve o sistema arterial perfundido (água a 40°C), injetado com látex corado (Neoprene 650), fixado em solução aquosa de formaldeído (10%) e dissecado para verificação dos vasos. O círculo arterial deste primata é composto por dois sistemas vasculares: vértebro-basilar e o sistema carotídeo, que se anastomosam para fechar o circuito arterial. Na porção caudal do círculo arterial encontra-se as artérias vertebrais e seus ramos: artéria espinal rostral e a cerebelar inferior caudal. A anastomose das artérias vertebrais dá origem a artéria basilar. Esta apresentou uma variação anatômica no início do seu trajeto, formando uma dupla artéria basilar, denominada ilha arterial. Em seu trajeto emitiu ramos dando origem a artéria cerebelar inferior rostral, as artérias pontinas, as artérias cerebelares rostrais, as artérias cerebelares rostrais satélites e o seu ramo terminal, a artéria cerebral caudal, que apresentou-se em dois segmentos: o pré-comunicante e pós-comunicante, unindo-se a artéria carótida interna e originando a artéria comunicante caudal. Este grupo de artérias e anastomoses encerram a porção caudal do círculo arterial. Das artérias carótidas internas direita e esquerda, inicia-se a porção rostral do círculo arterial, ao qual é constituído pelas artérias cerebrais rostrais direita e esquerda e as artérias cerebrais médias direita e esquerda. As artérias cerebrais rostrais se anastomosam em um tronco único dando origem a artéria inter-hemisférica e em A. belzebul e Sapajus libidinosus, a artéria comunicante rostral se encontra ausente. A artéria inter-hemisférica segue para região média do encéfalo e no joelho do corpo caloso se divide em artéria pericalosa e artéria calosomarginal, que vão suprir as regiões pré e pós-central dos hemisférios cerebrais desta espécie, assim como outros primatas não humanos e humano. Nota-se que na primeira parte da artéria cerebral rostral esquerda, ocorre uma inosculação direta entre o ramo recorrente da artéria cerebral rostral e artéria cerebral média esquerda para suprir a região entorrinal, esse fato também ocorre em Pongo spp. A artéria cerebral média segue seu trajeto pelo sulco lateral onde emite vários ramos superficiais para irrigar as regiões corticais supero e ínfero lateral do lobo frontal, parietal e temporal, esta não faz parte do círculo arterial mas é o ramo terminal da artéria carótida interna. Pode-se considerar que A. belzebul depende de duas fontes de suprimento para o encéfalo: os sistemas vértebro-basilar e carotídeo, contribuindo na intervenção de médicos veterinários durante os procedimentos clínicos e cirúrgicos em outros primatas, assim como na preservação de animais silvestres.


#3 - Effect of eCG on the follicular dynamics and vascularization of crossbred cows with different circulating progesterone concentrations during synchronization of ovulation in an FTAI protocol

Abstract in English:

This study aimed to evaluate the effect of treatment with equine chorionic gonadotrophin (eCG) on the follicular dynamics and function of crossbred cows with different circulating progesterone (P4) concentrations during synchronization of ovulation in a fixed-time artificial insemination (FTAI) protocol. To this end, 30 crossbred cows were submitted to a pre-synchronization protocol to ensure that all of them presented corpus luteum (CL) at the beginning of the protocol, and were evaluated by transrectal ultrasonography (TRUS) to verify the presence of CL. After that, the animals underwent an ovulation synchronization protocol and evaluation of follicular dynamics and vascularization by B-mode and power-Doppler ultrasound (US). High plasma P4 concentrations at the time of ovulation synchronization negatively influenced follicle diameter on day 10 (D10), preovulatory follicle diameter, and preovulatory follicle wall vascularization area (p<0.05). Cows with high P4 concentration at the time of ovulation synchronization that were treated with eCG showed follicle diameter on D10 and preovulatory follicle diameter and wall vascularization area (p>0.05) similar to those of animals with low P4 concentration at the time of ovulation synchronization. Therefore, high P4 concentrations at the time of ovulation synchronization negatively influence follicular diameter and vascularization, and eCG can be used as a strategy to favor better follicular and luteal response in crossbred cows with high P4 concentrations submitted to an FTAI protocol.

Abstract in Portuguese:

Objetivou-se neste estudo avaliar o efeito do tratamento com gonadotrofina coriônica equina (eCG) sobre a dinâmica e função folicular em fêmeas mestiças com diferentes concentrações circulantes de P4 durante a sincronização da ovulação em um protocolo de IATF. Para tanto, foram utilizadas 30 fêmeas mestiças e submetidas a um protocolo de pré-sincronização para garantir que todos os animais apresentassem corpo lúteo (CL) no início do protocolo, sendo avaliadas por ultrassonografia (US) transretal para a verificação da presença ou não de CL. Em seguida foram submetidas a um protocolo de sincronização da ovulação e avaliação da dinâmica e vascularização folicular por ultrassonografia (US) em modo B e Doppler colorido. Altas concentrações de P4 no momento da sincronização da ovulação impactaram negativamente no diâmetro do folículo no D10, o diâmetro do folículo pré-ovulatório e na área de vascularização da parede do folículo pré-ovulatório (P<0,05). As vacas com alta concentração de P4 no momento da sincronização da ovulação e que foram tratadas com eCG apresentaram diâmetro do folículo no D10 e no diâmetro e a área de vascularização da parede do folículo pré-ovulatório (P>0,05), semelhantes às vacas que com baixa concentração de P4 no momento da sincronização da ovulação. Conclui-se que elevadas concentrações de P4 no momento da sincronização da ovulação impactam negativamente no diâmetro e vascularização folicular e que o eCG pode ser utilizado como uma estratégia para favorecer uma melhor resposta folicular e luteal em fêmeas mestiças com altas concentrações de P4 submetidas a um protocolo de IATF.


#4 - Morphological evaluation of corpus luteum for the diagnosis of 20-day pregnancy after IATF in crossbred cows., 38(10):2006-2011

Abstract in English:

ABSTRACT.- Silva M.A.A., Rodrigues A.S., Brandão T.O., Maggitti Junior L.P., Carôso B.S.S., Chalhoub M., Bittencourt R.F. & Ribeiro Filho A.L. 2018. [Morphological evaluation of corpus luteum for the diagnosis of 20-day pregnancy after IATF in crossbred cows.] Avaliação morfofuncional do corpo lúteo para diagnóstico precoce de gestação 20 dias após IATF em vacas mestiças leiteiras. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(10):2006-2011. Departamento de Anatomia, Patologia e Clínicas Veterinárias, Universidade Federal da Bahia, Rua Ademar de Barros 500, Ondina, Salvador, BA 40170-110, Brazil. E-mail: marianadeandradesilva@gmail.com The super early gestation detection is of great relevance considering the increase of the herds’ productivity, in an attempt to reduce the time of service of these animals. Due to this relevance, this study aimed to use Doppler ultrasonography as a tool for gestation prediction, evaluating the luteal body (CL) irrigation twenty days after FTAI. 73 crossbred cows were evaluated 20 days after FTAI through trans rectal US. In order to obtain the diameter of the CL (DCL) and its area (ACL), B mode was used. The Color Doppler was applied to measure the&#8203;&#8203; vascularization area (CLV) and its percentage in the CL (VCL %). The images were classified, based on the number of colored pixels and their distribution in CL, in two groups: negative predictive diagnosis of gestation (NPD) and positive predictive value (PPV). On the same day, LC functionality was determined based on P4 plasma concentration. The definitive gestation diagnosis was confirmed through US 35 days after the FTAIs. Student’s T test (with P<0.05) was used to evaluate the variables. Pregnant group presented higher averages (P<0.05) for all variables compared to the Non-Pregnant Group. The predictive diagnosis showed 83.33% of specificity, 100% of sensitivity and 91.79% of accuracy. The conclusion is that the US Doppler at 20 days post FTAI is a reliable method for early gestation diagnosis.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Silva M.A.A., Rodrigues A.S., Brandão T.O., Maggitti Junior L.P., Carôso B.S.S., Chalhoub M., Bittencourt R.F. & Ribeiro Filho A.L. 2018. [Morphological evaluation of corpus luteum for the diagnosis of 20-day pregnancy after IATF in crossbred cows.] Avaliação morfofuncional do corpo lúteo para diagnóstico precoce de gestação 20 dias após IATF em vacas mestiças leiteiras. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(10):2006-2011. Departamento de Anatomia, Patologia e Clínicas Veterinárias, Universidade Federal da Bahia, Rua Ademar de Barros 500, Ondina, Salvador, BA 40170-110, Brazil. E-mail: marianadeandradesilva@gmail.com A detecção superprecoce de gestação é de grande relevância quando se trata do aumento da produtividade dos rebanhos, na tentativa de redução do tempo de serviço desses animais. Por tal relevância, objetivou-se utilizar a ultrassonografia (US) Doppler como ferramenta para predição de gestação, avaliando a irrigação do corpo lúteo (CL), vinte dias após IATF. Setenta e três vacas mestiças foram avaliadas 20 dias após IATF por US transretal. Para obtenção do diâmetro do CL (DCL) e sua área (ACL) utilizou-se o modo B, na mensuração da área de vascularização (VCL) e seu percentual no CL (VCL%) empregou-se o Doppler Colorido. As imagens foram classificadas com base na quantidade de pixels coloridos e sua distribuição no CL, em dois grupos: diagnóstico preditivo negativo de gestação (DPN) e preditivo positivo (DPP). No mesmo dia, a funcionalidade do CL foi determinada pela concentração plasmática de P4. O diagnóstico de gestação definitivo foi realizado por US 35 dias após as IATFs. Utilizou-se o teste t de Student (com P<0,05) na avaliação das variáveis. Grupo gestantes apresentou médias superiores (P<0,05) para todas as variáveis ao Grupo Não Gestantes. O diagnóstico preditivo demonstrou 83,33% de especificidade, sensibilidade de 100% e acurácia de 91,79%. Conclui-se que a US doppler do CL aos 20 dias pós IATF é um método confiável no diagnóstico precoce de gestação.


#5 - Variation in irrigation of the sinoatrial node in dogs of different breeds, 37(11):1352-1356

Abstract in English:

ABSTRACT.- Favaron P.O., Borghesi J., Agopian R.G., Miglino M.A. & Borelli V. 2017. [Variation in irrigation of the sinoatrial node in dogs of different breeds.] Variação nos tipos de irrigação do nodo sinoatrial em cães de diferentes raças. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(11):1352-1356. Setor de Anatomia dos Domésticos e Silvestres, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Rua Professor Orlando Marques de Paiva 87, Butantã, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: phelipe.favaron@yahoo.com.br Considering the anatomical and electrophysiological heterogeneity of the sinoatrial node for generation and propagation of the action potential, as well as the particularities relating to the origin of blood nutrition, this study aimed to analyze the behavior of arteries involved in irrigation of the sinoatrial node in dogs performing a descriptive and comparative analysis between different breeds, with emphasis in the origin, pathway and branching of vessels, as well as the presence of anastomoses. Totally, 240 hearts were fixed in solution of formalin 10% and subjected to Spalteholz diaphanization. The vascularization of the sinoatrial node occurs by the right circumflex branch or left circumflex branch, showing several particularities according to the breed. Thus, predominantly in the studied breeds, the blood supply of the sinoatrial node depends exclusively (63.6%) or from anastomosis of the right coronary artery. There is also participation of right atrial proximal branch and right atrial intermediary branch. Less often (15.4%) the blood supply occurs exclusively from the left atrial proximal branch, which is a branch of the circumflex branch of the left coronary artery. In summary, our results related to the origin of the sinoatrial node blood nutrition and the branching of vessels involved on that represents a fundamental knowledge for the development and improvement of surgery in dogs, as well as for pathology and experimental research.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Favaron P.O., Borghesi J., Agopian R.G., Miglino M.A. & Borelli V. 2017. [Variation in irrigation of the sinoatrial node in dogs of different breeds.] Variação nos tipos de irrigação do nodo sinoatrial em cães de diferentes raças. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(11):1352-1356. Setor de Anatomia dos Domésticos e Silvestres, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Rua Professor Orlando Marques de Paiva 87, Butantã, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: phelipe.favaron@yahoo.com.br Considerando a heterogeneidade anatômica e eletrofisiolo&#769;gica do nodo sinoatrial para a geração e propagação do potencial de ação, bem como as particularidades relacionadas a origem da sua irrigação sanguínea, este trabalho teve como objetivo analisar o comportamento das artérias envolvidas na irrigação do nodo sinoatrial em cães realizando uma análise descritiva e comparativa entre diferentes raças estudadas, detalhando a origem, o percurso e a ramescência dos vasos, assim como a eventual ocorrência de anastomoses. Ao todo analisamos resultados obtidos em 240 corações, os quais foram fixados em solução de formalina 10% e submetidos a diafanização de Spalteholz. A irrigação deste ocorre mediante colaterais oriundos do ramo circunflexo direito ou ramo circunflexo esquerdo, mostrando particularidades diferentes para cada raça. Assim, predominantemente, nas raças ora estudadas a irrigação arterial do nodo sinoatrial depende exclusivamente (63,6%), ou de anastomoses de colaterais da artéria coronária direita, havendo também participação dos ramo proximal atrial direito e intermédio atrial direito. Menos frequentemente (15,4%) o suprimento sanguíneo ocorre exclusivamente por conta do ramo proximal atrial esquerdo, oriundo do ramo circunflexo da artéria coronária esquerda. Os dados aqui apresentados sobre a origem da irrigação sanguínea do nodo sinoatrial e a ramescência dos vasos envolvidos nesta tarefa representam conhecimento fundamental para o desenvolvimento da clínica-cirúrgica em cães, da patologia e trabalhos de natureza experimental.


#6 - Uterine vasculature of pregnant mares of donkey and stallion through the Doppler ultrasonography spectral mode, 37(8):877-882

Abstract in English:

ABSTRACT.- Lemos S.G.C., Campos D.G., Ferreira C.S.C., Balaro M.F.A., Cunha L.E.R., Pinna A.E. & Brandão F.Z. 2017. [Uterine vasculature of pregnant mares of donkey and stallion through the Doppler ultrasonography spectral mode.] Vascularização uterina de éguas prenhes de jumento e de garanhão monitoradas por ultrassonografia Doppler. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(8):877-882. Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense, Rua Vital Brazil Filho 64, Vital Brazil, Niterói, RJ 24230-340, Brazil. E-mail: binagaiacl@gmail.com This study aimed to evaluate and describe the ultrasonographic findings of uterus of pregnant mares of different ages, mated by either ass or stallion, using the spectral Doppler ultrasonography, aiming to characterize the resistance (RI) and pulsatility (PI) Doppler indices up to 154 days of pregnancy. A total of 20 mares in reproductive age of non-defined breed were used. The evaluations were performed in uterine arteries. There was no interaction between RI and PI values obtained in uterine horns (that initiated or not the pregnancy) with time of pregnancy (P>0.05), thus, data were discussed separately. There were no differences between RI and PI evaluations when compared to the uterine horns that initiated or not the pregnancy (P>0.05). A time effect was observed (P<0.05) on PI, when D70 presented lower averages than D0, D7, D14 and D21. There was no time effect (P>0.05) on RI. Pregnant mares mated by asses presented higher uterine vascularization in non-pregnant horn than pregnant mares mated by stallions. With the exception of RI in non-pregnant horn, there was a female age effect on the side of pregnancy (P<0.05), where aged mares in both – pregnant and non-pregnant horns – showed higher PI and RI, so less vascularized. It is possible to conclude that the uterine vascularization did not present any difference between uterine horns. There is an increase in the uterine vascularization on the 70th day of pregnancy. Pregnant mares mated by assess presented higher uterine vascularization when compared to those mated by stallions. Mares aging over 15 years old presented lower uterine vascularization, when compared to those younger.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Lemos S.G.C., Campos D.G., Ferreira C.S.C., Balaro M.F.A., Cunha L.E.R., Pinna A.E. & Brandão F.Z. 2017. [Uterine vasculature of pregnant mares of donkey and stallion through the Doppler ultrasonography spectral mode.] Vascularização uterina de éguas prenhes de jumento e de garanhão monitoradas por ultrassonografia Doppler. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(8):877-882. Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense, Rua Vital Brazil Filho 64, Vital Brazil, Niterói, RJ 24230-340, Brazil. E-mail: binagaiacl@gmail.com Este estudo teve como objetivo analisar e descrever os achados ultrassonográficos do útero de éguas gestantes de diferentes idades, de jumento e garanhão, utilizando a técnica de ultrassonografia Doppler Espectral, visando caracterizar os índices de resistência (RI) e pulsatilidade (PI) até 154 dias de gestação. Foram utilizadas 20 éguas em idade reprodutiva, sem raça definida. As avaliações foram realizadas nas artérias uterinas. Não foi constatada interação entre os valores de RI e PI obtidos nos cornos uterinos (que iniciaram ou não a gestação) com o tempo da gestação (P>0,05), desta forma os dados foram discutidos separadamente. Não foram encontradas diferenças entre as avaliações de RI e PI quando comparado os cornos que iniciaram ou não a gestação (P>0,05). Verificou-se efeito de tempo (P<0,05) sobre o PI, onde no D70 foi constatada a menor média quando comparado aos tempos D0, D7, D14 e D21. Não f oi encontrado efeito de tempo sobre o RI (P>0,05). As éguas gestantes de jumento apresentaram maior vascularização uterina no corno não gestante, que as éguas gestantes do garanhão. Com exceção do RI no lado não gravídico, foi verificado efeito de idade da fêmea sobre o lado da gestação (P<0,05), onde as éguas idosas, tanto no corno que iniciou a gestação e o contralateral, tiveram PI e RI mais altos, ou seja, menos vascularizados. Concluiu-se que a vascularização uterina não apresentou diferença entre os cornos uterinos. Há um aumento da vascularização uterina no 70º dia de gestação. Éguas gestantes de jumentos apresentaram maior vascularização uterina, quando comparada às éguas gestantes de garanhões. Éguas com idade acima de 15 anos apresentaram menor vascularização uterina, quando comparadas com idade inferior a 15 anos.


#7 - Patterns of arterial vascularization in swine hearts, 36(5):417-422

Abstract in English:

ABSTRACT.- Pinto M.G.F., Favaron P.O., Alcântara D., Anunciação A.R.A., Miglino M.A., Borelli V. & Filho A.F. 2016. Patterns of arterial vascularization in swine hearts. Pesquisa Veterinária Brasileira 36(5):417-422. Setor de Anatomia de Animais Domésticos e Selvagens, Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina Veteronária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, Cidade Universitária, Butantã, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: phelipe.favaron@yahoo.com.br This study aimed to characterize the patterns of arterial vascularization in swine hearts. Ninety swine hearts were submitted to the Spalteholz diaphanization technique in order to dissect the coronary arteries. Three types of arterial vascularization patterns were characterized through the behaviorof the rami circumflexus and interventricularis, namely: balanced, right and left types. The balanced pattern was the most frequently (42.2%); in this case, the rami circumflexus and interventricularis occupied their respective sulci. The right type (40%) was further categorized into three vascularization subtypes. In the first, ramus circumflexus dexter branched from the ramus interventricularis subsinuosus. In the second, the arteria coronaria dextra branched from ramus interventricularis subsinuosus and ramus circumflexus. In the third model, arteria coronaria sinister branched from ramus interventricularis paraconalis. The left type (17.7%) exhibited two subtypes. In the first, ramus interventricularis paraconalis ran through the entire corresponding sulcus and the ventral third of sulcus interventricularis subsinuosus, and ramus interventricularis subsinuosus occupied the dorsal and middle third of its respective sulcus. In the second, ramus interventricularis subsinuosus branched from arteria coronaria dextra and ran through the dorsal and medium thirds of its respective sulcus, and the ventral third was occupied by the collateral branch of ramus circumflexus sinister. Our results reinforce the thesis that the blood distribution system through the coronary artery in swine is similar to human, not only in qualitative but also by a quantitative comparison.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Pinto M.G.F., Favaron P.O., Alcântara D., Anunciação A.R.A., Miglino M.A., Borelli V. & Filho A.F. 2016. Patterns of arterial vascularization in swine hearts. [Padrões de vascularização arterial em corações de suínos.] Pesquisa Veterinária Brasileira 36(5):417-422. Setor de Anatomia de Animais Domésticos e Selvagens, Departamento de Cirurgia, Faculdade de Medicina Veteronária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, Cidade Universitária, Butantã, São Paulo, SP 05508-270, Brazil. E-mail: phelipe.favaron@yahoo.com.br Este estudo teve como objetivo caracterizar os padrões de vascularização arterial em corações de suínos. Para tanto, 90 corações de suínos foram submetidos à técnica de diafanização de Spalteholz com a finalidade de dissecar as artérias coronárias. Através do comportamento dos rami circumflexus e interventricularis caracterizou-se três modalidades de vascularização arterial do coração de suínos, sendo eles os tipos equilibrado, direito e esquerdo. O equilibrado foi observado com maior frequência (42,2%), neste caso os rami circumflexus e interventricularis das artérias coronárias ocupavam seus respectivos sulcos. O tipo direito (40%) apresentou três subtipos de vascularização. No primeiro o ramus circumflexus dexter ramificava-se formando o ramus interventricularis subsinuosus. No segundo, a arteria coronaria dextra emitia o ramus interventricularis subsinuosus e ramus circunflexus. E no terceiro modelo, da arteria coronaria sinistra emergia o ramus interventricularis paraconalis. O tipo esquerdo (17,7%) apresentou dois subtipos. No primeiro, o ramus interventricularis paraconalis percorria todo o sulco correspondente e o terço ventral do sulcus interventricularis subsinuosus, o ramus interventricularis subsinuosus ocupava os terços dorsal e médio do seu respectivo sulco. No segundo, o ramus interventricularis subsinuosus oriundo da arteria coronaria dextra percorria apenas os terços dorsal e médio do seu respectivo sulco, ficando o terço ventral ocupado por colateral do ramus circumflexus sinister. Nossos resultados reforçam a tese de que a distribuição do suprimento sanguíneo pela artéria coronária em suínos é semelhante ao humano, não apenas de maneira qualitativa, mas também do ponto de vista quantitativo.


#8 - Follicle and corpus luteum size and vascularity as predictors of fertility at the time of artificial insemination and embryo transfer in beef cattle, 35(5):470-476

Abstract in English:

ABSTRACT.- Pinaffi F.L.V., Santos E.S., Silva M.G., Maturana Filho M., Madureira E.H. & Silva L.A. 2015. Follicle and corpus luteum size and vascularity as predictors of fertility at the time of artificial insemination and embryo transfer in beef cattle. Pesquisa Veterinária Brasileira 35(5):470-476. Laboratório de Teriogenologia, Departamento de Medicina Veterinária, Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos, Universidade de São Paulo, Av. Duque de Caxias Norte 225, Pirassununga, SP 13635-900, Brazil. E-mail: fabio_pinaffi@hotmail.com Two ultrasound based fertility prediction methods were tested prior to embryo transfer (ET) and artificial insemination (AI) in cattle. Female bovines were submitted to estrous synchronization prior to ET and AI. Animals were scanned immediately before ET and AI procedure to target follicle and corpus luteum (CL) size and vascularity. In addition, inseminated animals were also scanned eleven days after insemination to target CL size and vascularity. All data was compared with fertility by using gestational diagnosis 35 days after ovulation. Prior to ET, CL vascularity showed a positive correlation with fertility, and no pregnancy occurred in animals with less than 40% of CL vascularity. Prior to AI and also eleven days after AI, no relationship with fertility was seen in all parameters analyzed (follicle and CL size and vascularity), and contrary, cows with CL vascularity greater than 70% exhibit lower fertility. In inseminated animals, follicle size and vascularity was positive related with CL size and vascularity, as shown by the presence of greater CL size and vascularity originated from follicle with also greater size and vascularity. This is the first time that ultrasound based fertility prediction methods were tested prior to ET and AI and showed an application in ET, but not in AI programs. Further studies are needed including hormone profile evaluation to improve conclusion.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Pinaffi F.L.V., Santos E.S., Silva M.G., Maturana Filho M., Madureira E.H. & Silva L.A. 2015. Follicle and corpus luteum size and vascularity as predictors of fertility at the time of artificial insemination and embryo transfer in beef cattle. [Tamanho e vascularização do folículo e corpo lúteo como preditores de fertilidade após inseminação artificial e transferência de embriões em gado de corte.] Pesquisa Veterinária Brasileira 35(5):470-476. Laboratório de Teriogenologia, Departamento de Medicina Veterinária, Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos, Universidade de São Paulo, Av. Duque de Caxias Norte 225, Pirassununga, SP 13635-900, Brazil. E-mail: fabio_pinaffi@hotmail.com Duas técnicas de predição de fertilidade, baseadas em ultrassonografia, foram testadas no momento da transferência de embriões (TE) e inseminação artificial (IA) em bovinos. Fêmeas bovinas foram submetidas a protocolos de sincronização de estro para TE e IA. Os animais foram escaneados por ultrassonografia imediatamente antes do procedimento de TE e IA para identificar o tamanho e vascularização do folículo e corpo lúteo (CL). Além disso, os animais inseminados foram escaneados onze dias após a inseminação para identificar o tamanho e vascularização do CL. Todos os dados foram comparados com a fertilidade utilizando-se do diagnóstico gestacional 35 dias após a ovulação. No momento da TE, a vascularização do CL apresentou-se positivamente relacionada com a fertilidade, sendo que animais com menos de 40% de vascularização do CL não ficaram gestantes. No momento da IA, assim como onze dias após a IA, nenhuma relação foi encontrada entre fertilidade e os parâmetros analizados (tamanho e vascularização do folículo e CL), enquanto que contrariamente, houve uma queda na fertilidade em vacas com vascularização do CL acima de 70%. Nos animais inseminados, o tamanho e vascularização do folículo foi positivamente relacionado ao tamanho e vascularização do CL, demonstrado pela presença de um CL maior e mais vascularizado proveniente de um folículo maior e mais vascularizado. O presente estudo é o primeiro a mostrar métodos de predição de fertilidade baseados em ultrassonografia no momento da IA e TE, demonstrando uma aplicabilidade prática no momento da TE. Novos estudos são necessários para suportar os resultados mostrados, incluindo análises hormonais.


#9 - A systematic study of the brain base arteries in the rabbit (Oryctolagus cuniculus), 33(6):796-806

Abstract in English:

ABSTRACT.- Souza F. & Campos R. 2013. A systematic study of the brain base arteries in the rabbit (Oryctolagus cuniculus). Pesquisa Veterinária Brasileira 33(6):796-806. Setor de Anatomia Animal, Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Avenida Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: fesouzavet@yahoo.com.br The brains of 30 New Zealand rabbits (Oryctolagus cuniculus) were injected with red stained latex. The arteries of the ventral surface of the brain were systematized on the right (R) and on the left (L) side with the respective percentage of appearance: the aortic arch emitted the braquicephalic trunk and the left subclavian artery (83.3%); or the braquicephalic trunk, the left common carotid artery and the left subclavian artery (16.7%). The braquicephalic trunk emitted the right and the left common carotid arteries and the right subclavian artery (83.3%); or the right common carotid artery and the right subclavian artery (16.7%). The common carotid arteries were divided into external and internal carotid arteries (96.7% on the R, 100% on the L.). The internal carotid artery to the R was present (96.7%) and absent (3.3%), and to the L, was present (100%). The rostral choroidal artery to the R was collateral branch of the rostral branch of the internal carotid artery (83.3%), collateral branch of caudal branch of the internal carotid artery (16.7%), and to the L was collateral branch of the rostral branch of the internal carotid artery (93.3%), collateral branch of the caudal branch of the internal carotid artery (6.7%). The middle cerebral artery to the R and to the L was single (80%) and double (20%). The rostral cerebral artery to the R had middle caliber (90%), thin caliber (6.7%) and too thin caliber (3.3%), and to the L had middle caliber (76.7%), thin caliber (16.7%) and too thin caliber (6.7%). The internal ethmoidal artery was absent (73.3%), present and single (26.7%). The caudal cerebral artery to the R was single (66.7%), double (26.7%) and triple (6.7%), and to the L was single (63.3%) and double (36.7%). The terminal branches of the right and left vertebral arteries were present (100%, and formed the basilar artery (100%). The ventral spinal artery was present (100%). The caudal cerebellar artery, to the R was single (43.3%), single with labyrinthic artery isolated (26.7%) and double (30%), and to the L was single (50%), single with labyrinthic artery isolated (6.7%), double (40%) and triple (3.3%). The trigeminal artery to the R and to the L was present (100%). The rostral cerebellar artery to the R was single (53.3%) and double (46,7%), and to the L was single (63.3%) and double (36.7%). The rabbit’s cerebral arterial circle was caudally closed (100%) and rostrally closed (93.3%) or opened (6.7%). The brain was supplied by the vertebral-basilar and carotid systems.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Souza F. & Campos R. 2013. A systematic study of the brain base arteries in the rabbit (Oryctolagus cuniculus). [Sistematização das artérias da base do encéfalo e suas fontes de suprimento sanguíneo em coelho da raça Nova Zelândia (Oryctolagus cuniculus).] Pesquisa Veterinária Brasileira 33(6):796-806. Setor de Anatomia Animal, Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Avenida Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: fesouzavet@yahoo.com.br Foram utilizados 30 encéfalos de coelhos Nova Zelândia (Oryctolagus cuniculus), injetados com látex, corado em vermelho, com objetivo de sistematizar as artérias da base do encéfalo e suas fontes de suprimento sanguíneo. Sistematizou-se a origem das fontes de suprimento sanguíneo para o encéfalo e as artérias (Aa) da face ventral do mesmo, tanto à direita (D) como à esquerda (E), com suas respectivas percentagens de aparecimento: o arco aórtico emitiu tronco braquiocefálico e artéria (A.) subclávia E (83,3%), ou tronco braquiocefálico, A. carótida comum E e A. subclávia E (16,7%). O tronco braquiocefálico lançou A. carótida comum D e E e A. subclávia D (83,3%), ou A. carótida comum D e A. subclávia D (16,7%). A. carótida comum dividiu-se em Aa carótidas externa e interna (96,7% D, 100% E). A. carótida interna D presente (96,7%) e ausente (3,3%), à E presente (100%). A. corióidea rostral D ramo colateral do ramo rostral da A. carótida interna D (83,3%), ramo colateral do ramo caudal da A. carótida interna D (16,7%), à E, ramo colateral do ramo rostral da A. carótida interna E (93,3%), ramo colateral do ramo caudal da A. carótida interna E (6,7%). A. cerebral média D e E ímpar (80%) e dupla (20%). A. cerebral rostral D com calibre médio (90%), calibre fino (6,7%), calibre muito fino (3,3%), à E, com calibre médio (76,7%), calibre fino (16,7%), calibre muito fino (6,7%). A. etmoidal interna ausente (73,3%), presente e ímpar (26,7%). A. cerebral caudal D, ímpar (66,7%), dupla (26,7%) e tripla (6,7%), à E, ímpar (63,3%) e dupla (36,7%). Ramos terminais ­­das Aa. vertebrais D e E presentes (100%) formaram a A. basilar (100%). A. espinhal ventral ímpar presente (100%). A. cerebelar caudal D, ímpar (43,3%), ímpar com A. labiríntica isolada (26,7%) e dupla (30%), à E, ímpar (50%), ímpar com A. labiríntica isolada (6,7%), dupla (40%) e tripla (3,3%). A. trigeminal D e E presente (100%). A. cerebelar rostral D, ímpar (53,3%) e dupla (46,7%), à E, ímpar (63,3%) e dupla (36,7%). Observou-se que o círculo arterial Cerebral do coelho foi fechado caudalmente (100%), rostralmente fechado (93,3%) e aberto (6,7%). O encéfalo foi suprido pelos sistemas vértebro-basilar e carotídeo.


#10 - Comparative analysis between both ventricular and sinoatrial node arterial vascularization in heart of dogs, 33(1):111-114

Abstract in English:

ABSTRACT.- Biasi C., Borelli V., Prazeres R.F., Favaron P.O., Pavanello Junior V., Aloia T.P.A. & Bombonato P.P. 2013. [Comparative analysis between both ventricular and sinoatrial node arterial vascularization in heart of dogs.] Análise comparativa entre a vascularização arterial ventricular e a do nó sinoatrial em corações de cães. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(1):111-114. Setor de Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, São Paulo, SP 05508-030, Brazil. E-mail: phelipe.favaron@yahoo.com.br We analyzed 40 hearts of adult dogs, males and females of different ages, without cardiac disease. The hearts had the coronary arteries inject using Neoprene Latex 450, colored with red pigment, and which was then dissected. In the ventricular vascularization the left coronary artery was predominant and gave rise to the paraconal interventricular and subsinuous branches. The region occupied by the sinoatrial node was most frequently (17 times, 42.5%) in dependence of the left atrial proximal branch or in the collateral branch of that vessel, coming from the left circumflex branch, or this vessel was associated with the right atrial distal branch (8 times, 20%). With less frequency (14 times, 30%), in the area occupied by the sinoatrial node we found only the collaterals of the right circumflex branch, only the right atrial distal branch (10 times, 25%), only the right atrial proximal branch (3 times, 7.5%) or exclusively the right atrial intermediary branch (once, 2.5%). In just one case (once, 2.5%) in the area of the sinoatrial node we observed only the collateral of the left circumflex branch, i.e. the left atrial distal branch. According to our results we concluded that in this specie there is no relationship between the type of ventricular vascularization and irrigation of the sinoatrial node. In doing so, to consider just the ventricular branches is not sufficient for a clinical and surgical applied understanding, since the atrial branches make an important contribution to the sinoatrial node vascularization.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Biasi C., Borelli V., Prazeres R.F., Favaron P.O., Pavanello Junior V., Aloia T.P.A. & Bombonato P.P. 2013. [Comparative analysis between both ventricular and sinoatrial node arterial vascularization in heart of dogs.] Análise comparativa entre a vascularização arterial ventricular e a do nó sinoatrial em corações de cães. Pesquisa Veterinária Brasileira 33(1):111-114. Setor de Anatomia dos Animais Domésticos e Silvestres, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo, Av. Prof. Dr. Orlando Marques de Paiva 87, São Paulo, SP 05508-030, Brazil. E-mail: phelipe.favaron@yahoo.com.br Utilizamos nesta pesquisa 40 corações de cães adultos, machos e fêmeas, de idades variadas, que não portavam nenhuma afecção cardíaca. Os corações tiveram as artérias coronárias injetadas, separadamente, com Neoprene Látex 450, corado com pigmento vermelho, e posteriormente dissecados. Em todas estas preparações verificamos que na vascularização dos ventrículos predominava a artéria coronária esquerda que fornecia os ramos interventriculares paraconal e subsinuoso. Já, a região ocupada pelo nó sinoatrial ficava mais frequentemente (17 vezes, 42,5%) na dependência do ramo proximal atrial esquerdo ou de colateral deste vaso, oriundo do ramo circunflexo esquerdo, ou deste vaso associado ao ramo distal atrial direito (8 vezes, 20%), procedente do ramo circunflexo direito. Com menor frequência (14 vezes, 30%), a área tomada pelo nó sinoatrial, encontramos apenas colaterais do ramo circunflexo direito, mais exatamente somente o ramo distal atrial direito (10 vezes, 25%), apenas o ramo proximal atrial direito (3 vezes, 7,5%) ou ainda exclusivamente o ramo intermédio atrial direito (1 vez, 2,5%). Em um único caso (1 vez, 2,5%) no território do nó sinoatrial observamos apenas colateral do ramo circunflexo esquerdo, isto é o ramo distal atrial esquerdo. A análise destes resultados permite concluir, que nesta espécie não existe qualquer tipo de relação entre o tipo de vascularização dos ventrículos e a irrigação do nó sinoatrial. Sendo assim, considerar os ramos ventriculares isoladamente não é suficiente para um entendimento clínico-cirúrgico aplicado, uma vez que os ramos atriais apresentam uma importante contribuição para a vascularização do nó sinoatrial.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV