Resultado da pesquisa (23)

Termo utilizado na pesquisa anemia

#1 - Changes in C-reactive protein and rheumatoid factor in dogs naturally infected by Leishmania spp., 38(9):1829-1833

Abstract in English:

ABSTRACT.- Braz P.H., Lima G.L., Sartoretto M.C., Marinho C.P. & Deboleto S.G.C. 2018. [Changes in C-reactive protein and rheumatoid factor in dogs naturally infected by Leishmania spp.] Alterações da proteína C reativa e fator reumatoide em cães naturalmente infectados por Leishmania spp. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(9):1829-1833. Faculdade de Medicina Veterinária, Centro Universitário da Grande Dourados, Cx. Postal 0000, Dourados, MS 79824-900, Brazil. E-mail: pauloh.braz@hotmail.com Canine visceral leishmaniasis is a zoonosis considered a priority tropical disease. The disease affects various body systems of dogs, including viscera and skin. C-reactive protein (CRP) and rheumatoid factor (RF) are tests performed in medicine for the detection of inflammation and arthritis in humans, however, there are few studies aimed at dogs with leishmaniasis that demonstrate changes in CRP and RF. This work aimed to demonstrate the changes of CRP and RF and its correlation with hyperproteinemia and hyperalbuminemia, in addition to the comparison with the left deviation present in the hematological examination. The work was carried out at the Veterinary Hospital of the University Center of Grande Dourados/MS and Zoonoses Control Center, in which 34 dogs of different breeds and ages were submitted to venous blood collection for immuno-latex exams, Biochemistry and blood count in dogs naturally infected with Leishmania spp. Only dogs to the DPP rapid test for leishmaniasis were used, together with a positive result in parasitological examination, after hematological and biochemical tests were performed. When the test for the quantification of FR in serum was performed, for the 34 animals studied, positivity was observed in only 1 animal, while the dogs were PCR positive in 38.23% of the cases studied. In cases of animals with leishmaniasis it is possible to establish inflammatory levels early, whereas the FR showed not to be a good marker for animals seropositive for the disease.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Braz P.H., Lima G.L., Sartoretto M.C., Marinho C.P. & Deboleto S.G.C. 2018. [Changes in C-reactive protein and rheumatoid factor in dogs naturally infected by Leishmania spp.] Alterações da proteína C reativa e fator reumatoide em cães naturalmente infectados por Leishmania spp. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(9):1829-1833. Faculdade de Medicina Veterinária, Centro Universitário da Grande Dourados, Cx. Postal 0000, Dourados, MS 79824-900, Brazil. E-mail: pauloh.braz@hotmail.com A leishmaniose visceral canina é uma zoonose considerada doença tropical de prioridade. A leishmaniose afeta vários sistemas do corpo dos cães, incluindo vísceras e pele. A proteína C reativa (PCR) e o fator reumatoide (FR) são exames realizados na medicina para detecção de inflamação e artrites em seres humanos, no entanto, há poucos trabalhos voltados para cães com leishmaniose que demonstrem as alterações ocorridas na PCR e FR. Este trabalho teve como objetivo demonstrar as alterações de PCR e FR e sua correlação com a hiperproteinemia e hiperalbuminemia, além da compararação com o desvio a esquerda presente no exame hematológico. O trabalho foi realizado no Hospital Veterinário do Centro Universitário da Grande Dourados/MS e Centro de Controle de Zoonoses, no qual foram avaliados 34 cães, de diversar raças e idade e submetidos a colheita de sangue venosa para realização de exames em imuno-látex, bioquímica sérica e hemograma, em cães naturalmente infectados por Leishmania spp. Foram utilizados somente cães positivos ao teste rápido DPP para leishmaniose, juntamente com resultado positivo no exame parasitológico, depois de diagnosticados foram realizados exames hematológicos e bioquímicos. Quando realizado o teste para quantificação de FR em soro sanguíneo, para os 34 animais estudados, foi observado positividade em apenas 1 animal, enquanto que os cães foram positivos para a PCR em 38,23% dos casos estudados. Em casos de animais com leishmaniose é possível estabelecer níveis inflamatórios precocemente, enquanto que o FR demonstrou não ser um bom marcador para animais soropositivos para a doença.


#2 - Hemolytic anemia in beef cattle in extensive system farming in Mato Grosso and Rondônia, 38(8):1475-1483

Abstract in English:

ABSTRACT.- Rondelli L.A.S., Becker M., Caldeira F.H.B., Ribeiro M., Furlan F.H., Colodel E.M., Pescador C.A. & Antoniassi N.A.B. 2018. [Hemolytic anemia in beef cattle in extensive system farming in Mato Grosso and Rondônia.] Anemia hemolítica em bovinos de corte em sistema de criação extensiva em Mato Grosso e Rondônia. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(8):1475-1483. Faculdade de Veterinária, Universidade Federal de Mato Grosso, Av. Fernando Corrêa da Costa 2367, Boa Esperança, Cuiabá, MT 78060-900, Brazil. E-mail: naassi@gmail.com Cases of hemolytic anemia in beef cattle in na extensive breeding system in Mato Grosso and Rondônia have been monitored since 2008. The affected animals presented weakness, pale or icteric mucosas, blackened urine, prostration and anorexia. The outcome of these cases often is death, principally if the animals are forced to walk. Approximately 429 cattle died in these outbreaks andin some of these, mortality rates ranged from 0.26 to 50%. Research was carried out on the main infectious causes such as leptospirosis, babesiosis, trypanosomiasis, anaplasmosis and bacillary hemoglobinuria, as well as the possible toxic causes reported as etiology of hemolytic anemia in cattle through hematology, blood biochemistry, molecular and histopathological examinations. Any plant ready described in Brazil as cause of hemolytic anemia in animals from livestock interest was observed in thosefarms. Although the etiology of these cases is not yet known, clinical and pathological evidences of the disease suggested that it is caused by a toxic plant of hemolytic action, present in the affected properties, but not yet confirmed experimentally.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Rondelli L.A.S., Becker M., Caldeira F.H.B., Ribeiro M., Furlan F.H., Colodel E.M., Pescador C.A. & Antoniassi N.A.B. 2018. [Hemolytic anemia in beef cattle in extensive system farming in Mato Grosso and Rondônia.] Anemia hemolítica em bovinos de corte em sistema de criação extensiva em Mato Grosso e Rondônia. Pesquisa Veterinária Brasileira 38(8):1475-1483. Faculdade de Veterinária, Universidade Federal de Mato Grosso, Av. Fernando Corrêa da Costa 2367, Boa Esperança, Cuiabá, MT 78060-900, Brazil. E-mail: naassi@gmail.com Casos de anemia hemolítica em bovinos de corte em sistema de criação extensiva em Mato Grosso e Rondônia são acompanhados desde 2008. Os animais acometidos apresentam fraqueza, mucosas pálidas ou ictéricas, urina enegrecida, depressão e anorexia. Esse quadro muitas vezes evolui para morte, principalmente quando os animais são movimentados. Durante esse período aproximadamente 429 bovinos morreram em diferentes surtos eem alguns casos a mortalidade chegou a 50%. Foi realizada investigação para as principais causas infecciosas como leptospirose, babesiose, tripanossomíase, anaplasmose e hemoglobinúria bacilar, bem como para as possíveis causas toxicas relatadas como etiologia de anemia hemolítica em bovinos por meio de exames hematológicos, bioquímica sanguínea, moleculares e histopatológicos. Não se observou nas propriedades acometidas, nenhuma das plantas já descritas no Brasil como causadora de anemia hemolítica em animais de interesse pecuário no momento das investigações dos surtos. Apesar da etiologia desses casos ainda não ser conhecida, as evidências epidemiológicas, clínicas e patológicas da doença sugerem que a mesma seja causada por uma planta tóxica de ação hemolítica, presente nas propriedades acometidas, mas que ainda não foi confirmada experimentalmente.


#3 - Iron supplementation for lambs experimentally infected by Haemonchus contortus: response to anemia and iron store in the bone marrow, 38(8):1543-1548

Abstract in English:

ABSTRACT.- Casanova V.P., Aires A.R., Collet S.G., Krause A., Moresco R.N., Bochi G.V., Silva A.S. & Leal M.L.R. 2018. Iron supplementation for lambs experimentally infected by Haemonchus contortus: response to anemia and iron store in the bone marrow. [Suplementação com ferro em cordeiros infectados experimentalmente por Haemonchus contortus: resposta a anemia e as reservas de ferro na medula óssea.] Pesquisa Veterinária Brasileira 38(8):1543-1548. Departamento de Grandes Animais, Universidade de Santa Maria, Avenida Roraima 1000, Santa Maria, RS 97105-900, Brazil. E-mail: martalizandra@gmail.com To evaluate the effect of supplementation of iron dextran on blood variables and iron metabolism in lambs experimentally infected by Haemonchus contortus, four experimental groups were used: uninfected and non-supplemented animals (GI); infected animals supplemented with iron (GII); uninfected animals supplemented with iron (GIII); and infected non-supplemented animals (GIV). Groups II and IV received 10,000 larvae (L3) of Haemonchus contortus, and groups II and III received three doses of iron dextran (20mg/kg) intramuscularly with seven days of interval. Blood and faeces samples were collected on days 10 (D10), 17 (D17), 24 (D24), and 31 (D31), in order to determine red blood cell counts, iron metabolism, and EPG. Infected animals developed anemia from D24 and anemia was more severe on D31. Animals from GII had higher hematocrit and hemoglobin concentration compared to animals of GIV on D31. Iron stores in the bone marrow were higher in GII and GIII compared to GI and GIV. The GIV showed lower seric levels of iron on D24 compared to the other groups. The iron supplementation reduces the severity of the anemia caused by infection with Haemonchus contortus in lambs, improving erythropoietic response after blood loss.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Casanova V.P., Aires A.R., Collet S.G., Krause A., Moresco R.N., Bochi G.V., Silva A.S. & Leal M.L.R. 2018. Iron supplementation for lambs experimentally infected by Haemonchus contortus: response to anemia and iron store in the bone marrow. [Suplementação com ferro em cordeiros infectados experimentalmente por Haemonchus contortus: resposta a anemia e as reservas de ferro na medula óssea.] Pesquisa Veterinária Brasileira 38(8):1543-1548. Departamento de Grandes Animais, Universidade de Santa Maria, Avenida Roraima 1000, Santa Maria, RS 97105-900, Brazil. E-mail: martalizandra@gmail.com Para avaliar o efeito da suplementação de ferro dextrano sobre variáveis ​​sanguíneas e metabolismo do ferro em cordeiros experimentalmente infectados por Haemonchus contortus, foram utilizados quatro grupos experimentais: animais não infectados e não suplementados (GI); animais infectados e suplementados com ferro (GII); animais não infectados e suplementados com ferro (GIII); e animais não suplementados infectados (GIV). Os grupos II e IV receberam 10.000 larvas (L3) de Haemonchus contortus, e os grupos II e III receberam três doses de ferro dextrano (20mg/kg) por via intramuscular com sete dias de intervalo. As amostras de sangue e fezes foram coletadas nos dias 10 (D10), 17 (D17), 24 (D24) e 31 (D31), para determinar o eritrograma, o metabolismo do ferro e a quantidade de ovos por gramas de fezes (OPG). Os cordeiros infectados desenvolveram anemia no D24, sendo esta mais severa no dia 31. Os cordeiros do GII apresentaram maior hematócrito e concentração de hemoglobina em comparação com animais dd GIV no D31. Os estoques de ferro na medula óssea foram maiores no GII e GIII em comparação com o GI e GIV. O GIV mostrou menores níveis séricos de ferro no D24 em comparação com os outros grupos. A suplementação de ferro reduz a gravidade da anemia causada por infecção por Haemonchus contortus em cordeiros, melhorando a resposta eritropoietica após a perda de sangue.


#4 - Hematological and biochemical parameters of neonatal Holstein calves supplemented with iron

Abstract in English:

Iron deficiency in newborn calves is associated with the development of anemia, which favors the development of other infirmities such as pneumonia and diarrhea. The present study evaluated the effect of iron supplementation on erythrogram, serum levels of iron, ceruloplasmin and tranferrin, as well as potential toxicity of the protocol used by means of evaluation of urea, creatinine and hepatic enzyme activities. 40 newborn Holstein calves were allocated into 5 experimental groups comprising 8 calves each, which were subjected to the following treatment protocols: intramuscular administration of 5mL of sterile saline on the 5th day of age (control group G1), intramuscular administration of 5mL of 10% dextran iron in the following moments: on the 5th day of age (G2); on the 5th and in the 20th day of age (G3); on the 5th and 30th day of age (G4); on the 5th, 20th and 45th days of age (G5). Blood samples were taken until 8 hours after birth and with 5, 10, 20, 30, 60, and 90 days of age, and subjected to hemogram, evaluation of serum levels of iron, ceruloplasmin, transferrin, urea, creatinine, total and direct bilirrubin, and serum activities of aspartate aminotransferase (AST), alcaline phosphatase (ALP), and gamma-glutamyltransferase (GGT). Calves that received iron supplementation at any time presented less variation in the erythrocyte parameters, although calves in the control group did not develop anemia. Serum concentration of iron and acute phase protein ceruloplasmin and transferrin, which activities are related to iron metabolism, also increased, although not significantly. Serum levels of urea, creatinine, bilirubins and activities of AST, ALP, and GGT were not influenced by the administration protocols used in this experiment. The results of the experiment led to the conclusion that the supplementation with parenteral dextran iron in calves that receive diets other than exclusive milk does not bring sufficient advantages to be indicated, although more studies are necessary to evaluate the influence of iron supplementation on the outcome of infections in newborn calves, especially its influence on cost of treatment, time necessary for discharge and impact on its productive life.

Abstract in Portuguese:

A deficiência de ferro em bezerros neonatos está associada ao desenvolvimento de anemia, que favorece o aparecimento de outras enfermidades como pneumonia e diarreia. Avaliou-se o efeito da suplementação de ferro sobre o eritrograma, teores séricos de ferro, ceruloplasmina e transferrina, bem como o potencial para toxicidade do protocolo utilizado por meio da avaliação dos teores de ureia, creatinina e enzimas hepáticas. Para tal avaliação foram utilizados 40 bezerros neonatos da raça Holandesa, alocados em cinco grupos experimentais com oito animais em cada grupo, que foram submetidos aos seguintes protocolos: administração intramuscular de 5mL de solução fisiológica estéril no 5º dia de idade (grupo controle G1), e administração intramuscular de 5mL de ferro dextrano 10% nos seguintes momentos: no 5º dia de idade (G2); no 5o e no 20º dias de idade (G3); no 5o e no 30º dias de idade (G4) e no 5o, 20o e 45º dias de idade (G5). Foram coletadas amostras de sangue até 8 horas após o nascimento e aos 5, 10, 20, 30, 60 e 90 dias de idade para realização do eritrograma, avaliação dos teores séricos de ferro, ceruloplasmina, transferrina, ureia, creatinina, bilirrubina total e direta, e das atividades das enzimas aspartato aminotransferase (AST), fosfatase alcalina (ALP) e gamaglutamiltransferase (GGT). Os animais que receberam ferro suplementar apresentaram menor oscilação nos parâmetros eritrocitários, embora os animais do grupo controle não tenham desenvolvido anemia. Notou-se também aumento, embora não significativo, nos teores séricos de ferro e das proteínas de fase aguda ceruloplasmina e transferrina, cuja atividade está relacionada ao metabolismo desse mineral. Os teores séricos de ureia, creatinina, bilirrubina total e direta e as atividades das enzimas GGT, AST e ALP não foram influenciados pelos protocolos de administração de ferro suplementar. Os protocolos de tratamento empregados não ocasionaram hepatoxidade ou nefrotoxidade aos animais. Concluiu-se que a suplementação com ferro dextrano por via parenteral em bezerros que recebem outras dietas que não apenas leite não traz benefícios que justifiquem sua indicação, embora sejam necessários mais estudos que avaliem a influência da suplementação com ferro sobre o tempo necessário para a recuperação, custos com o tratamento e impacto sobre a vida produtiva dos animais na idade adulta.


#5 - Hematological findings and factors associated with feline leukemia virus (FeLV) and feline immunodeficiency virus (FIV) positivity in cats from southern Brazil, 37(12):1531-1536

Abstract in English:

ABSTRACT.- Costa F.V.A., Valle S.F., Machado G., Corbellini L.G., Coelho E.M., Rosa R.B. & González F.H.D. 2017. Hematological findings and factors associated with feline leukemia virus (FeLV) and feline immunodeficiency virus (FIV) positivity in cats from southern Brazil. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(12):1531-1536. Laboratório de Análises Clínicas Veterinárias, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: stella.valle@ufrgs.br Using a retrospective study, 493 cats tested for FeLV and FIV were selected for analysis of the association between hematologic findings and positivity at immunoassay test. Individual and hematologic variables were assessed considering the influence of results using univariate and multivariate logistic regression analysis. Out 153 of the 493 cats were positive for FeLV (31%), 50 were positive for FIV (10.1%) and 22 were positive for both FIV and FeLV (4.4%). Multivariate analysis detected significant associations between FeLV infection and age below 1 year (p=0.01), age from 1 to 10 years (p=0.03), and crossbreed (p=0.04). Male cats were more likely to be FIV-positive (p=0.002). Regarding hematological changes, FeLV-positive cats have higher odds to anemia, leukopenia and lymphopenia than FeLV-negative cats. FIV-positive cats are more likely to have anemia than negative. Identification of associated factors related to animal status and correlation of hematological disorders with infection by retroviruses in cats could be useful for detecting these retroviral diseases in cats.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Costa F.V.A., Valle S.F., Machado G., Corbellini L.G., Coelho E.M., Rosa R.B. & González F.H.D. 2017. Hematological findings and factors associated with feline leukemia virus (FeLV) and feline immunodeficiency virus (FIV) positivity in cats from southern Brazil. [Achados hematológicos e fatores associados a positividade pelo vírus da leucemia felina (felv) e vírus da imunodeficiência felina em gatos do sul do Brasil.] Pesquisa Veterinária Brasileira 37(12):1531-1536. Laboratório de Análises Clínicas Veterinárias, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Av. Bento Gonçalves 9090, Porto Alegre, RS 91540-000, Brazil. E-mail: stella.valle@ufrgs.br Através de um estudo retrospectivo, 493 gatos testados para FeLV e FIV foram selecionados para análise da associação entre as alterações hematológicas e a positividade no teste imunoenzimático. Variáveis individuais e hematológicas foram consideradas para verificar a influência dos resultados utilizando análise de regressão logística univariada e multivariada. Um total de 153 de 493 gatos avaliados foram positivos para o FeLV (31%), 50 foram positivos para o FIV (10,1%) e 22 foram positivos para FIV e FeLV (4,4%). Análise multivariada detectou uma associação significativa entre a infecção pelo FeLV e a idade abaixo de 1 ano (P=0,01), idade entre 1 a 10 anos (P=0,03) e raça mista (P=0,04). Gatos machos foram mais predispostos a serem positivos para FIV (P=0,002). Com base nas alterações hematológicas, gatos positivos para o FeLV tem maior odds para apresentar anemia, leucopenia e linfopenia que os negativos. Gatos positivos para FIV possuem maiores chances de apresentarem anemia que os gatos negativos. A identificação dos fatores associados à infecção relacionados ao perfil do animal e a correlação com os distúrbios hematológicos com a infecção, pode ser útil para detecção das doenças retrovirais em gatos.


#6 - Epidemiological Status of Equine Infeccious Anemia in Working Equidae from the Federal District, Brazil, 37(10):1074-1078

Abstract in English:

ABSTRACT.- Moraes D.D.A., Gonçalves V.S.P., Mota A.L.A.A. & Borges J.R.J. 2017. [Epidemiological Status of Equine Infeccious Anemia in Working Equidae from the Federal District, Brazil.] Situação epidemiológica da anemia infecciosa equina em equídeos de tração do Distrito Federal. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(10):1074-1078. Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade de Brasília, Galpão 3, Granja do Torto, Brasília, DF 70636-200, Brazil. E-mail: jrborges@unb.br Equine Infectious Anaemia (EIA) is a disease that has worldwide distribution and it is caused by a lentivirus. The disease constrains the development of horse breeding in Brazil, leading to compulsory slaughter of test positive animals. The objective of this study was to estimate the prevalence of EIA in traction equids and identify potential risk factors in the Federal District. Three hundred and fifty (350) owners were randomly selected (Primary Sampling Units-PSU) and all equids (Secondary Sampling Units – SSU) from each owner were sampled, in a total of 496 animals. Blood samples were tested in LANAGRO/MG using the agar-gel immunodiffusion test (AGID). An epidemiological questionnaire was used to collect data on potential risk factors associated with the disease. The prevalence of PSU (owners) was estimated at 2.29% (95% CI: 1.01-4.2%) and the prevalence in animals was 1.81% (95% CI: 0.55-3.07%). Prevalence was higher in mules than in horses. None of the other variables analyzed as potential risk factors was associated to the presence of the disease. The present study demonstrated that the prevalence of EIA in traction equids is low in the Federal District, which strengthens the case for the maintaining the test-and-cull policy and the need for disease surveillance measures aimed at eradicating the disease.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Moraes D.D.A., Gonçalves V.S.P., Mota A.L.A.A. & Borges J.R.J. 2017. [Epidemiological Status of Equine Infeccious Anemia in Working Equidae from the Federal District, Brazil.] Situação epidemiológica da anemia infecciosa equina em equídeos de tração do Distrito Federal. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(10):1074-1078. Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Universidade de Brasília, Galpão 3, Granja do Torto, Brasília, DF 70636-200, Brazil. E-mail: jrborges@unb.br A anemia infecciosa equina (AIE) é uma doença causada por um lentivirus que possui distribuição mundial. Essa enfermidade é um entrave ao desenvolvimento da equinocultura no Brasil devido à obrigatoriedade de eutanásia dos animais positivos. Este trabalho teve como objetivo estimar a prevalência de AIE em equídeos de tração no Distrito Federal, assim como identificar fatores de risco associados à doença. Foram sorteados aleatoriamente 350 proprietários (Unidades Primárias de Amostragem- UPA) e foram amostrados todos os equídeos (Unidades secundárias de Amostragem) de cada proprietário sorteado, totalizando 496 animais. As amostras sanguíneas foram analisadas no Lanagro/MG por meio da técnica de imunodifusão em ágar gel (IDGA). No momento da coleta de sangue, também foi aplicado um questionário epidemiológico para a análise de possíveis fatores de risco. A prevalência de AIE nas UPA foi estimada em 2,29%, (IC 95%: 1,01-4,2%) e nos animais foi de 1,81% (IC 95%: 0,55-3,07%). A prevalência foi significativamente maior em muares do que em equinos. Não foi possível comprovar a presença de nenhum outro fator de risco associado à doença. Este estudo demonstra que a prevalência da AIE em equídeos de tração é baixa no Distrito Federal, porém mais alta do que os dados de vigilância de rotina sugerem, o que justifica a eutanásia dos equídeos reagentes, com a finalidade de promover a erradicação da enfermidade. Ratifica-se a importância da realização de exames periódicos nesses animais e a manutenção das atividades de vigilância.


#7 - Comparison of amplitude values of the diameter distribution of erythrocyte volume and mean corpuscular cytometry with erythrocytes in dogs with leishmaniasis, 37(7):781-784

Abstract in English:

ABSTRACT.- Braz P.H., Sartoretto M.C., Souza A.S. & Siqueira M.S. 2017. [Comparison of amplitude values of the diameter distribution of erythrocyte volume and mean corpuscular cytometry with erythrocytes in dogs with leishmaniasis.] Comparação entre os valores da amplitude de distribuição de diâmetro dos eritrócitos e do volume corpuscular médio com a citometria de eritrócitos em cães com leishmaniose. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(7):781-784. Centro Universitário da Grande Dourados, Dourados, MS 79824-900, Brazil. E-mail: pauloh.braz@hotmail.com Leishmaniasis is an endemic zoonosis that affects different animals species, among them the dogs. As an aid in the diagnosis and prognosis of the patient is routinely asked the CBC, which is characterized by anemia normocytic and normochromic type. The mean corpuscular volumes (MCV) and mean corpuscular hemoglobin concentration (MCHC) are the standards used for the classification of anemia, however, in recent years begun to use the amplitude diameter distribution of red blood cells (RDW) to distinguish anemias in regenerative and arregenerativas. This study aims to compare the RDW and MCV values with the erythrocyte cytometry in dogs with leishmaniasis. blood of 19 dogs of different breeds and ages were collected. The blood samples were processed in automatic equipment to obtain the MCV and RDW and later made blood smears for counting and measuring erythrocyte hundred cells from each slide. To evaluate the dispersion between the RBC values used the linear coefficient of Pearson. The RDW were more sensitive to anemia than VCM as compared with erythrocyte cytometry

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Braz P.H., Sartoretto M.C., Souza A.S. & Siqueira M.S. 2017. [Comparison of amplitude values of the diameter distribution of erythrocyte volume and mean corpuscular cytometry with erythrocytes in dogs with leishmaniasis.] Comparação entre os valores da amplitude de distribuição de diâmetro dos eritrócitos e do volume corpuscular médio com a citometria de eritrócitos em cães com leishmaniose. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(7):781-784. Centro Universitário da Grande Dourados, Dourados, MS 79824-900, Brazil. E-mail: pauloh.braz@hotmail.com A leishmaniose é uma zoonose de caráter endêmico que acomete diferentes espécies animal, dentre elas os cães. Como auxílio no diagnóstico e prognóstico do paciente é rotineiramente solicitado o hemograma, que é caracterizado por uma anemia do tipo normocítica e normocrômica. Os valores de volume corpuscular médio (VCM) e concentração de hemoglobina corpuscular médio (CHCM) são os padrões utilizados para a classificação da anemia, no entanto, nos últimos anos começou-se a utilizar a amplitude de distribuição de diâmetro dos eritrócitos (RDW) para diferenciar as anemias em regenerativas e arregenerativas. Este trabalho tem como objetivo comparar os valores de RDW e do VCM com a citometria eritrocitária em cães com leishmaniose. Foram colhidos sangue de 19 cães de diferentes raças e idades. As amostras sanguíneas foram processadas em equipamento automático para obtenção dos valores de VCM e RDW e posteriormente confeccionados esfregaços sanguíneos para contagem e medição de cem células eritrocitárias de cada lâmina. Para avaliar a dispersão entre os valores de hemácias utilizou-se o coeficiente linear de Pearson. Os valores de RDW mostraram-se mais sensíveis a anemia do que o VCM, quando comparados a citometria eritrocitária.


#8 - Search for hemoglobinopathies in dogs with chronic anemia in the metropolitan region of Rio de Janeiro, 37(6):593-597

Abstract in English:

ABSTRACT.- Queiroz G.B., Machado S.L., Toma H.K., Alencar N.X., Macieira D.B. & Almosny N.R.P. 2017. [Search for hemoglobinopathies in dogs with chronic anemia in the metropolitan region of Rio de Janeiro.] Pesquisa de hemoglobinopatias em cães da região metropolitana do Rio de Janeiro portadores de anemia crônica. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(6):593-597. Departamento de Clínica e Reprodução Animal, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense, Rua Vital Brazil Filho 64, Vital Brazil, Niterói, RJ 24230-340, Brazil. E-mail: bobany@gmail.com Thalassemias and hemoglobinopathies are hereditary conditions found in humans throughout the world. In veterinary medicine, hemoglobin polymorphism has been studied in production animals, but there are no reports of hemoglobinopathies in dogs, and studies involving hemoglobin polymorphism in this species are scarce. In order to search for hemoglobin variants in dogs, blood samples were collected from 202 dogs of various breeds, being 130 patients with chronic anemia (Experimental Group) and 72 clinically healthy animals (Control Group). These samples were subjected to alkaline electrophoresis of hemoglobin, which permitted separation and quantification of hemoglobin fractions by densitometry, and then subjected to hemoglobin electrophoresis in an acid medium, a technique used in human medicine for the separation of variant fractions of hemoglobin that do not differentiate in an alkaline medium. The erythrogram and RBC indices were obtained concurrently. The methods demonstrated that HbA is the major component of canine hemoglobin, and a small amount of HbA2 can be detected in some of the evaluated animals, and most dogs showed only HbA in its composition. It was concluded that the presence or absence of HbA2 does not interfere with RBC indices of evaluated animals, and the comparison between the hemoglobin of Experimental and Control groups showed no differences in fractions distribution between them, and there was no hemoglobin variants in evaluated canines.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Queiroz G.B., Machado S.L., Toma H.K., Alencar N.X., Macieira D.B. & Almosny N.R.P. 2017. [Search for hemoglobinopathies in dogs with chronic anemia in the metropolitan region of Rio de Janeiro.] Pesquisa de hemoglobinopatias em cães da região metropolitana do Rio de Janeiro portadores de anemia crônica. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(6):593-597. Departamento de Clínica e Reprodução Animal, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense, Rua Vital Brazil Filho 64, Vital Brazil, Niterói, RJ 24230-340, Brazil. E-mail: bobany@gmail.com Talassemias e hemoglobinopatias são condições hereditárias encontradas em humanos de todo o mundo. Em medicina veterinária, o polimorfismo de hemoglobinas tem sido estudado em animais de produção, mas não existem relatos de hemoglobinopatias em cães, e os estudos envolvendo o polimorfismo de hemoglobinas nesta espécie são escassos. Com o objetivo de pesquisar variantes da hemoglobina em cães, foram coletadas amostras de sangue de 202 caninos de variadas raças, sendo 130 portadores de anemia crônica (Grupo Experimental) e 72 animais clinicamente saudáveis (Grupo Controle). Estas amostras foram submetidas à eletroforese alcalina de hemoglobinas, que permitiu a separação e quantificação das frações de hemoglobina por densitometria, e posteriormente submetidas à eletroforese de hemoglobinas em meio ácido, técnica utilizada em medicina humana para a separação de frações de hemoglobinas variantes que não se diferenciam em meio alcalino. O eritrograma e índices hematimétricos foram obtidos concomitantemente. Os métodos utilizados demonstraram que a HbA é o maior componente da hemoglobina canina, e que uma pequena quantidade de HbA2 pode ser detectada em uma parcela dos animais avaliados, sendo que a maioria dos caninos apresentava exclusivamente HbA em sua composição. Concluiu-se que a presença ou ausência de HbA2 não interfere nos índices hematimétricos dos animais avaliados, e que quando comparadas as hemoglobinas dos grupos Experimental e Controle, não são observadas diferenças na distribuição das frações destas, além de não serem observadas hemoglobinas variantes nos caninos avaliados.


#9 - Relation between anaemia and bone marrow features and serum erythropoietin in dogs with chronic kidney disease, 37(6):598-602

Abstract in English:

ABSTRACT.- Torres M.M., Cruz F.A.C.S., Silva E.P., Poletto D., Cayuela M.A.A., Mendonça A.J., Almeida A.B.P.F. & Sousa V.R.F. 2017. Relation between anaemia and bone marrow features and serum erythropoietin in dogs with chronic kidney disease. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(6):598-602. Departamento de Clínica Médica Veterinária, Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Federal de Mato Grosso, Av. Fernando Corrêa da Costa 2367, Boa Esperança, Cuiabá, MT 78060-900, Brazil. E-mail: marys_torres@hotmail.com Chronic anaemia is one of the most severe complications of chronic kidney disease, contributing to morbidity and mortality caused by the disease; therefore, bone marrow cytological evaluation is needed to monitor the progression of anaemia. This study aimed to correlate the anaemia in dogs at different stages of chronic kidney disease with their serum biochemistry, myelogram results and serum erythropoietin findings. Sixty-three dogs were grouped according to International Renal Interest Society (IRIS) classification in stages 1, 2, 3 and 4. Haematologic, serum and urinary biochemistry and serum erythropoietin were performed for comparison with the findings of bone marrow cytology obtained by aspiration of the manubrium. Cytological findings for erythroid hypoplasia were described in 93.65% of dogs, and the anaemia was observed in 84.1% of them. The haematological findings were correlated with azotaemia (p<0.05). It was concluded that the erythroid hypoplasia has correlation with persistent anaemia in dogs at all stages of chronic kidney disease, with iron deficiency in dogs in the early stages and with peripheral destruction of erythrocytes caused by azotaemia.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Torres M.M., Cruz F.A.C.S., Silva E.P., Poletto D., Cayuela M.A.A., Mendonça A.J., Almeida A.B.P.F. & Sousa V.R.F. 2017. Relation between anaemia and bone marrow features and serum erythropoietin in dogs with chronic kidney disease. [Relação entre anemia e achados de medula óssea e eritropoetina sérica em cães com doença renal crônica.] Pesquisa Veterinária Brasileira 37(6):598-602. Departamento de Clínica Médica Veterinária, Faculdade de Medicina Veterinária, Universidade Federal de Mato Grosso, Av. Fernando Corrêa da Costa 2367, Boa Esperança, Cuiabá, MT 78060-900, Brazil. E-mail: marys_torres@hotmail.com A anemia crônica é umas das complicações mais graves da doença renal crônica, contribuindo para a morbidade e mortalidade causada pela doença; Portanto, a avaliação citológica da medula óssea é necessária para monitorar a progressão da anemia. Assim, esse estudo objetivou correlacionar a anemia em cães em diferentes estágios da doença renal crônica aos achados de bioquímica sérica, mielograma e concentração sérica de eritropoietina. Sessenta e três cães foram agrupados de acordo com a classificação da International Renal Interest Society (IRIS) em estágios 1, 2, 3 e 4. Foram realizadas análises hematológicas, bioquímicas séricas e urinárias, e dosagem sérica de eritropoetina para comparação com os achados medulares obtidos por citologia aspirativa do manúbrio. Os achados citológicos de hipoplasia eritróide foram descritos em 93,65% dos cães, e a anemia foi observada em 84,1% dos cães. Os resultados hematológicos foram correlacionados com azotemia (p<0,05). Concluiu-se que a hipoplasia eritróide teve associação com a anemia persistente em cães em todas as fases de doença renal crônica, com deficiência de ferro em cães em fases iniciais e com a destruição periférica dos eritrócitos causada pela azotemia.


#10 - Equine infectious anaemia in equids of Southern Pantanal, Brazil: seroprevalence and evaluation of the adoption of a control programme, 37(3):227-233

Abstract in English:

ABSTRACT.- Nogueira M.F., Oliveira J.M., Santos C.J.S., Petzold H.V., Aguiar D.M., Juliano R.S., Reis J.K.P. & Abreu U.G.P. 2017. Equine infectious anaemia in equids of Southern Pantanal, Brazil: seroprevalence and evaluation of the adoption of a control programme. Pesquisa Veterinária Brasileira 37(3):227-233. Embrapa Pantanal, Rua 21 de Setembro 1880, Bairro Nossa Senhora de Fátima, Cx. Postal 109, Corumbá, MS 79320-900, Brazil. E-mail: marcia.furlan@embrapa.br The working equid population in Corumbá, Southern Pantanal, is very large and has a crucial role in the main economic activity of the State of Mato Grosso do Sul, the beef cattle industry. The aim of the present study was to estimate the prevalence of equine infectious anaemia (EIA) in working equids of ranches in the municipality of Corumbá, by the official agar gel immunodiffusion (AGID) test, and evaluate the adoption of the Programme for the Prevention and Control of Equine Infectious Anaemia proposed by Embrapa Pantanal and official entities in the 1990s. From September to November 2009, forty ranches distributed through the area of the municipality were visited, and serum samples were obtained from 721 equines and 232 mules. According to previous publications and the present data, it was concluded that the prevalence of EIA in this population has increased from 18.17% to 38.60%, which represents at this time approximately 13,000 infected animals. There was no significant difference between the apparent prevalence of equines and mules. It was also verified that the control programme was not known by the greater part of the interviewed ranch owners, managers and foremen and, in their perception, EIA is not a primary threat to address. Among the studied variables, the serologic testing practice significantly reduced the risk for the presence of EIA seropositivity, as well as the separation of riding equipment and segregation of seropositives.

Abstract in Portuguese:

RESUMO.- Nogueira M.F., Oliveira J.M., Santos C.J.S., Petzold H.V., Aguiar D.M., Juliano R.S., Reis J.K.P. & Abreu U.G.P. 2017. Equine infectious anaemia in equids of Southern Pantanal, Brazil: seroprevalence and evaluation of the adoption of a control programme. [Anemia infecciosa equina em equídeos do Pantanal Sul, Brasil: soroprevalência e avaliação da adoção de um programa de controle.] Pesquisa Veterinária Brasileira 37(3):227-233. Embrapa Pantanal, Rua 21 de Setembro 1880, Bairro Nossa Senhora de Fátima, Cx. Postal 109, Corumbá, MS 79320-900, Brazil. E-mail: marcia.furlan@embrapa.br A população de equídeos de serviço em Corumbá, Pantanal Sul, é muito numerosa e tem um papel crucial na principal atividade econômica do estado de Mato Grosso do Sul, a pecuária de corte extensiva. O objetivo deste trabalho foi estimar a prevalência atual da anemia infecciosa equina (AIE) em equídeos de serviço em fazendas do município de Corumbá, pelo teste oficial de imunodifusão em gel de ágar (IDGA), e avaliar a adoção do Programa de Prevenção e Controle da Anemia Infecciosa Equina proposto pela Embrapa Pantanal e entidades oficiais nos anos 1990. De setembro a novembro de 2009, quarenta fazendas distribuídas na área do município foram visitadas, e amostras de soro obtidas de 721 equinos e 232 muares. De acordo com publicações anteriores e os dados obtidos neste trabalho, concluiu-se que a prevalência da AIE nesta população aumentou de 18.17% para 38,60%, o que representa atualmente cerca de 13.000 animais infectados. Não houve diferença significativa entre as prevalências aparentes de equinos e muares. Verificou-se, também, que o programa de controle era desconhecido pela maior parte dos produtores, gerentes e capatazes entrevistados e, na percepção dos mesmos, a AIE não é uma ameaça importante a ser enfrentada. Dentre as variáveis estudadas, a prática da realização de testes sorológicos reduziu significantemente o risco para a presença de soropositividade para AIE, assim como a separação dos equipamentos de montaria e a segregação dos soropositivos.


Colégio Brasileiro de Patologia Animal SciELO Brasil CAPES CNPQ UNB UFRRJ CFMV